Posts Tagged ‘Aaron Paul’

Yo Bitch!

Maio 2, 2013

tumblr_mm14c6Zxji1qa42jro1_1280

tumblr_mm14m56Q5Q1qa42jro1_1280 (1)

Cópia de tumblr_mm14enIKyG1qa42jro1_1280

Não sei quanto a vocês, mas eu gosto do Aaron Paul de graça, torço mais para o Jesse do que para o próprio Mr White em Breaking Bad e acho ele um dos melhores atores da sua geração na TV atual. #HELLYEAH

Não assiste Breaking Bad? Pare agora de ler esse blog e vá recuperar imediatamente esse tempo importantíssimo e perdido na sua vida. (não precisa nem ajoelhar no milho, só porque estamos mais tolerantes hoje, rs)

By Terry Richardson para a British GQ Style. (Höy!)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Os Simpsons versão Breaking Bad

Abril 12, 2013

E quem não desconfiava que eles já tinham passados dos 500 episódios a troco de algo especial, do bom e azul, hein?

Se cuida Heisenberg, que a concorrência nesse caso pode ser ainda mais desleal do que a de costume, rs

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

O tipo de carona que todo mundo adoraria ganhar

Novembro 13, 2012

E quem é que não queria pegar uma carona com a Sophia Bush, o Harry Shum Jr e o casal Lauren Parsekian + Aaron Paul, hein?

Ainda mais por uma boa causa, como o MOVE:DC, que eles explicam no vídeo.

Sério, #TEMCOMONAOAMAR o Aaron Paul?

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Da série casais que nós amamos: Lauren Parsekian + Aaron Paul

Novembro 12, 2012

Aaron Paul que estará na adaptação para o cinema de “Need For Speed”. Howcoolisthat? (ele que nessa imagem está vestido de Essy em dia de boy magia fingindo ser desencanado – tirando o sapato -, rs)

(♥)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Da série casais que nós amamos: Aaron Paul + Lauren Parsekian

Outubro 1, 2012

Porque nós amamos casais que são muito bem humorados. E #TEMCOMONAOAMAR?

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Um red carpet dos mais coloridos para o Emmy 2012

Setembro 24, 2012

Quem apostou no nude/bege, no branco ou no preto, imprimiu fraqueza e acabou não sendo muito feliz no red carpet do Emmy 2012 de ontem a noite, que além de ter sido uma premiação especialmente ruiva esse ano (aposto que eu e o Charlie Brown temos alguma influência nisso, rs),  o que já denunciava que eles estavam sedentos por cor (rs),  acabou nos mostrando que a tandancé da vez são as cores, das mais variadas possíveis.

O que pode ser um sinal de que as coisas estão mudando em Hollywood (graças a Cher!) e elas finalmente começaram a entender que nem tudo é branco, preto ou bege nessa vida, mesmo para eventos de gala e a noite. Outra tandánce da vez no 64th Annual Primetime Emmy Awards foram os decotes, que nunca estiveram tão generosos e ou equivocados em transparências bem meio assim…

Mas chega de falar, que o que a gente quer mesmo é conferir quem é que se deu bem e principalmente quem é que foi #WÓ na premiação da televisão que nos faz ter cada vez mais certeza que assistimo quase tudo, rs. Então vamos lá:

 

Yeah, They Were All Yellow

Claire Danes ao lado do seu Hugh Dancy magia (Höy! – que bem poderia estar em um outra categoria mais abaixo desse mesmo post) que estava lindíssima nesse amarelo da Lanvin, lembrando que a atriz além de tudo está gravidíssima do seu filho com o boy magia e estamos ansiosíssimos para conhecer o nosso sobrinho Dancy Danes.

#MUSE

#MARAVILEEEANDRABIPOLAR&PREMIADA

Gosto de quem se arrisca, ainda mais quem não precisa mais provar nada para ninguém, como a Julianne Moore por exemplo, que todo mundo está cansado de saber que é ruiva e linda (mentira, nunca cansamos da sua beleza Jul!) e que me resolveu aparecer linda assim em um amarelo da Dior Couture que até poderia ser bem básico se fosse em preto, mas que nesse tom acabou ganhando uma leitura deliciosa!

#MARAVILEEEANDRA

Mas parece que o sol não brilhou para todas e esse modelo também em amarelo da Kaley Cuoco by Angel Sanchez, não estava entre as melhores que escolheram a cor para a noite de ontem.

E quer saber porque?

Porque esse amarelo tem cara de antigo, diferente dos outros dois, que apesar de mais fortes, não tem vergonha de ser amarelo (rs) e imprimem uma modernidade muito maior do que esse amarelo antigo escolhido pela Kaley, que tem cara de vestido de madrinha de casamento que se encontra para alugar em qualquer esquina.

#NAOTABOMNAO

 

Verde Guacamole

E um verde guacamole, a gente aceita?

Até aceitaria, se ele não fosse a escolha da Julie Bowen, que a gente não aguenta mais sendo indicada a prêmio que ela não merece nem mesmo dentro do próprio elenco.

Sorry, mas gosto mais da moldura do quadro da abertura de Modern Family do que da sua personagem.

#NAOTABOMNAO

#NEWMONICA

 

Conselho de amigués para a Sofia Vergara

A gente te adora, te aceita com toda essa gostosura que vc insiste em esfregar nas nossa cara em todo red carpet, mas está na hora de parar de fazer a gostosona hein Sofia?

Avalie esse juri, que a gente sabe que deve ter algumas mulheres e pelo menos umas 55 bichas invejosas e mostrando todo esse corpão sempre em dia, suas chances de ganhar qualquer coisa só diminuem, porque todo mundo sabe que a inveja triunfa!

Cubra-se de vez em quando para surpreender pelo menos uma vez na vida (apesar do vestido Zuhair Murad ser lindo também), em algo que valorize as curvas mas não mostre demais. Aposto que assim vc seria mais bem vista no Team Contra Gostosas e tiraria de uma vez por todas esse prêmio que a gente não aguenta mais indo parar nas mãos da sua colega de elenco.

ps: AMAMOS sua Gloria!

 

Muito “Princesas Disney” para o meu gosto…

Gostamos da Zooey Deschanel (antes de The New Girl, a gente até gostava mais) só que tem um problema, essa aura de princesa Disney dela não convence muito…

Tudo bem que somos #TeamFelicidade e AMAMOS pessoas simpáticas, mas eu não conseguiria conviver com alguém que só consegue ver o lado bom da vida. (por isso não leio muito o seu blog, apesar de ter meninas ótimas escrevendo lá, não consigo levar muito a sério quem tende a ignorar as coisas que não gosta só para não se comprometer muito…)

Esse tule da saia do vestido Reem Acra é lindo, mas nessa cor e com esse movimento + essa cara que esbanja alegria “espontaneamente”, acabou imprimindo muito Princesas Disney para o meu gosto…

#NAOTABOMNAO

#SEJANATURAL&RECLAMONADEVEZEMQUANDOZOOEY

 

Black Fraqueza

Quem foi de preto esse ano acabou imprimindo fraqueza e temos três bons exemplos disso na sequência.

O primeiro deles com esse Zac Posen da January Jones (que até que é bem bacana), ela que eu já reparei que gosta de se arriscar mais quando o assunto é red carpet, mas que dessa vez foi infeliz no make, que acabou com a coitada que a gente sabe que de coitada e feia não tem nada.

Olha essa cara de quem foi obrigada a ir na festa de 15 anos da prima que ela nem gostava tanto assim?

#NAOTABOMNAO

ps: por favor, nunca façam nenhum penteado com um fio solto de lado, acho super cafona! Obrigado.

Ok, não querendo ser nada cretino, me parece que a Melissa McCarthy levou muito a sério a lição de que o preto emagrece, não?

Nesse caso, o look é assinado por ela mesmo e isso já vale a nossa simpatia pela iniciativa, mas fiquei sentindo falta de algum contraste já que nessa parte superior por exemplo, temos três peças e assim de longe, quase não dá para perceber.

#NAOTABOMNAO

Amy Poehler foi um dos grandes decotes da noite, algo que até nos surpreendeu um pouco… (devido as circunstâncias do seu atual momento)

Como eu não quero ser aquela pessoa horrível que falou qualquer coisa negativa a respeito da Leslie Knope, só vou dizer que se ela tivesse ido com um dos terninhos da personagem e passado naquele “barbeiro de Pawniee antes da premiação (rs), teria se dado muito melhor, hein?

#NAOTABOMNAOMASDESSAVEZFALANDOBEMBAIXINHOPARAELANAOOUVIR

 

Branco Qualquer Coisa

Jessica Paré, que a gente sabe que é linda, mas que me resolveu aparecer com esse modelo branco qualquer coisa.

Lindo, mas um pouco preguiça demais, do tipo que a gente não consegue imaginar ela cantando “Zou Bisou Bisou” com muita intensidade e parando toda uma cobertura em pleno 60’s, rs

#MAISESFORÇOPORFAVOR

 

ACE todo branco fosse assim!

Emilia Clarke  não levou seus dragões (acho difícil reconhecê-la sem a caracterização de GOT) mas foi com esse branco não tão branco assim da Chanel, que estava maravileeeandro!

E ela a gente mesmo que não estivesse tão bem a gente evitaria provocar para não sair chamuscado, rs

#MARAVILEEEANDRA

 

Parabéns Tina Fey!

Que pelo menos dessa vez resolveu nos ouvir e abandonou de vez os modelos sereias horrorendos de sempre.

Simples, mas ficamos com orgulho, ainda mais da etiqueté escolhida. (Vivienne Westwood)

 

Antigo Demais

O modelo da Vera Wang até vai, é comum mas é bacana, mas a cor e o combo com esse cabelo da Julia Louis-Dreyfus imprimiu algo antigo demais.

Pior que ela ganhou e vai ter que se lamentar por ter feito essa escolha duvidosa para o resto da sua vida. #FUÉN

#NAOTABOMNAO

 

Futurista Demais…

Versace, com cara de alegoria de escola de samba investindo no futurismo.

Elementar minha cara Watson, que vc não precisava desse tamanho todo de lantejoulas…

#NAOTABOMNAO

 

Muito simples, muito espanhola e muita falta de compostura

Kristen Wiig fez a simplesinha demais e acabou ficando com cara de quem foi de lingerie na premiação. (e o decote com transparência e renda desse Balenciaga não ajudou muito. Quase nem acreditei que era um Balenciaga…)

Outra cor ou em outro evento, ela estaria maravileeeandra. Mas hoje não deu para o seu monólogo no SNL

#NAOTABOMNAO

Peggy não estava em um bom dia e além de não ter levado o prêmio para casa, acabou também não sendo muito feliz na sua escolha, investindo nesse estampado Dolce & Gabbana que se tivesse alguns pontos em vermelho, seria a caracterização da própria espanhola, rs

#NAOTABOMNAOPEGGY

ps: Peggy também fez o que ninguém deveria fazer em dia de premiação ou qualquer outra coisa importante, que é retocar a raiz no mesmo dia…

Sabe aquela pessoa que vc se arrepende de ter convidado para a festa? Então,  Connie Britton, que quando não vai vestida de qualquer coisa totalmente fora das demais, não sabe muito bem como se comportar em público.

E olha que nós adoramos as bafoneiras, mas para isso vc precisa ser alguém na noite Connie. O que não é o seu caso…

E o tom de caramelo mais artificial do que qualquer bala Toffee?

#NAOTABOMNAOETALVEZNUNCAMAISRECEBAOCONVITE

 

Bi-Leeeandra!

Quase não reconheci a Edie Falco nesse bicolor maravileeeandro!

Tudo bem que eu não gosto nada desse cabelo, mas esse vestido tinha umas costas linda toda em branco, que merece o desvio das nossas atenções para o que realmente interessa.

#MARAVILEEEANDRA

 

De Downton para o mundo

Michelle Dockery linda de Vuitton azul. #TEMCOMONAOAMAR?

Tudo bem que esse é aquele típico vestido que foi feito para ficar de pé, caso contrário amassa inteiro como podemos bem observar na imagem, mas quem se importa sabendo que Mary casou-se recentemente com primo Matthew e talvez tenha sido a noiva mais linda que eu já vi na minha vida. (e olha que eu nem sou muito fã de noivas)

E como sabemos que ela veio de longe, perdoamos o amassado.

#MARAVILEEEANDRA (♥)

Agora, quem me surpreendeu mesmo foi a Joanne Froggatt, também de Downton Abbey, que me apareceu com essa cara de muse antiga que é claro que todos nós amamos.

O vestido poderia ser em outra cor (acho essa cor muito madrinha de casamento americano atual), mas mesmo assim, vamos dar um desconto por todo o resto.

#MARAVILEEEANDRA

 

A melhor vingança foi  a do seu vestido contra vc mesma…

… que não te favoreceu em nada e aproveitamos o momento para revelar que essa maquiador também não deve gostar muito de vc hein,  Emily VanCamp? Mais um para incluir na sua vingança…

#NAOTABOMNAO

ps: não assisto a sua série porque te acho #WÓ e credito a sua existência o péssimo desenrolar de Brothers & Sisters desde que vc apareceu na série pela primeira vez. 

 

Sorry! Não respeito quem combina a cor do cabelo com a cor do vestido

ps: Tutubarão pediu os dentes de volta, rs. Mas sério, dá para devolver?

 

Festa boa de verdade, tem que ter climão

Sabe quando o seu boy magia (nosso, porque acho que ela nem pode muito dizer isso, tisc tisc) resolve dar aquela atenção a mais para a vagabunda que vc não suporta nem pintada de vermelho do próprio sangue?

Sempre um climão.

#ESTAMOSCOMVCCHRISTINAHENDRICKS

ps: não disse que esse ano foi tudo sobre os decotes no Emmy? Höy!

 

Floral da noite

Julianna Margulies  e o seu Giambattista Valli, que foi a estampa floral mas linda da noite.

#MARAVILEEEANDRA

 

Acessórios poder da noite

Kat Dennings que além dos seus invejáveis gêmeos (sorry, não resisti, mas vc foi vc quem provocou! rs), que foi acompanhada do seu Nick Zano, boy magia que é sempre um acessório indispensável em noite de premiação.

Höy!

ps: decotes generosos, eu disse. 

Jennifer Westfeldt, que investiu no seu Jon Hamm exclusivo, acessório mais do que invejado por todas e não é de hoje.

Höy!

E a nova namorada do Michael C. Hall que a gente até aprendeu como se chama, mas já esquecemos, visivelmente deslumbrada carregando tamanha magia ruiva no Emmy 2012.

Reação mais do que humana diante da magia ruiva dele.

Höy!

 

Momento “Bow Ties Are Cool!” (♥²)

Bryan Cranston e Aaron Paul, ambos adorkables e nos fazendo morrer de tanto orgulho com suas gravatas borboletas.

Sério, #TEMCOMONAOAMAR?

 

Girls³

Lena Dunham diabólica de Prada (e o cabelo novo está maravileeeandro! Mas ela estava ou não estava meio que de cara fechada?), Allyson Williams de Oscar de La Renta e a Zosia Mamet nesse bicolor, que eu acho o melhor dos três, by Bihbu Mahopatra.

#TEMCOMONAOAMAR essas meninas? (mas sentimos falta da Tessa, que teve bebê recentemente! Smacks)

 

#SÓAMOR (♥)

Adam Driver, o Adam da Hannah. Höy!

Alguém me diz se é possível não se apaixonar completamente pelo personagem dele em Girls?

 

E a noite de ontem foi mesmo dela: Snow White!

E a cara de arrogante da Ginnifer Goodwin de quem tem certeza que deitou com todas nesse tangerina maravileeeandro by Monique Lhuillier?

Clap Clap Clap!

#MARAVILEEEANDRA

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

A lista (ruiva) com os vencedores do Emmy 2012

Setembro 24, 2012

Tudo  bem que a lista de indicados do Emmy 2012  já não nos agradou muito logo de cara, mas mesmo assim, mesmo sem conseguir levar muito a sério uma premiação de TV que resolveu ignorar Parks & Rec, Community e o trabalho do John Noble em Fringe, chegou a hora de encararmos os resultados, que para esse ano, não poderiam ter sido mais mais ruivos! Não acredita? Então vem cá:

 

Melhor atriz em Série Cômica

Zooey Deschanel – New Girl

Lena Dunham – Girls

Edie Falco – Nurse Jackie

Amy Poehler – Parks and Recreation

Tina Fey – 30 Rock

Julia Louis-Dreyfus – Veep

Melissa McCarthy – Mike & Molly

 

Embora nossa torcida fosse total para Amy Poehler, todo munda já sabia que esse prêmio iria para a Julia Louis-Dreyfus (devo muito mesmo assistir Veep?). Mas eu concordo com ela em seu discurso, quando a própria atriz disse que esse Emmy deveria ter sido da Amy Poehler… Humpf! #POEHLER2013

 

Melhor Ator em Série Cômica

Larry David – Curb Your Enthusiasm

Jon Cryer – Two and a Half Men

Louis C.K. – Louie

Jim Parsons – The Big Bang Theory

Don Cheadle – House of Lies

Alec Baldwin – 30 Rock

 

Vamos a polêmica da noite. Apesar de não gostar da série ACDC Charlie Sheen, parte de sua graça sempre esteve no personagem do Jon Cryer (só vejo as reprises da TV aberta, rs) então, até não me sinto tão ofendido que ele tenha levado o prêmio nessa categoria. Mas é claro que eu estava torcendo para o Louie, Louie, Louie. Louie e e. (que estava lindamente ruivo, todo arrumadinho na platéia. Primeiro sinal de que esse seria o ano dos ruivos no Emmy)

 

Melhor Atriz Coadjuvante em Série Cômica

Maylim Bialik – The Big Bang Theory

Merritt Wever – Nurse Jackie

Julie Bowen – Modern Family

Kristen Wiig – Saturday Night Live

Sofia Vergara – Modern Family

Kathryn Joosten – Desperate Housewives

 

Não consigo ver graça nessa mulher. Acho ela de um exagero sem tamanho e tenho a impressão de que o coração da personagem vai explodir a qualquer momento dentro da série. Até torço para isso de vez em quando, sorry Phil. Preferia até a Maylim Bialik nesse caso, que desde que chegou em TBBT, roubou a cena dentro de uma série que está rodando atrás do próprio rabo já tem pelo menos 2 temporadas. 

 

Melhor Ator Coadjuvante em Série Cômica

Ed O’Neil – Modern Family

Jesse Tyler Ferguson – Modern Family

Ty Burrell – Modern Family

Eric Stonestreet – Modern Family

Bill Hader – Saturday Night Live

Max Greenfield – New Girl

 

Eu AMO  o Cameron, mas a verdade é que ele não fez muito por merecer durante essa temporada de Modern Family e até o Jay merecia mais. Mas não vou nunca poder dizer que qualquer um deles é ou foi melhor do que o Phil. Isso eu não digo!, porque não é verdade… (e cadê a Charlize? Dizem que eles estão se pegando… – só se for no tapa, rs)

 

Melhor Série Cômica

Curb Your Enthusiasm

Girls

30 Rock

Veep

Modern Family

The Big Bang Theory

 

Depois dos resultados todos, alguém tinha alguma dúvida? Mas OK, dentre as concorrentes, essa vitória foi até aceitável, apesar da nossa torcida ter sido de Girls nesse caso, já que Parks não estava nem na lista. Mas pelo menos as meninas de Girls estiveram na premiação, todas lindas e mostrando para a sociedade quem são as garotas mais legais do momento. E o Adam também foi = (♥)

 

Melhor Atriz em Série Dramática

Julianna Margulies – The Good Wife

Michelle Dockery – Downton Abbey

Elizabeth Moss – Mad Men

Kathy Bates – Harry’s Law

Claire Danes – Homeland

Glenn Close – Damages

 

Clap Clap Clap de pé! Teve personagem mais sensacional na TV no último ano? Tá, ficaram devendo para a Glenn Close (que encerrou Damages com sua cara de pedra)… para a Michelle Dockery (que se casou recentemente em Downton!)… e para a Elizabeth Moss também, rs (que vem enfrentado o Don Draper como ninguém)

 

Melhor Ator em Série Dramática

Steve Buscemi – Boardwalk Empire

Michael C. Hall – Dexter

Bryan Cranston – Breakign Bad

Hugh Bonneville – Dowton Abbey

Jon Hamm – Mad Men

Damian Lewis – Homeland

 

Surpresa da noite vai? Fiquei bem feliz e achei super merecido, apesar de alguns dos concorrentes também estarem na minha torcida. Mas fico com pena do Jon Hamm, que nunca leva mas sempre é indicado e é sempre tão bom também… (Damian Lewis = ruivo magia. Ou seja, o primeiro sinal concreto de que esse foi mesmo o ano dos ruivos no Emmy. E a piadinha dele depois na coletive, dizendo que ele quer ver só o que vai acontecer quando o bebê da Clare Danes nascer ruivo? #TEMCOMONAOAMAR?

 

Melhor Atriz Coadjuvante em Série Dramática

Archie Panjabi – The Good Wife

Anna Gunn – Breaking Bad

Maggie Smith – Downton Abbey

Joanna Froggatt – Dowton Abbey

Christina Hendricks – Mad Men

Christine Baranski – The Good Wife

 

Clap Clap Clap, de pé e com suas varinhas apontando para o céu! Fico imaginando ela em casa, tomando um chá vestida de Condessa de Grantham, e fazendo os comentários que só ela saberia fazer no momento em que recebeu o prêmio. #TEMCOMONAOAMAR?

 

Melhor Ator Coadjuvante em Série Dramática

Giancarlo Esposito – Breaking Bad

Aaron Paul – Breaking Bad

Brendan Coyle – Downton Abbey

Jim Carter – Downton Abbey

Jared Harris – Mad Men

Peter Dinklage – Game of Thrones

 

Yeah Bitches! Magnets! Gosto tanto desse menino (não sei porque, mas acho ele um menino, rs), que não consegui me conter com a sua vitória. Agora só falta permanecer vivo na série até o seu final (fico morrendo de medo do destino do seu personagem). E ele tem a barba ruiva e estava lindíssimo no red carpet, ou seja, confirmou!

 

Melhor Série Dramática

Boardwalk Empire

Breaking Bad

Downton Abbey

Mad Men

Game of Thrones

Homeland

 

E que briga boa hein? Esse ano quem levou foi Homeland, que tem uma primeira temporada realmente muito da excelente e impossível de ser ignorada por isso, o prêmio não é nada mais do que justo! Clap Clap Clap! (série sobre um vilão que nos faz torcer por ele e que é ruívo. Mais uma pista…)

 

Melhor Atriz Convidada em Série Cômica

Dot-Marie Jones – Glee

Maya Rudolph – Saturday Night Live

Melissa McCarthy – Saturday Night Live

Elizabeth Banks – 30 Rock

Margaret Cho – 30 Rock

Kathy Bates – Two and a Half Men

 

Sempre uma excelente atriz, mesmo participando da série errada. 

 

Melhor Ator Convidado em Série Cômica

Michael J. Fox – Curb Your Enthusiasm

Greg Kinnear – Modern Family

Bobby Cannavale – Nurse Jackie

Jimmy Fallon – Saturday Night Live

Will Arnett – 30 Rock

Jon Hamm – 30 Rock

 

Eu só queria entender o que o Jimmy Fallon fez com aquela cara. Comediantes precisam ter expressão, Jimmy! (tenho impressão que a testa dele foi substituída por uma placa de adamantium)

 

Melhor Atriz Convidada em Série Dramática

Loretta Devine – Grey’s Anatomy

Jean Smart – Harry’s Law

Martha Plimpton – The Good Wife

Julia Ormond – Mad Men

Joan Cusack – Shameless

Uma Thurman – Smash

 

Gente, essa mulher é sensacional, apesar de não assistir TGW e eu adoraria vê-la ganhando alguma coisa por Raising Hope também! 

 

Melhor Ator Convidado em Série Dramática

Mark Margolis – Breaking Bad

Dylan Baker – The Good Wife

Michael J. Fox – The Good Wife

Jeremy Davies – Justified

Ben Feldman – Mad Men

Jason Ritter – Parenthood

 

Daniel Faraday. Esperamos que vc tenha dado mais sorte e tenha sido levado mais a sério em Justified. Abraço.

 

Melhor Programa de Variedades, Comédia ou Musical

The Colbert Report

Real Time With Bill Maher

Saturday Night Live

Jimmy Kimmel Live

Late Night With Jimmy Fallon

The Daily Show With Jon Stewart

 

Uma pena não ver nunca o nome do Craig Ferguson nessas listas. E ele é o melhor, por isso o nosso Emmy handmade a base de muita cola, fita adesiva e papelão vai para ele. Sempre!

 

Melhor Reality Show de Competição

So You Think You Can Dance

The Amazing Race

Project Runway

The Voice

Dancing With the Stars

Top Chef

 

Já assistiu The Glee Project? Hein Emmyli?

 

Melhor Apresentador de Reality Show

Betty White – Betty White’s Off Their Rockers

Cat Deeley – So You Think You Can Dance

Phil Keoghan – The Amazing Race

Tom Bergeron – Dancing With the Stars

Ryan Seacrest – American Idol

 

Um beijo para vc Betty White! Te AMO!

 

Melhor Minissérie ou Filme Para TV

Game Change

American Horror Story

Hemingway & Gellhorn

Sherlock

Luther

Hatfields & McCoys

 

Dizem que é bem bom, mas eu não assisti ainda. E eu só gostaria de entender o que é que American Horror Story está fazendo nesse meio… (mas Sherlock gente, Sherlock é tipo a coisa mais phina desse mundo atual! #RAFINADO)

 

Melhor Atriz em Minissérie ou Filme Para TV

Julianne Moore – Game Change

Connie Britton – American Horror Story

Nicole Kidman – Hemingway & Gellhorn

Emma Thompson – The Song Of Lunch

Ashley Judd – Missing

 

Vi algumas coisas e é sensacional com conseguiram transformar a Julianne Moore que é lindíssima naquela mulher pavorosa da Sarah Palin. E Julianne é um dos símbolos máximos da magia ruiva, então podemos repetir novamente que: CONFIRMOU! O Emmy 2012 foi mesmo dos ruivos. 

 

Melhor Ator em Minissérie ou Filme Para TV

Woody Harrelson – Game Change

Clive Owen – Hemingway & Gellhorn

Benedict Cumberbatch – Sherlock

Idris Elba – Luther

Kevin Costner – Hatfields & McCoys

 

Todo mundo estava dizendo que esse prêmio era dele. Nossas mães agradecem a visão, Kevin. 

 

Melhor Atriz Coadjuvante em Minissérie ou Filme Para TV

Sarah Paulson – Game Change

Frances Conroy – American Horror Story

Jessica Lange – American Horror Story

Judy Davis – Page Eight

Mare Winningham – Hatfields & McCoys

 

Jessica Lange é mesmo uma atriz sensacional e super merece qualquer prêmio. Só não consegui entender o que AHS ainda está fazendo nessa lista de minissérie e de indicações, porque não merecia…

 

Melhor Ator Coadjuvante em Minissérie ou Filme Para TV

Ed Harris – Game Change

Denis O’Hare – American Horror Story

David Strathairn – Hemingway & Gellhorn

Martin Freeman – Sherlock

Tom Berenger – Hatfields & McCoys

 

Devemos muito assistir? Alguém? 

 

Melhor Direção Série Cômica

Robert B. Weide – Curb Your Enthusiasm

Lena Dunham – Girls

Louis C.K. – Louie

Jason Winer – Modern Family

Steven Levitan – Modern Family

Jake Kasdan – New Girl

 

Esse prêmio merecia ser de qualquer pessoa que tenha dirigido qualquer episódio de Community, enquanto a série existir. Sem mais. 

 

Melhor Direção em Série Dramática

Vince Gilligan – Breaking Bad

Tim Van Patten – Boardwalk Empire

Brian Percival – Downton Abbey

Michael Cuesta – Homeland

Phil Abraham – Mad Men

 

Vince Gilligan também merecia esse, hein? Apesar de BE ser uma série linda de se ver. (embora eu a tenha abandonado)

 

Melhor Roteiro em Série Dramática

 Julian Fellowes – Downton Abbey

Alex Gansa, Gideon Raff e Howard Gordon – Homeland

Semi Chellas e Matthew Weiner – Mad Men

Andre Jacquemetton e Maria Jacquemetton – Mad Men

Erin Levy e Matthew Weiner – Mad Men

 

Homeland, a grande série da noite. Sem a menor dúvida. 

 

Melhor Roteiro em Série Cômica

Chris McKenna – Community

Lena Dunham – Girls

Louis C.K. – Louie

Amy Poehler – Parks and Recreation

Michael Schur – Parks and Recreation

 

Mesmo com o coração dividido entre a Lena Dunham, a Amy Poehler e o Louie C.K., não tem como não ficar morrendo de orgulho do nosso ruivão, que ainda levou mais uma prêmio para casa pelo seu show. 

 

E terminar a lista de vencedores do Emmy 2012  com o nome do Louie C.K. e com essa imagem sensacional, com ele segurando os seus dois prêmios da noite não só é uma delícia e uma prova de que ainda há muita coisa boa na TV e algumas delas conseguem até ganhar algum reconhecimento (mesmo que tardio), como prova que esse ano, tivemos mesmo uma premiação mais ruiva do que nunca!

#RUIVISMO

ps: sei que a Claire Danes não está ruiva atualmente, mas ela já investiu nessa magia no passado em My So Called Life, portanto…

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

O novo Walter e a velha e boa Breaking Bad de sempre

Setembro 6, 2012

Walter White não é mais o mesmo. Além do poster que já denunciava que ele agora era o rei, até começamos essa nova e última temporada de Breaking Bad com a imagem de um “novo” Walter, uma nova versão que até lembrava um pouco do personagem como conhecemos, anos atrás. Ele que dessa vez estava comemorando sozinho o seu aniversário de 52 anos, se identificando como uma outra pessoa, medicado e se armando sabe-se lá contra quem. Algo que a gente até imaginou que poderia ser um flashforward do que estaria por vir como proposta de conclusão para essa primeira metade da temporada, algo como um adiantamento, mas que por enquanto ainda permanece como uma incógnita que foi deixada de lado, para ser esclarecida em um outro momento. Seria essa cena o começo do fim de Breaking Bad?

Mas tirando essa primeira imagem já bastante diferente (com barba e cabelos crescidos) do personagem que um dia nos fez torcer e muito por ele e seu fiel escudeiro Jesse Pinkman, mesmo sabendo o quanto era errado o caminho que ele estava seguindo para resolver a sua vida, pouco reconhecemos de um Walter White que passamos a conhecer bem ao longo desses anos todos e o que passamos a enxergar foi a transformação do personagem para o homem que ele viria a ser daqui por diante, o rei. Mesmo assim, nas cenas da sequência a esse suposto flashforward, agora no presente da série, acompanhamos o que aconteceu logo após o final explosivo da Season 4,  onde Walter já não parecia ser mais o mesmo, embora muito do que nós conhecemos e aprendemos a gostar do personagem ainda estivesse ali, escondido em algum lugar dentro dele mesmo.

Agora sem grandes obstáculos no seu caminho, Walter White se sentiu livre para arriscar mais e transformar o seu negócio em um império de grandes proporções, assumindo de vez um posto que ele sempre sonhou em ter e só não imaginava que a realização viria por esse caminho duvidoso. Se tornar um milionário, uma pessoa bem sucedida na vida. Afinal, esse é ou não é o sonho de todo mundo? Ainda descobrimos que no passado, Walter teve sua chance de se tornar exatamente esse homem que ele sonhava ser, o bom provedor. Chance que ele deixou escapar vendendo parte de uma empresa que ele ajudou a criar nos tempos da faculdade, que mais tarde viria a se tornar um negócio de bilhões, para seu total arrependimento. Sim, Walter teve que amargar mais essa derrota em sua vida, por anos, acompanhando de longe o sucesso dos ex colegas de classe, muito provavelmente para se torturar dessa culpa que ele sentia por ter perdido o que ele achava ter sido a chance da sua vida de ter se dado muito bem. E isso nós só descobrimos agora, quando achamos que já conhecíamos o suficiente do personagem. Mas realmente, a gente ainda não tinha visto nada e o Mr White ainda tinha muito para nos mostrar de um lado “desconhecido” até então.

E quem diria que do alto da sua meia idade, Walter iria alcançar uma nova chance de se tornar uma lenda? Ainda mais agora que ele se via sem grandes obstáculos no seu caminho, o inimigo já havia sido explodido, mais um que acabou pagando com a própria vida para que ele continuasse vivendo a sua mentira. O câncer ao que tudo indica estava controlado (até o flashforward e a cena do scan do episódio final que levantou novamente essa questão), parte do dinheiro que ele precisava já estava garantido, parte dele inclusive já havia sido gasto. Mas porque parar com um negócio onde a partir de agora ele poderia se tornar o dono e consecutivamente teria muito mais lucro?

Que foi exatamente quando Walter se perdeu em meio ao seu próprio ego inflado, enxergando apenas uma possibilidade de negócios e esquecendo completamente que dentro desse ramo os contras são muito maiores do que os prós. Mesmo assim, ele assumiu o risco, mostrou a cara, bateu no peito e falou para quem quisesse ouvir que ele fabricava o melhor produto do mercado, que com ele a concorrência seria desleal e portanto, seria melhor se afiliar ao seu negócio do que tentar ir contra a sua proposta. Algo mais ou menos como pegar ou morrer. Mas não era apenas a questão de maiores lucros que atraía a o Mr White nessa história e sim o reconhecimento da sua genialidade, onde o seu ego acabou realmente falando mais alto a partir do momento onde ele percebeu que era um homem capaz de tudo dentro daquela situação.

Assim ele continuou fabricando mais e mais do seu produto quase 100% clean, dessa vez aderindo a um novo método itinerante, uma ideia genial inclusive para não atrair grandes suspeitas e não criar raízes e rastros em lugar nenhum. Mas a medida que o dinheiro foi entrando, os custos daquela produção acabaram sendo altíssimos, mesmo porque, ele não contava com uma parcela extra de custo que ele teria que assumir mesmo tendo explodido o Gus ao final da temporada anterior. E lá estava o Mike para lembrá-lo que se ele achava que o Gus vivo era o seu problema, ele não tinha a menor ideia do tamanho do problema que seria tê-lo como morto.

Mas Walter não se deixou intimidar, bateu de frente até mesmo com o Mike, de quem ele já morreu de medo no passado, que mesmo no papel de um “matador de aluguel” mostrou ter o mínimo de princípios e limitações dentro daquilo que ele acreditava ser certo (falar de certo e errado em Breaking Bad é quase um paradoxo). Aliás, diga-se de passagem que Mike foi um dos grandes destaques dessa primeira parte da temporada final, nada mais do que justo pela força que ele demonstrava ter dentro daquela história. E desde que aceitou ser sócio da dupla Walter e Jesse, Mike passou a ser o novo obstáculo na vida do Mr White, sempre com um problema ligado ao passado para ser resolvido, precisando de um montante que não teria fim para comprar o silêncio daqueles que faziam a operação do Gus funcionar sem falhas e de quebra, ainda estava com o Hank na sua cola, seguindo os seus passos e suspeitando que aquele frio senhor de idade avançada (sorry Mike) escondia muito mais do que a sua rotina comum de passeios durante o dia com a neta no parquinho da vizinhança.

E se Walter se perdeu durante esse novo caminho mais aberto e cheio de novas possibilidades, quem precisou colocar os pés no chão novamente foi o Jesse, que esteve muito mais consciente em relação ao negócio e que foi também quem precisou estabelecer um limite para que ele continuasse ou não envolvido com toda aquela história, que já havia deixado um rastro de sangue bem grande a essa altura e que todos nós sabemos que desde que ele teve que matar a sangue frio o outro químico para livrar a sua pele e a do Walter no passado, ele jamais se recuperou e passou apenas a conviver com mais esse fantasma em sua vida.

Seu limite acabou aparecendo em um dos melhores episódios da temporada (5×05 Dead Freight), com eles todos envolvidos em uma trama absurda para roubar um trem em movimento que transportava o ingrediente fundamental para que eles continuassem com sua produção a longo prazo. Episódio esse que me lembrou muito da adrenalina do começo da série, com a dupla correndo perigo no meio do deserto e presa dentro daquele trailer velho, sempre deixando a gente com o coração na mão, apenas brincando com a possibilidade deles serem descobertos a qualquer momento. E esse limite acabou aparecendo para o Jesse, onde depois de ter conseguido realizar com sucesso o tal roubo, eles acabaram sendo surpreendidos por um garoto que circulava pela região e que como medida desesperada do Todd, o novo “estagiário” do grupo, acabou morrendo ali mesmo, para o total desespero de Pinkman, que não conseguia aceitar o destino daquela nova vítima que eles acabaram fazendo e a partir disso passou a considerar que o fim da sua participação nos negócios havia chegado.

Esse momento foi onde todos eles encontraram o seu limite. Para que continuar? Quantas pessoas ainda seriam mortas para que eles seguissem com o próprio negócio? E a troco de que? Mais dinheiro? E para quem até pouco tempo não tinha muita coisa, o que eles conseguiram acumular já não era o suficiente? E foi quando Jesse e Mike resolveram vender suas partes da sociedade, abandonando de vez um negócio que para eles já havia sido lucrativo e doloroso o suficiente e que naquela ocasião havia extrapolado os seus próprios princípios do mundo do crime. Limite esse que não foi o suficiente para o Walter, que naquela hora decidiu cruzar essa barreira e tratar a morte da criança como um “mal necessário”, mesmo reconhecendo mais tarde o quanto foi difícil para ele enquanto pai ter uma vítima criança marcada pela sua própria história, mas que mais uma vez ele justificou com a velha desculpa do “antes ele do que eu”.

Como se não bastasse a arrogância do personagem que passou a ficar cada vez mais evidente desde o começo da temporada, o que deixava toda a operação ainda mais perigosa do que o de costume, Walter havia perdido completamente o limite, não aceitando encerrar um negócio que para ele agora parecia ser uma fonte inesgotável de renda, com lucros cada vez maiores uma vez que agora ele era o dono do próprio negócio de gente grande. E o personagem tanto perdeu o limite, que acabou aceitando a venda da parte dos seus sócios, mas não sem antes mostrar para o adversário o quanto ele seria necessário dentro daquela operação toda. Assumindo a morte do Gus com orgulho e como um crime que ele mesmo cometeu, Walter gritou na cara do concorrente “Say My Name” em outro momento excelente da temporada (5×07 Say My Name – momento do tipo inesquecível!), onde Heisenberg se tornava uma grande lenda dentro daquele mercado e assumia o posto de novo rei do pedaço.

Mas nem tudo seria tão fácil assim para todo mundo enquanto Walter se transformava nesse homem incontrolável e perigoso e o primeiro a sofrer as consequências do seu descontrole foi o Jesse, que teve o pagamento da sua parcela dos lucros com a venda do negócio adiada e depois recebeu a informação do próprio Walter, em forma de cobrança pelo que ele considerava ser uma grande forma de “ingratidão”, de que ele ele não iria mais receber o seu dinheiro e que agora ele nem precisava mais dos seus serviços porque já havia arranjando um novo “estagiário” (o mesmo que atirou contra o garoto do episódio do trem), esse muito mais parecido com o homem que Walter estava se tornando, com cara de aspirante no mundo do crime.

Uma prova a mais de que Walter realmente não era mais o mesmo e a essa altura do campeonato já estava difícil de continuar torcendo por ele, mesmo que isso desde o começo da série não tenha parecido muito certo. E não é de hoje que o personagem nos deu indícios de que esse seu ego incontrolável ainda iria se tornar um problema na sua vida. Foi assim com o Hank em um jantar em família do passado, onde Walter sugeria que Gus deveria ter uma mente brilhante por trás de toda a sua operação e foi assim também com o Gus, quando ele tentou impor ser o único capaz de produzir o produto dos sonhos, sendo superado pelo próprio Jesse mais a frente, tornando-se totalmente descartável dentro do seu próprio universo. Na verdade, Walter como todo psicopata, só queria o reconhecimento da sua genialidade (/crime), só isso.

E se nas ruas Walter agora era uma ameaça e inclusive gostava de reforçar e utilizar isso a seu favor, em casa também ele vinha sendo temido até mesmo pela sua mulher, que ao observar de perto a transformação do marido no homem que ele é hoje, acabou se encontrando completamente aterrorizada com toda aquela situação, onde ela mesmo disse se sentir com uma refém de tamanho envolvimento dela com tudo aquilo. Skyler que teve uma participação também excelente durante essa temporada, sempre morrendo de medo do marido, com olhar de assustada e ao mesmo tempo bancando a passiva agressiva quando ela não conseguiu mais se controlar, transformando a vida do Walter em um inferno também dentro da sua própria casa. Sem contar que ela até aceitou continuar naquela posição que ela não conseguia enxergar uma forma de escapar, continuando lavando o dinheiro sujo do marido, desde que os filhos fossem mantidos longe deles e assim Walter acabou perdendo também toda a sua família, onde mesmo a Skyler que teve que permanecer ao seu lado, não estava exatamente lá.

Com essa participação maior da Skyler no lado negro da força, tivemos momentos ótimos com ela e o Jesse, personagens que quase nunca se encontravam dentro da série. Aquela cena onde Walter convidou o Jesse para ver de perto o inferno que a sua vida se encontrava naquele momento dentro da sua própria casa, foi simplesmente sensacional, com um clima pesadíssimo instaurado dentro daquela casa por conta da nova dinâmica do casal e um Jesse completamente sem graça, tentando puxar assunto e desviar as atenções do climão que estava no ar. Tudo isso dentro de uma série que até hoje manteve o seu fundamento, com cenas lindíssimas e takes ousados, como se suas histórias e personagens já não fossem um grande atrativo. Cenas muito bem cuidadas, takes quase alternativos, com a câmera aparecendo em ângulos nada óbvios, sempre tentando nos surpreender de alguma forma. Até a bebê, filha do casal, foi usada para demonstrar a passagem de tempo na série no episódio final, com ela agora andando ao lado do seu irmão Flynn, que não é mais Junior, rs. (detalhe que a Camis do Séries em Série/Seriadores me lembrou no Twitter. Thnks Camis!)

Dentro dessa transformação do personagem ainda encontramos resoluções sensacionais para o final dessa primeira parte da temporada, com Mr White mais uma vez perdendo o controle e finalizando até mesmo com o Mike, que por muitas vezes foi quem salvou a sua pele dentro dessa história mas que naquele momento havia se tornado mais um obstáculo no seu caminho. E diferente de outras situações, onde ele acabou manipulando todo mundo a seu favor, sempre colocando outras pessoas como executores das mortes que aconteceram por sua culpa ou que foram “necessárias” para que a sua história tivesse a continuidade que ele desejava, Walter teve que finalizar o Mike ele mesmo, a sangue frio, meio assustado com a situação e se arrependendo logo em seguida, onde ao pensar um pouco mais, ele acabou percebendo que a morte do ex sócio nem era tão necessária assim.

E como o ciclo do personagem parece nunca ter fim, sempre com outras pessoas envolvidas no seu caminho, como último passo antes da sua aposentadoria após ganhar inclusive o mercado internacional com a ajuda da nova personagem descontroladíssima e responsável pela logística desde os tempos do Gus, acabamos ganhando uma das melhores cenas dessa finale, com a execução dos protegidos do Mike que se encontravam em três prisões diferentes e que estavam sendo pagos para manter o silêncio em relação ao caso. Uma cena linda, com a trilha sonora perfeita (e a sequência onde o personagem e seu novo assistente seguiam cozinhando como se não houvesse amanhã, também foi bem boa) para aquela execução em massa que precisava acontecer simultaneamente, em dois minuntos, novamente apoiada naquela desculpa recorrente e que nesse caso fez todo o sentido  do “antes eles todos do que eu”.

Apesar das medidas dignas de um grande criminoso para resolver todos os seus novos problemas, Walter chegou a conclusão de que não adiantava nada ele ter se construído aquele império todo, que ele nem faz ideia do quanto valia devido a falta de controle da própria Skyler, que sozinha não conseguiu dar conta de simplesmente contar os lucros que não paravam de chegar a todo momento. Nessa hora, o personagem viu todo o seu esforço em meio a pilhas de montes de dinheiro trancadas dentro de um depósito qualquer alugado. E o que fazer com isso tudo, agora que ele já conseguiu ultrapassar seus próprios limites?

Esse talvez tenha sido o momento em que Walter percebeu o quão pouco valia toda aquela sua trajetória, onde ele ganhou sim muito dinheiro, mas deixando um rastro de sangue agora gigantesco, envolvendo inúmeras vítimas e de quebra acabou afastando também sua própria família do monstro que ele havia se tornado. Talvez tenha sido também quando Walter se deu conta de que não havia mais motivação para continuar fazendo o que ele fazia. Não havia mais câncer, não haviam mais “grandes obstáculos” no seu caminho, não haviam mais grandes dependentes do seu trabalho e não haviam mais desculpas para continuar, assim como também não havia sobrado ninguém para comemorar com eles a sua grande pilha de dinheiro trancada dentro daquele depósito simples e que no fundo nem parecia ser tão grande assim. (pilha grande mesmo era  a o Coringa em “The Dark Knight”)

Mas faltavam ainda algumas pontas pendentes nessa história toda e a primeira delas envolvia o Jesse, que havia passado todo esse tempo ao seu lado e que mesmo assim acabou saindo dessa sem levar a sua parte, apenas por Walter não aceitar que o ex viciado conseguiu encontrar o seu próprio limite e se livrar daquela história toda antes dele. Naquela cena final, onde os dois se encontraram na casa do Jesse, apesar do clima de nostalgia com ambos relembrando algumas de suas passagens do passado a bordo daquele trailer velho, a tensão estava no ar a todo instante naquela cena, onde de acordo com o que acabamos conhecendo do Walter nessa reta final da série, tudo indicava que ele estava ali para acertar suas contas com o Jesse da forma como ele vinha fazendo com todo mundo. BANG! (e não fomos os únicos que pensamos nisso, como percebemos ao final da cena com a reação do Jesse)

E foi quando descobrimos que o antigo Walter ainda está dentro daquele homem, adormecido, mas ele está lá e embora ele tenha perdido bastante do seu espaço para o novo Walter que passamos a conhecer nessa reta final da série (o rei), quando ele deixou a casa do Jesse, o personagem acabou deixando também na varanda da casa as malas com o dinheiro da parte da sociedade que ele devia ao garoto e sendo assim, restava alguma esperança de que talvez o Mr White ainda tivesse recuperação. Dessa forma ele achou que resolveu a sua vida, tendo mais dinheiro para gastar do que ele imaginava que teria um dia (e talvez até por isso ele tenha feito questão de pagar o Jesse, porque a essa altura, não dá mais para confiar no coração do Walter e sim apenas na sua razão) e acabou anunciando para a Skyler a sua aposentadoria de vez do mundo de crystal blue.

O que ele não contava é que em um jantar em família, com uma simples ida ao banheiro do Hank, seu cunhado da policia que já esteve a frente do caso, algumas vezes bem próximo de descobrir a verdade e que quase perdeu os movimentos por sua culpa,  um momento simples como esse acabasse revelando o que sempre esteve debaixo do nariz do Hank e que ele nunca conseguiu enxergar: WW. Simples assim, com as iniciais do nome de Walter White na dedicatória de um livro largado dentro do banheiro, Hank se deu conta de que o seu pior inimigo esteve ao seu lado o tempo todo e ele sequer chegou a suspeitar. WW = Walter White (Hank até chegou a fazer essa ligação no passado, mas logo abandonou a hipótese por jamais suspeitar do cunhando que ele sempre achou ser meio loser)

E com esse momento que a gente estava aguardando por anos desde que a série estreou, encerramos as primeira parte da temporada final que foi bem da sensacional, provando mais uma vez o porque que Breaking Bad é uma das melhores séries da atualidade, status que ela conquistou desde que surgiu na TV e que foi mantido até quando a série não foi lá essas coisas todas, mas que para o nosso total desespero, ainda teremos que aguardar essa mesma época na metade do ano que vem para descobrir como é que essa história irá de fato terminar.

Por isso eu não canso de repetir: SACANAGEM AMC. SACANAGEM!

E qual é o meu palpite para o final?

Walter consegue se livrar de tudo e joga a culpa toda no Jesse, que por sua vez consegue escapar, descobre tudo o que Walter fez na sua vida e resolve ele mesmo a questão de um vez por todas, entregando o Walter morto para o cunhado que chega tarde demais para a sua prisão. BANG! Também seria bacana um final com o Jesse fugindo com todo o dinheiro, torrando tudo como se não houvesse amanhã e Walter fosse preso, onde de dentro da cadeia ele acabaria pensando em um plano mirabolante para fugir de lá e ir acertar as contas com a Skyler, que seria quem o entregou para a polícia, mas que acaba sendo salva pelo Hank, que aparece no final e finaliza o cunhado. BANG!

ps: e se vc perdeu alguma coisa das temporadas anteriores ou não se lembra muito bem de tudo que já aconteceu em Breaking Bad, talvez esse post amigo possa ajudar

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Da série casais que nós amamos: Aaron Paul + Lauren Parsekian

Agosto 21, 2012

Sim, eles estão noivos (#SÓAMOR). Sim, ele além de super talentoso, tem a barba ruiva (Höy!). E sim, Aaron estava sensacional no episódio dessa semana (5×06) em Breaking Bad, todo culpado no início e mais tarde, impagável na cena do jantar na casa do Mr Walter.

O que foi ele tentando assuntos aleatórios com a Skyler do cativeiro enquanto comia seu feijão verde?

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Breaking Bad volta hoje. Mas será que lembramos de tudo que já aconteceu na série até agora?

Julho 15, 2012

SIM! E com essas carinhas tranquilas de senhores que gostam de ler seu velho e bom jornal dessa foto do Instagram do próprio Aaron Paul, nosso drama dramático volta hoje (lá na america antiga) e como nós já estamos mais do que carecas de saber, mais ainda do que o próprio Mr Walter (bate na madeira até ela se partir em três pedaços), essa será a quinta e última temporada de Breaking Bad, que de quebra, chega com o aviso prévio de que vamos ficar ainda mais ansiosos, já que essa última parte da série será dividida em duas e assim, só teremos o final dessa história nesse mesmo período, só que em 2013. (Humpf!)

Pelo menos eles dizem que esses primeiros 8 episódios da parte final da série serão todos semanais e sem interrupções, o que já pode funcionar como um alívio. (se bem que, sabendo-se que os outros 8 eps só chegarão nessa mesma época em 2013, a gente já vai sofrendo por antecedência…)

Mas será que nós lembramos de tudo que já aconteceu dentro dessa história? Hmm mmm

Como nós sabemos que o nosso forte não é a memória, preparamos um post amigo com links mais amigos ainda, para quem quiser dar um F5 na sua própria memória e lembrar tudo o que nós já comentamos sobre as quatro temporadas da série até agora:

 

♥  Season 1

♥  Season 2

♥  Season 3

♥  Season 4

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt


<span>%d</span> bloggers like this: