A minha viagem de volta a Wonderland, finalmente!

Brilhante é pouco para descrever esse universo que eu acabei de ver com os meus próprios own olhos. Eu diria que é algo de extraordinário! Quando os estudios Disney anuciaram que um novo filme de “Alice In Wonderland” seria feito e ainda contaria com a direção de ninguém menos do que o pai do Edward Scissorhands, eu já sabia que só poderia vir coisa boa pela frenre! Quase que um sonho ter o meu clássico Disney preferido sendo dirigido por um dos meus diretores atuais preferidos. Passei a contar os dias a partir disso, ansioso mil!

E através desse novo e brilhante olhar eu fiz a minha segunda e sensacional viagem a Wonderland, ontém a noite. Contando com a companhia de antigos e queridos personagens só que com uma diferença, dessa vez o “síndico” do lugar dos sonhos era o Tim Burton, Yei! Preciso dizer mais alguma coisa? É claro que preciso! Chorei, do começo ao fim…fatão!

 

O universo recriado por Burton em seu novo trabalho com os estudios Disney é um absurdo de tão lindo. O tom azulado e sombrio tão característico dos filmes do diretor servem para dar o peso do drama na história, contrastando com todas as cores das maravilhas daquele país. Cores, muitas cores! O verde da grama é muito verde, o azul é bem azul, tudo é muito. Exageros que tornam as imagens do filmes únicas e singulares, além de maravileeeandras!

E quanta imaginação hein? Cavalos de brinquedo voadores com asas de borboletas e mini dragões são apenas alguns dos muitos detalhes do filmes. A cara dramática das flores da floresta, as arvóres com curvas exageradas e tmbm dramáticas se encontram com a natureza imperfeita do universo de Tim Burton. E parece que Edward Scissorhand andou por aquela floresta hein? Uma das coisas que mais me encanta em seu trabalho é esse dom que ele tem em enxergar a beleza no imperfeito. Trabalho primoroso diga-se de passagem.

 

Alice agora não é mais criança, já cresceu e esta prestes a completar 20 anos e com isso o peso de ser mulher naquele tempo começa a surgir, junto com a pressão de não se tornar um “peso” para a sua família. E para isso ela deve se entregar a um casamento arranjado do qual ela não concorda. Alice tem uma alma de heroina, contestadora e corajosa, do tipo que não aceita fácil qualquer imposição que venham a fazer à ela. E em uma tentativa de fugir desse destino, tentada mais uma vez pela imagem do coelho branco, ela acaba mergulhando no buraco escuro e embarcando novamente a um lugar que ela acredita ser apenas um sonho recorrente. Seja bem vinda a Wonderland novamente Alice!

 

Dessa vez a história é diferente, Alice foi praticamente convocada a voltar à Wonderland para enfrentar toda a tirania da enlouquecida Red Queen, que tem dominado o lugar desde que Alice partiu pela primeira vez quando ainda criança. Wonderland continua sendo um lugar de sonhos e absurdos, mas dessa vez existe algo mais obscuro no ar. E a missão de Alice dessa vez é derrotar o Jabberwocky e recuperar a coroa para a White Queen que foi roubada por sua irmã invejosa, a Red Queen.

 

E assim Alice segue por Wonderland, meio desacreditada pois ainda existe uma dúvida se essa agora jovem seria realmente a mesma Alice de outros tempos. Sendo assim, ao lado dos personagens mais foufos ever como o White Rabbit, Tweedledee & Tweedledum, Caterpillar, ela segue em sua busca de cumprir a sua missão nessa aventura, sendo ela a única esperança de devolver a liberdade para  Wonderland e suas criaturas.

 

Meu momento mais esperado foi o seu reencontro com o meu personagem preferido de Wonderland, o Cheshire Cat. Lindo e sedutor como sempre, ele aparece mais encantador do que nunca, com seu sorriso de meia lua e sempre com um ar  de misterio em tudo aquilo que diz. Foufo mil ele provocando o Mad Hatter, dizendo que o sonho dele era usar aquele chapéu.

 

E o que é o Mad Hatter do Johnny Depp hein? Sua interpretação é tão digna que não tem como não se apaixonar pelo atormentado personagem. Mais maluco do que nunca, suas nuances de humor mudam agora com mais frequência e um tom mais sombrio tmbm o cerca. Mas mesmo com toda essa nuvem negra ao seu redor, Johnny Depp conseguiu emprestar uma doçura para o personagem que é comovente. Um excelente trabalho de caras e bocas sem exageros, acertando o tom de comédia. Brilhante!

 

Se Depp já era sem dúvidas um dos meus atores preferidos ever, como o seu Chapeleiro Maluco ele acaba de conquistar o meu coração de vez, fatão! LOVE Mad Hatter, LOVE! E que essa parceria Burton + Depp continue para sempre. Sério, ele esta impagável no papel de Chapeleiro Maluco, Clap Clap Clap!

Outra que me deixou muito feliz com a sua primorosa interpretação foi Helena Bonhan Carter e a sua enloquecida Red Queen. Invejosa, divertida, arrogante, cômica e doce em alguns momentos, um verdadeiro presente ter a sua interpretação em um dos personagens mais deliciosos dessa história.

Seus momentos são tão cômicos no filme, que fica difícil de nomear a minha cena preferida. Mas a inicial, com os sapos em seu palácio, foi realmente muito divertido hein? Euri

Ficaria muito feliz em ver o seu trabalho sendo devidamente reconhecido e premiado por ae hein? Ela e Johnny Depp merecem hein? Fikdik

 

Os figurinos tmbm estão absurdos nessa adaptação da obra de Lewis Carrol. Alice tem várias trocas devido ao sua mudança constante de tamanho em Wonderland, que eu achei uma solução bem criativa e divertida para a personagem, que chega a aparecer nua em uma das cenas (mas não como vcs imaginam toleeenhos). Mas os demais persongens tmbm circulam pela história com figurinos absurdos, desde ao começo do filme onde todos estão no gazebo a espera do pedido da mão de Alice em casamento, até os personagens que circulam no palácio da Red Queen. Tudo muito bem eleborado e desenhado com muita criatividade, ricos em detalhes, coisa de quem gosta de moda neam? LOVE o figurino do White Rabbit, LOVE!

 

 

Vale dizer que todos os personagens foram muito bem cuidados nessa nova versão de uma obra tão querida. Todos muito dignos e com interpretações absurdas de seus atores, mesmo aqueles que não tem tanto destaque na trama. O que é de tão engraçada a White Queen da Anne Hathaway? Maluca coma a irmã, mas com um nível diferente de insanidade.

 

Um dos meus cenário preferidos do filme foi quando Alice teve que entrar no castelo da rainha pela primeira vez e para isso ela teve que atravessar um “pântano” de cabeças flutuantes que cercava o castelo, cabeças essas das vítimas da fúria da rainha que ordena a todo o momento “Off with the head!”. Uma fotografia sensacional! Off  With The Heads!

 

O filme é recheado de humor negor e piadeeenhas de duplo sentido escondidas por toda parte o que garantem o tom certo da comédia. O que não poderia ser diferente uma vez que sempre rolaram muitas especulações em torno dessa história que de tão incrível e popular que é pelo mundo, acabou ficando cheia de teorias e lendas em torno dela.  E muitas referências ao clássico animado da Disney tmbm estão presentes no filme, assim como algumas imagens da primeira visita de Alice a Wonderland, que me deixou beeem emocionado. Foufo mil!

E os cenários hein? Bom nesse caso foram praticamente inexistentes durante as filmagens, já que os efeitos e os truques de câmeras foram o ponto forte dessa produção. Mas o resultado final são de obras de arte, cada quadro de uma cena qualquer poderia estar pendurado em uma galeria de arte, ou na parede da minha casa, rs. Um filme lindo de ser ver, o nascimento de um clássico, certamente. Hello, Disney? Vamos modificar os parques e dedicar um bom espaço para o novo filme da Alice? Hein?

Ainda tem um momento “coreo” prometida e realizada pelo Mad Hatter que é sensacional (euri)!  No final, Alice repete o fato e é claro que euri de novo!

Ao final do filme podemos observar a transformação de Alice caminhando para a sua vida adulta como uma heorina, uma mulher diferente e a frente do seu tempo, que prefere seguir em busca dos seus sonhos a ficar acomodada em uma casamento abastado e infeliz. O que justifica o fato de ter sido escolhida por Wonderland e assim, já que Alice é capaz de entender os maiores absurdos do país das maravilhas, chegou a hora de conquistar o mundo! Go girl!

Eu que sou apaixonado por essa história desde quando ainda criança, me senti extremamente realizado com esse novo filme. Alice sempre foi o meu clássico preferido, sempre assistia ao filme quando criança que geralmente passava na semana de Natal na tv. Cresci amando os personagens, trabalhei pencas o tema no meu trabalho com moda e as vezes nos meus trabalhos como  designer tmbm e fiquei feliz igual criança quando ganha a sua primeira bicicleta quando ganhei o meu Cheshire Cat, presente dos meus primos foufos que trouxeram da Disney especialmente para mim (disseram que foi todo um báfu para acha-lo)  e que fica do meu ladeeenho aqui na messa do meu computador. Sou apaixonado por esse universo de imaginação e absurdos e fiquei completamente encantado com essa nova versão feita por uma das mentes mais criativas dos últimos tempos. Sensação de sonho realizado! Já posso dizer para todo mundo que o Tim Burton fez um filme para mim! (+1 porque ele tmbm fez o Edward para mim, neam?)

E como é dito no filme que as pessoas mais legais do mundo são um pouco malucas, acho que já posso me considerar supercool! Rá!

Thnks Tim Burton, mais uma vez vc me emocionou com a sua visão e sensibilidade! LOVE  (tears)

Etiquetas: , , , , , ,

14 Respostas to “A minha viagem de volta a Wonderland, finalmente!”

  1. Diego Says:

    E como é que vc já assistiu?

  2. Jana Says:

    Não tem nada feio nesse filme, impressionante

  3. Murilo Says:

    Quantas imagens! Todas muito lindas e só me deixam com mais vontade de assistir ao filme

  4. Mike Says:

    Vc é muito danado e consegue as coisas rapidinho né?
    E olha que eu procuro bem

  5. Leo Says:

    Esse eu não invejei porque eu também assisti e concordo com tudo o que vc disse acrescentando: é do caralho!

  6. Alice…The Alice? « The Modern Guilt Says:

    […] https://themodernguilt.wordpress.com/2010/03/20/a-minha-viagem-de-volta-a-wonderland-finalmente/ […]

  7. Porque o corvo se parece com uma escrivaninha? « The Modern Guilt Says:

    […] https://themodernguilt.wordpress.com/2010/03/20/a-minha-viagem-de-volta-a-wonderland-finalmente/ […]

  8. A minha nova estréia mais aguardada do ano: Scott Pilgrim vs The World « The Modern Guilt Says:

    […] ano eu fiquei ansioso mil com alguns lançamentos no cinema. Primeiro tivemos Alice In Wonderland, do Tim Burton, filme que eu aguardei ansiosamente, praticamente contando os dias para a sua […]

  9. E agora, a 2ª edição do The Modern Guilt Awards 2010 « The Modern Guilt Says:

    […] ano eu esperei como nunca pela versão do Tim Burton para o clássico Alice In Wonderland, que talvez tenha sido o meu maior post na história do Guilt. Tivemos tmbm o sensacional […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: