“Yes, they’re bigger” – a não tão sensacional mas ainda assim sensacional Season 4 de Mad Men

Dizer que a Season 4 de Mad Men pra mim não foi tão sensacional assim, pode até parecer radical para alguns, mas eu insisto em ser honesto aqui no Guilt com o que eu sinto em relação as coisas, portanto, prontofalei e nem confi! Mas também, uma série com o nivel tão elevado como Mad Men, mesmo quando não é tão boa assim,  continua excelente, fatão!

1965 definitivamente foi um ano de mudanças em Mad Men. Nova agência, novas parcerias, novas mulheres, mulheres antigas, alcoolismo, perdas, novidades e uma grande conta que escapa de suas mãos. É, realmente não foi um ano nada fácil para Don Draper, humpf!

O que eu gosto da série, é que para as pessoas que gostam de arte (ou que tem DDA, como eu), é possível ver a linha do tempo avançar se vc prestar atenção nos elementos de cena, figurinos, cenários e afins. O poster da Helvetica super colorido na sala de criação (graphic design feelings), os móveis maravileeeandros na sala do Roger e o quadro hipnótico de op art na parede do mesmo escritório. Todos sinais claros de que estamos avançando no tempo, assim como os assuntos abordados na série nos posicionam no ano correspondente ao fato.

Don Draper caminhou com confiança (como sempre) por essa nova fase de sua vida, mesmo sem a confortável posição e reconhecimento que a sua agência antiga o oferecia. Mas o cara já tem um nome que é importante no mercado da publicidade, foi inclusive premiado durante essa temporada e  seja em uma grande agência ou em uma principiante, todos sabem que quando o nome Don Draper é meniconado, vc pode esperar o melhor.

Enfrentou o desafio de encarar um novo começo bravamente, tanto pelo seu lado profissional, quanto em sua relação com a sua família antiga. Mudanças, muitas mudanças para a nova vida do homem divorciado em seu pequeno apartamento no Village.

Como sempre, muitas mulheres passaram pela vida de Draper, ainda mais agora que o posto de Sra Draper se encontra novamente disponível. Mas ao contrários das bem nascidas, artistas ou mulheres com cargos poderosos que Don costumava se relacionar, no final das contas a sua escolhida acabou sendo mesmo a sua atual secretária, Megan (que veio a ocupar o cargo depois do final tragicômico com a Sra que ocupava a vaga, cena da qual euri inclusive), que dessa vez é morena e tem uma beleza mais exótica do que a sua esposa antiga.

Por falar nela, January Jones definitivamente teve pouca participação durante essa Season 4, não? Talvez pelo volume de novos projetos no cinema do qual ela vem participando ao longo desse ano, mas fato é que a sua participação foi quase nula em relação a importância do seu papel para a série. Reapareceu no último episódio, visivelmente infeliz com o atual rumo da sua vida e expressando ainda algum sentimento por seu ex. Pois é, perdeu Betty!

E se a ex Sra Draper teve uma pequena participação durante essa temporada, outras duas figuraram entre os momentos mais legais e importantes da mesma. E eu estou falando de Peggy (sempre ela) e Joan, que pra mim são as duas grandes mulheres da série.

Joan vendo o seu marido ir para a Guerra, mantendo uma relação antiga (a qual eu acredito ser o seu verdadeiro amor) com Roger, de quem inclusive ela terminou o episódio esperando por um baby e mentindo para o seu marido a respeito da sua paternidade (após não encarar o aborto). E é dela a frase que inicia o título desse post, “Yes, they’re bigger”, fazendo uma brincadeira com o seu próprio maior atrativo, para alguns homens é claro. E como é linda não?

Aliás, eu percebi que eles reservaram várias piadas sobre as caracteristicas dos atores que interpretam os personagens na série para esse último ep, como quando na cena da lanchonete, o filho de Draper brinca com a dicção exótica da sua irmã Sally, que alias, é outro personagem que brilhou durante essa temporada não? Acho ela ótima, divertida mil toda apaixonada pelo vizinho problemático. Bem foufo. Só não entendi o pq que eles não mostraram ela e seu pai no show dos Beatles, humpf!

Agora, quem desde o começo, mesmo escondida atrás daquela franja horrorosa e de sua máquina de escrever e que vem brilhando sempre em Mad Men? E a resposta é bem óbvia: Elizabeth Moss e a sua sensacional Peggy, fatão! Todos os prêmios para ela, please!

Depois da declaração de amor, respeito e orgulho que ela recebeu do seu chefe Don Draper, ao final da Season 3, eu achei que dificilmente eles conseguiriam superar esse momento foufurice na série. Mas ai me veio o episódio da mala (4×07), onde ela e Don permaneceram juntos por quase todo o episódio, de igual para igual, discutindo, se estranhando, brigando e se conhecendo, tudo ao mesmo tempo. E o resultado disso foi um dos melhores episódios da tv de todos os tempos! Sério, eu daria um prêmio de perfeição para os dois depois desse episódio.

E quem diria que a Peggy, aquela garota tímida e pobre se transformaria nessa mulher ousada, a frente do seu tempo hein? Bom, eu diria! Na verdade, até disse por aqui eu acho, mas se não fiz isso ainda digo agora: pra mim, Peggy é um ícone para a mulher moderna, um exemplo de como as coisas já foram bem piores inclusive. Girl Power!

Até nua ela ficou durante essa temporada, tudo em nome do seu trabalho, que ela realiza dignamente. Ou melhor, que ela realiza profissionalmente, como poucos diga-se de passagem. E o mais legal de tudo é o desconforto que faz parte do seu olhar, o que eu acho sensacional! Mas Peggy vem se tornando uma mulher mais confiante e competente tmbm, fatão!

E cada vez mais, ela e Draper se tornam praticamente um só, ou uma versão um do outro, de tão parecidos que eles são. Draper ganha uma nova amiga como substituta de alguém que se foi e Peggy ganha outro amigo, que é seu chefe e que a admira pelo seu trabalho. Howcoolisthat?  Acho linda essa relação entre os dois e entendo completamente a “quase revolta” dela ao final do episódio, conversando com a Joan sobre a nova escolhida do chefe. (euri)

Jon Hamm por sua vez, ganha cada vez mais espaço no meu coração, seja por seu impecável Don Draper, ou por suas participações impagáveis em 30 Rock ou no SNL. Sério, que homem é esse? Um sinônimo para ele? Perfeição é a palavra, rs. Apesar da sua inegável beleza, ele não é perfeito. Não tem o corpo igual ao de um super herói, não é depilado como a maioria dos galãs e ainda é meio dentuço. Mas ele me lembra os galãs do cinema antigo, homem antigo na verdade. Acho inclusive que ele seria um ótimo representante dessa “nova beleza”, mais natural e real. (mesmo ele estando totalmente acima da média, rs)

Durante essa temporada Don Draper percebeu que estava abusando um pouco do alcool e começou a se controlar, perdeu mais do que ganhou nos negócios, adquiriu um novo hobbie, um não, dois! E começou a dividir o seu tempo entre suas braçadas na piscina e o seu diário pessoal. E ai vc se pergunta, diário pessoal Don Draper? Dafcuk? E tudo se explica a caminho do final, com a sensacional carta do seu personagem para o Times falando sobre a  “quebra” da sua relação com a indústria americana do tabaco e convenientemente relatando o mal que o cigarro pode causar para a vida das pessoas, um vez que a Lucky Strike não faz mais parte do seu case de clientes. Eu diria que essa atitude foi algo além de brilhante. Clap Clap Clap Don Draper!

Lindo tmbm foi vê-lo descobrindo a doença da sua grande amiga de vida, a única pessoa que sabia da sua história e consequentemente a sua morte. Achei bem digno ele ter levado os seus filhos para conhecer a casa de sua amiga no episódio final, quase como um sinal de respeito a alguém importante para ele, alguém da família. Cool!

Mesmo com tudo isso, eu ainda acho que faltou alguma coisa para essa temporada ser tão sensacional quanto as demais, mas talvez essa seja apenas a minha impressão (e ainda tivemos o histórico ep 4×07). Mas por favor sejam inteligentes e não leiam isso como uma crítica, porque como eu disse, quando uma série que atinge o nível que Mad Men atingiu e tem uma temporada não tão sensacional, mesmo assim vc pode esperar coisa boa, muito boa eu diria. E pronto, já fiquei com saudades de Mad Men. Chega logo Season 5!

ps: e o AMC continua com as melhores séries da tv atualmente, fatão! Suck it HBO! Ahhhh, e a trilha ao final dos eps continua leeeandra!

Etiquetas: , , , , , , , ,

2 Respostas to ““Yes, they’re bigger” – a não tão sensacional mas ainda assim sensacional Season 4 de Mad Men”

  1. Fezinha Says:

    Amo os comentarios que vocês fazem. Vocês sabem me dizer quando vai começar a nova temporada de Mad Men e se vão continuar fazem comentarios dos episodios? Estou super ansiosa pra ver, quero saber como estão todos os funcionários da Sterling Cooper.

    • Essy Says:

      Thnks!

      A nova temporada de Mad Men (Season 5) estreia dia 25/03 no AMC da america antiga, data que já está logo ai. Mas por aqui, a HBO ainda não definiu uma data para a estreia da temporada, mas a ideia inicial é que isso ocorra até o final de Abril.
      Como a série ficou bastante tempo sem novos episódios, a estreia dessa vez será especial, com um episódio de duas horas de duração para marcar a volta de Mad Men. (5×01 “A Little Kiss”)

      Por aqui geralmente a gente comenta a estreia e um ou outro episódio realmente excelente por algum motivo a mais. Mas normalmente eu faço mais reviews sobre a temporada completa, assim que ela é encerrada. (por falta de tempo, pq eu adoraria comentar todos os eps)

      Mas também estou bem ansioso para esse retorno. Yei!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: