Born to Die, Lana Del Rey (♥)

Esqueça todas as polêmicas, não dê ouvidos as fofocas e corra para ouvir o álbum da Lana Del Rey, “Born To Die”, que é ótimo, foi lançado no último dia 31 e como já era de se esperar, o álbum já estava em primeiro lugar no iTunes em 14 países.

Merecidamente até, eu diria, porque faz tempo que nós não temos uma boa cantora surgindo com fundamento, letras sensacionais e tanto assunto em torno do seu nome, sejam eles bons ou não. Certamente, Lana Del Rey será um nome que ouviremos bastante durante 2012.

Desde que eu comecei a prestar atenção na moça, foi amor a primeira vista. Gosto da atitude blasé dela no palco, com cara de quem não se importa com a opinião alheia,  mas que se concentra e modifica a sua voz como ninguém no meio de uma mesma frase de suas músicas, talvez como estratégia para acordar o público do transe das suas letras melancolias e magoadas, gosto também do deboche e do cinismo das suas letras, tão diretas e aparentemente sinceras, além do fato dela estar ruiva no momento e isso por si só, vcs sabem que já é um ponto positivo no meu caso.

Mas, além de tudo isso, Lana tem uma voz deliciosa, em todas as suas versões, da mais grave até aos seus doces e sexys suspiros. Höy!

Eu, desde já agradeço por “Born To Die” ter chegado nesse começo de ano, para nos garantir uma boa companhia por todo o ano de 2012. Sinto que estaremos bem acompanhados.

Se ela foi produzida, se esse fundamento todo é algo forçado e pouco real, na verdade isso não importa mais, e se for verdade, pelo menos o trabalho foi bem feito (rs). Lana Del Rey fez o seu début da melhor forma possível, atraindo as atenções e provando com boa música, que não importa o que falem dela e aliás, tudo fica bem pequeno, quando ouvimos qualquer um dos seus hits em suas performances que hipnotizam. Tudo bem que ao vivo, nem sempre ela esteve em seu melhor dia. Mas quem nunca? Quem nunca se sentiu pouco criativo, tentou fazer algo novo e não gostou do resultado final? Acontece.

Como de fato aconteceu no SNL, quando ela cantou o seu grande sucesso “Video Games”, (e eu já disse que gostei de “Blue Jeans”) e isso não tem como negar, mas todas as suas outras performances ao vivo até agora, provam o contrário.

Mas agora vamos falar do lançamento, que é o que interessa. Fazem 2 dias que eu estou nessa audição da versão Deluxe de “Born To Die”, que tem 15 faixas e eu já me encontro completamente viciado nele, e essas foram as minhas primeiras impressões sobre o álbum:

“Video Games” + “Born To Die” = HITS. Equação simples, fácil de resolver. Mas pra mim, a minha versão preferida de “Born To Die”, do tipo inesquecível, é aquela que ela apresentou à beira da piscina no Chateau Marmont (acima), na pool party da Mulberry. Inesquecível!

“Blue Jeans” – outra das minhas preferidas de algum tempo (e de todo mundo). Adoro a forma como ela brinca com a voz ao longo da música.

“Off To The Races” – essa nós também já tínhamos ouvido antes e achado deliciosa. Aliás, AMO esses samplers que ela usa ao fundo, AMO. Acho que deixa a forma antiga que ela usa para cantar, com cara de moderna com essa batida meio hip hop ao fundo. Quase que como se ela estivesse determinando que apesar de parecer uma voz antiga em alguns momentos, ela é uma artista contemporânea e isso fica bem claro através desse fundamento, quando ela ensaia uma espécie de rap que não é exatamente um rap no meio de uma de suas canções. Certamente, uma das faixas mais diferentes e bem boas do álbum.

O que é o mesmo caso de “Diet Mountain Dew”, que é o meu novo vício. Acho a batida deliciosa e letra (tão verdadeira, não?) é sensacional! E eu não paro de ouvir, tipo meu novo vício. (mesmo sabendo que ele não é bom pra mim, rs)

Na sequência temos “National Anthem”, que eu acho até que boa, apesar de não ser das minhas preferidas e “Dark Paradise”, que eu acho que poderia ser de outra pessoa até, música feita para radio, sabe? (alguém ainda ouve rádio?) A qual eu não sou muito fã, junto com “Carmen” e “Lolita”, essas sim que eu acho bem meio assim. Mas talvez seja a primeira impressão falando mais forte por enquanto.

“Radio” começa lindamente, com um dos vocais mais maravileeeandros do álbum, acompanhada por um refrão delicioso. Lenta, mas bem gostosinha. Imagino usá-la como trilha em diversos momentos diferentes do dia, rs. (Höy!)

“Million Dollar Man” lembra algo antigo, que nós já ouvimos, só que agora, ouvimos em uma versão mais desbocada, talvez. “Summertime Sadness” tem esse título ótimo, que acaba com aquela teoria da alegria forçada de verão, que nós, pelo menos aqui no Guilt, morremos de preguiça,  rs. Mas fica só no nome, porque a faixa também não é das minhas preferidas. Humpf!

“This Is What Makes Us Girls” é excelente, uma das minhas preferidas ever! Ouço repetidamente sem cansar, sério. Gosto dos vocais, do fundamento e de novo a letra, que é ótima. Moderna e foufa.

Uma das faixas mais tristes sem ser descaradamente triste (confuso…) do álbum é “Without You”, que é calma e também tem um vocal bem especial. Outra das que eu ouço no repeat e já coloquei em todas as minhas mixtapes de gadgets diferentes, rs.

“Lucky Ones” convida para uma escapada, como se o álbum todo fosse um convite para fugir com alguém especial para outro lugar. Foufa.

Não sei vcs, mas quando eu ouço Lana Del Rey, eu acho que ela combina exatamente com o clima do video de “Video Games”. Eu penso (e me sinto) em um filme antigo, ambientado nos 60’s talvez (ao mesmo tempo eu acho que ela caberia perfeitamente na trilha de um filme do Tarantino, ou da Sofia Coppola, com a Kirsten Dunst e seu olhar melancólico no papel principal), com uma personagem com o cabelo lá pro alto, um olho preto de Twiggy bem marcado, andando de um lado para o outro com uma roupa bem leve e transparente,  magoada, com um ou dois martini glasses jogados sobre o tapete da sala, pensando em alguém especial que tenha se revelado meio assim ao longo do tempo, ou com o histórico de uma história de amor mal resolvido. E de fundo, aquela iluminação natural de luz do dia completando a ambiência, sem ser luz de sol exagerado de verão. Sabe?

Fico pensando se só eu me imagino em todo um cenário quando gosto de algum álbum ou música?

Enfim, voltando a realidade, acho mesmo que música é isso, são sensações e todas as que eu senti ao ouvir “Born To Die” pelas primeiras vezes foram as melhores possíveis. Mas tem que esquecer o hype em torno do xoxo gratuíto e ter a experiência por vc mesmo, buscando a sua própria opinião sobre o assunto, o que é sempre bem mais interessante e menos preguiça.

Acho o álbum despretensioso, acho sincero e acho que vale a pena.

Go girl!

Etiquetas: , , , , , ,

2 Respostas to “Born to Die, Lana Del Rey (♥)”

  1. Jubs Says:

    Você não está sozinho no mundo, my friend. Também sou dessas que imagina todo um cenário para uma música e compartilho a mesma impressão de que nossa Lana Del Rey-Lana Del Rey-Lane Del Rey lembra um dia de verão 60′s/70′s. Adorei o cd, ela já é a Diva de 2012. Palmas pra ela e lógico, SUCESSO! Go girl!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: