É, acho que as crianças estão preparadas…

Direto e delicado e sexy ao mesmo tempo. Um casal normal vivendo a crise da meia idade, “living the dream” em sua grande casa no suburbio, lidando com o fato de que os seus filhos já não são mais crianças e todo o resto que acompanha o pacote “família”. Basicamente, esse é o tema de “The Kids Are All Right”, acrescentando o detalhe de que o casal da vez é um casal gay, um casal de mulheres, mas que nem por isso se torna o ponto central da história, sendo apenas um detalhe mesmo.

O que eu achei de mais importante no filme é que ele não levanta grandes questionamentos, bandeiras ou qualquer coisa do tipo como de costume. Tudo é muito mais simples do que isso e na verdade a história poderia acontecer com qualquer outro casal (e como acontece…). Clap Clap Clap Lisa Cholodenko (Hung, A Sete Palmos, The L World)

O filme aborda a questão do relacionamento entre famílias, ou o que alguns gostam de chamar como “nova famílias”. Eu acho o termo até que ok, uma vez que novas possibilidades de família vem surgindo. Que eles acham que vem surgindo agora, porque na verdade, sempre existiram, fatão! A diferença é que agora eles mostram a sua cara e exigem os seus direitos, como todo o resto do mundo. Finalmente!

Conversas deliciosas regadas a muit vinho e  comida orgânica entra filhos e  pais com almas hippies. De um lado, a mãe liberal (Julianne Moore), que desistiu da carreira por conta da sua família e que agora se permite aventurar por novos caminhos. E nesse caso, a escolha da vez é o paisagismo (que eu AMO!). A outra, a provedora da família, médica (Annette Bening), que traz o bolo de dinheiro maior para casa mas que nem por isso é a mais importante (mas as vzs se esquece disso). Essa, sonhou um dia com a família perfeita, com esposa e filhos , mas acho que nunca pensou muito no que isso representaria para a vida e sonhos da outra.Ambas com um filho cada, do mesmo pai, um até então desconhecido doador de esperma.

Até que a curiosidade dos filhos fala mais alto e eles acabam encontrando o tal “pai”. E a partir disso, todos tem que aprender a lidar com a presença de mais um membro da família e tentar conhece-lo.

A gente tende a achar que a família do outro é sempre mais legal do que a nossa, principalmente quando se é jovem. Os seus pais sempre te deixam envergonhados, mas os pais dos seus amigos (que fazem praticamente as mesma coisas que os seus), esses sim são legais. To-los!

Na verdade, basta vc olhar com mais atenção que vai acabar percebendo que família é tudo igual. A diferença são os métodos, as crenças, os princípios. Isso sim faz toda a diferença, as o fundamento é o mesmo.

Mas esse tipo de coisa não é tão fácil de ser percebida, é preciso muito tempo de convivência para isso e talvez por isso sejamos tão experts sobre as nossas próprias famílias, ou pelo menos o que conhecemos dela (…). E com tanto conhecimento sobre o assunto vem as frutrações, as opiniões diversas e algum julgamento. Dra-ma!

A questão da traição no filme, de uma das mães com o pai “biológico” das crianças eu achei um tanto quanto sacanagem. Mas é difícil parar para pensar no quanto aquele erro que vc esta cometendo poderá influenciar a vida das demais pessoas relacionadas com o problema, não? Quem nunca?

Essa sabedoria eu gostaria de ter (eu e o resto da humanidade), mas na maioria das vezes o impulso fala mais alto (e outras coisas também, rs). Egoísmo puro eu diria, principalmente quando vc não se importa com a relação dos seus atos impensados na vida dos demais, humpf!

Só acho que nesse caso, o caso poderia ter sido com a namorada do doador neam? Eu acharia bem chic! (rs)

Mas como resistir ao Mark Ruffalo? Ainda mais quando ele parece um rebelde que deu certo, apostou no seu sonho e se deu bem, amigo da natureza (euri)  e ainda me aparece vestindo couro e em cima de uma moto neam? Muita magia a ser resistida, fatão! Difícil lutar contra e talvez por isso eu tenha perdoado a Julianne Moore nessa.

Na verdade,  pra mim, o quesito “traição” sempre só pode ter dois motivos:

Motivo 1: Big T, também conhecido como pura sacanagem!

Quando vc acha que não da para resistir, por algum motivo, seja ele físico, químico ou whatever! Acontece e eu acho esse até que compreensível. (e isso não quer dizer “perdoável”, que fique bem claro para quem interessa, rs)

Motivo 2: Falta de atenção da outra parte. Clássico!

Na verdade, a grande desculpa de uma maioria de traidores (rs). Um se sente menos valorizado pelo outro do casal e por isso resolve ter um caso. Esse tipo de situação eu acho bem pior na verdade, porque é quase uma regra que quem faz esse tipo de coisa por esse motivo, faz pura e simplesmente para magoar de alguma forma o outro e não para satisfazer o seu próprio prazer, o que eu acho triste na verdade. Acho essa forma de traição mais maldosa e talvez por isso eu ache pior (mesmo achando as duas formas erradas neam? De novo, que fique bem claro a quem possa interessar, rs)

No final, um discurso direto e sincero, em frente aos filhos que fazem parte do problema e participam dele, ao contrário do que acontecia no passado, quando os filhos eram ignorados nessa hora e assim vem o pedido de desculpas da forma mais honesta possível, revelando a quem realmente interessa o quanto difícil é o casamento. Revelando o quanto é difícil envelhecer ao lado de outra pessoa, dividindo o dia a dia e o quão exaustivo isso pode ser. E a certeza de que as coisas podem ser resolvidas, pelo menos para alguns…

Achei esse um dos melhores discursos sobre traição e ou “pedido de desculpas” mais honesto do cinema atualmente. Uma excelente alternativa para quem esta passando por algo parecido ter uma idéia de como lidar honestamente com o problema.

Filme delicioso, recheado de piadeeenhas sutis,  sobre família e seus problemas, que eu recomendo para todos os meus leitores assistirem comendo um salada de produtos orgânicos e com “produtos orgânicos” eu quero dizer M&M’s (o pacote grande!)

ps: mais uma vez eu gostaria de deixar registrada a minha indignação em relação as traduções dos títulos dos filmes do inglês para o português. Nesse caso por ex, o título do filme por aqui ficou como “Minhas Mães e Meu Pai”, howlameisthat? Totalmente apelativo e sem a menor ligação com o propósito ou o fundamento do filme. Sinceramente, eu aceitaria esse trabalho, pq títulos como esses, afastam pessoas como eu dos cinemas, fikdik.

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: