Archive for the ‘My words…’ Category

It Girl em crise

Julho 19, 2012

Sim elas estão em crise e agora que conseguiram atingir o sonho de ser uma it girl, não querem mais ser considerada como tal. (tisc tisc… isso segundo um texto que correu por aí não tem muito tempo… tisc tisc)

Mas será que esse é realmente um sentimento verdadeiro ou elas finalmente conseguiram entender que não é tão legal assim ser a garota do momento, um sonho que hoje em dia já tem quase que uma fórmula certa para ter mais chances de acontecer, tornando-se possível para cada vez mais pessoas e talvez por isso tenha perdido muito de sua graça? Será que elas cansaram mesmo de suas vidinhas de it girl ou finalmente acordaram do sonho que descobriram tardiamente que estavam compartilhando com quase todo mundo?

Segundo elas, agora o legal não é mais ganhar brinde caro de marca poder e se exibir carregada com os mimos em fotos de redes sociais, não é mais bacana entrar de graça em buatchy passando na frente de quem também só que ser divertir, ou adquirir aquele celular do momento que de tão necessário, todo mundo já tem, mesmo que diferente de vc (as vezes nem tanto) alguns tenham que parcelar em 24 vezes no cartão para pagar depois. E aquele aplicativo novo? Todo mundo já descobriu também e daqui a pouco até a filha da sua empregada pode ter o mesmo. It agora é ser normal, cafona é ser mainstream. É isso mesmo? (e quando foi diferente, me diga?)

Mas desde quando ser normal virou apenas isso? Desde quando ser normal não é mais só ser vc mesma e não se interessar entusiasmadamente por tudo aquilo que todo mundo está falando em tudo quanto é blog e vc que se acha muito bem informada, acabou descobrindo primeiro, mesmo tendo caído como presa fácil nas armadilhas que quase todo mundo também cai diariamente, todas elas escondidas no “tem que ter”, “tem que ver” ou “tem que saber”?

Normal não é ser desinformada, não é ignorar as novidades ou ter menos grana para poder bancar isso ou aquilo. Ser normal é simplesmente ser e não tentar parecer ser, é não se importar se vc tem ou não aquilo que todo mundo está comentando em tudo quanto é lugar. Ser normal é achar bacana que até a filha da empregada tem o mesmo app que vc e sabe usar ainda melhor e por isso pode te dar aquela aula de graça. Ser normal é pagar entrada em buathy porque vc sabe que ninguém trabalha de graça, é esperar na fila por vc ser apenas uma pessoa educada, como a gente sonha que todo mundo seja um dia. Ser normal é agradecer quando se ganha um presente qualquer de alguém que não tinha a menor obrigação de lembrar de vc, mesmo que esse alguém seja uma empresa cheia de segunda intenções.

Nesse caso, acho que existe um equívoco enorme em relação a “ser normal” e não ser uma pessoa muito bacana.

Soa quase como um “agora que todo mundo pode brincar, eu não quero mais”, como se a sua boneca poder que ninguém da turma tinha ainda já estivesse a venda na lojinha da esquina para quem quiser comprar, ou como se todos os seus amiguinhos também tivessem uma bola e por isso não adianta mais fazer bico e ameaçar de levar a sua para casa só porque vc está perdendo no jogo. Como se a exclusividade fosse a alma do negócio e algo só fosse interessante enquanto caro, assinado ou inatingível para uma maioria. Uma grande bobagem, além de ser um tanto quanto contraditório, onde nesse mundo da internet em que todos nós nos encontramos o tempo todo e onde muitas dessas it girls agora em crise se criaram, esse universo só se tornou o que é hoje por conta de uma ação: compartilhar.

Compartilhe. Aceite que o outro conhece mais ou menos do mesmo assunto que vc, mesmo ele não fazendo parte dos seus 8573548 seguidores no Twitter. Desça desse Louboutin que vc só comprou porque aquela it girl do seriado de TV disse que era o must have da estação  e lembre-se que ela é paga para isso e provavelmente ganhou de presente os 687 pares que usa diariamente ou pegou emprestado e tem que devolver em até 48 horas depois daquela premiere e aceite que outras pessoas possam compartilhar desse mesmo desejo, mesmo que muitas delas não consigam sequer pronunciar direito o nome da marca dos sonhos de todas. Doe para um morador de rua aquela Chanel de corrente que vc só comprou porque todo mundo tinha e não porque vc achou por vc mesmo a bolsa mais necessária ever. Compartilhe da sensação de que outras pessoas possam chegar no mesmo it estado que vc e fique na torcida para que elas sejam pessoas it bacanas, que mereçam a nossa atenção não só pela embalagem, pelas marcas que carregam ou pelos lugares que frequentam e sim por esse ou por aquele motivo.

Elas se dizem cansadas de ter que fazer as unhas semanalmente, sendo que no passado sorteavam kit esmalte quase todos os dias em seus blogs e adoravam quando recebiam alguma amostra como mimo, que a gente bem lembra. Reclamam de ter que saber o nome da editora da Vogue francesa, sendo que se vc perguntar qual é a função dela dentro da revista, temos certeza que muitas vão tropeçar na resposta e podem responder que é ganhar roupa cara e sentar na primeira fila de desfile, chegando no escritório depois jogando casacos e bolsas mais caros ainda na cara de suas assistentes submissas. Elas dizem não aguentar mais ter que fazer visitas diárias a todos aqueles blogs fundamento que vasculham todos os dias para buscar algumas inspiração que elas repetem nos mínimos detalhes em seu próprio fundamento do dia a dia, muitas vezes ganhando crédito por isso e também dizem que não aguentam mais ter que fotografar cada passo de suas vidas no Instagram, só para fazer valer aquela permuta amiga que é sempre bem vinda e a gente também sabe que quando não tem pacote de presente certo no correio é uma tristeza só.

Cansou de brincar de ser it girl?

Abra mão, siga outros caminhos, só não seja mal agradecida. Existem caminhos mais interessantes do que a ingratidão, temos certeza disso. Nós gostamos de ler o seu blog, de assistir o seu programa na TV, de admirar o seu fundamento, mas isso não significa que o sonho de todas é ser uma it girl como vc, tão pouco ser “normal” dessa forma tão equivocada que vc imagina.

Não nos it decepcione!

 

ps: esse post não é uma resposta, ou uma provocação direta para esse ou aquele e também não tem a menor intenção de causar intriga. Sua verdadeira motivação foi a de apenas mostrar um conceito diferente do que muitos também podem considerar sobre o que é ser “it normal”. Peace! \\//

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Anúncios

Respire fundo, respire fundo

Fevereiro 22, 2012

Eu me lembro de um tempo onde as pessoas eram mais educadas ou pelo menos, se importavam em fingir

Eu me lembro de um tempo onde as pessoas se importavam mais ou pelo menos, se esforçavam mais para fingir

Eu me lembro também de ser tudo parecido como é hoje e já sentir a sensação de que não estava assim tão bom do jeito que estava.

Pedidos, conselhos, favores, todos feitos para ajudar a quem estava precisando naquele momento, seja ela qual fosse a sua necessidade

Hoje, feitos a todo momento, as vezes sem sequer se dar o trabalho de pedir, educadamente, como é o mínimo de se esperar de quem precisa de algo, seja ele o que for.

Tem um tempo livre? Então faça isso para mim, porque as minhas outras 24 horas já estão todas preenchidas com coisas que eu considero mais importantes na minha vida e eu não me importo com o que vc gosta de fazer com o seu tempo livre, desde que vc resolva o meu problema – falou o egoísta mais próximo (ou simplesmente para ser bem claro, falou o folgado mais próximo)

O meu espaço ou o seu espaço ficando cada vez mais limitado, sendo cada vez mais invadido, seja ele fisicamente ou não (o que é ainda pior)

A sensação de querer se dar bem, de levar vantagem, de dar um jeitinho, tudo isso que sempre foi algo irritante para alguns (e eu me incluo nessa), se tornando insuportavelmente algo muito maior a medida em que se aproxima e começa a fazer parte da sua rotina, do seu dia a dia

Uma rotina forçada, que isso fique bem claro, que não foi vc quem escolheu para a sua vida, simplesmente acabou acontecendo, porque a vida das outras pessoas já não é mais a mesma, muito embora a sua ainda continue muito bem e até parecida com o que foi antes, se não fosse por alguns detalhes óbvios aqui e ali.

Não consigo entender a falta de respeito, de educação e até mesmo a falta de vergonha, sinceramente.

Não consigo entender o porque que eu tenho que exigir de volta algo que sempre foi meu, isso porque alguém não aprendeu a ter limites e falhou em ser educado. (ou em educar, o que eu também considero um erro grave)

Limite, palavrinha que nunca foi tão necessária como agora. LI-MI-TE. Sabe aquela velha história de que para tudo há um limite? Pois bem, chegamos a ele, o meu limite.

Mas talvez seja apenas uma sensação, talvez seja apenas eu ficando mais velho, mais chato e ainda mais cheio de manias…

Ou talvez eu esteja finalmente enxergando as coisas como elas sempre foram e esteja dizendo nem que seja para mim mesmo, que #NAOESTABOMNAO  e algo precisa mudar, agora.

Por isso, lembre-se de respirar fundo enquanto os outros todos correm esbaforidos em sua direção e lembre a cada uma dos “esquecidos” de que o seu espaço, o seu tempo e a sua vida, pertencem a vc e a ninguém mais.

ps: amanhã voltamos com o bom humor e o fundamento de sempre, prometo! É que hoje estamos meio assim…

E agora, a 2ª edição do The Modern Guilt Awards 2010

Dezembro 31, 2010

Ano passado eu decidi fazer uma pequena premiação para eleger os melhores (e alguns piores)  do ano em diversas categorias. E porque não repetir a dose esse ano, hein?

Muita coisa aconteceu aqui no Guilt durante o ano de 2010, o blog cresceu (e muito) e parece que o meu grupo de 5 leitores andou aumentando consideravelmente. Cool!

Como eu invejei os apresentadores do Oscar, resolvi chamar o Alec Baldwin e o Steve Martin para apresentar o meu prêmio, que tal? É, eu assumo que foi por pura inveja mesmo, mas o Alec Baldwin virá de Jack Donaghy, porque eu acho mais digno e ele é o meu mentor! rs

E como eu sabiamente disse ano passado, agora eu repito: prometo que vai ser melhor que o Oscar, mais divertido do que o Emmy, mais outing do que o Tonny, com apresentaçáns mais dignas do que o Grammy e menos injusto do que o Golden Globe, fatão! (rs)

Vamos lá? Então coloquem os óculos especiais porque esse ano a premiação mais importante ever será transmitida em 3-D (euri) , segurem firme essa taça de champagne cara e vamos a premiação:

 

♥  Höy do ano: Alexander Skarsgard

Não adianta, eu tenho a impressão que para essa categoria vai ser difícil algum outro levar, hein?

E esse foi o ano do Eric em True Blood, sendo perseguido, quase morto, voando de um núcleo para o outro completamente perdido e apenas para a nossa sorte (rs) e de quebra ainda tendo um romance meio assim com outro vampiro. HÖY!

Esse ano ele passou a ser o boy magia da Kate Bosworth e nós passamos a acompanhar o casal lindo e loiro por ai. Até no Coachella ele foi e quase arrumou briga…howbadassisthat? Sem contar que ele foi capa da Details, saiu pelado e coberto de sangue na Rolling Stone e eu aguardo ansiosamente o encontro desse elenco com o Terry Richardson em uma revista qualquer. Imaginem só? HÖY!

Preciso justificar mais o porque que o prêmio é dele?

Alexander Skarsgard = HÖY!

 

♥  Toda cagada do ano: Rihanna

Rihanna parece que não aprendeu nada desde o ano passado, quando também levou o prêmio nessa mesma categoria.

Eu gostaria até de deixar bem claro que dessa safra de novas cantoras (Katy Perry, Ke$ha e Smiley Cyrus) ela é a única que sabe cantar. Trabalhada no auto-tunes é claro e como todas as outras, mas pelo menos acho algumas de suas músicas até que boas.

Mas quando se trata de montaçán, é um desastre. Esse ano ela passou do look com topetão amarelo para o curumim vermelhão, foi para a versão Caipora e agora com todo esse vermelhão médio esta a cara do Ronald McDonalds, fatão!

E a cada dia que passa ela me lembra mais a Tina e a Whitney antiga. E não no bom sentido, fikdik

O que mais me irrita é que ela tenta parecer moderna, wannabe Gaga  (até na semana de moda ela vai com um look podre) mas na verdade sempre imprime cafonona.

#NAOTABOMNAO

 

♥  Dancing Queen do ano: Lady Gaga

Quantas vzs vc ouviu/dançou qualquer música da Lady Gaga esse ano? 1 zilhão de bilões? Me 2

Não tinha como ser de outra pessoa a não ser dela, que foi realmente a rainha das pistas no ano de 2010, fatão!

A imagem que eu mais lembro de Gaga esse ano e que me deixou mais emocionado é essa ai acima, da sua apresentação pela manhã no Today Show que vc pode ver aqui.

Sem  muita montação e efeitos teatrais, GagaOhhLala desabou emocionada sobre a forte  chuva que caia naquela manhã, ao agradecer NY por ter sido a sua casa por tantos anos. Maravileeeandro!

Let it raaain! (muito muito bom!)

 

♥  Listen Up do ano: The Suburbs < Arcade Fire >

Nenhuma outra banda me emocionou tanto esse ano quanto o Arcade Fire e o seu “suburbio”.

Faixas lindas, emocionadas e mais produzidas, diferente dos álbuns anteriores. Muita gente torceu o nariz para a novidade, mas eu resolvi encarar mais como uma evolução. Banda que fica sempre na mesma acaba velha, fikdik.

“We Used To Wait” é uma das músicas mais lindas ever e me empciona toda vez que eu ouço. E acho que foi a que eu mais ouvi durante o ano todo, fato. Existe um video no Youtube para a faixa que é muito moderno, vale a pena ver (aqui)

“Modern Man” eu digo que foi a música que eles fizeram pra mim, rs (depois de Wake Up é claro, do álbum antigo)

ps: vale deixar registrado aqui que o Flamingo do Brandon Flowers também é bem bom!

 

♥  Trucão do Ano: Miley Cyrus fumando “salvia”

Hmm mmm., sei…salvia neam?

Acho que aqui eu não posso dizer tudo o que eu gostaria a respeito, mas vcs podem imaginar, não?

Para Miley eu só tenho uma coisa a dizer: vc nunca me enganou…

NEXT!

 

Delírios de consumo de Essy Bloom do ano: Lanvin para a H&M

Eu bem declarei que queria me cobrir inteiro de Lanvin para a H&M em um dos meus posts e é claro que eu uso o meu blog para divulgar a minha wishlist neam? Bem cara de pau, rs

Na verdade, eu aceitava qualquer coisa dessa coleçán, até uma tag para vcs sentirem o tamanho da humildade fashionista.

Bom, até agora nada…mas quem sabe vcs ainda não vão me ver desfilando por ai com uma bow tie gigante dessas, hein?

Alô, Alber? Euquero!

 

Eu sou ricah do ano: Anna Dello Russo

Primeiro um pouco de suspense: quem será, quem será, quem será? (aquele bem burro, porque eu já coloquei o nome no título neam? rs)

Anna é dourada, Anna é absurda, Anna é a editora da Vogue Japão e a Anna pode gritar com propriedade: eu sou ricah!

Tem pessoa mais adorável nesse mundo? Meosonho é ser seu melhor amigo Anna. Me add no feice, rs

Sempre chamando atenção por onde ela passa, Anna Dello Russo lançou até perfume esse ano, foi capa de revista e  com todo o seu fundamento virou rapidamente e com todo o merecimento a muse oficial de todo bom fashionista.

ps: me chama para ser seu assistente Anna? Sempre quis ser um harajuku boy magia, rs

 

Popcorn do ano: Scott Pilgrim Vs The World

Em um ano de tantas aguardadas estreias, Scott Pilgrim vs The World acabou levando a melhor na minha opinião por nos mostrar uma nova linguagem.

Esse ano eu esperei como nunca pela versão do Tim Burton para o clássico Alice In Wonderland, que talvez tenha sido o meu maior post na história do Guilt. Tivemos tmbm o sensacional Inception, que deu um nó em nossas cabeças com todas as suas camadas. E Toy Story 3, que me fez chorar igual criança no cinema. Black Sawn também entraria fácil nessa lista e talvez eu esteja esquecendo de vários outros tão bons quanto. Mas nesse caso eu tive que escolher um, então: Scott Pilgrim

 

Coffee & TV do ano: A Season 3 de Breaking Bad


Nada me deixou mais nervoso em 2010 do que a Season 3 de Breaking Bad. E põe nervoso nisso!

As coisas foram ficando cada vez mais profissionais para os fabricantes de metanfetamina mais adoráveis da tv, porém, com grandes poderes vêm grandes responsabilidades, rs

A temporada foi tão tensa, que eu fiquei grudado na minha cadeira laranja esperando um dos dois, Walter ou Jesse morrer a qualquer momento. Dra-ma!

Mas nada disso aconteceu e a próxima temporada agora só no segundo semestre de 2011, humpf!

E aquele final de temporada hein? Juro, fiquei com o coração batendo na boca de tanto nervoso

Como eu faço para suprir essa minha necessidade de adrenalina televisiva até lá, hein?

Já que me viciaram, agora eu quero mais!

ps: Damages + Mad Men + Sons Of Anarchy ficaram empatados em 2º melhor lugar, séries mais do que recomendadas pelo Guilt

 

Euri do ano: Modern Family + Community

Duas das melhores séries de comédias no ar hoje. Uma devidamente reconhecida (Modern Family) e a outra injustamente ignorada (Community) pelas premiações.

Todo mundo no elenco é tão talentoso e tão engraçado que fica até difícil de escolher os meus preferidos.

E por isso, empate!

ps: It’s Always Sunny In Philadelphia ficou em segundo lugar

 

Decepção do ano: A sexta e última temporada de Lost e o seu lamentável final


Sério, tenho raiva só de lembrar. Me lembro de estar acompanhando ao vivo online o final e ficar de cara com a resposta do daddy Shephard na igreja. Dafuck?

Mas não era de se estranhar que a série acabasse assim, ainda mais depois de sua péssima última temporada.

Eu me sinto constrangido até hoje com aquele final, fatão!

E não é só o final que me incomoda, mas todo o caminho para chegar a ele que foi muito, mas muito ruim.

ps: já vou avisando para quem for me receber quando chegar a minha hora que eu não vou ser um espirito conformista não hein? E se alguém vier pro meu lado com alguma explicação sem sentido e bunda mole, eu já aviso antecipadamente que eu quebro tudo, seja o meu destino em uma igreja phina ou até em um inferneeenho qualquer. E tenho dito! (tô mais para o inferneeenho que eu sei, rs)


Foufurices do Ano: Kingston + Violet

Essa é outra categoria que eu acho difícil outros levarem, a não ser os seus próprios irmãos, rs

Kingston e Violet estão crescendo, cada dia mais foufos e a gente ainda torce por esse encontro no playground neam?

Foufos mil!

 

Da série casais que nós amamos do ano: Joshua Jackson Diane Kruger

Sempre tive um apego com o Joshua Jackson Pacey Peter, desde os tempos de Dawson’s Creek antiga, fatão! rs

Pra mim é de longe o casal mais sensacional do ano, e andando de bicicleta juntos ainda? Howcuteisthat?

 

Uncategorized do ano: R.I.P Alexander McQueen

Dizer adeus assim tão cedo para um dos meus maiores idolos do mundo da moda foi bem difícil. Tão difícil que até hoje eu fico emocinado só de lembrar daquele dia…

E logo depois dessa coleção absurda neam?

Tudo culpa da sua gelialidade, humpf!

Chorei de verdade, triste mil…

Para quem quiser ler o que eu escrevi na época, pode vir aqui e eu aconselho ler ouvindo “Gloomy Sunday” da Billie Holiday (mas pode ser também na voz da Bjork)

 

Coleção do Ano: Rodarte in NY/ Paul Smith in London/ Jill Sander in  Milan/ Viktor & Rolf  in Paris



Rodarte – NY : o mix de estampas mais absurdo da temporada

Paul Smith – London : o fundamento masculeeeandro mais absurdo da temporada

Jill Sander – Milan: o minimalismo e as cores mais absurdas da temporada

Viktor & Rolph – Paris : o fundamento de camisaria mais sensacional e absurdo da temporada

 

Catwalk do ano: Lanvin H&M

O desfile mais debochado, simples, desejado, comentado e maravileeeandro da temporada.

Ahazou Alber Elbaz!

 

Chocho do Ano: Coco Rocha vs Terry Richardson and Carine Roitfeld

Continuo achando ela uma tola e já disse tudo que eu tinha para falar aqui, então…

NEXT!

 

Capas do ano: Industrie + Vogue 90 anos + Elle Sweeden + New York

Separei 4, sorry! Não consegui escolher apenas 1 e como o prêmio é meu mesmo, rs…

Marc Jacobs de mulher na capa da Industrie eu achei sensacional!

A Vogue Paris fazendo niver de 90 anos com a Lara Stone na capa. Höy!

Essa Elle é da Suécia e eu adorei o fundamento da fotografia

 

Maravileeeandra do ano: Freja Beha Erichsen + Lea T


Freja é linda, tatuada e esteve em todos os meus desfiles preferidos da temporada.

Lea T também é linda, brasileira e muito corajosa ao se mostrar nua para o mundo na revista da Carine. Sem dúvidas um marco na história da moda. E é nossa! Yei!

#TEMCOMONAOAMAR

 

♥  Prontofalei do ano:

Desabafei,  humpf!

Estava mesmo precisando falar…

 

Enfim, terminamos a 2ª edição desse prêmio que é o mais aguardado do ano em todo o mundo (sei, rs). E vejo todos vcs aqui em 2011 hein? Mas antes disso, uma apresentação sensacional pq todo prêmio que se preze tem algum convidado musical neam? (e essa foi uma das performances mais sensacionais de todos os tempos ever)

Encontro marcado aqui ano que vem, combinado?

Essy, The Modern Guilt

Mas qual é o número mesmo?

Outubro 8, 2010

Em um momento de desepero vc pega o telefone, pronto para cometer aquele erro

Minutos depois de ficar encarando o aparelho, vc decide finalmente ligar…quem nunca?

De novo vc se vê encarando o telefone novamente, só que dessa vez por outro motivo…

Qual é o número mesmo?

E com um sorriso sínico vc percebe que, se não se lembra mais é porque  já não é mais assim tão importante. Xocotô!

O que isso quer dizer?

#SUPEREI

Xocotô!

Outubro 4, 2010

Sabe o que é pior do que ter que acordar cedo para exercer a sua cidadania forçada?

Fazer isso na sua escola antiga, na mesma sala de aula onde vc passou por maus bocados, humpf! # Bullying feelings

High School não é um musical feliz querideeenhos, acreditem. Na minha época estava mais para um “Glee” e as raspadinhas geladas na cara daqueles que eram considerados  “diferentes”, com a diferença de que por lá tmbm ninguém cantava (euri)

Olá, meu nome é Essy e aparentemente eu era um desses “diferentes”. Splash! (barulho da raspadinha na minha cara)

Sorte minha, pq eu nunca gostei de ser óbvio mesmo, filkdik

Eu nunca ouvi as mesmas coisas que a maioria deles, nunca me interessei por coisas tolas como eles e talvez por isso eu fosse tão perseguido. Isso e o fato de eu ser um pouco inteligente e ligeiramente nerd (leia-se totalmente) talvez tmbm tenha ajudado. Ter que fazer prova de matemática sentado de frente para a parede com toda a sala a metros de distância de mim, para que eles não se dessem bem na cola, sempre foi um  dra-ma! Entendam bem, nunca tive problemas com cola, ou passar cola, mas o meu professor tinha. Resultado? 3 anos que eu prefiro deixar de lado. Ainda assim não foram os piores anos da minha vida, acreditem também (história para um outro dia…).

Durante os poucos minutos que eu passei por lá hoje, consegui perceber alguns rostos conhecidos daquele tempo antigo que eu não fazia questão nenhuma de rever diga-se de passagem, tive também algumas memórias não tão agradáveis, mas até que foi bom voltar lá hoje. Tudo parecia o mesmo, as cadeiras, as mesa, o pátio, tudo no seu devido lugar. Mas algo estava diferente e eu não conseguia entender o que…

Foi quando me dei conta que o que estava diferente naquele cenário era eu mesmo. Embora eu continue  sendo o mesmo (um pouco mais velho é claro),  talvez se eu não tivesse passado por tudo aquilo eu não seria a pessoa que eu sou hoje e não teria essa personalidade que eu tanto gosto. E isso eu tenho que agradecer a todos aqueles bundões que me perseguiram naquela época. Obrigado suckers! rs

Observando mais um pouco cada um deles eu finalmente percebi que eu realmente não me encaixava naquele lugar, eu não pertencia a aquela turma. Não, eu não nasci para ser mediocre, para ser hipócrita ou para ser um bunda mole. Esse não sou eu, fazer o que neam?

Isso também não quer dizer que eu estou com a vida feita, realizado e bem sucedido, ou que eu sou o melhor ou o correto dessa história.  Não é isso…

Mas de certa forma, eu me senti bem feliz por ter me distanciado de tudo aquilo e ainda assim (mesmo com todo o drama de ser um adolescente atípico ter me tornado quem eu sou hoje. Well done Essy!

E isso tudo me lembrou de uma pequena histórinha Guilt, só para finalizar:

Me desculpe se eu fui um idiota com vc

Anos atrás eu encontrei por um acaso uma dessas pessoas, que  por uma armadilha do destino acabou sendo meu colega de trabalho. Começamos a conversar, normalmente e eu nem falei que eu já o conhecia ou tentei lembrar de alguma coisa do passado e nem ele fez questão de fazer tmbm, mesmo pq diretamente ele nunca tinha feito nada demais pra mim. Mesmo estando em vantagem naquele momento, porque eu estava em um lugar familiar e ele não. Mas não adianta, eu não consigo ser covarde, não tem jeito, sorry!

Acabamos nos tornando amigos, mas nada exagerado, do tipo colegas de trabalho mesmo. Depois de um tempo ele pediu para conversar comigo do meio do nada, disse que precisava dizer uma coisa (pausa dramática)

Fiquei tenso, mas disse que tudo bem, que ele poderia dizer então… (tipo fazendo o cool, whatever, rs)

Foi quando ele pediu desculpa por ter sido um completo idiota comigo na época da escola. Não que ele tivesse sido um dos piores, um dos lideres das perseguições, mas ele era amigo deles. Disse que se sentia mal por ter de certa forma participado de tudo aquilo e que ele gostaria que eu aceitasse o seu pedido de desculpas, por ele ter sido um idiota e nunca ter se dado a chance de me conhecer melhor naquela época e que agora que ele havia de fato me conhecido, acabou se achando um tremendo idiota por ter participado do time dos covardes  (…)

Eu poderia ter aproveitado o momento e ter  feito um discurso contra o bullying, ou me descontrolar e começar a contar o quanto foi difícil pra mim na época (além de ter derramado uma single tear enquanto falava), mas ao contrário de tudo isso, eu decidi considerar esa atitude como algo nobre e disse que tudo bem, que ele estava desculpado. Assim ficamos de bem, rs

Não nos tornamos grandes amigos (porque ninguém mais trabalha por muito tempo na mesma empresa) e eu nem sei por onde ele anda hoje em dia, mas de certa forma foi importante pra mim ouvir isso de alguém que eu não esperava. Fiquei feliz por ele ter reconhecido que eu era  o cara legal da história e não os outros todos do time dos covardes.

E lembrando dessa história hoje enquanto eu encarava as memórias do meu passado naquele lugar, decidi enterrar de vez esse assunto e deixei lá, naquela sala de aula assombrada (rs), toda e qualquer lembrança ruim de um tempo que não tinha porque ser assim, mas foi, infelizmente.

Pena por todos eles que deixaram de conhecer uma pessoa incrível (e modesta, rs)

Para celebrar o momento, vou até assistir “A vingança dos nerds” hoje pq eu achei bem apropriado para esse momento, vcs não? euri

Xocotô!

#EXORCIZEI

Desde quando a moda deixou de despertar o desejo para somente atender aos desejos do mercado?

Setembro 19, 2010

 

 

Incômodo, foi isso que eu senti durante a última semana de moda de NY e isso se deu muito mais pelas críticas, resenhas e matérias que eu tenho lido a respeito do que a própria preguiça que observamos nas passarelas e a grande falta de novidade.

E isso me entristece e muito. Como consumidor me sinto ofendido quando vejo na vitrine algo que eu já imaginei antes ou que na maioria das vezes eu provavelmente já vi por ai. E como criador, fico imensamente decepcionado quando o mundo da moda se volta a atender ao mercado. Me sentia muito mais tentado quando a moda se preocupava em despertar o meu desejo, bons tempos.

Moda desde sempre foi business, mas de um certo tempo para cá os olhos e as cifras vem chamando cada vez mais atenção dos investidores. Todos querem a sua fatia gorda do mercado e para isso precisam vender, a qualquer custo. Nem que seja em grandes liquidações, para abrir espaço para as novas coleções que já estão para chegar, ou até mesmo em vendas especiais como no Fashion’s Night Out que tem o mesmo objetivo, com vários nomes importantes da moda envolvidos cada vez mais com a economia e o business.

Quando vejo uma semana de moda tão sem graça quanto essa edição do Verão 2011 em NY, eu fico incomodado profundamente, porque os talentos estão ai e todos nós sabemos disso, mas parece que agora para vc ser um bom criador de moda é importante que vc também seja um administrador. Não entende nada de números? Talvez vc não sirva para isso. Boring!

Esse é o atual perfil do mercado e se vc não se encaixa ou não de identifica, acaba ficando sem espaço, fato. Não existe um equilíbrio, ou vc é totalmente focado no business, ou arrisca a sua cabeça em uma roleta russa voltada a uma inspiração qualquer que pode ou não ganhar a atenção dos consumidores. O equilíbrio entre essas duas pontas da história já não existe mais e vc é forçado a escolher o seu lado.

Talvez por isso as vitrines ultimamente pareçam tão iguais e cansativas. Já não tem mais graça vc dar uma volta no shopping para ver uma vitrine. Gosta de acompanhar as tendências? Quer saber o que esta acontecendo no mundo da moda? Basta olhar uma única bela e boa vitrine bem servida de vários modelos que vc já viu todas.

Críticas a favor de uma limpeza nos looks, “por uma moda menos Gaga” como a que eu acabei lendo no FFW, ou as matérias que saíram a respeito do mesmo assunto no Times reforçam essa necessidade de optar pelo menos. Mas a minha leitura para o que esta acontecendo nesse momento, escondido nessa proposta é que esse menos não é um menos de “mais clean”, ou “menos exagerado”, não acho que seja isso que eles realmente querem dizer quando usam a palavra “menos”. Pra mim soa mais como um “menos de quem não quer se arriscar a perder dinheiro” onde me parece que ninguém mais esta disposto a arriscar sua cabeça por uma idéia qualquer, um sonho ou uma inspiração. Ninguém nunca esteve na verdade, mas parece que agora, com essa profissionalização cada vez maior no mercado por pessoas focadas apenas no negócio, ficamos menos inocentes e com isso menos interessantes também.

Talvez isso seja um reflexo do efeito da venda dessas grandes marcas do mercado da moda para grupos de investidores. Esses sempre me parecem muito menos interessados em criar novas propostas ou novas identidades, demonstrando quase sempre uma vontade maior de manter aquilo que esta dando certo nesse momento, o que as pessoas estão engolindo. Algo que obviamente esta garantindo os salários gordos e os lucros que aumentam a todo instante para essas pessoas no comando.

Tom Ford tenta fugir dos olhos rápidos do fast fashion e a indústria da cópia e faz uma coleção elitista, fugindo da simplicidade proposta por seus colegas e dando um valor para muitos “exagerado” ao glamour e a exclusividade das ricas e endinheiradas mundo a fora. Tentou esconder o ouro de todo mundo, mas não conseguiu e em pouco tempo depois, algumas imagens da sua tão exclusiva nova coleção já estavam disponíveis para o mundo todo. Diz que só vai liberar a coleção em cima da hora, quando chegar o momento de vender, o que eu acho arriscado, uma vez que novamente a palavra “desejo” volta a minha mente, onde para que esse tal desejo aconteça é necessário mostrar antes  o que vc tem para oferecer para que as pessoas possam sonhar com o que desejam compar. A não ser que ele pense nisso apenas para atender aquelas 30 mulheres ricas e poderosas que participaram da sua brincadeira e que já viram a sua proposta. Uma palavra: tolo.

Por outro lado vem os seus colegas de profissão, clamando por uma simplicidade, exigindo algo mais próximo da realidade, algo “menos Lady Gaga” e mais com cara da mulher de NY. Mas quem é a mulher de NY? Não pode ser ela várias versões dela mesmo ou de outras mulheres do mundo todo? É possível definir um estereótipo? Acho difícil…

Se a mulher idealizada por eles é aquilo que vimos nas passarelas durante a última semana eu diria que a mulher de NY é uma bela e boa preguiçosa.

Outra coisa que não sai da minha cabeça é a pergunta: desde quando os sonhos são palpáveis?

Moda é uma realidade, mas sempre transitou muito bem em um universo de sonhos, da fantasia. As imagens de passarela, pra mim sempre foram algo além da realidade, um sonho, uma construção de algo além do esperado.

Não quero chegar à primeira fila de um desfile e encontrar a mulher com o cardigã + vestido fluente + branco/nude/bege + e 3 ou 4 variações do mesmo sapato em todos os looks do desfile, como se eu estivesse vendo uma apresentação de stylist de como se vestir bem ou adequadamente para uma ocasião qualquer. Obrigado, mas para isso já existem bons profissionais e livros excelentes sobre o assunto.

Quero chegar na primeira fila e encontrar absurdos, quero inovação, quero vontade, quero despertar e não ficar com sono depois do 5º look  de passarela. Quero me emocionar! E se para isso, seja necessário potencializar, maximizar ou caricaturar, que é o que a Lady Gaga faz com maestria, que assim seja. Não quero que todas as mulheres tenham a sua cara, apenas a sua coragem basta.

Gosto de me emocionar quando assisto a um desfile, seja ele ao vivo ou por streaming e isso infelizmente vem acontecendo cada vez menos, seja em NY, em SP ou em Paris.

Com tudo isso, eu não quero dizer que a semana de moda de NY não valeu à pena ou que foi de total falta de criatividade porque nem tudo foi ruim e nem quero criticar esse ou aquele veículo, que são as minhas fontes de informação. Só quero dizer novamente  que eu senti falta de desejar e isso me parece algo bem  importante.

Pronto, desabafei…

ps: achei apropriado utilizar a imagem acima da série Bored To Death para ilustrar o tom  do final texto, rs

Bem malucona essa Demi Moore hein?

Setembro 3, 2010

Toda solta no show do Snoop Dogg e porque será hein? (@piadapronta)

E a Ashton toda constrangida no cantinho? Euri

E eu tenho um trauma pessoal com a figura da Demi Moore durante a minha infância, mas será que eu conto?

Okay, momento historinha Guilt! (Yei, já estava com saudades)

Eu já fui a Demi Moore, tsá? Blame the 90’s

Bom, em meados dos anos 90 e ainda sem muito poder de escolha (ainda…) e acompanhado da minha mommy, seguia eu para o salão para aparar as minhas madeixas lisas e escorridas.

Até que o novo cabeleireiro do momento teve uma ótima idéia: vamos fazer algo ousado? (esse sou eu fazendo referência a mim mesmo e as coisas que escrevo, rs)

Tesoura daqui, repica dali, resultado: o corte de cabelo da Demi Moore em Ghost. (dra-ma)

Até ai tudo bem, afinal aquele era um cabelo tendenzia para a época, mas existe um “grande” (euri) detalhe que me separa da própria neam?

Enfim, vcs imaginam o quanto eu sofri bullying na escola nessa época neam? Não gosto de assistir Ghost até hoje por causa disso…(rs)

E o pior é que o bullying as vzs era involuntário do tipo: Noooossa, que menina linda, esta a cara daquela atriz que fez Ghost neam? (humpf!)

Tudo bem que eu era um menino exótico a andrógeno neam? Mas precisava facilitar o chocho, hein manhêeee? (@vidasofrida)

Resumindo: oi meu nome é Essy e por algum tempo eu fui a mini Demi Moore nos 90’s. (poderia ter ganhado algum $$$ com isso hein?)

Agora amadurecido e repensando no assunto…será que eu e Demi temos algo de semelhante? Hmm mmm

Até que eu acharia bens neam? Afinal, ela ainda é pencas desejada e parece que tmbm tem um  pacto com o tinhoso, onde dizem que ela vendeu a sua alma em troca de nunca envelhecer.

Taí a nossa semelhança Demi!

Se bem que eu não faço dessas coisas ó…

Agora isso eu já acho demais hein Demi? Mesmo estando gatona, magrona e gostosa hein? Um Höy pra vc! Um Höy pra gente! (rs)

E olhando por uma lado melhor ainda, hoje em dia com aquele cabelinho, eu seria fácil fácil o próprio Alejandro da Lady Gaga. Olha só como se pode tirar algo de bom de tudo neam? (@autoajuda)

Descobri o porque que eu não gosto de Twilight

Julho 29, 2010

Me peguei pensando um dia desses no porque que eu não gosto nem um pouco de “Twilight”. Sempre fui do tipo que detesta modeeenha e tudo mais e não sou das pessoas mais influenciáveis do mundo, o que já me distancia um pouco de uma maioria que eu vejo por ai que é fã do filme (sem ofenças!). Mas tmbm nunca fui tão radical assim com assunto nenhum, sempre me permiti pensar a respeito de tudo e talvez por isso eu tenha dado uma chance para “Twilight”.

Mas não rolou, não deu pra mim, sorry! Assisti apenas ao primeiro filme e me arrependi logo de cara. Não que eu não tenha gostado de uma ou outra coisa aqui e ali. Na verdade eu não gostei de nada, fatão!

E antes que um fã mais empolgado da franquia já comece a pegar no meu pé por eu não gostar do filme (e nem ter visto os demais) eu vou começar justificando o porque que eu acho “Twilight” um filme ruim. Sisegurem!

Para começar o grande e talvez o maior erro de “Twilight” esta no fato dos vampiros circularem a luz do dia. WTFuck? Eu não me lembro exatamente o pq e se isso é explicado no filme, pq já faz tempo que eu asssiti (no ano passado eu acho…), mas nenhuma explicação nesse mundo conseguiria me fazer entender como aquelas criaturas que sempre foram retratadas com criaturas noturnas, aparecem no filme desfilando pelas ruas em plena luz do dia e com um glow todo especial naquelas peles palidas.

Já começamos a acabar com o mito nesse ponto. O charme dos vampiros sempre foi esse lado mais sombrio, essa alma dark. E ai não dá para coloca-los em uma sala de aula em plena manhã ensolarada e achar que vai ficar tudo bem neam? Mesmo tendo funcionado para contar essa história de amor tola de colegial, eu não consigo achar um sentido e muito menos graça em tudo isso. Novas proposta são bem vindas, mas modificar assim tão drasticamente a história de um mito é meio que demais pra mim…

Outro ponto forte e talvez o maior deles que gira em torno do misticismo dos vampiros,  é o fato deles serem almas livres, sexualmente ativas, sexys. E eu não vejo isso em “Twilight” e nem sinto. Tirando o apelo dos galãs do momento, como o próprio Robert Pattinson (que é o novo Leo DiCaprio), eu  não vejo o menor apelo sexual entre aqueles personagens, não rola, não tem química. Ok, eu sei que para o filme ganhar força entre os adolescentes eles realmente não poderiam colocar em prática todo esse lado sexyam (Höy) dos vampiros, como o que assistimos na HBO em True Blood por exemplo, mas praticamente ignorar esse fato no filme me pareceu forçado demais e pra mim fez perder toda a graça.

Eles preferiram vender “Twilight” como uma espécie de novo Romeu e Julieta, focaram mais na história de amor entre os dois adolescentes, outro fato que eu achei negativo no filme. A atração entre os dois esta presente no filme sim, mas toda essa história de amor me pareceu um pouco vaga demais, tola demais eu diria. Talvez eu não tenha mais idade para isso. É, talvez seja isso… (mas eu amo Harry Potter, rs). Mas eu ouço por ae: Ahhhh, mas no livro isso é melhor explicado, vc iria gostar – Poxa, então pq fazer um filme de zilhões de bilhões se o livro é melhor e mais explicativo? É muito mais barato imprimir e vender o livro, não é?

O filme foi um sofrimento pra mim, não via a hora de tudo aquilo terminar, não gostei da trama, da fotografia, da direção, de nada. Para não xoxar completamente o filme, eu gostei da cena do jogo de baseball ao som do Muse, mas foi só isso, fom forom fom fom.

Na verdade eu acho que “Twilight” foi lançado com 2 anos de atraso e essa é a minha teoria. Se eles tivessem pego carona na moda que ficou mais conhecida como “emo” , eles certamente teriam feito um sucesso ainda maior e eu aposto nisso. Agora esse look meio dark, meio princeseeenha punk dos personagens não cola mais, parece antigo, so last season, ultrapassado, old. Se o filme tivesse sido lançado em 2006 e não em 2008 como foi, tudo faria mais sentido.

Agora vamos falar da arte do filme?

Todas as fotos de divulgação do filme que eu vejo são feias (como essa acima), fatão. Retocadas demais, peroladas demais, com sombras demais. Acho todos os personagens meio feios e com um ar meio cofonona. Uó! Odeio aquele brilho que eles colocam na pele dos personagens, acho cafonona mil. E olha que o elenco é bem bonito propositalmente, escolhidos para agradar e apaixonar,  mas acreditem, existe público para o mau gosto e parece que “Twilight” acertou em cheio esse nicho de mercado. (euri)

#Bad Photoshop Feelings

Mas entendo o apelo entre os jovens, que sempre se sentiram atraídos por esse tipo, isso desde a minha adolescência onde os meninos vestidos de preto e com os cabelos compridos faziam o maior sucesso naquela época  e imagino que no passado, outro estereótipo seguindo uma linha parecida como essa tenha feito sucesso tmbm. Pre-gui-ça! Zzzz

Até o Robert Pattinson que é o galã do filme fica meio feio com aquele cabelo artificial e os olhos amarelados. Ela, a Bella eu até acho que conseguiram deixar mais feminina no filme, as vezes nem acho que é a mesma atriz nas fotos, rs.

E que capa mais pavorosa é essa Brasil?

E ai eu que sou palido, branco como um floco de neve e tenho o cabelo escuro, sempre fui assim (já fui mais bronzeado tmbm e já até tive os cabelos coloridos, rs). Andando bem serelepe pelas ruas de SP, sou confundido com um fã histérico da saga e logo me perguntam: E ai, vc curte Crepúsculo?

Essy diz: N-Ã-O!

Poxa, que saco hein? Passei anos com pessoas achando que eu era emo (odeio rótulos!)  e tem gente que me pergunta isso até hoje, sendo que os emos já até migraram (e agora eles me confundem tmbm com os fãs do Restart, rs) e como se não bastasse, agora eu tmbm sou confundido com um fã de Crepúsculo. WTFuck?

Zzzz…

Puta preguiça disso tudo viu? Vamos deixar os rótulos para as embalagens? Eu tenho roupa preta, xadrez, colorida, uso óculos de armação grossa e preta, dunk, converse, tenho o cabelo meio grande e uso franja desde criança (já provei isso para vcs) e é só isso. Não sou nem isso, nem aquilo, sou apenas eu mesmo, ok?

Prazer, eu sou o Essy!

Gente jeca! Acho que eu vou ter que começar a fazer bronzeamento artificial e quem sabe até tingir os cabelos de loiro platinado, assim quem sabe  eu consigo fugir dos estereótipos do momento neam?

Mas ai eu vou estar fadado a outro tipo de pergunta:

_ E ae cara, vc é do surf? (argh!)

Bom,voltando ao filme, eu nunca fui daquelas pessoas muito fã das histórias de vampiros e toda essa cultura do vampirismo, mas não tenho nada conta tmbm. Gostei de alguns filmes com a temática, mas nunca fui fascinado por esse universo, daquele tipo de pessoa que diz: noooossa, eu amooooo vampiros.

Até que eu conheci True Blood (antes de Twilight) e ai qualquer comparação com o filme é injusta, pq a série é tão superior, tão absurda, que chega a ser até covardia. True Blood sim retrata um bom vampiro como ele merece ser retratado, neam Eric? Höy! Caricata ao extremo. A série eu entendo, enxergo a sua beleza e me divirto. Prefiro mesmo e sem a menor dúvida os vampiros de True Blood, que são para maiores de 18. Talvez seja isso, o velho que mora dento de mim falando mais alto, rs.

Nunca gostei de fanatismo e é outra coisa que me irrita muito. Aqueles fãs que se vestem como os personagens do filme, falam como os personagens, compram tudo sobre a franquia… é, eu tenho preguiça dessa gente, prontofalei!  Mas até entendo quando isso acontece no universo de um adolecente de 13 ou 14 anos, agora quando vc já tem mais de 20 e ainda esta nessa, sinto muito em dizer mas vc provavelmente precisa de ajuda.

#Wee Feelings

E eu vejo o filme sendo indicado na maioria das premiações teens e levando quase todos os prêmios e me pergunto: WTFuck? Achei que os adolescentes de hoje em dia seriam mais bem informados, com tantas possibilidades disponíveis para isso neam? Mas não, continuam sendo os mesmos tolos de 15 anos atrás. Mas como eu disse, se for pra ser um babaca, que vc seja um babaca na hora certa e se vc já passou dos 20 e ainda esta nessa,  nada justifica. Vc deve ser mesmo um ba-ba-ca!

Mas isso não é regra tmbm e se vc for um adolescente mais esperto, ainda tem alguma chance e por isso eu grito: run adolly, run!

Fato é que com essas poucas palavras eu acho que consegui justificar bem o porque que eu não gosto de “Twilight”, mas posso resumir ainda mais para vc que pode ter preguiça de ler: acho chato, cafonona, meio bunda mole demais e com uma histórinha de amor tola de adolescentes mais tolos ainda. Sorry, mas pra mim é isso!

Ou ninguém naquela escola percebe que aquele garoto é palido demais e tem os olhos amarelados demais…hein? Fora o que ele deve ser gelado neam? Que piada…

Sem contar que nem adianta algum fã mais fervoroso do filme ficar no meu pé, dizendo que eu não entendi o filme e blah blah blah e que por isso eu tenho que assistir os demais filmes da saga. Nem adianta que eu não tenho tempo (saco) pra isso. E toda vez que eu penso em ver algum filme ruim, eu penso no tempo que eu vou perder sendo que eu poderia estar assistindo alguma outra coisa incrível da minha lista e ai eu logo desisto.

Portanto é fato e eu vou dizer para quem possa interessar: eu de-tes-to Twilight!

Praia, sol e um bronzeado de dar inveja a qualquer um

Julho 5, 2010

Não contei para vcs porque foi meio que de última hora, mas esse finde eu fui para a praia e foi ótimo! Não tenho muita (a menor) intimidade com a natureza para falar a verdade, mas de vez em quando é bom se aventurar neam?

E foi divertida mil essa mini viagem e quem esteve pelas praias do litoral de SP (uma delas na verdade neam? rs) pode conferir toda a magia e sedução nerd desfilando pela praia, com orgulho do seu bronzeado de escritório (rs)

Foi tipo: A família Addams vai à praia (euri)

Eu nem me lembro exatamente quando foi a última vez que eu estive na praia.

Só sei que faz muuuito tempo, muito mesmo…

Me lembro de ir sempre quando criança e confesso que me lembrei de muita coisa do passado com saudades nesse finde

Por lá, as coisas continuam iguais (e até mais limpas eu achei…) e a sensação da água gelada do mar molhando os meus pés ainda me emociona e continua sendo deliciosa.

Talvez eu deva repetir mais esses momentos neam?

E o meu bronze total white agora já se transformou em off white, rs

#Pensando em virar sereia feelings

Palhacitos

Julho 1, 2010

Não adianta, eu não consigo…não tenho humor para isso. (eunãori)

Adoro pessoas engraçadas, divertidas, mas palhacitos eu não consigo engolir, fatão!

Acho que quando vc é uma pessoa engraçada, as outras pessoas percebem isso naturalmente, sem forçar a barra ou apelar para um humor escrachado (gosto de humor escrachado tmbm, que isso fique claro) e tolo

Aquela máxima que diz que é melhor que riam com vc do que de vc deveria ser considerada com mais frequência, vcs não acham?

Não gosto de ser o centro das atenções, nunca gostei, nem quando isso acontecia por acaso, não tenho essa necessidade mas entendo quem tem (inseguros, carentes, tolos)

O que eu não consigo entender é o que leva uma pessoa a tentar se impor dessa forma estúpida?

Só pode ser uma forma de defeza…só pode!

E não sei quem eu acho pior, o palhacito em si ou a audiência?

Mas que elas, a audiência,  me lembram das Hyenas do Rei Leão isso lá é verdade.

Sabe gente que da risada de qualquer coisa? Vc cai no chão, a pessoa da risada, vc pisca a pessoa da risada. Tudo é motivo de risada, que é tão exagerada quanto as suas piadas estúpidas

Imagino as rugas no futuro…

O mais engraçado é tentar se passar por modernos, tipo “olha como a gente se mistura”, rs

Mistura nada, vc aponta e dá risada porque acha caricata, pq acho exótico e quer mostrar que vc tmbm pertence a esse mundo que na sua visão é “moderno”.

Mas cá entre nós, isso nunca foi moderno, é tão antigo e ultrapassado que eu nem sei com o que comparar…

Ou no seu mundo moderno as pessoas ficam apontando e dizendo: olha, ela andou! Kakakrakaka…olha, ela piscou! Kakarakaka

Gente tola…eu me recuso a participar dessa palhaçada hein?

Não consigo achar graça de qualquer coisa, ainda mais se for algo bem imbecil e pouco inteligente. E olha que eu sou bem engraçadeeenho hein? Mas esse tipo de humor mais me irrita do que qualquer outra coisa, fato. Ainda mais quando esta na platéia errada neam?

E como tudo começa a fazer sucesso no mundo com um atraso de 2 anos de quando um dia foi novidade, nesse caso temos um atraso de mais ou menos 20 anos (pelo menos), mas enfim chegou!

Só não vai achando que foi aceito não viu pq não foi viu? Não se iluda…

Continuam rindo de vc, e não com vc. E o pior de tudo é que agora eles abrem as suas portas e fingem que esta tudo bem, mas continuam rindo da sua cara e na sua cara. E o pior, parece que vc nem percebe, fatão! (não percebe porque é tolo, fikdik)

Mas como toda sociedade precisa do seu bobo da corte, talvez essa seja a versão mais contemporânea da profissão e por isso agora passa a ser aceita.

Aponte, sorria, vc esta sendo filmado! Pah!


%d bloggers like this: