Posts Tagged ‘Benedict Cumberbatch’

E quem ganhou o Emmy 2014, hein?

Agosto 27, 2014

66th Emmy

Podemos dizer que eles até foram bem honestos com os vencedores esse ano, não?

 

Série Dramática

Breaking Bad

Sério, alguém consegue considerar esse prêmio uma surpresa? Claro que Breaking Bad merecia todo o reconhecimento por sua excelente temporada final e que bom que isso aconteceu. Clap Clap Clap! emmy para todo mundo!  (saudades do tempos de ouro e riqueza da platéia da Oprah)

 

Série Cômica

Modern Family

Mais uma vez. Pior que a série continua boa, mas é sempre tão a mesma coisa. Pior ainda é que temos outras boas séries por aí. Quem sabe no próximo ano eles finalmente ganham alguma concorrência. Mas que foi melhor do que ver o prêmio cair na mão de uma The Big Bang Theory, isso foi…

 

 

Minissérie

Fargo

Só vi o piloto. AMEI. Todos dizem que é muito boa e por enquanto, eu só tenho motivos para acreditar. Vou ver logo…

 

 

Telefilme

The Normal Heart

Nada mais do que merecido. Clap Clap Clap uncle Ryan! A grande surpresa ficou por conta dos atores não terem levado nenhum dos prêmios em sua categorias. Suspeito que eles preferiram valorizar os atores de TV mesmo… #SHADE

 

 

Ator de Série Dramática

Bryan Cranston por Breaking Bad

Clap Clap Clap! Por melhor que qualquer outro dos indicados tenha se saído durante essa temporada, o trabalho do Bryan Cranston merecia ser reconhecido e não só por isso, mas por toda a sua trajetória dentro dele. 

 

 

Ator de Série Cômica

Jim Parsons por The Big Bang Theory

Sono. TLIM! Acho que meu bolo de cenoura ficou pronto. Vou ali preparar a cobertura. Volto já. 

 

 

Ator de Minissérie ou Telefilme

Benedict Cumberbatch por Sherlock

ÊEEEEEEEEEEE! Finalmente! Uma pena o nosso Cumberbatchman não ter aparecido para receber o prêmio. Uma pena mesmo indeed… Humpf! #CHUTANDOLATAS

 

 

Atriz de Série Dramática

Julianna Margulies por The Good Wife

Sono de novo. Ó, aproveitei para fazer uma cobertura que ó, já ficou até pronta. Vamos decorar?

 

 

Atriz de Série Cômica

Julia Louis-Dreyfus por Veep

Sempre muito boa porém, ainda pouco vista. Tenho curiosidade, mas tenho que superar meu trauma de Seinfeld

 

 

Atriz em Minissérie ou Telefilme

Jessica Lange por American Horror Story

Jessica é outra que é sempre muito boa, mesmo quando em uma série ruim. Tisc, tisc…

 

 

Ator Coadjuvante em Série Dramática

Aaron Paul por Breaking Bad

 De novo, fiquei mais do que feliz com o prêmio desse cara. Como eu AMO o Aaron Paul, gente! Quero ser amigo, quero ser padrinho dos filhos dele, quero ser companheiro de laboratório e ou do mesmo time no paintball. Sério, #AMOR!

 

Ator Coadjuvante em Minissérie ou Telefilme

Martin Freeman por Sherlock

ÊEEEEEEEEEEE! Finalmene! Um bom Sherlock não funciona se não tiver um Watson tão bom quanto. Outra pena da noite foi ele também não ter ido. E vestido de Hobbit, o que seria mais legal ainda…

 

Ator Coadjuvante em Série Cômica

Ty Burrell por Modern Family

Gosto do Ty mas… preguiça. Hora de cortar o bolo que já deu aquela esfriada. Alguém quer um pedaço?

 

 

Atriz Coadjuvante em Série Dramática

Anna Gunn por Breaking Bad

Merecidíssimo. A trajetória dessa personagem foi da insuportável a megabitch sofredora e desesperada, vítima do próprio marido e pesadelo endinheirado em 3, 2, 1. E ela conseguiu segurar muito bem, em todas as etapas. Hazô!

 

 

Atriz Coadjuvante em Série Cômica

Allison Janney por Mom

Alguém já viu? É boa mesmo? Alguém aceita outro pedaço de bolo? Acompanha café, leite, ou chá, senhor?

 

Atriz Coadjuvante em Minissérie ou Telefilme

Kathy Bates por American Horror Story

Um dos poucos papéis ruins que ela já fez na vida foi em The Office, porque o resto, sempre mereceu. 

 

 

Roteiro – Série Dramática

Moira Walley-Beckett por Breaking Bad – Eps. Ozymandias

Clap Clap Clap!

 

 

Roteiro – Série Cômica

Louis C.K. por Louie – Eps. So Did The Fat Lady

Choro com Louis C.K. ganhando prêmio de roteiro. Essa sim é uma comédia que vale muito a pena e que deveria ser muito mais premiada. Um dia eles ainda vão descobrir isso. Espero… 

 

 

Roteiro – Minissérie, Telefilme ou Especial

Steven Moffat por Sherlock – His Last Vow

Clap…………….. Clap………………Clap, lentamente… Se estivesse lá, daria um beijo no Moff igual o Bryan Cranston fez na Julia Louis-Dreyfus. Muah!

 

 

Direção – Série Dramática

Cary Fukunaga por True Detective – Eps. Who Goes There

E não é que descobrimos que além de bom, esse diretor é magia e poderia facilmente entrar para o cast de Sons Of Anarchy? Uma magia de bastidor para ficar de olho, anotem..

 

 

Direção – Série Cômica

Gail Mancuso por Modern Family – Eps. Vegas

Tá, melhor deixar a preguiça de lado e aceitar que depois do bolo, chega a hora de lavar louça. 

 

 

Direção – Minissérie, Telefilme ou Especial

Colin Bucksey por Fargo – Eps. Buridan’s Ass

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Anúncios

Cumberbatman

Junho 30, 2014

Benedict-Cumberbatch-1-GQ-24-pr_b_1083x658_2

Porque depois de tanto tempo na geladeira, só mesmo o Cumberbatman nas geleiras para nos representar no header da vez, não é mesmo? Höy!

#CUMBERBATMAN

#IMBACK

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Se uma máquina do tempo eu tivesse e ainda pudesse falar sobre o Oscar 2014 sem muito atraso, eu diria que…

Março 10, 2014

The Selfie

… eu diria que nada como ser uma pessoa muito da bem relacionada como a Ellen DeGeneres, não?

E sim, aceitamos o irmão da Lupita na foto. E quem é que diante da possibilidade de estar no meio de tantos cachês tão altos, não faria exatamente o mesmo?

Sim, essa bitch foi fierce e mesmo que não tivesse sido, só o seu parentesco com a Cinderella já garante parte do nosso respeito pelo mesmo. #RESPECT

ps: AMO a outra foto do outro lado da selfie, com a Liza with a Z tentando achar um espaço. E digamos que se a Liza também tivesse acesso a uma máquina do tempo, ela teria voltado a sua juventude e escalado qualquer bitch que estivesse no seu caminho naquele momento e tudo isso com #JAZZHANDS

Jennifer Lawrence

OK, temos que concordar que nem tudo funcionou muito bem para a J-Law esse ano… humpf!

Tudo bem que ela conseguiu sua indicação novamente, conseguiu até fazer um preplum parecer digno de um mortal (o que é muito difícil e só prova o quanto ela não é mais aquela garota possível e rechonchuda de outro dia), apareceu acompanhada do Nicholas Hoult (Höy!), o fazendo provavelmente sentir alguma vergonha do seu penteado Jane Fonda contemporânea meets old Lady Di meets timeless Ana Maria Braga, mas o que nós precisamos dizer mesmo é que essa menina precisa urgentemente considerar começar a andar com a ajuda de andadores por aí porque foi só ela chegar na premiação, que já ganhamos o seu tombo garantido da noite.

Cuidado garota, aprenda a andar e tome um banho de seca pimenteira porque o olhão gordo parece estar te encarando constantemente. WOO!

OWNNNNNNNN!!! (#THATFACE)

Lupiterella Nyong’o lacrou todas com o seu look Cinderella, que pode até não ter sido dos seus melhores em red carpets (sim, ela já teve melhores), mas mesmo assim funcionou muito bem nela, que para acompanhar foi de tiara e todos nós amolecemos perto de uma mulher com qualquer coisa parecida com uma coroa. #HELLYEAH (♥)

A propósito, tem gente dizendo que ela e o Fassbender podem estar juntos… e quer saber?

Se for pare perder o nosso sonho da magia propriamente ruiva em forma de homem, que seja para uma bitch como Lupiterella, que além de premiada, ainda dançou na premiação ao lado do Pharell e foi de Princesa Disney. Ou seja, #RAINHADOFUCKINGBAILE

bRANGELINA

Nós ainda chamamos eles de Brangelinas, ou já foram canonizados e receberam um novo nome Santo?

Brad finalmente voltou a imprimir alguma magia (já era hora, 1/2 Höy!), e por isso nós somos agradecidos e Angelina meu amor, com essa cara e esse vestido, acho muito difícil você conseguir errar qualquer coisa na sua vida, a não ser alguns daqueles papéis duvidosos na sua lista no IMDB.

#MARAVILINDRA

Ethan Hawke(L) and Julie Delpy

Falando em casais que nós AMAMOS, Jesse and Celine (♥), porque pra mim eles já perderam o título de Ethan Hawke (Höy!) e Julie Delpy (meu alter ego durante a TPQC, tensão pré qualquer coisa) tem muito tempo. Höy!

#AMOANTESDEPOISEAQUALQUERHORADODIAOUDANOITE

Elsa Pataky (L) and Chris Hemsworth

Eu sei, eu sei, nós que somos mães (cada um adota o que pode, nem que seja um estilo de vida, como no caso de algumas, tisc tisc, rs) não costumamos falar muito sobre a moda prenha porque nunca nos pareceu muito justo, ainda mais se levarmos em conta toda a questão dos hormônios, desejos e afins…

Mas não tem como não dizer que teria sido muito melhor a mulher do Thor ter ido com nada além do martelão do marido na mão no Oscar 2014, não é mesmo?

#SORRY

Olivia Wilde (L) and Jason Sudeikis

E para ser justo com as grávidas e deixar alguma esperança para o mundo gestante, com a Olivia Wilde acompanhada do seu (bitch) Jason Sudeikis (Höy!), ganhamos um ótimo exemplo de como carregar uma melancia no lugar da barriga com alguma dignidade. #YOUGOGIRL

Charlize Theron

Pra mim, a Charlize lacrou tudo com esse seu vestido lindíssimo que ela deveria ter considerado emprestar para a Angelina completar o look Malévola.

E a última piada que eu mesmo acabei de criar em Hollywood é que Angelina só aceitou fazer o papel de Malévola para ter a chance de usar aqueles chifres enormes e assim passar uma mensagem subliminar nada sútil para sua nemesis para a vida, Jennifer Aniston. #CRUELDADE (será que já ouvi essa piada antes? #CONSCIENCIACRIATIVA)

penelope-cruz-gorgeously-flows-on-oscars-2014-red-carpet-01

Já estava com saudades da Penelope Cruz, mas bem que ela poderia ter se esforçado um pouco mais do que isso, não?

Se bem que, sendo ela casada com o Javier, entendemos bem que todo esse esforço possa ser necessário guardar para outros departamentos da sua vida…

Sandra Bulloc

O mesmo vale para a Sandra Bullock, essa sim que já passou da hora de deixar de ser preguiçosa e se aventurar mais antes de sair de casa para qualquer tapete vermelho.

Não aguentamos mais Sandrinha Corretinha e queremos Sandrinha Fierce para ontem. O mesmo vale para suas escolhas de papéis no cinema, sempre tão preguiçosas quanto…

#PAREDEESCOLHERAMOCINHAEESCOLHALOGOUMABITCH

#BITCHESARECOOL

Julia Roberts

Outra corretinha da noite foi a Julia Roberts, mas essa nós perdoamos porque fomos distraídos por esse sorriso de três arcadas dentárias completas, mesmo com ela vestida de viúva.

Jesus

Aí nós tivemos Jesus, que já foi uma transformer no cinema para lacrar a língua das inimigas, faz ombré no cabelo e pelo menos não é como o seu irmão e aquela sobrancelha mega desenhada de vilão Disney, veste branco porque não sabe quando vai ter outra chance de subir no altar em frente a tanta gente importante e de quebra, ainda nos trouxe aquela mãe linda de cabelo silver digníssimo e um discurso dedicado a mesma que foi ainda mais lindo.

Halleloo (desculpem, estou viciado em RuPaul’s Drag Race)

Höy!

Camilita

Muita gente não gostou do vestido da Camila e disse que tinha tecido demais e que parecia demais com uma cortina, lençol, toalha de mesa ou qualquer coisa do tipo.

Mas por aqui, nós achamos que qualquer tecido que parado para a foto tenha qualquer coisa com esse tipo de caimento merece todo nosso respeito, portanto, deos abençoe!

ps: não vamos falar do seu homem porque eles nos roubou. E quem diria que de nós todas, Camila seria a primeira a ter um Oscar em sua estante? Mesmo sem estar namorando quem eu estou de olho há anos em Hollywood (vários olhos na verdade. Será que o meu erro é não ter exatamente um foco?), jurava que tinha mais chances do que ela…

leo

Leo, a gente tinha todo um número preparado para o momento em que você subisse no palco para receber o seu prêmio, algo que envolvia algumas perucas, lingerie e um lip sync for our lives de “Young Hearts Run Free” e até agora achamos que você foi roubado. De novo…

Nessas horas que eu acho que a presença da Meryl Streep em qualquer premiação deveria ser levada mais a sério e caso ela achasse que qualquer resultado e ou prêmio tivesse sido injusto, ela teria o direito de fazer ela mesma justiça com as próprias mãos, tendo o direito de roubar o prêmio de qualquer um e entregar para quem ela achasse que merecia mais, como a gente adoraria que alguém tivesse feito no caso acima…

Bradley cooper

Bradley Cooper pode nunca ganhar nenhum prêmio na vida apesar de concorrer a alguns, mas se ele prometer aparecer sempre com essa carinha lavada da magia à sedução, nós juramos que não nos importaremos nada com a visão que é sempre uma visão. Höy!

Fassy

E por falar em visão: MICHAEL FASSBENDER e sua barba exageradamente e adoravelmente ruiva. Höy!

Conheçam a minha sogra, a Senhora Ginger e nesse parágrafo em nome de um casamento sólido e respeitoso eu prometo parecer mais fino do que o comum, só porque não quero ser reprovado na família ruiva…

#MEACEITAMAMABENDER

Pharrell

Pharrell, não temos nada contra quem decide inovar e aparecer de pernas de fora em qualquer premiação, mas você precisa estar preparado para isso para não passar vergonha, algo que não achamos que foi o seu caso, mesmo olhando assim de longe…

#NAOTABOMNAO

Meryl

GOD?

#FLAWLESS

jim Carrey

Estaria o Jim Carrey usando aquela máscara de novo?

Se não, não seria melhor ele considerar colocá-la então?

#THATFACENO

Cumberbatch

Alguém consegue pensar em algum motivo inglês ou não inglês para não gostar do Cumberbatch?

Sério, alguém?

Ainda mais quando solto na vida e em terras estrangeiras, ele resolve envergonhar a rainha e fazer coisas desse tipo…

SHERLOCK

… como arruinar a chegada do U2 no Oscar 2014.

Honestamente, #TEMCOMONAOAMAR?

ps: e com esse nome e com os rumores de que o Ben Affleck possivelmente não será mais o novo Batman, o que vocês acham da gente já começar a campanha #CUMBERBATMAN? hein? Pensem na possibilidade…

E para finalizar o assunto antigo e tentar não perder a piada e nem se estender muito no assunto já oldnews mesmo sendo da semana passada, ainda utilizando a nossa máquina do tempo (sorry mas tive que usar essa desculpa), que se fosse boa mesmo teria nos trazido pelo menos uma fatia daquelas pizzas distribuídas pela Ellen no Oscar (bem reparei que a Angelina nem tocou nelas porque com aquele peso ela não deve ingerir nada sólido desde 2002, pelo menos), quem é que tem coragem de dizer que além do prêmio que todo mundo estava aguardando para o Leo, que todos nós só conseguimos sobreviver ao Oscar 2014 até o fim porque além da descontração desse ano (que foi um fato bem bacana, vai?), tivemos a apresentação de “Let It Go”, pela Adele Dazeem segundo o John Trazmaisvodkaeumaperucamaisdigna (AKA Idina Menzel), que como não está disponível no Youtube, nós resolvemos substituir por essa versão aqui, com ela fazendo o mesmo só que de forma bem diferente acompanhada do Jimmy Fallon e o The Roots, huh?

Então é isso,  vocês no próximo Oscar, com ou sem pizza.

ps: mesmo com atraso de 1 semana, preciso dizer que AMEI como sempre a companhia no Twitter

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Sherlock, parte 3

Janeiro 22, 2014

sherlockS3b-580x326

Quase dois anos de espera (sim, o terceiro episódio da Season 2 foi ao ar em 15/01/12), apenas mais três episódios de uma hora e meia de duração cada e mais uma temporada sensacional de Sherlock. SENSACIONAL! Com a desculpa da agenda concorridíssima de suas duas maiores estrelas (Cumberbatch + Freeman), que agora também parecem que foram finalmente reconhecidos em Hollywood, tivemos uma longa espera para o retorno de uma das melhores séries britânica. Eu diria até que a melhor série indeed no ar hoje, mesmo ficando com os meus dois corações apertados por conta do meu amor incondicional por Doctor Who. Mas podemos dizer que valeu a pena, não esperar, porque essa espera longa demais é sempre uma covardia covarde, mas o fato de aguardarmos tanto tempo para receber de presente três episódios como esses, acaba compensando qualquer coisa. Mas que a gente gostaria que fossem mais (não 22 como na America antiga, mas uns 6 pelo menos?), a gente bem que gostaria.

Para essa temporada, começamos com a notícia velha de que “#SHERLOCKLIVES”. Velha porque para a sua audiência, no final da Season 2, o próprio já havia aparecido e com isso, a dúvida da sua morte já não mais existia e o que a gente gostaria mesmo de saber era como isso foi possível, uma vez que vimos o próprio pulando do telhado de um prédio, de frente com o Dr Watson, para o seu (e nosso) total desespero. Mas restava esclarecer esse pequeno detalhe e nessa hora, ganhamos um episódio cheio de possibilidades, que brincou com a mente de sua audiência mostrando diferentes cenários para o mesmo crime, nos dando algumas opções para o ocorrido, todas muito bem pensadas por sinal, meio exageradas até e algumas com um toque de humor inglês que é sempre bem vindo, como a possibilidade criada por uma de suas fãs (a Ray de My Mad Fat Diary), imaginando uma história de amor entre Sherlock e Moriarty, que foi divertidíssimo e totalmente inesperado. (com direito a uma quase beijo, olha só!)

Mas além desse esclarecimento, restava ao Sherlock a tarefa de enfrentar o grande amor da sua vida (sejamos sinceros, eles se amam, de uma outra forma, mas todo mundo sabe disso), seu amigo e companheiro que havia passado esse tempo todo de luto, Watson, acreditando na morte do parceiro e obviamente, sofrendo e muito por isso. E quando finalmente chegamos ao momento do confronto, novamente recebemos de presente o alívio cômico da série, com uma briga no melhor estilo dramalhão mexicano, com o Sherlock recorrendo ao humor para surpreender o amigo com a notícia de que estava vivo e Watson enlouquecendo, partindo para cima dele por mais de uma vez, em cenários diferentes, em um misto de drama e pastelão muito bem executado, com espaço para diversas piadinhas a respeito da nova tentativa de estilo do próprio Watson, que a essa altura havia adotado um bigode bem do meio assim durante esse período de luto.

Como novidade, ganhamos uma personagem a mais para essa relação já tão conturbada entre os dois, Mary (Amanda Abbington), que havia roubado o coração do Watson, de quem ela estava noiva e Holmes teve que amargar ter perdido esse momento da vida do amigo. Claro que para aguentar um Sherlock presente em boa parte de sua vida por conta da sua relação com Watson, Mary precisava ser uma mulher bem humorada e que tivesse coragem de dizer algumas verdades para o Sherlock que pouca gente teria, além de uma petulância natural em enfrentá-lo de vez em quando, discordando do seu ponto de vista e ou acrescentando detalhes perdidos pelo detetive. Apesar de extremamente doce e de ter uma relação com aparentemente zero problemas com Watson, já nesse primeiro encontro entre os três, quando o detetive fez sua primeira leitura sobre a Mary, uma série de palavras pipocaram na tela e entre elas estava “liar”, que coincidentemente foi o que me chamou a atenção e me fez voltar a cena para ver se eu tinha visto direito. Além disso, um olhar mais demorado e de leve desconfiança do próprio Sherlock em relação a escolhida do seu amigo em um determinado momento chegou a chamar a atenção para quem assim como eu, é mais apegado a esse tipo de detalhe. Mas nada que nos denunciasse qualquer outra coisa. Pelo menos por enquanto.

Sherlock-Episode-3.01-The-Empty-Hearse-Full-Set-of-Promotional-Photos-11_595_slogo

O bacana desse primeiro episódio da Season 3 é que fomos muito bem representados pelo fandom do Sherlock na própria série, que inconformados com a sua “morte’, se mobilizaram para imaginar as tais possibilidades para o que de fato pudesse ter acontecido no telhado daquele prédio, com a diferença de que na série, eles foram mais fundo e acabaram sendo os próprios responsáveis pelo caso da vez, em uma tentativa desesperada porém bastante inteligente para despertar a curiosidade do detetive do “mundo dos mortos”

Seguindo com a temporada, ganhamos o episódio mais divertido da série até hoje, ele que foi também responsável pela confirmação de que essa seria a temporada mais bem humorada da série e isso ficou por conta do dia em que o Dr Watson se casou com a Mary e resolveu chamar o Sherlock para ser o seu padrinho. Muito provavelmente em uma tentativa de humanizar um pouco mais o personagem, ganhamos um Sherlock visivelmente mais leve ao longo dessa Season 3, talvez pela culpa de ter forjado sua própria morte e ter permanecido tanto tempo longe do seu amigo (e consequentemente de todos nós). Amigo que ao escolhê-lo como padrinho, acabou assumindo que ele era sim o seu melhor amigo, para total desespero do personagem, que não é tão genial quanto parece quando o assunto são sentimentos de verdade e não um detalhe prático qualquer.

Aqui, ganhamos um Sherlock talvez pela primeira vez se dando conta da importância da sua relação com aquele homem, se sentindo realmente querido por alguém e nesse hora, o mesmo não pensou duas vezes ao assumir o posto de melhor amigo (quer dizer, até pensou duas vezes sim e ficou tão surpreso com o convite que chegou até a tomar um “chá de olho”. Sério), entrevistando severamente alguns dos convidados principais da festa e fazendo um breve levantamento sobre todos eles, com direito a mapa na parede do tipo Homeland e um Sherlock fofíssimo e comportado sentado no chão, dobrando guardanapos no formato do Sydney Opera Hall, confessando que alguns de seus talentos descobertos recentemente (como dobrar guardanapos em formatos exóticos) vieram de suas também recentes excursões a tutoriais no Youtube.

Além de extremamente cômico e de ter assumido o volume de humor da temporada, esse também foi um episódio complexo, com algumas voltas no tempo para antes do casamento e de quebra, a inclusão de um caso sem solução que havia lhes chamado a atenção enquanto Watson tentava fugir de sua noiva e um Sherlock organizador de festas, envolvendo inclusive um personagem do passado do próprio, relembrando mais uma vez os seus tempos de guerra, além também de algumas memórias de casos divertidíssimos da trajetória dessa dupla que não tivemos a chance de acompanhar. E e tudo isso em um cenário lindo, com cara de casamento que a gente adoraria ter sido convidado e até teria comprado presentes bons.

Sherlock-season-3-2966172

Mas se esse foi definitivamente o episódio que estabeleceu o humor da série para essa temporada e o assumiu como a sua maior arma nesse momento, ele também foi uma dos mais fofos para a mitologia da série. Do momento já mencionado, com o Sherlock congelado no tempo ao ouvir o convite para ser o padrinho do Watson e consequentemente, que ele era o seu melhor amigo (algo que provavelmente ele nunca imaginou conseguir ser para alguém), ao momento do discurso preparado tragicamente pelo próprio Sherlock, que no final das contas, conseguiu salvá-lo muito bem, entre esses dois momentos, tivemos as melhores declarações de amor entre ambos os personagens, do tipo que consegue te deixar com aquele nó na garganta, mesmo vindo na sequência de uma série de verdades e ofensas ditas pelo Sherlock himself, claro.

É claro também que como Sherlock apesar de ter se assumido um pouco mais como uma séria também cômica, basicamente sobrevive (além de todas as suas qualidades, que não são poucas) do suspense, como resolução para essa primeira e provavelmente única vez do Sherlock como padrinho, ganhamos uma espécie de jogo como “detetive” em pleno casamento, com um Sherlock enlouquecido tentando resolver o crime da vez, eliminando possibilidades e mais uma vez utilizando do recurso da tipografia, que a essa altura, já faz mais do que parte da identidade da série.

Identidade essa que continua sendo fielmente mantida, com todo o fundamento que aprendemos a admirar e reconhecer na série desde suas primeiras temporadas (Season 1 e Season 2), com uma fotografia excelente, recursos tipográficos que nos ajudam a compreender  o que está acontecendo em cena e ou na cabeça do próprio Sherlock (em seu “palácio mental”), além daquele olhar super bacana que eles sempre escolhem para nos ilustrar uma cena. E tudo isso pertencendo muito bem dentro desse universo, sem nos deixar com a impressão de que eles estão apenas se “exibindo”, como é bem possível reconhecer a quilômetros de distância em séries do tipo procedural mais endinheiradas.

Detalhe que nesse episódio, antes de se dar conta que apesar do amor que conseguiu sentir naquele momento, ele continuava sozinho (a cena dele reconhecendo essa fato na pista de dança é linda e a prova de que Sherlock jamais ficaria sozinho em uma pista de dança veio logo depois, com o Cumberbatch dançando animadamente ao lado do Fassbender. Confirmou!), antes de deixar a festa e a sua valsa como presente para os noivos (um detalhe lindíssimo por sinal), tivemos um momento clássico com mais uma vez o Sherlock sendo sincero demais e falando o que não deveria, revelando ao casal que eles além de recém casados, estavam também grávidos e nesse momento, por mais uma vez ganhamos um olhar um tanto quanto demorado demais em relação ao próprio e a Mary, algo que de certa forma me despertou a possibilidade de que ele tivesse enxergado algo mais nela naquele momento. Mas até aqui, tudo isso poderia ter sido apenas uma impressão minha.

lastvow_planocritico

Até que partimos para o grande final dessa temporada, que apesar de ter nos apresentado um novo vilão (Magnussen), sem ter nos demonstrado exatamente qual era a sua magnitude, tivemos uma perfeita amarração entre as histórias dos outros dois episódios, que de alguma forma, estavam todas atreladas para o desenrolar dessa terceira temporada da série inglesa. Um episódio absolutamente sensacional para uma temporada que havia começado pela morte ficticia do prório Sherlock e que voltava para o seu encerramento nos propondo o personagem de fato enfrentando algo bem próximo da morte de forma real, nos fazendo passar boa parte dele dentro do seu próprio palácio mental, onde descobrimos até a sua zona de conforto, que atendia pelo nome de barba ruiva . (Confirmou! Sherlock é dos nossos)

Sim, nele e corajosamente bem antes da sua metade, tivemos Holmes enfrentando a morte de perto, ao ser baleado no peito por ninguém menos do que a própria Mary do seu Watson, ela que também tinha alguma relação mal resolvida com o vilão da vez que parecia saber de tudo por uma espécie de Google Glass (mas que na verdade, não era exatamente isso), para a surpresa de todos, mas acho que podemos afirmar nesse momento que ninguém ficou mais surpreso do que o próprio Sherlock nesse caso. (eu pelo menos matei na hora em que eles mencionaram o perfume. E que propaganda hein? Dior, Chanel, Prada…)

E mais uma vez, foi lindo ver como a relação desses dois personagens principais é baseada na lealdade (palavra importantíssima na minha own vida ultimamente… tisc tisc), com a Mary ameaçando o Sherlock em relação a ele revelar para o Watson que ela havia atirado no mesmo e ele imediatamente arquitetando uma instalação artística com direito a projeções gigantescas e alguns truques para arrancar a sua confissão diante do agora marido Watson, para o total desespero da personagem.

Nesse hora, eu só não gostei muito dos mind games envolvendo a parcela de culpa do Watson por sempre escolher “o errado” para se aproximar em sua vida, tão pouco a questão daqueles petelecos todos na cara envolvendo o vilão da vez na cena final. Achei que para o personagem, esse detalhe não coube tão perfeitamente, algo que caberia muito melhor para alguém com um nível de arrogância tão avançado quanto o Sherlock, por exemplo. Mas ainda assim, temos que aceitar que de vez em quando, a gente é quem realmente atraí esse tipo de coisa para nossas vidas, infelizmente, algo que todos nós sabemos que é uma verdade e talvez por isso deixamos passar na série.

Apesar de ter desmascarado a Mary, não ficou claro suas verdadeiras intenções naquele momento em relação ao crime, tão pouco o que o tal Magnussen sabia a seu respeito a ponto de colocá-la naquela posição de assassina. Algo que a própria resolveu tentar esclarecer mais tarde, deixando um pen drive com o próprio Watson, contendo a sua verdeira identidade e história. E novamente, apesar também de ter encontrado algumas falhas nessa relação de amor, onde acabou ficando muito mais claro o grau de envolvimento do Watson com essa relação, quando ele resolveu jogar o pen drive no fogo e esquecer o passado da futura mãe de sua filha (sim, a chance maior segundo ele mesmo é que seja menina) do que em relação a própria Mary e o seu envolvimento com o atual marido. Mas ainda assim, foi bem bonitinho o Sherlock promovendo uma excursão no natal  até a casa dos seus pais (que haviam aparecido em um outro momento da temporada), na tentativa de demonstrar para o casal em crise do momento um outro tipo de relação que eles poderiam se inspirar em ter e tudo isso com direito a um Mycroft amargo de companhia e odiando o natal, além do novo protegê do próprio Sherlock, um viciado que ele acabou conhecendo na “cracolândia”, onde o personagem passou a viver por uns tempos logo depois do casamento do seu melhor amigo (fazendo uma piada ótima em relação ao seu vício em drogas, que estava um tanto quanto adormecido), e talvez esse detalhe tenha nos dado uma pista de que ele não estava se sujeitando a drogas naquele lugar apenas pelo caso da vez e sim para tentar se livrar da dor de ter perdido o homem da sua vida, não? rs

sherlock-3x03-his-last-vow-L-aa8igi

Mycroft também apareceu em momentos importantes ao longo dessa Season 3, dentro do tal “palácio mental” do Sherlock, dando dicas importantes em relação ao seu comportamento e além disso, dividiu também um momento super fofo com o irmão, com ambos tentando esconder da mãe o fato de que estavam fumando do lado de fora da casa e o próprio Sherlock tentando incriminá-lo na maior cara de pau, como duas pessoas absolutamente comuns (que é bom lembrar de vez em quando que eles são). Outro ponto de extrema doçura ao longo da nova temporada aconteceu quando acabamos dando de cara com a memória do Sherlock criança, revelando um pouco mais da fragilidade do personagem, assim como aquela cena fortíssima (e linda) que encerrou o episódio, com ele criança se rendendo em meio a todos aqueles homens armados.

Em termos de crítica, podemos dizer que a atenção dada ao lado cômico da série não foi a mesma para a questão do suspense, que apesar de também ter sido muito bem executada como sempre, acabou ficando um tanto quanto mais fraca em relação as grandes resoluções (as maiores delas, tipo o caso da Mary e o que fazer com um vilão como o Magnussen), que foram um pouco mais óbvias ao longo dessa temporada. Não sei se foi a saudade da série e o longo tempo que tivemos que aguardar para o seu retorno, mas digamos que dessa vez, as pistas deixadas ao longo dos episódios foram mais óbvias ou pelo menos mais fáceis de se perceber. Será que é porque a essa altura, já estamos muito mais bem treinados?

Dessa vez, não tivemos uma grande revelação e ou grande plot dramático para encerrar a temporada e sim um Sherlock assumindo o posto de vilão para se afirmar como o grande herói da vez. E tudo isso baseado no sentimento que ele tem em relação ao melhor amigo Watson, que agora se estende para a sua “executora”. Uma resolução sentimental, que ainda nos trouxe uma despedida linda e novamente muito bem humorada entre os dois melhores amigos, com direito a um Sherlock tentando a qualquer custo que o amigo batizasse seu filho com o seu nome, inclusive se fosse uma garota. Mas essa despedida ainda trazia um gostinho muito mais amargo, com o detetive seguindo para uma espécie de exílio, onde segundo o próprio irmão database Mycroft, ele não duraria muito.

Até que no último momento, fomos surpreendidos com uma imagem que ecoava em todas as TVs da terra da rainha, com alguém importante perguntando se estávamos com saudades. Alguém que era ninguém menos do que o próprio Moriarty, a princípio apenas como uma espécie de GIF animado, mas quem aguardou até o final dos créditos como bem fez questão de lembrar o locutor, pode conferir a sua versão em carne e osso. Agora não me perguntem como é que eles vão conseguir explicar como Moriarty não morreu (e a gente sabe que eles vão conseguir), porque isso nós só saberemos durante a próxima temporada da série, que já faz tempo que tem feito por merecer cair no gosto do público, hein?

E eu sinceramente não consigo acreditar em como é que uma série com todas as qualidades de Sherlock, consegue passar tão batido em toda e qualquer premiação de TV fora da terra da rainha. Suspeito que esse mistério nem o próprio Sherlock consiga explicar. Mas que merecia ser reconhecida também por isso, merecia…

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

O red carpet do Golden Globes 2014, festa também conhecida como Tina Poehler e Amy Fey recebem…

Janeiro 16, 2014

tina-fey-amy-poehler

Porque festa boa mesmo tem que ter um red carpet daqueles e o 2014 Golden Globe Awards até que rendeu alguma coisa no quesito “não vista isso nunca mais em qualquer uma de suas vidas”. Vamos ver?

Começando pela dupla que da próxima vez a gente espera que seja um trio (com a inclusão de uma vez por todas da Julia Louis-Dreyfus nesse clã, porque durante a premiação, ela bem fez por merecer, não? Estou rindo até agora com ela sentada na parte dos convidados do cinema e depois voltando as raízes com um hot dog na parte da TV, rs), que cá entre nós e que elas não nos ouçam, não são assim nada geniais quanto são para a comédia na hora de suas escolhas para red carpets. É, AMAMOS vocês meninas, mas não são…

Ainda assim, com acreditamos nessa amizade (a delas e a nossa imaginária com elas) e pela piada sobre “Gravity” envolvendo o George Clooney e a sua dificuldade em permanecer muito tempo ao lado de uma mulher da sua idade (sério, nessa hora senti as duas do meu lado, porque bem já falamos sobre esse mesmo plot por aqui por diversas vezes, acabando de vez com a esperança de nossas mães), só por isso perdoamos qualquer deslize em estampa floral meio assim, volumes desnecessários em tecidos de rica e ou decotes geométricos exóticos que podem te deixar com o peito no formato de hexágono. E evocando os espíritos de Friends antigos, não vamos falar mais nada sobre o assunto, até a próxima premiação, claro.

SandrinhazZZZ

Sandra Bullock, o que deu em você?

Recortou os 3 vestidos que usou em 3 quinceañeras diferentes que comemorou ao longo da vida, fez um origami de qualquer coisa e foi achando que estava preparada para passar batido e ou tombar com todas?

#NAOTABOMNAO e todo o resto, make + picumã, foi aquela preguiça preguiçosa

Assim, não tem Miss Simpatia certa…

Reese Whiterspoon

Gostaria de lembrar a Reese Whiterspoon que ainda há esperança na vida e não tem porque desistir tão cedo…

E uma mulher só deve se vestir assim quando estiver indo para a feira e não para uma premiação. E que nessa feira você não tenha grandes esperanças em relação aos cafuçus das barracas todas na hora da xepa, porque desse jeito, não dá.

#NAOTABOMNAO

zoe-saldana-

Bem fez a Zoe Saldana, que colocou um vestido de quituteira e há quem diga que ela montou uma barraquinha de doces na porta da premiação, porque apesar dos pratos cheios durante a festa, todo mundo sabe que a comida do Golden Globes é pavorosa! (já a bebida… #TODASCOLOCADASDURANTEOSINTERVALOS)

Sério, combo alcinha “Gabriela” + um bordado totalmente meio assim e que de longe imprime flores velhas de cemitério + essa transparência exótica na barra, é claro que #NAOTABOMNAO e jamais, eu digo JAMAIS, ficaria bom estando desse jeito.

Olivia Wilde

Olivia Wilde está linda gravidíssima (do Jason, e estamos precisando ver a cara de um filho do Sudeikis faz tempo, só para comparar algumas coisinhas com “o mês de janeiro”… #ENIGMA), mas poderia ter se esforçado mais e não ter repetido um modelo com o mesmo fundamento da Angelina Jolie anos atrás, não é mesmo?

Preguiça…

Amy Adams

Amy Adams passou pelo pesadelo de todas: tombar com a Meryl Streep (esse primeiro ponto já seria uma parte bem pesada do próprio pesadelo) e ter que subir no palco para receber o seu prêmio vestida assim, super simplesinha.

Não que o modelo seja de todo ruim, mas ainda assim, é pelo menos preguiçoso e não diz nada a ninguém a não ser um gripo bem alto “por um mundo com mais Meryls e menos Amys, por favor!)

allison-williams-

Das nossas Girls, a única que conseguiu nos representar adequadamente foi a Marnie, com esse PB e essa cara linda de garota equilibrada e muito bem realizado no alto dos seus 20 e poucos que quem assiste a série sabe que é mentira neam? E estou amando a Marnie Perde Tudo na nova temporada de Girls, só para constar.

Lena Dunham

Já a Lena Dunham… essa tentou ir de Bela nesse amarelo de rica, mas com todo esse volume na saia, acabou imprimindo um octopus com elefantíase.

Kaley Cuoco

Kaley Cuoco foi com um vestido que ela deve ter pedido para alguém pintar a mão só para combinar com o tapete, não é mesmo?

E Kaley Cuoco tem ou não tem cara de quem combina tudo? #TEM!

#NAOTABOMNAO, se confundiu com o cenário e se camuflou.

Julia Roberts

Sorry Julia Roberts, mas não consigo respeitar uma secretária padrão que não se dá o trabalho de tirar pelo menos a camisa quando chega o final do expediente e é hora de encarar a festa da firma.

Sorry, mas não consigo.

Tatiana Maslany

Das preguiçosas da noite, tivemos a Tatiana Maslany, que parece não ter se esforçado nada para ir ao Golden Globes desse ano e me apareceu com essa cara de qualquer uma de suas clones de Orphan Black ainda desconhecidas, só faltando bocejar…

Emilia Clarke

… e o mesmo vale para a motther of dragons, Khaleesi, que apesar dessa cara de linda que não precisa de nada a não ser 3 apertadinhas na bochecha para ficar mais corada como diriam nossas avós antigas, poderia ter se esforçado um pouco mais e ou levado um de seus dragões para tombar e talvez até chamuscar algumas…

#EUNAOPERDERIAACHANCENUNCA

uma-thurman-

Antes de qualquer tipo de indelicadeza: alguém saberia dizer se Uma está grávida?

Porque se estiver, tudo bem. Agora, se não estiver, acho que o seu modelo Atelier Versace não foi a sua melhor escolha no jogo da vida para a noite da premiação, não é mesmo?

#CREDINCRUX

drew-barrymore-will-kopelman-

Falando em grávidas, descobrimos um dia desses que a nossa Drew Barrymore estava grávida e ela já está nesse estado todo avançado? Tá para quando essa criança, minha gente? (plantão Charlie’s Angels até o final desse post, talvez?)

O vestido não é dos melhores, mas sabe como é neam? Mãe sempre carrega os trabalhos das aulas de arte dos filhos com orgulho, rs

E Will Kopelman, sempre uma visão. Höy!

Kerry Washington

Ainda dentro do mesmo plot das de barriga, alguém que se importe também poderia dizer para a Kerry Washington que não é porque ela está grávida que já está na hora de se entregar e desistir de tudo, não é mesmo?

Jessica Chastain

Jessica Chastain é linda, talentosa, ruiva, mas alguém que se importe também precisa dizer para ela que esse picumã todo puxado para trás a envelheceu pelo menos 20 anos nos últimos 20 minutos…

#NAOTABOMNAO

amber-heard-

O mesmo vale para a petulância dessa Amber Heard, que só porque está pegando o Dionne Depp, acha que pode fazer esse topete de velha guarda de Higienópolis. Tá pensando que é quem no casting do Tim Burton?

#NAOTABOMNAO

Agora, vamos parar de falar só delas, porque esse blog já foi mais comprometido com a magia mágica e precisamos continuar  fazendo jus as nossas tradições da magia à sedução. (beijo Sandrinha!)

Aaron Eckhart

Aaron Eckhart, qualquer dia, qualquer hora, em qualquer lugar, com ou sem a sua caracterização em “Erin Brockovich”. (de preferência com, porque esse é o seu melhor Aron)

Höy!

Aaron Paul

Só pelo carisma, alguém deveria escalar o Aaron Paul para o novo Star Wars. Eu acho. (juro que não tiro essa ideia da cabeça)

Sem contar que pouca coisa é tão legal nesse mundo quanto o Aaron falando o seu famoso “Yeah Bitch”, do qual eu já adianto que sentiremos falta daqui para frente em toda e qualquer premiação de TV.

bradley-cooper-

O Bradley Cooper tem ou não tem cara de moço que a mãe aprovaria facilmente para trazer em casa no almoço em família, huh?

E comprovando essa teoria, olha só quem ele (e aparentemente o Leo também) levou no after da premiação…

Moms

#MOMS

Imagino as prima tudo caindo da mesa em 3, 2, 1. Höy!

ps: não vou nem dizer o que eu costumo levar nos afters, meninos… 

Liev Schrieber

E o Liev Schreiber, tem ou não tem cara de que… cara de que… cara de que faz o mesmo que o seu atual personagem em Ray Donovan, huh?

Höy! Em pensar que ele já foi o ambíguo apatralhado em “Pânico”…

johnny-depp-

Essa imagem permanecerá aqui apenas para que Dione Depp se arrependa amargamente desse look e aprenda de uma vez por toda que não vale tudo pela arte. Mas não vale mesmo!

Mas ainda assim, #RESPECT

Agora muito cuidado, porque as imagens a seguir são altamente mágicas e podem causar os sentimentos mais variados possíveis e todos relacionados com a magia…

michael-fassbender-

Todas as outras barbas ruivas que me desculpem, mas essa barba, essa barba deveria ser declarada como patrimônio histórico da magia mágica ruiva para sempre. Höy!

Ainda mais vindo assim no combo Fassbender, que a gente sabe que entre muitas coisas, é também diversão garantida em diversas outras áreas. #MEMORIES (imaginem Barbra cantando essa hashtag)

michael-fassbender

E apesar do Bradley Cooper ter cara de moço que a mãe só de bater o olho aprovaria no almoço em família, quem é que não iria preferir chegar com todo esse fundamento da magia à sedução ruiva em casa?

Hein? Me digam?

michael-fassbender-

Mas a vida é injusta como bem sabemos e sempre outra biscate menos preparada é quem ganha a chance de receber um olhar dissolve roupa intíma como esses do Fassbender, coisa que nunca acontece com a gente, que somos biscates de um outro tipo. Humpf!

#TEODEIOJONAHHILL

#NUNCAMEOLHEASSIMSENÃOESTIVERPREPARADOFASSY

Bacon

OK, confesso. O Guilt só aceita uma imagem da Kyra Sedgwick se ela vier acompanhada do Kevin Bacon. Só assim.

E uma pessoa que tem Bacon no nome, há de ter o seu valor para sempre, não é mesmo?

Julie Delpy

E o nosso orgulho de encontrar a Julie Delpy em uma red carpet, concorrendo ao prêmio e ainda divando nesse nível francês da simplicidade em vermelho?

#ESTRELINHADOURADACOMSOTAQUEFRANCES

heidi-klum-

Heidi Klum precisa parar de esforçar tanto e precisa também aprender a dizer não para alguns convites de festa, não é mesmo?

Será que ela vai pelos brindes? Porque  é o que algumas de nós fariam (dedos apontados para a minha cara nesse instante)

E ela precisa também devolver o vestido e o penteado da Goldie Hawn antiga. Gratô!

Emma

Emma, sabemos que você mexe com bruxaria, portanto, preferimos não comentar muito esse modelo pavoroso e ou a postura toda errada no momento da foto.

#PEACE

#CORPOFECHADO

#SEUEXPELIARMUSBATEEVOLTA

Já essa outra Emma… bem que poderia ter se esforçado mais e usado algo mais “Oscar” do que “premiação da MTV”, não é mesmo?

Rashida Jones

As meninas de Parks And Recreation também não estiveram muito bem no Golden Globes desse ano…

A Rashida Jones por exemplo (que só de mencionar o seu nome já nos traz um misto de raiva e sono), escolheu esse modelo com bordados  de conqueiros entre Malibu e Miami que não se justificam por nada nesse mundo, nem se eles tivessem sido feitos em ouro e diamantes. Nem se fossem coqueiros de verdade.

#NAOTABOMNAO

Aubrey Plaza

E a Aubrey Plaza também nos surpreendeu investindo no combo Barbie que a propósito, não combina nada com ela, mas nem por isso foi o grande fracasso da sua escolha da noite, que ficou mesmo por conta do modelo (além da cor) em si, todo horrorendo em #CREDINCRUX (3x).

hayden-panettiere-

As vezes, olho para a Hayden Panettiere e chego até a desejar secretamente uma nova temporada de Heroes, só para termos a chance de vê-la morrendo das formas mais variadas e cruéis possíveis. Desculpa, mas é verdade.

#NAOTABOMNUNCA

Paula Patton

Para quem não sabe, essa é a Miss Robin Thicke, a senhora Paula Patton, aquela que teve que fazer cara de que não se importava quando viu a Smiley dançando graciosamente direcionada a região central e sul do seu marido no ano passado, como se eles todos não tivessem combinado tudo antes. Sei…

Digamos que se o seu vestido tivesse sido feito em uma confeitaria, esse confeiteiro seria no mínimo epilético, porque neam?

#NAOTABOMNAO

Jennifer Lawrence

POR FAVOR, PAREM DE PRODUZIR QUALQUER COISA NOVA ENQUANTO NÃO RECUPERAREM O FUNDAMENTO ANTIGO, DIOR!

Obrigatô!

ps: esse cabelo é o cabelo da vida para 10 entre 10 atrizes que tiverem o rosto certo. Anotem + adotem, se tiverem o rosto certo, claro. 

ps2: agora já tenho uma opinião super formada a respeito da J-Law, acho que ela deve ser toda boba mesmo e desejo ser seu melhor amigo de infância em 3, 2, 1.

Taylor Swif

Agora vamos lá… faz tempo que insistimos por aqui dizendo que dentro da Taylor Swift, apesar do pouco espaço, deve morar alguém bem diferente do que ela “tenta parecer ser”, como bem andamos percebendo desde muito tempo…

E mais uma prova disso é que para a festa, diante das câmeras e tudo mais, Taylor escolheu o modelo comportado acima, que não nos diz nada, para o bem e para o mal. Mas quando chegou a hora da festa…

Taylor

… Taylor Swift também conhecida como Cara de Alface e ou Zagueirão da Seleção da Alemanha, colocou sua prisioneira para fora nesse modelo que de longe parece crochê e que de perto, acreditamos que deve ser de qualquer coisa tão feia quanto…

#NAOTABOMNAO

ps: reparem que do olhar a sobrancelha, até a atitude é outra…

Cara de Alface

E na hora de se jogar na pixxxta ela fez o que? A biscate, claro. Todas fazemos.

#GENTEDAGENTE

Lupita Nyong'o

Lupita Nyong’o em cores e fundamento certamente, a mais maravilinda da noite.

Tombou com todas na simplicidade, pelo sorriso e no carisma também.

#QUEROSERLUPITANESSEVERÃO

Cate Blanchett

Cate Blanchett também foi uma das mais maravilindas da festa, embora tenha optado por um look de renda, do qual já estamos um tanto quanto cansados a essa altura, é verdade.

Mas olhem esse rosto perfeito e me digam antes de qualquer tipo de grito histérico e ou cara feia de inveja: é maravilinda ou não é?

(e sim, eu havia me esquecido de Cate Blanchett e só percebi depois dos comments, rs)

Laura Carmichael

Mas a grande surpresa da noite entre as mais bem vestidas do 2014 Golden Globe Awards foi mesmo a ex irmã apenas feia e amarga de Downton Abbey, a atualmente (sim, vamos falar da Season 4 da série em breve) adorável Lady Edith (Laura Carmichael) que tombou com todas na simplicidade e em todo o fundamento do seu bicolor maravilindo.

E para encerrar esse post lá no alto, ficamos com a melhor imagem do Golden Globes desse ano, ela que não aconteceu na premiação, mas foi praticamente o dia em que a Terra parou por conta da magia mágica on a dance floor…

Confessions On A Dance Floor

Duvido que qualquer outra pista no mundo consiga bater o hecatombe que certamente deve ter rolado do encontro do Benedict Cumberbatch com o Michael Fassbender on a dance floor. Sério, #TEMCOMONAOAMAR duplamente e ou não se sentir representado na inveja e vontade de puxar uma amizade, por aquele cara a esquerda de quem vê?

E o pior é que temos tantas perguntas para esse momento, do tipo:

O que estava tocando?

Quem tocou a bunda no chão primeiro? (sabemos que se a dúvida fosse sobre outra coisa, Fassy teria certas vantagens)

Tinha um olho no drink do Sherlock? (essa só entendeu quem tem assistido o sensacional atual retorno de Sherlock)

Qual dos dois você pegaria primeiro?

Cumberbatch viria de Khan ou Sherlock?

Gravata ou borboleta?

ps: nunca estive em uma pista com tanta testosterona e magia resumida entre apenas duas pessoas. Sério, NUNCA!

Golden Globe Awards

E dessa forma, terminamos esse longo post sobre o Golden Globes , com o nível lá nas alturas da magia mágica, claro (bons sonhos). Höy!

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Começando o ano com endereço certo: 221B

Dezembro 5, 2013

S3S30

01 de Janeiro, dia da volta de Sherlock para sua aguardadíssima Season 3, com anos de atraso.

Dia 01 na terra da rainha e dia 19 na america antiga. Animados, ansiosos e ou cancelando todos os eventos da virada?

#TOMANDOANSIOLITICOSCOMCHAMPAGNE

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Sherlock Season 3, o trailer (#SherlockLives)

Novembro 25, 2013

Embora a gente não tenha a confirmação da BBC One (e os ingleses costumavam exibir a série antes da maioria dos outros países), a BBC America já está anunciando a aguardadíssima (e atrasadíssima) Season 3 de Sherlock para o dia 19 de janeiro.

Ansiosos?

 

ps:como vamos aguentar tanta dose de amor assim juntos com Raymundo e Sherlock juntos em um mesmo cenário?

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Sherlock Season 3, o teaser

Agosto 12, 2013

A grande sacanagem é que a Season 3 (por falar nisso, por aqui acabou de sair um box com as duas temporadas anteriores, com um precinho bem bom e que pode ficar bem melhor daqui algum tempo, viu?) da sensacional série inglesa (infinitamente superior a suas versões cinematográficas) só chega em 2014. Dois mil e fucking quatorze. Sério, não gosto nem de dizer isso.

Ansiosos ou em coma pela espera? (R: em coma, vítima da ansiedade pela longa espera)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Into Darkness

Julho 5, 2013

Star-Trek-Into-Darkness_510x756

Talvez no momento, não exista ninguém mais invejado por outros nerds do que o J.J. Abrams. OK, eles podem até ter outros interesses hoje em dia (eles = falando por mim mesmo até), mas ver um bom representante a frente de duas franquias desejadas por boa parte de todos nós por décadas como as de Star Trek e Star Wars, lá no fundo nos deixa com aquele gostinho bem especial de realização. É, pelo menos um de nós chegou lá, bem pertinho de tudo aquilo. Tudo bem também que na TV, além de excelentes trabalhos como Felicity (minha série teen do coração), Alias, os primórdios de Lost (desconsiderando pelo menos as duas últimas temporadas) e o seu nome ter figurado também no meio da produção da excelente Fringe (muito embora ele pouco ainda tivesse relacionado com a série), o J.J. Abrams também esteve envolvido em alguns projetos que provavelmente não o deixaram muito orgulhoso, mas como voltamos feliz do cinema com a sua sequência de “Star Trek”, resolvemos poupá-lo de certas vergonha por hoje, por isso não vamos nem mencioná-los… (tisc tisc, What About Brian, Six Degrees, Almost Human e porque não incluir Revolution nessa lista… tisc tisc)

E voltamos mesmo, com um sorriso bem largo, eu diria até que gigantesco, do tamanho que “Star Trek Into Darkness” fez por merecer, porque nós realmente ganhamos uma sequência admirável, além de animadora e praticamente megalomaníaca. Um filme que tem tudo para agradar a todos, inclusive aqueles que não se sentem familiarizados com o universo Trekie, porque a sequência realmente impressiona e anima com suas inúmeras e espetaculares cenas de ação e ritmo super acelerado, do tipo que te deixa grudado na tela sem precisar fazer muito esforço.

No passado, o que eu mais gostei do primeiro “Star Trek” dessa nova leva, foi a forma como o diretor resolveu encarar a produção, que aparentemente era bem menor do que a atual (apesar de também ter sido uma grande produção), utilizando recursos simples para nos entregar imagens finais impressionantes, como truques de câmera que bem poderiam ser considerados meio bobos e até o simples detalhe de refletir uma lanterna nas lentes da produção para causar aquele efeito de luz que cortam as cenas, algo já tão característicos da nova franquia e que funcionou como o toque especial do diretor para a sua sequência de filmes dentro desse universo. Detalhes que apareceram no DVD do primeiro longa e para os mais interessados (ou apenas curiosos), vale super a pena porque chega a ser quase como uma “workshop” de cinema.

Mas dessa vez, parece que essa simplicidade foi meio que deixada de lado (não posso afirmar porque nesse caso, ainda não vi o making of por motivos óbvios) para dar lugar a magnitude impressionante da grandeza do novo longa. Tudo parece gigantesco, estelar, do começo ao fim, desde aquele cenário em vermelho do começo do filme (que tem uma plástica sensacional, diga-se de passagem) de tirar o fôelgo, até as sequências no espaço ou na dobra, que ganhou um rastro sensacional e isso porque eu nem assisti a versão em 3D, que eu imagino que tenha deixado tudo ainda melhor (apesar de achar que esses lançamentos em 3D tem sido um grande truque dessa industria). Detalhe que por muita sorte, acabei assistindo ao longa poucos dias após a sua estreia por aqui, em uma sessão com apenas 6 pessoas, cada uma sentada em um canto da sala de cinema, ou seja, praticamente um sonho!

Star-Trek-Into-Darkness-Spock-Poster

Da tal sequência inicial no cenário vermelho até seus minutos finais, o novo Star Trek manteve um ritmo fora do comum e bastante importante para um filme de ação, começando com uma sequência eufórica em meio a um cenário deslumbrante, enquanto a gente ainda tentava assimilar o que eles estavam começando a nos contar dessa vez, até a sua sequência final, que apesar de menos eufórica e com ar de missão cumprida, típico de missões heroicas, não deixou de ser grandiosa nem por um minuto.

Já começamos a nova história com os personagens principais enfrentando um dilema moral, com Kirk burlando o protocolo para salvar a cabeça de orelhas pontudas do Spock de sua missão suicida no coração de um vulcão em erupção. Spock que naquele momento, de forma bem prática, já havia até aceitado a morte, para desespero de todos os seus colegas a bordo, incluindo a Uhura, com a qual ele mantinha uma relação desde então. É claro que como todo bom herói, o risco assumido do Kirk acabou valendo a pena e naquele momento encontramos pela primeira vez a Enterprise surgindo diretamente do fundo do mar. Mas é claro que tamanho esforço e descumprimento das regras não passariam facilmente pelo Spock, mesmo com ele sendo o motivador de toda aquela situação e a partir disso, ganhamos um dos plots centrais da nova trama, com a eterna briga entre Kirk e Spock, que basicamente sempre se dividiu entre o coração e a razão. Algo que acabou causando a perda da Enterprise por parte do Kirk, que foi retirado da sua posição justamente por conta de um relatório feito pelo próprio Spock, relatando em detalhes tudo o que realmente aconteceu durante a tal missão que só para deixar bem claro, foi o que salvou a sua pele de vulcaniano. E apesar do sentimento de perda ter durado bem pouco, é sempre difícil ver o capitão Kirk tendo que se despedir da sua amada Enterprise.

E esses personagens principais continuam sendo carregados muito bem pelos não tão novatos assim mas ainda novatos, Chris Pine e Zachary Quinto, a quem ambos os personagens parecem pertencer naturalmente nessa nova fase da franquia. Pine que trouxe uma personalidade mais jovem para o capitão Kirk, além do humor que a sua interpretação acabou trazendo também para o personagem e o Quinto interpretando um dos personagens mais icônicos da cultura pop a seu modo, trazendo muito da sua identidade para os limites do universo do próprio Spock e tê-lo em cena dividindo o espaço com o Leonard Nimoy é sempre muito especial e é claro que nessa sequência o ator que deu vida lindamente ao personagem no passado também não poderia faltar. (aliás, AMO essa conexão direta do Spock com ele mesmo no futuro)

Star-Trek-Into-Darkness-crew

Vale dizer também que a química entre os dois é bem bacana e isso nós já percebemos desde o filme anterior. E o mesmo vale para os coadjuvantes que pouco apareceram no filme, mas que são todos excelentes, como o carrancudo Sulu (John Cho), o Bones (Karl Urban), que sempre acaba em alguma enrascada ao lado do melhor amigo Kirk, o Chekov (Anton Yelchin) e seu sotaque delicioso ou a relação de amor do Scotty (Simon Pegg) com a nave. Sem contar que é sempre uma delícia encontrar novamente com a Megan de Felicity (Amanda Foreman), amiga antiga do J.J. Abrams (que só pode ser muito fã dos Beatie Boys, não?) e que assim como no filme anterior, acabou fazendo uma pequena participação com integrante da tripulação a bordo da USS Enterprise.

Até que nos deparamos com o plot central maior de toda a questão levantada pelo longa, com a introdução do vilão da vez, Khan (que todos já suspeitavam, embora eles tenham tentado manter a sua identidade em segredo por muito tempo), vivido pelo sempre excelente Benedict Cumberbatch, que finalmente parece ter sido descoberto por Hollywood (agora só falta o Andrew Scott). Cumberbatch que chega com sua voz poderosa e postura de vilão invencível, dando o sangue nas sequências de luta (as mais simples visivelmente feitas por ele mesmo) e construindo ao longo do filme a história do seu vilão ambíguo.

Um personagem absolutamente dúbio, que apesar de ter sido nos mostrado como terrorista logo de cara e ter tirado a vida de alguém importante para o próprio Kirk (R.I.P Pike), tinha lá seus motivos para planejar tudo aquilo, mesmo com a gente não acreditando muito que essa seria a melhor forma de vencer qualquer batalha e ou vingar o seu povo (que é o que nós sempre pensamos em cenários semelhantes). Em campo, Khan além de tudo parecia ser um vilão genial, sempre a dois ou três passos a frente de seus adversários e nessa hora eu senti que a interpretação do Cumberbatch poderia até ter sido prejudicada por conta das semelhanças com o seu outro grande personagem conhecido da maioria em Sherlock, onde em determinados momentos, como naquela cena em que ele está na prisão a bordo da nave, fica impossível não associar aqueles closes no personagem em meio aos seus diálogos com o que ele faz com maestria na série inglesa. Uma semelhança boba, mas que no meu caso, como fã dos dois produtos, não conseguiu passar sem ser notada e que de qualquer forma, não acabou prejudicando o longa graças ao talento inegável do próprio Cumberbatch. (só eu procuro motivos para dizer “Cumberbatch” toda hora depois que eu digo pelo menos uma vez? rs)

star-trek-into-darkness

Apesar disso, é sempre muito bom ver um ator como o Bennedict Cumberbatch em ação e apesar do pouco volume dos seus diálogos no longa, é possível notar de longe o quanto ele é um ator absolutamente preparado para carregar um grande personagem com o vilão do filme. E essa batalha entre os dois lados da força, estando ambos em questionamento quase que o tempo todo, acaba se tornando o plot central do novo filme, nos deixando com uma leve impressão de quem realmente estaria falando a verdade naquele momento, mas preparando o terreno para nos surpreender com a ideia de que na verdade, ambos os lados tinham a sua culpa ou razão nessa guerra.

Outro ponto a se destacar na sequência foi a relação Uhura e Spock, que a princípio parecia ter tudo para não acabar muito bem, dependendo é claro que úncia e exclusivamente dos caminhos escolhidos para que a história do casal nos fosse apresentada daqui por diante, já que o interesse entre os dois já havia sido despertado durante o filme anterior. Em meio a uma excelente DR em pleno campo de batalha e em uma nave bem menor, sem ter para onde fugir, encontramos uma excelente dinâmica entre o improvável casal, intermediada é claro que pelo Capitão Kirk, que sempre vai ser a outra parte dessa relação conturbada. Nesse momento inclusive, ganhamos uma sensacional excursão pela mente do próprio Spock, que em uma cena simples e linda, conseguiu nos ilustrar exatamente como é que funciona a sua cabeça, por mais impossível que isso possa parecer na teoria, nos revelando que na verdade, na maioria do tempo ele tem sim sentimentos, só que consegue deixá-los na reserva por motivos que nem ele consegue explicar, mas que estão todos lá, prontos para serem vivenciados a qualquer momento.

Além da super produção de blockbuster astronômico, “Star Trek Into Darkness” além de ser uma produção linda de ser vista no cinema, com detalhes sensacionais por todos os lados, que vão desde o figurino (e quem prestou atenção pode perceber que foram vários) em campo dos integrantes da Enterprise, até os detalhes da gigantesca nave, o filme impressiona mesmo pela grandeza e volume de suas cenas de ação, que são muitas e nós praticamente não temos muito tempo para respirar entre ter que resolver esse ou aquele assunto. Para quem gosta do gênero, esse é um dos melhores filmes de ação dos últimos tempos, do tipo que pelo menos segue uma lógica (e pensando como o Spock, não poderia ser de outra forma, rs) para a sequência dos fatos e não entrega para a sua audiência apenas sequências aleatórias de tirar o fôlego de qualquer um que tenha exagerado no refrigerante XL e na pipoca com manteiga e muito sal.

StarTrekIntoDarknessGALERIA9

Apesar do material de divulgação do filme e até mesmo o seu título nos passar uma ideia de que estávamos prestes a encontrar um produto muito parecido com “The Dark Knight Rises” (antes de reclamar, lembrem-se do poster do personagem do Bennedict em meio ao caos que foi um dos primeiros a sair do novo longa e respire fundo…), o que encontramos no longa não foi um total clima de destruição como no filme que encerrou a excelente trilogia do homem morcego, apesar dele existir em um determinado momento, novamente trazendo aquela questão do terrorismo como o grande vilão da atualidade. Por isso é preciso dizer que a proposta de sequência do diretor foge bastante dessa semelhança que achamos que encontraríamos e o seu produto final acaba se assemelhando muito a um episódio da série clássica até, reservada as devidas proporções e considerando os brinquedinhos e injeções de capital que esses meninos ganharam para brincar dessa vez.

O drama maior do filme acaba ficando reservado para o final, com a inversão dos papeis de Kirk e Spock que encontramos naquele primeiro probleminha do começo do filme, elevando o personagem do Kirk ao posto do grande herói da vez, muito embora tenha sobrado até um corpo a corpo para o Spock nessa hora também, algo que foi capaz inclusive de fazer a sua franja balançar (sim, eu ri alto no cinema nessa hora), mas que acabou deixando o sobrevivente do planeta Vulcano um tanto quanto na posição de vulnerável da vez, onde em um momento raro ganhamos a chance de observar o personagem demonstrando seus verdadeiros sentimentos. Mas vamos combinar que aquela resolução final acabou não sendo tão impactante assim porque já era possível imaginar o que aconteceria naquela sequencia…

Com pouco mais de duas horas, o filme tem o tempo exato para nos entregar uma história deliciosa, um reencontro que não vamos nos cansar tão cedo com alguns dos nossos personagens mais queridos da vida, ainda mais com essa visão tão bacana do J.J. Adams, que a frente dessa franquia (e esperamos que ele repita o feito com o novo Star Wars) tem nos representado e muito bem, por isso esperamos encontrar mais dessa história em breve no cinema.

Live Long And Prosper \\//

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

August: Osage County, o trailer

Maio 13, 2013

Drama familiar SENSACIONAL e que conta com um elenco dos sonhos, com nomes do tipo Meryl Streep (#MUSE), Julia Roberts (#MUSE), Benedict Cumberbatch (que parece ter conquistado de vez a America antiga), Abigail Breslin (que cresceu e eu espero que continue sendo ótimo reencontrá-la), Ewan McGregor (MARAVILEEEANDRO), Juliette Lewis, Dermot Mulroney e Margo Martindale.

“August: Osage County” tem como diretor John Wells (“The Company Men”), que tem trabalhos bacanas na TV atual como produtor em séries como Shameless e Southland  e previsão de estreia para 8 de novembro na America antiga.

Ansiosos? Animados? Sem saber exatamente para quem olhar em cena?

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt


%d bloggers like this: