Mad, Fat e absolutamente adorável (♥)

mad-fat-teenage-diary-genericmidres

No momento, a grande maioria das nossas séries preferidas estão em hiatus (humpf!), algumas estão voltando aos poucos, lentamente, não muitas se encontram em suas melhores fases e algumas delas para falar bem a verdade, andam super medíocres. Várias estão chegando ao final e nesse momento, nos encontramos exatamente assim, carentes de algo novo e realmente bacana para ver na TV. Até que, surge uma inesperada faísca de possível new crush em neon, apontando diretamente em direção a terra da Rainha, de onde sejamos justos ao reconhecer que recebemos constantemente coisas bem boas (Doctor Who, Downton Abbey, Sherlock, Skins). Como recebemos agora, com a surpresa grunge encontrada em My Mad Fat Diary, mais uma excelente série do Chanel 4 (o mesmo de Skins) e que é absolutamente adorável. E já vou avisando que a partir dessa faísca de new crush, acabamos vivendo uma intensa relação de amor a primeira vista. Hell Yeah!

Obs: a partir de agora, como todos sabem, já que eu também sou um designer gráfico, apesar de meio preguiçoso e sem tempo para realmente fazer o que eu vou sugerir agora, imaginem esse post inteiro ilustrado com intervenções super foufas aparecendo quando descritas entre parenteses. Aliás, imaginem todos os meus textos assim desde sempre, rs

MMFD_010202

Nela temos Rae (a excelente novata Sharon Rooney), uma menina obesa e recém saída de um hospital psiquiatro após atentar conta a própria vida em um surto emocional até então desconhecido, tendo que se reajustar a sua vida de antes, evitando que todos descubram a verdade a seu respeito e acabem se afastando ainda mais do seu mundo já tão sozinho e quase sem amigos (carinha triste). Até aqui, podemos dizer que não encontramos nenhuma grande novidade, porque quem nunca assistiu uma série sobre um adolescente desajustado que atire o primeiro box contrabandeado de undreground mais obscuro de The Wonder Years (dealer do underground repassando o box). Mas, My Mad Fat Diary não é só isso e facilmente conseguimos reconhecer o que a série tem de tão especial, capaz  de fazer com que todo mundo acabe apaixonado por seu universo em pouco tempo.

A começar pelo fato de que a série se passa na década de 90 (mais precisamente, estamos no ano de 1996), o que já a a coloca automaticamente em uma posição diferente de suas colegas do gênero, apenas pela ambientação. Outro universo, outras formas de pensar e se relacionar, tudo parece bem diferente na série, apesar da sensação não ser exatamente a de que estamos sim vivendo em outra época dentro desse cenário, muito por conta dos assuntos em comum atemporais dessa fase da vida de todo mundo e também porque nem o cenário e nem a caracterização de seus personagens parecem forçados. Exceto por sua trilha sonora, que é sensacional e extremamente saudosista. Dá até uma certa palpitação quando é possível reconhecer os primeiros acordes de qualquer um dos hits da época ao som de Blur (e a Rae tem um poster sensacional do Damon Albarn), Lemonheads, Prodigy, Beck (♥), The Stone Roses (que a Rae AMA e carrega o CD de forma toda especial), New Order, Radiohead, Oasis (ahhhh o Oasis antigo – desenho de um Essy antigo com aquele cabelo antigo e óculos redondinhos do Oasis). E essa é uma saudade bacana, de uma época que vivemos situações semelhantes com a da personagem (nesse momento, falando bem por mim na verdade), que tirando a parte do seu excesso de peso e o seu surto emocional que chegou a levá-la a uma atitude extrema (podemos até não ter chegado a esse ponto, mas isso também não significa que nunca pensamos sobre o assunto… triste, mas é verdade), tudo na série acaba circulando dentro de um universo bem comum para qualquer adolescente, dessa ou daquela época. (menino flutuando em uma nuvem de saudade)

mad fat diary 2

Sem contar que a série tem aquele tratamento especial que o Channel 4 (E4) sempre acaba fazendo (acertadamente sempre!), com imagens com filtros bacanas (algo que eles já faziam antes do Instagram e até eu já fazia faz tempo. Suck it, Instagram!), amarelados, dando um pouco mais de cor para as paisagens frias de uma pequena cidade inglesa. A série conta também com um edição que acaba fazendo toda a diferença quando assistimos qualquer um de seus episódios por exemplo, além daquela vontade de quase sempre de nos apresentar algo realmente novo. Vontade essa que dessa vez ficou por conta das intervenções gráficas na tela (isso falando apenas da questão da estética da série), com desenhos super foufos que vão aparecendo na tela a medida em que Rae vai narrando a sua história (os mesmo que vocês estão imaginando desde quando eu mencionei no começo do texto), que basicamente gira em torno de plots comuns da adolescência, que ela vai registrando em seu diário, que faz parte da sua tentativa de recuperação sugerida pelo doutor Kester (Ian Hart), com quem ela mantém uma relação deliciosa que vai sendo desenhada aos poucos, em meio ao clima de provocação entre os dois. (aliás, gosto muito sempre desse detalhe de que até os psiquiatras são cheios de falhas em suas próprias vidas. Acho honesto)

Eu poderia até arriscar em dizer que a série consegue reunir tudo o que nós mais gostamos de outras velhas ou não tão velhas assim conhecidas de todos nós. Tem aquela linguagem direta, principalmente quando o assunto é sexo, masturbação (assunto quase que inexistente no universo das meninas dessa idade, claro que imaginando aquela época) como em Sex And The City por exemplo e ao mesmo tempo, temos aquele perfil do perdedor, de que nunca as coisas são tão simples ou tão fáceis assim como muitas vezes nos foram prometidas, que é algo bem próximo do que nós gostamos tanto da atual e sensacional Girls. A série tem ainda aquele climão de série adolescente bacana, mais próxima da realidade, que atualmente encontramos em Awkward e The Carrie Diaries, combinados com o hype dos adolescentes ingleses imperfeitos de Skins, além da questão toda da terapia, que não tem como não lembrar com saudades da excelente relação Erica + Doctor Tom em Being Erica. (milhares de corações saltitando na tela com cheiro de tutti frutti)

Embora as semelhanças sejam muitas com outros produtos que nós gostamos tanto, My Mad Fat Diary conseguiu rapidamente firmar a sua própria identidade, mantendo um ritmo excelente em relação a todos os seus seis primeiros episódios (e a boa notícia é que já temos mais seis encomendados para uma Season 2. Yei! – em neon), onde é impossível escolher esse ou aquele como favorito. Tudo bem, isso pode até ser possível e talvez o que não dê mesmo é para encontrar um episódio mediano em meio a todos eles. Sério, são todos muito, mas muito bons.

MMFD-my-mad-fat-diary-33527808-714-403

Tudo isso porque a série embora circulando dentro da temática adolescente, que tende sempre ser mais leve e até mesmo mais fácil de ser digerida, consegue tratar todos os assuntos da forma como eles merecem ser tratados. Damos boas risadas com a imaginação fértil da Rae em relação a tudo na sua vida, principalmente quando o assunto são as suas fantasias com os meninos (e a honestidade dela nesses momentos chega a ser impressionante, coisa rara de ser ver na TV, ainda mais em uma série do gênero), ou algum surto criativo que ela tenha pensado em como resolver algum problema ao seu modo (todos divertidíssimos), mas ao mesmo tempo, quando precisamos falar de coisa séria, como tentativas de suicídio, drogas, sexualidade, problemas com a própria imagem e distúrbios alimentares, My Mad Fat Diary também consegue caminhar dentro da abordagem mais adequada para cada uma de suas propostas de problema, tratando com seriedade assuntos dramáticos que não poderiam e nem deveriam ter a menor graça.

Do período em que passou clínica (que a sua mãe inventou para a vizinhança que ela esteve na França), Rae trouxe com ela sua amizade com a doce Tix (Sophie Wright, que ninguém tira da minha cabeça que não seja uma parente super próxima do Kurt de Glee, se não for ele mesmo se arriscando do outro lado do oceano…), uma menina que assim como Rae, também sofre de distúrbios alimentares, só que exatamente da forma oposta que a melhor amiga. Com ela, Rae divide as melhores conversas de banheiro entre  meninas, todas extremamente sinceras, revelando as novidades da sua vida agora que é uma mulher livre. Tix é realmente uma personagem tão adorável quanto Rae, mesmo que a sua participação tenha sido bem pontual durante essa Season 1 e todo aquele drama envolvendo a personagem em sua reta final (aliás, adorei o detalhe de um dos episódios ter começado com a narração dela, mostrando o quanto ela admirava a Rae), mesmo em pouco tempo de convivência, já consegue deixar qualquer um aflito em relação ao futuro da personagem (ainda incerto) que aprendemos a gostar tão rapidamente. Aliás, dentro daquele cenário, torcemos por todos eles, inclusive pelo Danny (Darren Evans), outro paciente da clínica que apareceu na festa da casa da Rae para fingir ser seu ex namorado e foi divertidíssimo, além de linda a forma como ele foi bem recebido pelos atuais amigos da personagem, inclusive quando tiveram a chance de vê-lo em um momento crítico da sua condição.

Pelo fato da série se tratar da superação da personagem em torno de todos esses obstáculos desse atual momento da sua vida (e não só os obstáculos dela), passamos boa parte dessa primeira temporada observando Rae se readequando ao mundo real, fora da clínica onde esteve internada, tendo que fazer novos amigos e superar alguns traumas sérios da sua vida. Nessa hora, ganhamos a participação dos seus também adoráveis novos amigos, que entram na sua vida por intermédio da sua amiga de infância, que na verdade, é a pior de todos eles, do tipo megabitch passiva agressiva passiva de novo, da qual falaremos depois. Entre eles temos três meninos, os boys magia da série (surge um Höy! gigante em formato de objeto fálico, rs. Sorry, mas esse é o tom da série, rs), Archie (Dan Cohen, meu amor a primeira vista e que ninguém tira da minha cabeça também que tenha algum parentesco com o Cameron, participante do primeiro The Glee Project) meio nerd, músico e adorkable com seus óculos arredondados (tenho uma queda séria por quem usa óculos, confesso e essa também deveria ser um intervenção gráfica), Chop (Jordan Murphy), que é o engraçadão e meio que líder de todos eles e o Finn (Nico Mirallegro, magia para se perceber ao primeiro instante), que nos é apresentado como o mais distante de todos eles, pouco interessante, mas que logo percebemos que na verdade, ele é o verdadeiro príncipe da turma e logo acaba se tornando o amor adolescente da Rae. (príncipe para ela, porque pra mim continua sendo o Archie. Se bem que, neam? Estamos aí, disposto a viver a quarta geração de Skins a qualquer momento, rs)

Screen_Shot_2013-02-19_at_10.53.26_AM-7985

Como nem tudo costuma acontecer facilmente na vida de ninguém, Rae acaba encontrando alguns obstáculos antes de realmente estabelecer uma relação de amizade com todos eles. Mas tudo isso ela acaba vencendo sabiamente com seu bom humor, além do seu excelente gosto musical, que são suas maiores armas na hora da conquista, inclusive na hora da conquista de novos amigos (ainda bem que ela descobriu esse detalhe cedo). Apesar disso, Rae está longe de ser a gordinha engraçada da turma, tão pouco aquela sofredora que se acha completamente inadequada ao mundo como ele é, muito pelo contrário, e na verdade, a sua maior vontade é pertencer a alguma coisa, sair fora da sua zona de conforto e experimentar coisas que ela jamais se permitiria (o drama dela na pool party do primeiro episódio é sensacional, ainda mais por um detalhe, que acaba roubando totalmente a atenção dela presa no escorregador e que inclusive é a arma que Rae utiliza para sair daquela situação constrangedora) e sua personagem tem um perfil mais cínico, irônico e ela é visivelmente a mais rápida no gatilho entre todos eles (em todos os sentidos), o que certamente lhe dá alguma vantagem em relação aos demais.

Entre as meninas dessa parte da vida real, temos Izzy (Ciara Baxendale), uma ruiva super foufa e que tem uma certa queda pelo Chop, que logo Rae e todos nós conseguimos perceber e ela, aquela que está disfarçada de melhor amiga de infância, a detestável a primeira vista, Chloe (Jodie Comer, que sem o menor exagero é exatamente a cara de uma das minhas “melhores amigas” dessa mesma fase, que não demorou muito para eu descobrir que se tratava da mesma espécie de megabitch. Sério – desenho da cara de satanás) mas que na verdade, talvez seja uma das suas grandes inimigas para a vida ou um dos seus maiores obstáculos para seguir em frente. Chloe tem aquele perfil odioso da garota perfeita e super disponível para os meninos, para todos e qualquer um eles. Aquela que todo mundo acaba pegando porque está disponível ou porque hoje resolveu sorrir para aquele menino que você estava de olho fazia meses (menino com sangue nos olhos e fumaça saindo dos ouvidos), mas que nunca teve coragem de chegar perto. E tudo isso como se ela soubesse disso tudo e estivesse de olho nos seus interesses o tempo todo (magoa contida & antiga descarregada. Ufa – bigorna de 50 KG caindo do alto com aquele efeito sonoro de coisas caindo). Sim temos certa inveja de quem consegue tudo “facilmente”, admitimos e temos mesmo, sem culpa, mas até isso eles conseguiram mostrar de uma forma interessante dentro da série, mostrando que a personagem, apesar de não ter que lidar quase nunca com a rejeição, algo super presente da vida da Rae e da maioria dos simples mortais, na verdade, também sofria por ser aceita apenas por sua aparência e ninguém nunca parecer estar muito disposto a conhecê-la de verdade (se conhecessem, correriam…). Sim, precisamos lembrar de vez em quando que até as megabitches tem coração, algo que só costumamos lembrar quando retiramos ele com as próprias mãos… (desenho do Essy tirando o coração de uma megabitch com as próprias mãos e um #YOUWIN gigante piscando na tela em 8-bit)

Digo que ela tem tudo para ser uma das grandes inimigas da vida da Rae ou seu grande obstáculo na vida, porque ambas sempre mantiveram uma relação um tanto quanto esquisita, pautada na inveja dos dois lados, de uma nunca ser ou poder ser exatamente como a outra. Embora ambas façam parte da vida uma da outra desde sempre e tenham passado por alguns momentos bastante importantes juntas, é visível que entre elas, Rae é a que parece estar sempre muito mais disponível para aquela amizade, sempre oferecendo alguma coisa e recebendo bem pouco ou quase nada em troca. Um simples exemplo que vai além da situação crítica do aborto que a Chloe acaba optando por fazer e que Rae é a única pessoa ao seu lado naquele momento e que na hora em que ela finalmente teve coragem de contar que ficou internada na clínica durante as férias, a amiga antiga acabou fazendo pouco caso porque algo mais “importante” apareceu na sua vida naquela hora, pra mim, foi o momento em que vimos um dos flashbacks da amizade delas quando criança, com ambas rodando de mãos dadas e Rae totalmente entregue ao momento, acabou ganhando em troco a sabotagem de Chloe, que solta a sua mão só para ver a amiga cair, demonstrando desde cedo como de fato seria a relação futura com a amiga. Sabe aquela amizade que apesar de ter raízes, precisa deixar de existir? Então… mas Rae tem tempo para descobrir isso.

41841

E quem nunca teve uma amiga como a Chloe na vida? E quando essa amiga faz parte da sua família, que sempre vem te procurar quando precisa falar algo mas que nunca está disposta a ouvir o que você tenha para falar, mesmo que seja uma bobagem qualquer? (desenho de uma foto de família fazendo uma pausa dramática e que vai se aproximando da tela a cada cinco segundos) Mas fato é que além de tudo isso, Rae é uma pessoa grata as portas que foram abertas pela própria Chloe para essa nova fase da sua vida, sendo que foi ela que a incluiu na sua turma de amigos, algo que nós também conseguimos perceber que Chloe se arrependeu quase que imediatamente, quando percebeu que a amiga, mesmo não apresentando nenhum risco para o seu sucesso dentro da turma em termos de beleza ou porte físico, acabou roubando todas as atenções para ela rapidamente, simplesmente por ser muito mais bacana. Obviamente que em alguma altura dessa história, elas acabariam apaixonadas pelo mesmo cara e que esse seria o grande desfecho da temporada para a relação das duas (com Chloe descobrindo a magia do Finn), que infelizmente, para a nossa falta de sorte, teve uma final feliz para ambas e não apenas para aquela que nós estávamos torcendo desde o começo. Aliás, por mim, essa Chloe ganhava uma bolsa de estudos para algum lugar em clima de guerra durante 1996, para ontem.

Em casa, sua relação com a mãe (Claire Rushbrook) também não é das mais amigáveis e o conflito está sempre presente. Vamos combinar que aquela mãe também não é das mais fáceis, do tipo que não consegue enxergar a seriedade dos problemas da filha, continuando a rechear a dispensa da casa com coisas que Rae não pode comer (armário cheio de coisas gostosas reluzentes e com carinhas foufas, tipo Sugar Rush em “Wreck-it Ralph”), porque como ela mesmo disse, para pessoas como ela, o ato de apenas “beliscar” simplesmente não existe, sem contar que sua mãe também parece estar sempre muito ocupada correndo atrás do novo namorado, um imigrante ilegal no país que por motivos óbvios, precisa ser mantido em segredos dentro da sua própria casa. Apesar das dificuldades dessa relação, também foi bem bacana vê-las conseguindo se acertar por hora, principalmente com toda a história do pai ausente da Rae, que descobrimos mais tarde que foi um dos motivos do tal surto.

Outro ponto alto da série é a forma como eles retratam o bullying naquela época, que ainda não tinha esse mesmo nome (pelo menos não para a gente aqui), mas que acontecia da mesma forma estúpida de sempre. O engraçado é que nessa hora, a reflexão da personagem quando de frente com um de seus maiores bullies foi exatamente a mesma sobre o que eu sempre pensei a respeito de todos os meus, que foi quando ela disse que até entendia que eles pegassem no pé dela, mas porque eles precisavam ser sempre tão repetitivos e pouco criativos, além de cruéis, é claro. Aliás, esse foi um momento ótimo dentro da série e totalmente inesperado porque foi relacionado ironicamente a resolução dessa Season 1.

tumblr_static_vlcsnap-2013-02-12-17h35m22s133

E foi bem especial também a forma como a relação dela com o seu boy magia, Finn, acabou sendo construída aos poucos dentro da série. Desde o despertar da suspeita de que havia algum interesse no ar (que Rae sequer sonhava que estava sendo correspondida), até a confirmação de que eles realmente estavam interessados um pelo outro, ambos foram acrescentando momentos importantes para a construção dessa adorável relação, super improvável na cabeça dela, mas que para ele, por Rae ser uma menina tão bacana e cheia de personalidade, muito provavelmente poderia ter até acontecido bem antes. Mas os elogios nesse momento também valem para o próprio Finn, que mostrou-se um menino super bem resolvido (raridade rara nessa idade e depois não melhora muito não, não querendo desanimar ninguém, mas o que a gente aprende com o tempo é que exatamente esse tipo, não é o que queremos por perto, por isso deixamos de nos importar com eles – imagem do Essy ganhando a espada encantada do poder do amor + auto suficiência, tipo Scott Pilgrim) e pouco preocupado com a opinião das pessoas, ele que chegou inclusive a defender a Rae em um momento totalmente meio assim em meio ao seus bullies. Achei tão lindo quando ele foi a sua casa pela primeira vez e levou seus discos, para “aperfeiçoar e completar” o seu gosto musical (que por parte dele, ainda circulava nos 80’s, com The Smiths – “There Is A Light That Never Goes Out”, que eu sempre vai me fazer sentir vontade de dançar na vida – e The Cure) e ela toda carrancuda, seguindo a cartilha de comportamento sugerida por seus amigos, tratando ele com certa distância, evitando um contato físico para não se tornar amiga demais (o Archie tudo bem abraçar, agora o Finn, NÃO!). Sério, #TEMCOMONAOAMAR? (outro momento que eu AMO/sou é quando ele está jogando sem camisa no parque e vem dar um abraço daqueles nela. Sério, me vejo fazendo os mesmos comentários. Aliás, faço os mesmos tipos de comentário diariamente por aqui, rs)

41834

Outra relação super foufa que acaba acontecendo na série é a da Rae com o Archie, que na verdade, foi o seu primeiro interesse dentro da turma de boys magia e chegou inclusive a acontecer um beijo entre os dois, mas que logo depois, nós descobrimos ter sido apenas uma fase de experimentação do próprio Archie, tentando descobrir se ele realmente era gay ou não (lembrando que estamos nos 90’s, onde nem tudo era como hoje). Uma descoberta que acabou levando algum tempo, até que em um momento super bacana e depois de uma experiência com meninos, Archie acabou revelando que na verdade ele era gay mesmo e estava super feliz de ter finalmente descoberto isso. E esse detalhe é bacana também para ilustrar o quanto as histórias de cada um dos personagens acabou se desenvolvendo, com todos eles, apesar de estarem envolvidos em histórias bem menores, conseguindo encontrar suas respectivas resoluções. (imagem de um little Essy andando abraçada com a Rae e o Archie pela Londres antiga)

Como final de temporada, tivemos como proposta um novo surto de Rae, que se encontrava novamente em um estado crítico depois de tudo que andou acontecendo na sua vida. Da narração da sua carta suicida(que se ela não corresse no final, eu mesmo tiraria das mãos de sua mãe, a força) até o momento em que ela cruza a rua lentamente até ser atropelada (meu coração saltando na tela), tudo foi feito lindamente e de forma super corajosa, apesar da sequência, reunindo uma série de clichês que nós já vimos em outras histórias, mas que de qualquer forma, apesar de não ser nenhuma novidade, eles também conseguiram resolver muito bem. Apesar de torcer pela recuperação da personagem desde sempre, a sensação de honestidade ao vê-la não conseguindo lidar muito bem ainda com todas esses novas situações, parece uma alternativa mais honesta do que simplesmente mostrar a menina contornando todos os plots dramáticos da sua vida facilmente. Mostrar as dificuldades, que nem tudo acontece na primeira tentativa, as consequências de cada ato, tudo foi realmente muito importante nesse caso para dar uma maior credibilidade para essa história, que precisava desse cuidado para torná-la ainda mais especial.

MMFD-my-mad-fat-diary-33527830-854-458

Acho importante dizer que embora essa review tenha ficado bastante longa, a Season 1 da série tem apenas míseros 6 episódios, repetindo aquela covardia covarde de sempre da terra da Rainha. Mas são seis episódios excelentes, capazes de fazer qualquer um se encontrar exatamente assim como eu estou nesse momento, totalmente prolixo e procurando desesperadamente por minha camiseta antiga do Oasis (que eu adoraria ainda ter), que só eu tinha e usava sempre que possível para ir para o colégio (as vezes por baixo do uniforme, só para provocar, rs), uma pessoa que quando falava sobre Radiohead, recebia aquele olhar torto dos demais, do tipo “sobre o que é que essa alma estranha está falando?”. (desenho da minha cara estranha coberta pelo símbolo do Radiohead, cercado dos “normais” da escola)

My Mad Fat Diary é realmente das mais especiais, para aguardar ansiosamente pela próxima temporada e torcer para que as séries inglesas cheguem cada vez mais em DVD por aqui, para que possamos colocá-la um dia em nossa prateleira especial e quem sabe fazer até umas intervenções gráficas nessa parte da prateleira? Para terminar de assistir, ir correndo procurar os diários antigos (que eu tenho e de vez em quando me divirto. Inclusive usava uma caneta com luz para escrever neles também, só que a minha tinha um sapo na ponta, mas já não brilha mais, humpf!) e matar a saudade dos hits de uma época especial, que embora tenha sido bem difícil (adolescência é difícil para todo mundo), a gente escolheria viver tudo de novo sendo exatamente a mesma pessoa, talvez com um pouco mais de coragem e desenvoltura como a própria adorável Rae. (tela cheia de corações despencando como no final de uma partida de Paciência, rs)

ps: gostaria de ter ido naquele (ou em qualquer outro) show do Oasis com a Rae. 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Anúncios

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

6 Respostas to “Mad, Fat e absolutamente adorável (♥)”

  1. Katiucia (@KatePregioni) Says:

    Vontade de rever e rever e rever , My Mad Fat Diary até 2014, porque esperar até lá, pela segunda temporada é angustiante.Acho que deveria ter 2 temporadas por ano, pelo menos.
    Me emocionei em vários momentos com a Rae, mas me apaixonei pelo Finn primeiro, rs.
    E que trilha sonora, além de tudo o que você disse ainda toca Pulp e The Bluetones. ( Bandas que eu AMO e quase ninguém a minha volta conhece).
    O clima realista da série com um toque de humor, foi perfeito.

    • Essy Says:

      Leio 2014 e pra mim parece tão, mais tão longe. (rs)
      E dá vontade mesmo de rever tudo de novo, porque a série é realmente excelente, em todos os sentidos.
      Com esse número ridículo dos ingleses de apenas 6 eps, bem que poderia mesmo ter 2 temporadas por ano.
      Rae é uma excelente personagem, justamente pq ela foge completamente de um esteriótipo comum (e já cansado) na TV, mas ao mesmo tempo reúne uma série de outros que nós adoramos e AMAMOS sendo retratados daquela forma.
      Achei o Finn super magia logo de cara, mas me apaixonei mesmo pelo Archie. Fiquei morrendo de medo antes do plot dele ser revelado, que ele só fosse um bocó. Ainda bem que a história era melhor ainda e super favorável a minha nova #CRUSH, rs.
      Agora, aquela trilha… dá vontade de não parar de ouvir nunca mais. Desde então, me transportei para os 90’s. #HELLYEAH

  2. Algo de ruim aconteceu com a minha TV. Mas talvez não tenha sido apenas com a minha… | The Modern Guilt Says:

    […]  só reclamação, porque também da terra da Rainha recebemos de presente surpresa a adorável My Mad Fat Diary, que é uma série apaixonante e pelo menos uma delas precisava nos salvar dessa má fase. Pena ser […]

  3. Sherlock Season 3, o trailer (#SherlockLives) | The Modern Guilt Says:

    […] vamos aguentar tanta dose de amor assim juntos com Raymundo e Sherlock juntos em um mesmo […]

  4. The Modern Guilt Awards 2013, o quinto ano do melhor prêmio de todos os prêmios | The Modern Guilt Says:

    […] consegui tempo para uma maratona rapidinha de My Mad Fat Diary, uma comédia inglesa sobre uma garota bem acima do peso vivendo nos anos 90, daquelas do tipo que […]

  5. My Mad Fat Diary – Season 2, o trailer | The Modern Guilt Says:

    […] Trailer da segunda temporada da série inglesa mais deliciosamente deliciosa e noventista do momento, My Mad Fat Diary, da qual nós já falamos por aqui. […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: