Posts Tagged ‘Adorkable’

Tudo que a gente precisa saber nessa terça…

Julho 22, 2014

prince-george

Hoje é o aniversário de 1 ano do nosso royal George, futuro rei do jardim da infância unido da europa antiga. Happy B’Day, sobrinho! (tisc tisc… para quem não sabe, estou na fila de sucessão do coração ruivo do Prince Harry e há quem diga que sou um dos primeiros… tisc tisc)

Sim, George já tem 1 aninho e, preparem-se: já consegue andar sozinho como bem mostra a imagem acima.

Sério, #TEMCOMONAOAMAR?

R: não, não tem (♥) #PLIM

Mas se vc acha que isso era tudo o que vc precisava saber nessa terça, prepare-se novamente, porque vem mais surpresa por aí:

prince-george-pretty

Porque além de ter 1 ano, já andar sozinho e poder ser o futuro rei, George também já toca borboletas.

Sério, nada pode ser mais importante no dia de hoje. NADA!

#ADORKABLE

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

#TEMCOMONAOAMAR o John Krasinski?

Maio 10, 2013

Não. Não com essa cara adorkable de para sempre Jim. Não com essa barba. Não fazendo lip sync da Katy Perry (com direito a língua solta à la Glee ou qualquer cantora pop desse ou de qualquer outro momento) e ou Boyz II Men no Jimmy Fallon e ainda com direito a coreôs animadas e tudo mais. Höy!

(♥)

 

ps: o episódio 9×21 de The Office foi adorável e trouxe merecidas resoluções que a gente já estava esperando faz tempo para alguns personagens. Uma delas inclusive reconhecida pelo próprio Jim e de forma extremamente adorável, que foi retribuído com um gesto até que inesperado de gentileza…

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Him ♥ Her (Season 3)

Março 1, 2013

HAH

Mais uma temporada sensacional de Him & Her, o casal mais sujinho e adorkable da TV (bem atrasado eu sei, mas juro que estava ensaiando essa review faz tempo. #MyBad) . Mais uma temporada em que acompanhamos esse casal de preguiçosos vivendo à sua forma em meio a uma verdadeira bagunça deliciosa (as vezes nem tanto e quando vejo o tanto de lixo acumulado naquela lixeira, vai me batendo o desespero. Isso sem contar o meu nível avançado de TOC, que me faz ter pelo menos vontade de organizar aquilo tudo), recebendo visitas cada vez mais constantes e nada convenientes, naquele apartamento onde de tudo acontece.

Se tem um comédia brilhante sobre o nada na TV atual, essa é Him & Her, que realmente consegue ser muito especial tratando absolutamente sobre nada. Chega a ser um absurdo o volume de situações que eles conseguem nos propor dentro daquele pequeno apartamento, que acaba servindo como o único cenário da série, o qual a essa altura, já exploramos muito bem cada um dos seus quatro cômodos (sendo um deles apenas um hall e sem contar a escadaria, agora também bastante presente como cenário da série). Ainda mais pensando que todas essas situações surgem de um cotidiano onde quase nada acontece, falando sobre que aquele casal está fazendo no momento em que paramos para observar suas vidas de frente com a TV, eles que por serem totalmente preguiçosos e não terem quase nunca muito o que fazer, poderiam ser as pessoas mais tediosas do mundo, mas estão completamente longe disso.

Esse na verdade é o brilhantismo da série, que com um excelente texto do seu criador, Stephan Golaszewski, consegue nos entreter com toda aquela monotonia que é a vida do casal e no caso, como normalmente de vez em quando bem pode ser a nossa também. Um texto realmente muito bom e que ao longo dessas três temporadas foi o que acabou nos fazendo notar uma visível evolução de seus personagens, tanto quanto de suas próprias histórias. Apesar da série não ter exatamente uma continuidade e não utilizar de recursos simples que várias outras comédias utilizam (as vezes de forma totalmente sem medida) para contar sua história, eles conseguiram aprofundar muito bem cada um de seus personagens, assim como suas relações e isso em um espaço totalmente limitado e que certamente nunca chegou a ser um problema para Him & Her e na verdade, acaba sendo o seu charme.

Muito embora precisamos reconhecer que essa foi uma temporada um tanto quanto diferente para a série, porque pela primeira vez tivemos um plot central em meio a todas aquelas situações do cotidiano do casal, com Steve (Russell Tovey) planejando a melhor forma ou o melhor momento para finalmente pedir a mão da Becky (Sarah Solemani) em casamento, que para quem não se lembra, foi exatamente o motivo do quase término do casal durante a Season 2, quando ela descobriu que ele havia pedido a ex namorada em casamento, algo que até então ele nunca havia sequer mencionado como possibilidade para ela e que nos trouxe um dos poucos momentos dramáticos para a série no seu passado. (dramático no limite e por sinal, super foufo também)

HAH

E essa proposta ideal foi o plano de Steve durante toda essa Season 3, onde observamos ele se preparando para o tal momento, mas sempre encontrando alguma dificuldade em seu caminho (apesar de não ter a menor dúvida sobre o assunto), como as inconvenientes visitas de todos ao apartamento do casal a todo e qualquer momento, assim como a sabotagem da irmã da Becky, a adorável detestável Laura (Kerry Howard), que agora estava grávida e como toda boa megabitch extremamente egoísta e egocêntrica ao extremo,  não queria dividir as atenções com a irmã e por isso, fez questão de tentar sabotar o plano do Steve a todo momento, inclusive tentando se livrar a todo custo do anel comprado pelo próprio para o momento do pedido e tudo isso sem carregar a menor culpa.

Uma reclamação antiga a respeito de Him And Her que eu sempre tive foi exatamente esse tipo de comportamento da Laura em relação aos demais personagens, sempre sendo cruel demais e até mesmo grossa o tempo todo. Não que eu ache que isso não agregue em nada, porque todas as suas grosserias acabam trazendo ótimos momentos para a série, causando um desconforto geral entre todos eles, mas sempre achei estranho que ninguém expressasse qualquer tipo de reação de repudio a essa comportamento extremamente ofensivo e grosseiro de sempre da personagem.

Até que, em um dos melhores momentos da temporada, Shelly (Camille Coduri, que só depois da minha maratona em Doctor Who, eu fui descobrir que é também a mãe de Rose), a amiga que mais sofre na mão da Laura (e que finalmente acabou encontrando no Dan – Joe Wilkinson – a sua outra metade) acabou explodindo em um momento de fúria em relação a forma como a amiga sempre tratou todos e especialmente sobre o modo como ela havia tratado o seu filho naquela ocasião (sim, Shelly tem um filho), vomitando uma série de verdades na cara da amiga, que já estava mais do que na hora que ela acabasse ouvindo de alguém. Finalmente! (Clap Clap Clap) E a cara de realização de todo mundo nesse momento também foi sensacional, assim como a forma com que Laura conseguiu se defender daquele momento constrangedor e sair daquela situação, alegando que a amiga “totalmente fora de si”, estava gritando com uma grávida e isso ninguém jamais deveria fazer. Sério, #TEMCOMONAOAMAR? (talvez Laura devesse permanecer grávida para sempre, para evitar qualquer tipo de confronto)

Shelly que inclusive fez sucesso com o pai da Becky, que não conseguiu disfarçar o seu entusiasmo para cima da personagem, para desespero do Steve, que teve que lidar com a empolgação do sogro, mesmo sendo um homem casado e ainda se achando no direito de não aceitar o próprio como futuro marido da sua filha. Sem contar que Shelly e o Dan formam um casal adorkable (e mais esquisito impossível ao mesmo tempo) e eu desde sempre achei que eles deveriam ficar juntos. Confirmou!

Durante essa Season 3, ainda tivemos um plot sensacional com a possibilidade do Paul (Ricky Champ), pai do filho da Shelly, na verdade ser gay (ou pelo menos bi), com ele revelando algumas dúvidas em relação ao futuro do que ele tem hoje com a Laura e ao mesmo tempo com um amigo que conhecemos durante o mesmo episódio, com quem acabou ficando mais do que na cara que ele tinha alguma coisa especial. Aliás, esse seria um castigo ótimo para a Laura. Sorry Laura, mas você vem fazendo por merecer.

HAH

Mas essa foi realmente uma temporada para que a gente se aprofundasse ainda mais na relação do casal, onde inclusive ganhamos um flashback, que nos trouxe a lembrança o adorável primeiro encontro do casal, que honestamente, não poderia ter sido mais foufo ou o começo para uma relação perfeita (nesse caso, claro). E quem já não tinha pelo menos a impressão de que tudo havia acontecido exatamente naquele apartamento, desde o começo? E o Steve tentando esconder toda a sua bagunça (sim, ele sempre foi o mesmo e já ouvia Stereophonics. Repito: #TEMCOMONAOAMAR?), foi ótimo também  e ela tentando esconder que havia quebrado sem querer a pia e ao mesmo tempo se dando conta que aquela seria a bagunça perfeita para ela mesmo viver, foram momentos bem bacanas e super especiais para quem acompanha a série. Um episódio cheio de referências a mitologia de Him & Her, como uma série de símbolos importantes do que apreendemos a AMAR de tudo que já vimos da série, especialmente da relação de amor daqueles dois até então.

Até que finalmente chegamos ao episódio com a elaborada e ensaiada proposta de casamento do Steve para a Becky, que obviamente acabou fugindo completamente dos seus planos por conta dos acasos da vida e as interferências de todos que circulam a todo momento pelo seu apartamento, algo que inclusive quase acabou em um briga entre ambos (tudo por conta de um desentendimento), mas que também acabou nos levando para um dos momentos mais foufos da história do casal. Ele só de roupão, morrendo de vergonha por primeiro, ter que revelar qual era o seu plano e segundo por ele não ter dado nada certo, mesmo depois de todo aquele trabalho, vestindo o pedido de casamento super bem elaborado, carregando as caixas com as possíveis respostas dela e o detalhe dos balões de corações presos no armário aguardando o “Sim” para serem soltas, foi mais do que especial. Um dos meus momentos de relações de amor preferidos da TV (♥), principalmente por sua originalidade, mas especialmente por tudo que ele representava naquele momento para ambos os personagens, que desde que os conhecemos, percebemos que foram mesmo feitos um para o outro. Juro que eu até chorei naquela cena (sabe quando você chora e ri ao mesmo tempo? Então…) e acabei a revendo por pelo menos umas 5 vezes.

Depois disso ainda tivemos mais uma momento bem bacana para a série, com a visita do pai do Steve, tão adorável quanto o filho (muito engraçado como ambos representam muito do que são os seus pais, não?), dividindo um momento afetivo super especial com ele entregando o livro preferido do filho quando criança, em um episódio especial de Natal que acabou encerrando essa Season 3 de forma deliciosa. (até o momento, não há a confirmação da BBC a respeito de uma possível quarta temporada, que nós mais do que torcemos para que aconteça embora ambos atores principais estejam envolvidos em outros projeto – o que não é nenhuma novidade e pode não significar nada uma ver que por se tratar temporadas curtas, eles sempre fizeram outras coisas além da série)

Mas não adianta e toda vez que termina uma temporada de Him & Her, a sensação é a de que ela foi curta demais (dessa vez foram novamente apenas 7 episódios). Humpf! Assistindo a série e AMANDO todo o seu fundamento desde sempre, fico com a impressão que se todos eles estivessem dispostos, poderíamos continuar assistindo aquele casal envelhecer lindamente na TV por vários anos.

♪ Come closer and cuddle me tight/ My heart goes/ Boom bang-a-bang, boom bang-a-bang/ When you are near ♪

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Atual #CRUSH do momento: Eddie Redmayne

Janeiro 9, 2013

eddie-redmayne-

#CRUSH (atualmente bem timidamente ruiva) que pode acabar a qualquer momento, caso ele acabe entregando que andou se aventurando com a insuportável e onipresente Amanda Seyfried, que só perde para a Taylor Cara de Alface Swift no quesito lista maior do que a de espera no SUS.

Mas por enquanto, ele continua sendo sempre uma visão. Höy!

#ADORKABLE

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Don’t want your picture on my cell phone/ I want you here with me/ I don’t want your memory in my head, no/ I want you here with me

Dezembro 17, 2012

Ainda não consegui me decidir sobre qual é a melhor parte do novo vídeo do The Killers para o single de “Here With Me”

(♥) Se a melhor parte é mesmo o fato dele ter sido mais uma parceria da banda com o diretor Tim Burton

(♥) Se  a melhor parte ficou por ele ter no elenco do vídeo ninguém menos do que a Winona Ryder herself (AMO/somos gêmeos)

(♥) Ou se realmente o que me convenceu sobre o vídeo ser muito especial foi o fato de ter reconhecido o Craig Roberts logo de cara e quase ter caído da cadeira. Sim, ele mesmo, o adorkable Oliver Tate de “Submarine”.

Sem contar o plot do vídeo, seguindo o fundamento de “Lars  And The Real Girl”, só que de uma forma mais Tim Burton de ser, digamos assim, rs

Sério, por qualquer motivo que seja (incluindo a magia do Brandon Flowers ou o som sua banda que nós sempre gostamos), #TEMCOMONAOAMAR?

 

ps: passei um ano inteiro cortando caminho por dentro da FNAC  para ir para a faculdade no passado e todo dia, no exato momento em que eu passava, estava rolando o vídeo de “Read My Mind” em algumas Tvs, sempre na cena em que o Brandon encontra o Elvis asiático. #TODAVEZ! E esse foi o meu ano com o Brandon Flowers. PÁ! (#ENCONTROCOMBRANDON, #365DIASCOMELE)

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Sempre um foufo!

Dezembro 7, 2012

Daniel Racliffe

Não adianta, o Daniel Radcliffe pode fazer 145 anos, que para sempre ele será como o nosso irmão mais novo, não? (♥)

#ADORKABLE

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

A primeira vez da Lena Dunham

Outubro 26, 2012

Lena Dunham provando mais uma vez o porque que ela é uma das garotas mais legais atualmente, nesse vídeo sobre as eleições deles de logo mais. (não consigo entender aqueles comments cretinérrimos no Youtube)

Marry me, Lena Dunham? Seriously!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Why so adorkable?

Outubro 22, 2012

Agora é assim, quando ele não vem com aquela encarada capaz de deixar várias com as pernas tremulas, o Ryan Gosling aposta nessa cara que para ser mais adorkable seria praticamente impossível, só para trazer mais magia para a nossa tarde aqui no Guilt. Höy!

E quem não poderia ficar olhando atentamente para essa imagem até o fim do dia, que atire o ctrl +, que vc deve estar dando agora só para dar um zoom na imagem, que a gente bem sabe (e utiliza do mesmo recurso, rs), NOW!

Sério, #TEMCOMONAOAMAR? (♥)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Look 4 Today

Outubro 11, 2012

Pq #TEMCOMONAOAMAR esse menino com essa cara foufa & adorkable, vestido de 11th Doctor?

Não, não tem… (♥)

Feliz dia das crianças!

 

ps: bow ties are cool! (♥ + ♥)

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

O boy magia adorkable do momento

Outubro 11, 2012

Justin Bartha, nossa #CRUSH (antiga) do momento, fantasiado para o episódio de Halloween de The New Nornal. Höy!

Aliás, egostaria de declarar que a série é a única das novas que tem me deixado bem ansioso para o próximo episódio de tão bons que todos eles andam sendo.

E a série não é apenas uma comédia ou pelo menos não é uma comédia qualquer.

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt


%d bloggers like this: