Posts Tagged ‘2×10 Actability’

Actability

Agosto 10, 2012

Semana boa essa em TGP, hein? Boa no sentido de que tivemos um bom episódio, ainda mais depois daquela preguiça que foi o da semana passada. Mas digamos que até agora eu não sei exatamente dizer qual foi o meu sentimento em relação a eliminação dessa vez, que em partes parecia um sonho, mas que chegava também com o incomodo de um  pesadelo, daqueles que vc acorda no meio da noite e não consegue voltar a sonhar com outra coisa…

Semana para colocar toda a dramaticidade para fora, onde ganhamos como convidada a Dianna Agron, que é ou não é uma atrizona, hein? (NOT) Sem mencionar os seus talentos vocais de uma voz que custa sair… mas deixaremos Quinn Fabray de lado, pq nós nos importamos zero com ela. (rs)

Homework foufo, com um certo grau de dificuldade e uma surpresa como vencedor: Michael (♥). Ele que vinha sendo constantemente criticado, o que eu nunca senti que acontecia por ele ser o pior do grupo (porque sempre houveram piores, bem piores) e sim por ele sempre entregar menos do que eles esperavam de Michael, que finalmente ganhou a sua chance de ser o destaque do episódio. Uma recompensa que também chegava com um certo ar de disfarce, como uma espécie de “prêmio de consolação”, pelo seu esforço no programa até agora. (e digamos que TGP não é muito bom em conseguir esconder o que eles não conseguem que aconteça “naturalmente” dentro do reality, vide a rivalidade criada recentemente entre Michael vs Blake por exemplo, que só eles conseguiram enxergar)

Vou confessar nesse momento para vcs que até esse ep, que foi o penúltimo dessa segunda temporada, eu bem já sabia que o Michael chegaria. Na verdade, não exatamente isso, mas ainda no primeiro episódio, ao final, quando foi exibido o preview completo dessa Season 2, eles meio que editaram de uma forma bem óbvia e acabaram entregando bastando do que ainda estaria por vir (sorry, eu presto atenção nesse tipo de coisa, tenho DDA e me prendo a detalhes). Nessa preview, uma cena me chamou a atenção, que era o momento em que o Michael corria em close como se não houvesse amanhã, perto do fim da tal preview. Com essa pista, tinha certeza que até que essa cena fosse exibida no programa (e isso só aconteceu nesse episódio), Michael, que era um dos meus preferidos declaradamente desde sempre, estaria salvo. E foi exatamente o que aconteceu. PÁ! Mas será que Michael sobreviveria a mais um episódio nas mãos da Nikki Megabitch, sempre pronta para sabotá-lo? …

E em semana onde o foco foi a atuação de cada um deles, não tivemos coreôs (#FUÉM), o que já indicava que sobraria algum espaço a mais para ser gasto no decorrer do episódio, uma pista de que algo mais precisava acontecer (hmm mmm). E para o vídeo da semana, os participantes tiveram que gravar um trailer fictício para um filme imaginário, onde cada um deles acabou tendo a chance de interpretar um papel específico e com lines improvisadas pelos próprios, em uma história onde todos eles se encontravam e estavam ligados de alguma forma. Papéis que poderiam facilmente até ser o que ele um dia chegariam a interpretar em Glee e pra mim esse foi o teste decisivo para todos eles antes da final. 

E posso dizer? Esse foi ou não foi o melhor vídeo da temporada?! Eu que vinha criticando semana pós semana todos os videos dirigidos pelo diretor Erik White, tenho que reconhecer que dessa vez ele estava em um ótimo dia, o melhor de todos eles. A edição estava super bacana, dinâmica e em poucos minutos eles conseguiram demonstrar exatamente o que seria aquele filme caso fosse algo real. Achei bem bom mesmo e achei super importante o cuidado que o próprio diretor demonstrou ter com cada um deles nessa reta final, onde não seria justo que um ou outro acabasse sendo eliminado por conta de um deslize qualquer ou pela correria das gravações, que a gente sabe que deve atrapalhar.

No vídeo, o grande destaque acabou sendo Aylin, que interpretava uma garota muçulmana do tipo bem estereotipada e que se encontrava grávida do quarterback da escola, que era totalmente escroto com ela (Blake) e que na verdade, estava era mesmo apaixonada pelo melhor amigo do namorado, papel que ficou por conta do Michael. E foi muito forte ver o sofrimento dela enquanto pessoa, antes mesmo de assumir sua nova identidade, tendo que se caracterizar como o personagem e encarar no espelho o reflexo de uma imagem que nada tem a ver com a Aylin que conhecemos e aprendemos a AMAR durante essa temporada e que era algo que ela lutou contra por toda sua vida, segunda a própria. Uma cena realmente forte e de grande impacto, mais do que o drama planejado para o tal trailer e eu espero que o uncle Ryan tenha percebido a força que o personagem dessa menina tem, com uma imensa vantagem em relação aos demais, que podem até ser bons, mas que ou são meio óbvios demais ou que nós já vimos sendo representados em Glee. Aylin é Unique! (acho que eu já disse isso, mas de qualquer forma, anota ae Ryan…)

Outro bom papel para esse vídeo foi o da Lily, que acabou ganhando a vaga de “vilã” (porque será, hein?), sendo dentro daquela história a culpada pelo acidente que acabou deixando a Ali naquela situação. Pesado neam? Ali que tinha o sonho de ser um ginasta, mas teve que abandoná-lo por conta do suposto acidente e que por sua vez no vídeo ainda interpretava a irmã do Michael. Nesse caso, Lily acabou sendo favorecida por um carga dramática bem fácil de se atingir, o que por outro lado acabou deixando Ali meio que diminuída no papel daquela que aceitava de bom coração o que a vida tinha lhe reservado após o acidente causado pela amiga. O que se vc parar para pensar, é muito mais difícil de se interpretar e encontrar o tom certo, do que alguém que tinha uma parcela de culpa daquele tamanho para carregar como o personagem da Lily Megabitch, onde a emoção necessária acabaria vindo naturalmente, de um jeito ou de outro.

A outra batalha do vídeo ficou por conta da dupla Blake vs Michael, que foram sensacionais nas cenas onde entraram em conflito pelo amor da Aylin. Nessa hora, novamente eu acabei sentindo que o Blake acabou sendo favorecido por uma preferência que os jurados nunca esconderam que tiveram desde o começo (a Nikki então, deve ter escrito um Blake de batom na rabiga até hoje), porque eu realmente não achei nada de demais naquela sua atuação bem da normal. Já o Michael… não sei se pela minha torcida declarada pelo garoto desde muito tempo (#CRUSH), acabei achando que ele foi até melhor do que o Blake em sua atuação, ou pelo menos mais surpreendente, ainda mais porque como vencedor do homework da semana, ele acabou tendo mais destaque no próprio vídeo, embora as cenas de maior impacto tenham sobrado para o Blake (sinto cheiro de favoritismo…). Mas digamos que realmente ambos foram muito bem e seria justo até declarar um empate nesse caso.

Ainda falando do Michael, quão foufo foi ele anotando todas as sugestões da Dianna Agron durante o seu momento de aula particular ao lado da atriz hein? Não me lembro de ter visto nenhum outro participante tomando a mesma iniciativa, o que eu achei bem foufo. (e seria o que eu faria no meu Moleskine, claro!)

Até que chegamos ao momento do anúncio dos três piores da noite, que devido as suas performances nesse episódio, estava bem difícil de escolher. Nesse momento, tivemos uma despedida super foufa dos três jurados que acompanharam mais de perto a evolução de cada um deles, com um Robert + Zach sendo os foufos de sempre, super emocionados e parecendo bem honestos  quanto ao que diziam naquela hora para todos eles e a Nikki sendo aquela megabitch de sempre que não engana mais ninguém, fingindo gostar de todo mundo e mentindo descaradamente dizendo que gostaria que seus filhos tivessem alguma coisa de cada um deles, quando a gente sabe que o que ela queria mesmo é que o filho que ela espera fosse a cara do Blake, rs. Ainda aposto que essa criança vai se chamar Blake se for menino e Bleka se for menina. E que ele ou ela tenha um choro bem fora da harmonia, rs.

E foi quando recebemos a notícia de que todos eles iriam se apresentar para o uncle Ryan naquela noite porque já não haviam  mais “piores” dentro da competição e Ryan dessa vez viria acompanhado dos roteiristas de Glee, para que eles pudessem avaliar de perto a força de cada um dos concorrentes enquanto possíveis personagens. E foi quando eu fiquei bem tenso, porque como todos estariam naquele palco para a apresentação, senti que tudo poderia acontecer e é claro que eu não estava preparado para perder nenhum dos meus preferidos tão perto da final, neam? (Aylin + Michael + Ali = ♥)

Michael recebeu “Girls Just Wanna Have Fun”, provavelmente como sabotagem da própria Nikki, porque ele ganhou aquela versão mais lenta e sonolenta, que o próprio Cory já interpretou na série (mas Michael fez melhor) e que ele conseguiu até que entregar direitinho, mas sem muita emoção, talvez nem muito por sua culpa e sim pela versão música em si, que não ajuda muito. Aliás, nesse momento eu não conseguia não pensar que essa seria uma música perfeita para o Charlie cantar e garantir sua vaga na final, por exemplo. Humpf! (saudade de Charlie, que volta para nos despedirmos no episódio final, claro!) Ali e Lily foram ótimas. Ali melhor ainda e é impossível não notar como a voz dessa menina acabou melhorando com o tempo, hein? Fora o seu carisma e o talento para o humor, que também são inegáveis. Lily a gente sabe que canta bem e tem carisma, mas digamos que ela se atrapalhou um pouco se aventurando entre dois personagens diferentes durante sua apresentação, que ela até que começou muito bem, com uma interpretação mais sútil e bem vulnerável, mas que logo acabou apelando para a gordinha sexy que acha que pode tudo e com todos de sempre, que já não interessava mais a ninguém.

E eu cheguei a uma conclusão a respeito da Lily. Acho que ela assistiu “Hairspray” demais na sua vida. (isso dito por alguém que praticamente acorda cantando “Good Morning Baltimore” hein? AMO  “Hairspray”, AMO!) E diga-se de passagem que para o personagem principal do musical ela seria perfeita, mas quanto a suas outras camadas… todas elas deixavam a desejar, inclusive o seu lado megabitch, que mesmo depois do aval do próprio uncle Ryan, que queria ver ela e a Aylin lutando de burca em uma piscina com gel, acabou ficando bem adormecido nessa reta final de TGP. Poor Lily, perdeu até a única coisa que sempre nos chamou a atenção para a sua personagem, que era a sua megabitchness. #FUÉN

Blake novamente foi favorecido (porque será, hein?) ganhando “Im Still Standing” de presente para a sua última chance de ir para a final, música que ele também cantou direitinho, mas é claro que não conseguiu superar a versão deliciosa do nosso Artie, neam? (♥). E Blake estava visivelmente nervoso e bem do sem graça durante toda a sua apresentação, fato. E o meu problema com o Blake é exatamente esse, acho ele extremamente óbvio, do tipo que não assume riscos e anda muito bem, só que apenas dentro da sua zona de conforto de galã e talvez só por isso tenha ficado na competição até essa altura. Juro que não é pessoal, mas acho o Blake a escolha mais óbvia para um high school americano, diferente do Michael, que poderia ser o boy magia do colégio, só que extremamente tímido e nerd, o que seria algo que nós ainda não tivemos na série, apesar de também não ser dele  o personagem pronto mais interessante. Sinceramente, com tanto personagem bacana dentro e fora da série, quem é que está interessado no novo esportista de coração mole que vai se apaixonar pela garota pouco popular do colégio, mesmo comprometido com a cheerleader megabitch da vez, hein? (R: ninguém…)

Mas e a Aylin, hein? Recebeu de presente “Fighter” da XL-Tina Aguilera e começou a sua apresentação meio capenga, com pouca força e quase dormindo. E justo na reta final, quérida? E justo com um hit com uma força enorme como esse, que todos nós cantaríamos pensando em todos os nossoas arqui-inimigos e ou boys magia negra da vida? Juro que cheguei a ficar morrendo de medo que ela fosse a eliminada da vez, porque por aquela apresentação preguiçosa ela até que merecia (só por isso, mas leiam essa parte bem baixinho, pq eu não quero que o universo ouça) ainda mais depois de alguns comentários favoráveis  por parte dos roteiristas presentes naquela noite para os demais participantes e não para ela. #TENSO (a segunda parte da música foi boa, mas talvez fosse tarde demais…)

E mais imprevisível do que nunca, uncle Ryan deu sua cartada final e disse que já que estava quase no final mesmo, ele  agora estava até disposto a mandar 2 ou 3 para casa naquela noite, sem a menor dó, o que só deixou o clima da despedia ainda mais nervoso. E foi nessa hora que recebemos a notícia de que chegava a hora do Michael se despedir de TGP, para o meu particular e total desespero. Juro que o meu coração se despedaçou em 121244574452454558658454 pedacinhos nessa hora (dava até para ouvir o barulho dos cacos caindo no chão, juro) e eu quase não acreditei que a Nikki finalmente conseguiu fazer o que ela queria durante toda essa temporada. Humpf! (gente, quero um dos roteiristas no lugar dela na próxima temporada – o bear de preferência, Höy! – e podem deixar a bee do mute lá dentro do estúdio no lugar da Nikki que não vai fazer a menor falta… WOO) Whatabi-a-tch?

Mas esse sentimento nem teve tempo para ser digerido de verdade e como merecia, porque logo na sequência, ainda focados na lista dos eliminados, a câmera desceu e vimos que não só o Michael sairia naquela noite, como Lily Mae Megabitch finalmente deixaria a competição (ÊEEEEEEEE!), o que automaticamnte reconstruiu o meu coração imediatamente com muito remendo de cola quente e me fez ficar feliz de novo (quase acordei minha roommate com o meu aplauso e gritinho fino de “Yei” naquela noite) até eu perceber novamente que o meu maior desejo durante essa temporada de TGP finalmente tinha chegado, mas que junto com ele viria uma parte bem triste, que era a despedida do meu candidato preferido desde sempre. E o coração se despedaçava novamente ao som de “KHO”, que todos nós cantamos dessa vez sorrindo quando aparecia a Lily em foco e mandando um “Suck it” bem alto e deixamos escorrer aquela single tear especial do drama dramático quando o foco estava no Michael, claro. Triste mil.

Fiquei triste e feliz ao mesmo tempo e senti que o Ryan Murphy pensou em mim ao eliminar o Michael daquela forma, me acalmando logo na sequência com o tão aguardado momento #FORALILY. Thnks Ryan!(mas o Michael  era melhor do que o Blake e bem mais interessante, SIM! – ♥)

Com isso, confesso que não tive tempo para ficar #CHATIADO ou feliz, como se um sentimento acabasse sendo anulado pelo outro nessa última eliminação de The Glee Project. E na semana que vem tem a final, que eu quase não estou me aguentando de tanta ansiedade e medo de acabar encontrando algum spoiler sem querer logo agora, restando apenas Ali (que está vestida de rainha do baile no promo da finale) + Blake (ZzZZZ) + Aylin (que está maravileeeandra de turquesa também no promo da finale), que eu espero que dessa lista, só o Blake não saia como vencedor. Sério. Desculpa qualquer coisa Blake.

E isso foi o que vcs perderam essa semana em T-H-E-G-L-E-E-P-R-O-J-E-C-T

ps: e antes do post final onde finalmente iremos conhecer o grande vencedor da Season 2 de TGP, prometo (talvez…) um post sobre o porque que a Ailyn e a Ali merecem muito mais vencer o reality nessa edição do que o Blake. Aguardem…

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt


<span>%d</span> bloggers like this: