Damages Season 5 – E ae Patty Hewes? Valeu mesmo a pena?

Quando a série foi cancelada no passado, no alto da sua excelente Season 3, onde diga-se de passagem que ela se encontrava em sua melhor forma, essa foi a pergunta que praticamente acabou encerrando a temporada, o que naquela altura poderia ter sido o final da série. E ae Patty Hewes? Valeu a pena? Mas para a nossa sorte e conforme as suspeitas, Damages foi salva pela DirecTV, ganhando assim mais duas temporadas, o que todos nós fãs da série acabamos comemorando. Depois disso, o retorno em um novo canal para a Season 4 acabou não sendo dos melhores, não só porque esse retorno acabou seguindo uma temporada praticamente perfeita da série (a melhor delas, talvez?), mas também porque tudo foi relativamente mais fraco do que estávamos acostumados a encontrar em Damages. Algo havia mudado.

Apesar da essência da série ter permanecido a mesma do começo ao fim, é inegável que as coisas mudaram depois desse “cancelamento cancelado”. Antes eles conseguiam brincar com maior facilidade com a nossa cara, de forma bem cínica mesmo, isso antes de transformarem a série em algo um tanto quanto didática demais, meio que investindo no passo a passo de todos os seus acontecimentos. Patty nunca foi uma mulher de grandes explicações, de perder tempo explicando seus passos e sim uma mulher de ação, da qual suas medidas, muitas vezes extremas porém necessárias no ponto de vista dela, acabavam sendo resolvidas naturalmente e juntamente com a resolução do caso da temporada, sem precisar perder muito tempo deixando tudo muito “claro demais” o tempo todo, onde no final todas as pontas da história sempre acabavam sendo muito bem amarradas. Algo mais ou menos como “Sabe essa malandragem que eu fiz aqui? Esquenta não bobo, vou te contar o porque de tudo isso, vem cá, vem…”.

E essa Season 5 que seria a última da série, seguiu mais ou menos a mesma linha, apesar dela ter sido muito melhor do que a anterior, embora também tenha sido meio arrastada e nisso nós vamos ter que concordar. Não arrastada no sentido de enrolação ou filler, coisa que ptaticamente nunca existiu em Damages, mas sim pela forma como tudo foi solucionado a medida em que todo mundo sabia que essa era a temporada final da série, que prometia o grande confronto Ellen Parsons vs Patty Hewes no tribunal, além de já nos entregar logo de cara e ainda em seus promos, teasers e afins, uma imagem clara da Ellen estatelada no chão e uma poça de sangue, no que indicava que ela teria “caído” de um prédio, ou sido jogada do mesmo, é claro. (uma segunda opção que parecia ser mais provável até…)

E uma temporada final de Damages que nos prometia a cabeça da Ellen em uma bandeija de prata, mesmo que isso fosse na realidade as ruas de um beco qualquer de NY (rs), já tinha tudo para ser boa, ainda mais se centrada na grande batalha final das duas, que começou com a Ellen aceitando depor no caso do Michael pela guarda da filha contra a mãe, Patty Hewes e foi seguida pelo grande crime da temporada, baseado na história do Wikileaks.

Um caso um tanto quanto chato, apesar da execução da sua vitima ter sido feita de uma forma super cruel e mesmo assim ter resultado naquela cena linda, com a mulher largada em uma banheira cheia de sangue. Tudo bem que a vítima nem era tão vítima assim e que como quase todo mundo na série, ela também escondia um lado obscuro. Mas o grande personagem do caso era mesmo Channing McClaren (nome que eles repetiram tanto quanto “sanguinistas” em True Blood), que era a mente a frente do site de vazamento e que desde o princípio foi pintando como vilão, o que a gente também sabe que quando acontece em Damages, quase sempre indica que no final, ele não era tão vilão assim. (ele que foi interpretado pelo ator Ryan  Phillippe, Höy!)

Um caso que novamente não foi tão intrigante como os das três primeiras temporadas. Não sei exatamente o porque, mas acho que nesse caso, as reviravoltas foram poucas e quando aconteceram, já estavam sendo meio que aguardadas. Tivemos o caso do McClaren com a vítima, que todo munda já suspeitava porque estava no promo e também porque aquela mulher passou pelas mãos de todo o 1% de Wall Street, não? Aí tivemos ele carregando uma peruca dentro da calça (não, eu não estou brincando), se encontrando disfarçado apenas para não ser reconhecido por câmeras de segurança ou coisas do tipo para evitar escandâlos. Mas se ele tinha tanto medo assim de ser reconhecido ou se precavia de tal forma, passando aquele ridículo com sua peruca de quinta, como é que ele caminhava sozinho pelas ruas de NY a noite, encontrando pessoas de cara limpa em bares da cidade?

Algumas coisas também ficaram soltas no desenrolar dessa trama, com o envolvimento do tal banco e os demais personagens. Victor Garber então, acabou participando bem pouco da temporada e saiu totalmente impune, assim como o outro cara que patrocinava o site de Channing McClaren, mas que era cheio de segunda intenções e estava mais do que envolvido com o lado podre da história. E essa impunidade nunca foi muito a realidade de Damages, embora Patty tenha prometido que iria atrás deles todos e que o McClaren era apenas o primeiro deles, mas não foi exatamente o que acabamos vendo como conclusão da série. (ainda mais depois do resultado final do caso)

Fora isso tudo, a grande motivação dessa season finale foi mesmo o confronto Ellen vs Patty, que viria a acontecer nos tribunais por conta do tal caso e também por conta da guarda da neta de Patty, mas que a gente sabe que significava muito mais do que isso. Ellen queria derrotar sua “mentora” onde seria mais dolorido para ela, onde a própria havia se tornando uma espécie de lenda dos tribunais e estava prestes a ocupar uma cadeira de muito mais prestígio. Tudo bem que esse plot é bastante justificável, mas a sensação que ficou é que a Ellen estava pelo menos umas três temporadas atrasada para o tamanho da sua mágoa com a Patty Hewes, que já havia confessado ter sido a mandante do seu atentado lá no final da Season 2, anos atrás. Depois disso, muita coisa aconteceu e até o Tom acabou pagando com a própria vida pelo seu tão sonhado “nome” como sócio da Patty e a Ellen já havia se distanciado do escritório fazia tempo e estava envolvida com outras coisas, inclusive recorrendo a ajuda da própria Patty quando se deu conta de que esta entrando em um negócio grande demais para ela.

Por isso, essa revolta toda da Ellen durante essa Season 5 pareceu acontecer com delay, um atraso que foi impossível de não se perceber. Sem contar que ela continuou sendo a insuportável de sempre, com aquele seu cabelo mega escovado (até estatelada no chão ela continuou muito bem penteada, pasmem!) e cara de quem sofria de uma úlcera fortíssima ou crises insuportáveis de prisão de ventre (rs). No episódio final, foi bem fácil conseguir perceber que além de tudo Ellen estava grávida (do Chris Messina Sanchez, seu boy magia militar desde a season anterior… mas e quem não engravidaria? Höy!), o que só nos foi revelado no último momento, quando descobrimos que não, ela não caiu do alto do prédio e sim, apenas teve uma tontura e acabou caindo naquela rua, ficando por alguns instantes meio que “desacordada”. Sim, tivemos que amargar essa triste realidade e engolir o grito de “já vai tarde” que a gente tanto queria gritar na cara da personagem. Mas e a poça e sangue? Só eu enxerguei muito mais sangue do que realmente descobrimos ter naquela cena final (poderiam ter feio a cena com chuva e dizer que era uma poça d’água pelo menos, hein?), com a personagem deitada no chão? Damages já foi uma série bem menos cara de pau, hein?

Sim, mais uma vez eles brincaram com a nossa cara com todas aquelas clássicas cenas de suspense na série onde nada é exatamente o que parece ser. Dessa vez, passamos boa parte da temporada com a Ellen no alto daquele prédio, ou estatelada no chão, em uma sequência que dava a entender que ela teria caído de lá de cima ou sido jogada, mas que a verdade apenas quem sabia era aquela pomba que observava tudo, rs. O que se a gente parar para pensar, levando em consideração o estado do seu corpo ao final da cena e a altura do prédio, seria realmente pouco provável que ela tivesse caído de lá de cima, não? (talvez a nossa vontade fosse tanta que a Ellen realmente estivesse morta, que acabamos deixando passar batido esse tipo de detalhes forenses)

Sem contar toda aquela história envolvendo a sua família, agora com o pai extremamente violento (não lembro dele ser tão assim antes, mas lembro que a família tinha sim os seus issues, então…) e as aulas de tiro da própria Ellen, tudo justificado de certa forma, inclusive com ela encontrando o seu “executor” do passado, do seu quase assassinato ainda no apartamento da chefe, que se disse ser uma espécie de funcionário da Patty para assuntos extra oficiais, se é que vcs me entendem. BANG! O que reforçava que mais uma vez, apesar da postura da Patty Hewes de sempre, de uma mulher extremamente correta e muito bem sucedida nos tribunais, ela não media esforços para fazer o mundo acontecer ao seu favor, nem que para isso fossem necessárias medidas extremas, com o o sumiço de um cachorro aqui, ou a sua nova funcionária morta ali…

Patty por sua vez continuou sendo uma personagem sensacional, brincando com a cara da Ellen como ninguém e também acabou ganhando os seus próprios daddy issues para resolver nessa season finale, com a entrada do seu pai na série, além de uma meio irmã, que eu consegui adivinhar logo de cara que só poderia mesmo ser alguém próxima a ela desde a sua primeira entrada na série. Aliás, a dinâmica entre as duas foi ótima, com a irmã enfrentando a Patty sem demonstrar muito medo por já conhecê-la de outros tempos, de quando ela ainda não era uma mulher com aquele poder todo, apesar delas pouco terem contracenado juntas (o que eu achei um desperdício). O mesmo vale para o daddy Hewes, onde naquela cena final, com ela revelando todo o ódio pelo pai, mesmo com o homem beirando a morte (homem que era pavoroso e ela tinha toda a razão de odiar), um momento que não poderia ter sido mais forte ou emocionante. E a gente sabe que nessas horas uma atriz com a Glenn Close acaba comparecendo como ninguém, sempre com uma cara de dar medo e uma verdade que a gente consegue enxergar no olhar. Coisa de atriz boa mesmo, do time das melhores. Clap Clap Clap!

Mas a minha maior mágoa desse episódio final nem foi o fato da Ellen não ter morrido como nos prometiam os promos da nova temporada e sim a falta de um grande confronto de verdade entre as duas nos tribunais e isso eles ficaram nos devendo. Propositalmente, porque além de tudo, apesar de ser uma série jurídica, Damages também nunca seguiu exatamente o que se espera desse modelo. No final, Ellen conseguiu ganhar o seu caso, derrotando a própria Patty, mas essa derrota aconteceu fácil demais, ainda mais considerando que nós não somos e nunca fomos da torcida da Ellen. Mas na verdade ela não ganhou, Patty é quem acabou perdendo, o que de certa forma foi encarado muito bem pela mesma, o que já nos indicava que algo mais estaria guardado pela frente, afinal, Patty não seria capaz de encarar a derrota para a sua criatura assim tão facilmente.

E foi quando descobrimos que mais uma vez Patty acabou manipulando o mundo a seu favor e embora tenha amargado essa derrota e assim ela conseguiu transformar a Ellen exatamente no que ela vivia acusando a própria Patty de ser. Uma saída triunfal, embora dessa lição e desse jogo de ganhos e perdas, Patty tenha acabado perdendo também o seu filho Michael, que pela proximidade com a Ellen, acabou morrendo no novo escritório dela e pelas mãos do seu executor do passado, que como já dissemos anteriormente, disse que trabalhava a serviço da Patty (e ao que tudo indica, trabalhava mesmo). Um recurso sensacional para empatar novamente o jogo entre as duas, uma vez que ambas acabaram perdendo pessoas queridas no meio dessa história que as duas deixaram marcada de sangue e um histórico no mínimo duvidoso para encarar essa trajetória como uma “vitória” para qualquer um dos times. Talvez aqui caiba novamente aquela velha e boa pergunta que encerrou a Season 3 no passado. Mas e ae, Patty Hewes? Valeu mesmo a pena?

Claro que a resposta para a pergunta todos nós conseguimos imaginar qual seria, avaliando apenas a série e a trajetória de seus personagens, mas enquanto audiência a pergunta também se aplica para todos nós. Teria o “cancelamento cancelado” de Damages no passado valido mesmo a pena? E a resposta é claro que só poderia ser positiva, embora as duas últimas temporadas frutos desse resgate tenham sido inferiores ao que nós já havíamos nos acostumado. Mesmo assim, mesmo mantendo uma qualidade inferior em suas histórias e até mesmo avaliando a série como um todo, que deu sim uma caída nessas duas últimas temporadas, é impossível não reconhecer que Damages mesmo quando não tão boa, era uma série que merecia ser assistida, tanto pela sua mitologia que sempre foi bem bacana, quanto pela força e atuações excelentes de suas personagens.

Uma pena que em uma cena tão importante como foi essa final, de volta a um cenário que nós já conhecíamos do final da Season 3 (que naquela época já teria sido o series finale antecipado da série), eles tenham tomado tão pouco cuidado com a sua produção, porque foi bem difícil ignorar aquele cormaqui ridículo e brilhante ao fundo, vai? Eu fiquei envergonhado e uma cena como essa, de conclusão e acerto de contas entre as duas, merecia um cuidado bem maior. Custava muito ter feito como antes?

Mas tirando esses detalhes todos e alguns outros, como a participação dos policiais que pareciam não fazer mais nada na vida a não ser receber ordens da Ellen (ainda se fosse da Patty…), foi bem bacana ver a série caminhando para o seu futuro, com a Patty Hewes 2.0, ainda mais fria e poderosa, encontrando uma Ellen mais pé no chão, agora apenas mãe de uma pequena garotinha, onde descobrimos que ela largou a profissão antiga por finalmente ter entendido que apesar de suas “boas intenções”, ela também havia se tornando algo bem próximo daquilo que aparentemente ela odiava = Patty.

Por isso, aquele olhar da Patty Hewes dentro do carro, frio, distante, emocionado e cheio de ódio, tudo isso ao mesmo tempo e em questão de alguns segundos, que foi a cena que encerrou com silêncio, colocando um ponto final de uma vez por todas na série, foi também a forma mais adequada de  terminar algo que um dia foi tão excelente como Damages, que hoje em dia poderia até não ser mais a mesma, mas que mesmo assim continuou sendo uma série bem especial até o fim, principalmente por ela, que emprestou o seu olhar para esse final excelente de algo que nós gostamos tanto. Clap Clap Clap!

Aplaudi de pé o final da série, bem emocionado até. Mas teria levitado se a Patty Hewes 2.0 no futuro usasse um cabelo bicolor (P&B), ou se a Ellen ao invés de uma filha, tivesse andando pelas ruas com um dálmata. (rs)

R.I.P Damages

 

ps: e quem diria que essa imagem aqui, que postamos no começo desse ano teria algo a ver com o series finale, hein?

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Etiquetas: , , , , , , , , , ,

6 Respostas to “Damages Season 5 – E ae Patty Hewes? Valeu mesmo a pena?”

  1. Denise Says:

    Nunca assisti um episódio dessa série. Qual a sinopse? Vale a pena baixar desde a 1a temporada? Ou Fringe vale mais a pena (tb nunca assisti, mas não foi por falta de curiosidade…)?

    • Essy Says:

      Aí meodeos, eu sabia que um dia teria que escolher entre duas coisas impossíveis de se escolher, rs
      Damages é uma série jurídica sem ser jurídica, é mais um suspense mesmo, muito bem feito por sinal e tem a Glenn Close no elenco, o que é quase 50% da sua qualidade. As três primeiras temporadas são sensacionais! Tipo uma melhor que a outra. Mas é densa e te deixa agarrada no sofá e com os olhos pregados na tela, porque não dá para perder nada. As duas últimas são mais fracas, mas pelos padrões da série, são ótimas também. E já disse que tem a Gleen Close?

      Fringe é um dos melhores séries de Sci-Fi de todos os tempos. Super bem cuidada, de bom gosto, cool e com personagens apaixonantes. Vc começa a assistir e vai ficando curioso, mas vai também achando que é tudo meio que procedural. Até a história ir avançando para onde vc nunca conseguiria imaginar e tudo o que vimos no começo passa a fazer todo o sentido desse universo e do outro também (sim, temos esse plot). Gosto de todas as temporadas, inclusive da primeira, que todo mundo reclama bastante, mas eu acho que ela faz todo o sentido desse mundo.

      Ou seja, não consigo escolher e acho que as duas merecem. Mas OK, como Damages já acabou, veja Fringe que termina nessa temporada (e nós ainda vamos falar muito dela por aqui, rs) e vai estocando a história de Patty Hewes para depois, para ver com calma e voltar aqui para concordar comigo no quanto a Ellen é irritante! rs

      • Denise Says:

        Hahaha! Te coloquei em uma posição difícil?
        Na verdade já baixei a 1a temporada de Fringe, mas ainda não assisti. Vou fazer como vc falou, pegar as duas e deixar Damages para assistir nas “férias” das series. Também porque agora voltarão as minhas preferidas Grey’s Anatomy (tensa, o que será que vem por aí?), Homeland (super ansiosa) e Law and Order SVU (adoro, adoro).
        Obrigada pelas dicas!

      • Essy Says:

        Sim, quase tive um AVC, rs
        O difícil dessa época é isso, arrumar tempo para conciliar tudo que a gente ainda quer ver, com tudo que a gente tem para ver com as voltas e estreias de Setembro com a Fall Season.
        😉

  2. Angel Says:

    Muito legal encontrar alguém falando do finale que acabo de ver na TV. E Glen Close-caption? é o Diabo Sem Prada! rsrsrs

    • Essy Says:

      Glenn nem precisa de Prada. Faz tudo com as próprias mãos e com dálmatas, rs
      Maravilhosa, não? Damages sempre foi muito boa, mas não seria metade do que foi sem ela. Sem a menor dúvida. Clap Clap Clap!

      ps: AMEI o Glenn Close-Caption? HAHA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: