A nostalgia em preto e branco de The Artist

Um filme lindamente nostálgico. Talvez não tenha melhor definição para descrever “The Artist”, produção independente francesa, dirigida por Michel Hazanavicius, em preto e branco e quase inteiro mudo, e que se não fosse por esse detalhe, o de ser um filme quase que inteiro mudo, “The Artist” seria apenas um outro filme qualquer seguindo a linha do fundamento antigo do cinema.

Mas será possível fazer cinema hoje em dia, sem utilizar dos grandes recursos tecnológicos de Hollywood?

E a resposta é SIM (em caixa alta + bold), é possível fazer cinema com qualidade abrindo mão de todos os recursos tecnológicos que nós temos hoje em dia,  e sapateando lindamente na nossa cara, “The Artist” chega dando muito bem o seu recado e de cera forma até acaba colaborando para que todo mundo comece a pensar, pelo menos um pouco, na velocidade dos avanços que hoje nós enfrentamos quase que diariamente. (…)

O filme se passa entre as décadas de 20 e 30 e com isso ganhamos todo o charme e o romantismo de uma época que não vivemos (mas adoraríamos dar umas voltinhas por lá, não é mesmo Woody Allen? 20’s, junto com os 70’s,  sempre foram as minhas décadas preferidas). Figurinos sensacionais, extremamente românticos, chapéus deliciosos e um tipo de beleza feminina que hoje em dia quase que não se é mais valorizada. Algo que eu pelo menos considero uma pena.

No longa, temos o personagem George Valentin, interpretado maravilhosamente pelo ator Jean Dujardin, que já vem de fábrica francesa com essa cara pronta de galã antigo (Höy!) e todo o seu talento demonstrado no longa justifica e muito todas as suas indicações aos grandes prêmios do cinema desse ano. No longa, Valentin é um ator do cinema mudo em bastante evidência durante os anos 20, cercado do sucesso e dos benefícios que a fama de ser um grande astro naquela época pode lhe trazer.

Ao final da década, um grande avanço acontece na indústria do cinema com a chegada do som, uma novidade que viria para acabar inevitavelmente com o cinema mudo. O ator, conhecido por ser o grande representante dessa arte agora já considerada obsoleta pelos grandes diretores e investidores do cinema, acaba rejeitando completamente a novidade, tirando sarro do assunto e não aceitando nada bem essa novidade e com isso, acaba também se tornando um ator decadente entrando em esquecimento por não ser mais nenhuma novidade, encarando o fato do seu tempo já ter passado.

No meio desse drama todo de encarar a evolução, o que nunca é fácil para ninguém (e para isso, podemos pensar um pouco em como os nossos avós se sentem vivendo no mundo cada vez mais eletrônico de hoje em dia, por exemplo…) temos ainda uma personagem em destaque, Peppy Miller (Bérénice Bejo), uma aspirante a atriz que acaba entrando sem querer na vida de Valentin, com quem ela acaba trabalhando uma única vez no cinema. Entre inúmeros takes e ensaiando uma coreô animada de charleston nesse único trabalho dos dois juntos, eles acabam se envolvendo e se apaixonando, mesmo sem se declarar abertamente uma para o outro, além do que, Valentin é um homem casado.

E enquanto George Valentin continua insistindo em não se render ao poder do som da indústria do cinema, Peppy Miller acaba ganhando espaço na nova forma de se fazer filmes, fechando contrato com o antigo estúdio de Valentin, tendo o seu nome subindo aos poucos nos créditos dos filmes, de extra a coadjuvante a atriz principal  (detalhe que eu achei delicioso) e se tornando em pouco tempo, a nova queridinha da america antiga.

Bacana que para mostrar esse evolução, eles acabam utilizando o recurso do sonho (pesadelo na verdade), para mostrar que o mundo todo agora pode ser ouvido. Para isso, a trilha sonora que é tão presente no longa quase todo (como na maioria dos filmes do cinema mudo) acaba ficando de lado, dando espaço para o barulho do vidro tocando a mesa, o latido do cachorro, gargalhadas de bailarinas que circulam pela vizinhança ou até mesmo o barulho de uma pena caindo do céu. Outro detalhe importante para determinar a passagem do tempo no filme, são os cartazes da atriz Peppy Miller em suas produções, capas de revistas e outdoors que vão surgindo para demonstrar como ela está fazendo um grande sucesso naquele período, o que é uma delícia para quem estudou um pouquinho que seja de história da arte, do design ou tipografia por exemplo.

Peppy é uma mulher a frente do seu tempo, ousada, focada em sua carreira, ela acaba conseguindo todo o sucesso que merecia, com uma pequena ajudinha de Valentin até (brilhante essa ajuda, que acaba trazendo a tona uma lenda antiga que nós conhecemos), mas não sem antes magoar o seu grande amor, mesmo sem ser essa a sua intenção, com um entrevista dizendo que os velhos atores deveriam abrir espaço para a nova geração.

Valentin por sua vez, apesar de ser cabeça dura em relação as mudanças e insistir no seu fundamento, acaba tentando resistir bravamente as novas técnologias e passa a escrever, dirigir e atuar em suas próprias produções, tentando manter viva uma arte que já estava sendo esquecida.

Mas é claro que o interesse das pessoas já não é mais o mesmo e encarando os cinemas cada vez mais vazios para os seus filmes ainda mudos, o ator agora também diretor, acaba se afundando em dívidas e consequentemente vai se tornando uma pessoa amarga em relação a vida e suas próprias frustrações. Em casa, por exemplo, sua relação fria com a mulher acaba se esgotando por completo e Valentin se vê sozinho, sem dinheiro, tendo que se desfazer dos seus bens para sobreviver e tudo isso sem muito reconhecimento por seu trabalho no passado, mostrando como tudo sempre foi tão efêmero (beijo Professor Tarcísio!, que é sempre de quem eu lembro quando uso essa palavra, rs) dentro dessa indústria que sempre movimentou milhões. O que nos faz lembrar de grandes atores que enlouquecem do dia para a noite por encarar o declínio em suas carreiras.

E sutilmente a expressão do ator vai ganhando mais peso, o seu corpo também, vai ficando mais pesado e o olhar de galã de antes, dá espaço para um homem enlouquecido e desesperado por não conseguir viver de suas paixões. Paixões dito no plural, por ele manter em segredo o seu interesse por Peppy, mesmo depois de estar separado da esposa, além do seu amor pelo cinema mudo, é claro.

O engraçado é que “The Artist”, apesar de ser uma produção francesa, conta também com atuações de atrizes e atores veteranos do cinema americano, como o John Goodman, Malcolm McDowell, Beth Grant e James Cromwell, esse último que aliás, tem um papel excelente de lealdade  na pele do motorista Clifton, que permanece ao lado do ator mesmo estando sem receber nada por mais de um ano. E a cena em que ele é despedido e mesmo assim, aparece no outro dia pronto para trabalhar, é uma das mais sensíveis do filme.

Outra das minhas cenas preferidas do filme é quando ainda no começo da sua carreira, durante o primeiro trabalho ao lado de George Valentin, Peppy Miller acaba invadindo o seu camarim e ensaia uma espécie de “mímica” com um de seus tux pendurados no cabideiro.

Discutindo um pouco agora sobre o tipo do filme, não deve ser nada fácil interpretar no cinema mudo, onde todo o trabalho está na linha dos olhos, na expressão corporal, onde vc não tem um recurso natural para se comunicar. E ambos os atores principais fazem um ótimo trabalho nessa área, onde em companhia da trilha sonora perfeita para cada cena, vc pouco sente falta da fala nesse caso, que é substituída vez ou outra por legendas. Algo que funciona também como um ótimo exercício de leitura labial, rs.

Mas como eu cheguei a esse ponto do filme sem mencionar a participação mais do que ilustre  e fundamental do grande coadjuvante em cena, o cachorro Uggie da raça Jack Russel Terrier em “The Artist”?

O cachorro realmente rouba a cena em diversos momentos do filme, com uma química fora do comum até, como o ator Jean Dujardin. Em um determinado momento do longa, ambos mantém a mesma expressão e gestos, de uma forma encantadora. Ele que tem um importante papel na vida do ator, que acaba funcionando com um dos seus grandes heróis nessa história, salvando a vida do seu dono no momento de um incêndio quase que fatal para ele.

A reta final do filme caminha para o desespero de um homem disposto a tudo, menos dar o braço a torcer, enfrentando o novo desafio em sua carreira, mesmo ganhando pelas mãos da Peppy Miller a possibilidade de voltar a atuar, desde que ele aceitasse as novas possibilidades no cinema. Nesse momento, eu já estava até cansado de pensar no porque que ele não aceitou entrar para o cinema com som e o porque de tanto terror em aceitar a evolução da arte que ele dizia amar? Não seria possível que todo esse drama fosse apenas para bater o pé e sustentar algo que ele acreditasse…até que, BANG!

Com um detalhe sensacional e que eu não vou contar aqui, tudo é explicado sutilmente no final 9talvez algumas pessoas nem percebam), após uma coreografia maravileeeandra de sapateado e o único momento com a voz dos atores no filme se fazendo presente. Sencacional! Clap² Clap² Clap²! (dessa vez duplos, pq são palmas e eu sapateando ao mesmo tempo, rs)

Com uma história simples, deliciosa e reflexiva, usando de uma técnica esquecida de se fazer cinema, “The Artist” se consagra como um filme audacioso, capaz de levar as pessoas as salas de cinema para assistir um filme mudo, isso em 2012 e todo o excesso de Kinoplex e sistemas de som super potentes  que nos cercam e tomaram conta de todos os cinemas antigos e de rua que hoje quase que já não existem mais (aqui em SP pelo menos, eu só conheço uns 2 que são do tipo que  passam filmes fundamento e não de sacanagem, rs), mostrando que é possível sim fazer cinema de qualidade sem recorrer aos recursos facilitadores e preguiçosos de Hollywood.

Ainda assim, preciso dizer que “Midnight In Paris” continua sendo o meu favorito ao Oscar do finde, mas confesso que se “The Artist” acabar levando o prêmio, embora a armação preta e grossa dos meus óculos entregue a minha torcida para o Woody Allen (armações que poderiam ser confundidas também na torcida do Scorsese), eu vou ficar bem feliz se o filme mudo e em preto e branco acabar levando o grande prêmio da noite.

Vou me sentir no mínimo vingado, por todos os outros filmes preguiça que ocupam espaços na salas de cinema o tempo todo, onde hoje em dia está cada vez mais difícil encontrar uma sala em horário descente para se assistir um filme sencaional como “The Artist”. Humpf!

Anúncios

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , ,

Uma resposta to “A nostalgia em preto e branco de The Artist”

  1. The Modern Guilt Awards 2012, a quarta edição do prêmio mais sensacional de todos os tempos « The Modern Guilt Says:

    […] deixar de ter visto e precisava conferir antes que fosse tarde demais. (“Shame” ,  “The Artist” ,  “We Need to Talk About Kevin” ,  “Carnage” ,  “The […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: