Posts Tagged ‘Chris Pratt’

O Chris Pratt está magrão, está gatão, está gostoso, mas também está bem dividido na capa da Esquire, não?

Agosto 14, 2014

chris-pratt-

Só eu vejo um corpo estranho (tisc tisc… para alguns bem familiares… tisc tisc) ocupando uma maior parte da região Oeste de quem vê?

chris-pratt-leading-

Ainda assim, o Chris bem anda com crédito com a gente. Höy!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Praticamente outro Pratt

Março 27, 2014

PRATT

Porque para quem se lembra do Chris Pratt em The O.C, ou indo mais longe ainda, em Everwood, é praticamente impossível acreditar que esse Chris Pratt é o mesmo que aquele outro, não?

pratt pratt pratt

#MAGIACONFIRMADA

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Guardians of the Galaxy, o trailer

Fevereiro 19, 2014

Deliciosamente delicIoso o trailer de “Guardians of the Galaxy”, que além de super bem humorado, ainda tem o Chris Pratt exibindo o seu novo shape e fazendo por merecer o nosso Höy, mas tem também as magias do Lee Pace e o Bradley Cooper (na voz do Rocket Raccoon), que são sempre uma visão e a Karen Gillan praticamente irreconhecível.

Ansiosos? Chega dia 01/08. #ITSADATE

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

13 fundamentos que descobrimos e ou confirmamos durante a Comic Con 2013

Julho 31, 2013

1 – O Tom Hiddleston além de magia confirmada, é muito mais legal do que a gente imaginava 

tom-hiddleston-loki-04

E ele ter ido de Loki e sustentado o personagem até o fim durante o painel do novo Thor na Comic Con 2013 foi sensacional. Höy!

 

2 – Confirmou. O Andrew Garfield só pode ser um foufo mesmo #PLIM

andrew-garfield

E não é de hoje que a gente vem falando aqui no Guilt que boy para ser magia de verdade tem que ser bem humorado. Deu sorte, Emma Stone. Mantenha.

 

3 – Tem alguém mais bem acompanhado de Aarons  na vida do que o Senhor Bryan Cranston?

aaron-taylor-johnson-

Não, não tem. Será que ele tem alguma superstição envolvendo o nome, TOC ou seria ação do destino mesmo?

E desde quando o Aaron Johnson ficou desse tamanho todo, hein? (Höy!)

 

4 – Confirmou! O Rodrigo Santoro virou um bobble head

-rodrigo-santor

E sim, essa perda nacional foi sentida, mas isso só durou até a gente bater o olho para a direita e dar de cara com o australiano da magia também confirmada do Sullivan Stapleton, que nem estava no seu melhor angulo, mas ainda assim, Höy!

Já viram Strike Back? Recomendo como soft porn, rs (mentira e recomendo não só por isso, rs, porque a série até que é bem boa, apesar de não ser do meu tipo preferido)

 

5 – Confirmou! Fox Mulder e Dana Scully ainda se odeiam, mas se amam

david-duchovny-gillian-anderson-

E que delícia reencontrar com esses dois de amigos, não?

Mas temos que admitir que o tempo foi bem generoso com ela e ele conseguiu se manter até que dignamente (hoje, estou no mode bondade). Höy!

ps: nunca toquem a música de abertura de The X-Files perto de mim. Obrigado. (#MEDO&PAVOR)

 

6 –  E quem é que consegue olhar para o Lee Pace e não imaginá-lo automaticamente em sua cozinha, fazendo tortas com variedades de recheios e muito bem recheadas, huh?

lee pace

Ninguém ou alguém com muito autocontrole e ou interesses diversos variados e bem diferentes dos nossos, porque do contrário, não há quem não imagine exatamente isso toda vez. Sério. Höy!

E essa carinha faz até a gente esquecer que ele fez “Marmaduke” (uma torta daquelas e a gente promete que esquece para sempre essa parte do seu CV, Lee). #CREDINCRUZ

Lee Pace que estará em uma nova série do AMC, oitentista (confirmou!), sobre nerds (mas não esse tipo de nerds que você pode estar pensando), conspirações e computadores chamada  Halt & Catch Fire. Veremos…

 

7 –  Sério, alguém conhece a receita dessa dieta do Chris Pratt?

chris-pratt

Além da fome que é certa, alguém sabe o que mais é preciso enfrentar para emagrecer o peso do seu gêmeo siames? Porque a vida com opções de massas, doces, frituras e chocolates está difícil para todo mundo.

Mas não é de hoje que o Chris Pratt é magia e ele só redescobriu o seu feitiço depois de perder o seu dobro ao quadrado. Höy!

 

8 – Estamos achando que a fraqueza do novo Superman não é mais a Kriptonita e sim a coxinha

henry-cavill-

Porque o nível de coxismo de seus outfits está ficando pesado para qualquer tipo de herói, não?

Por isso recomendamos um novo stylist com urgência!

 

9 –  Da série casais na Comic Con que nós amamos:

Madden

Richard Madden e Jenna-Louise Coleman, que já eram lindos separados e juntos então, eles completam aquela visão. (♥)

 

10 – Magneto²

michael-fassbender

E que encontro sensacional esse da dupla de Magnetos com o Ian McKellen e o Michael Fassbender, não?

Agora, imaginem o seguinte com a imagem a seguir:

fassy

 

Esses dois brações ruivos (agora enormes, não?) do Fassy te abraçando nessas madrugas gélidas de ultimamente de editor que chega do trabalho em casa as 4h00 da manhã. (#DESABAFANDO)

Sem mais. (pensei em fazer uma piada a respeito do tamanho do Peter Dinklage em uma outra imagem – que também estará no novo X-Men – e um dos membros da anatomia do Fassy que fomos apresentados não tem muito tempo, mas não achei de bom tom)

 

11 – Ainda, o nosso Doutor (♥ + ♥)

matt-smith-doctor-who

Olho para o Matt Smith, mesmo sem a cabeleira invejável e agora com orelhas de Elfo evidentes (ainda vou conversar sobre esse assunto com o Ryan Gosling…) e sinto os meus dois corações acelerar na mesma hora. #PLIM

E para quem não sabe, esse aí ao lado dele é o Craig Ferguson, o dono do melhor Talk Show da noite (e o mais tarde deles, o The Late Late Show), o único para quem eu aceito perder o título de super fã de Doctor Who. O ÚNICO.

Sem contar que não tem como não invejar esse momento da imagem a seguir, ai ai…

matt-smith-jenna-coleman

#TEMCOMONAOAMAR?

 

12 – Say my name, bitches!

aaron-paul-bryan-cranston

Uma das coisas mais legais de qualquer Comic Con e da vida = O Bryan Cranston e Breaking Bad. Fato. (e esse deve ter sido o último painel da série, humpf!)

aaron-paul-bryan-cranston-breaking-bad-2

A segunda coisa mais legal também é o Bryan Cranston, só que ao lado do Aaron Paul e com a sua própria cabeça na mesa. Sério, #TEMCOMONAOAMAR?

E se você ainda tiver alguma dúvida sobre o fato do Aaron Paul ser um dos caras mais legais de Hollywood, assista a esse vídeo abaixo com ele descendo da sua própria casa para conversar com fãs fazendo turismo no seu bairro.

Sério, eu já separava mais um Emmy para ele só por isso. (♥)

#QUERIDÃO

13 – Clap Clap Clap!

amy pond

Não, você não está com qualquer tipo de problema de visão e sim, essa é a nossa Amy Pond, que não pensou duas vezes e raspou seus lindos cabelos ruivos pelo seu papel em “Guardians Of The Galaxy”.

Foi um susto? Foi. (ainda mais quando ela apareceu de peruca e só depois revelou o seu novo visual)

Invejamos cada fio ruivo daqueles que devem ter ficado no chão no dia desse crime? Invejamos.

Mas atriz é atriz e a Karen Gillan que a gente já AMAVA, só subiu no nosso conceito depois disso. Clap Clap Clap!

E a propósito…

gillan pace

… com o acessório certo (nesse caso, o acessório sendo claramente o Lee Pace), não tem careca certa que não tenha jeito.

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Me vê 1/2 Chris Pratt bem sequinho, por favor?

Julho 10, 2013

Chris-Pratt

Mas gente, aquele mergulho nu do Andy no lago de Parks And Recreation só pode mesmo ter sido milagrosamente milagroso, não? Höy!

E quem descobrir a localização desse lago, por favor deixe o mapa da libertação, por favor!

#PERDEUATÉBOCHECHAPÁ

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

O “recall” de Parks And Recreation

Maio 23, 2013

Parks-and-Recreation-Season-5-POSTER1

Essa foi uma temporada difícil para Parks And Recreation. Bem difícil na verdade. Por isso, não consigo imaginar uma melhor forma de encerrar a temporada a não ser convocando um “recall” que foi exatamente o que eles fizeram (no caso, com a candidatura da Leslie) durante a season finale e que talvez tenha sido a forma mais honesta de encerrar essa que não foi a melhor temporada da série. Dá para pedir um recall da temporada inteira, NBC? (ando com uma bronca da NBCecê…)

Além de não ter sido tão bacana assim, Parks & Rec também acabou recebendo aquele tratamento desrespeitoso da NBC (que não foi a única que andou fazendo isso, que fique bem claro), disponibilizando por boa parte da temporada o número de 2 episódios semanais, algo que em outras épocas a gente até poderia considerar como um presente e agradecer talvez, mas que nesse caso acabou pesando um pouco demais levando em conta o atual estado da série e por isso a experiência de doses duplas da série não foi nada bacana nesse momento (além de soar como se eles estivessem apenas querendo se livrar das temporadas o mais rápido possível). Mas tudo bem, Amy Poehler é do tipo que tem crédito com a gente, por isso a perdoamos e continuamos ao seu lado na cidade de Pawnee. (o mesmo vale para a Tina Fey, a Lena Dunham e a Mindy Kaling)

E toda a genialidade da temporada anterior, com a campanha da Leslie em busca de ser eleita, acabou ficando de lado uma vez que esse seu sonho já havia se realizado e Leslie finalmente havia chegado onde ela sempre sonhou estar. E não, nós não estamos falando da cadeira de presidente dos USA. Ainda não, pelo menos por enquanto, mas até uma cameo do vice presidente a série conseguiu garantir durante essa nova temporada, algo que podemos dizer que realmente não é para qualquer uma.

Mas uma vez que agora a personagem acreditava estar com o poder nas mãos, Leslie acabou se vendo de mãos atadas em relação a toda burocracia da política local (e não só local, como nós bem sabemos), conseguindo desenvolver bem pouco de tudo aquilo que ela um dia sonhou em fazer pela sua cidade e isso querendo ou não, acabou sendo muito frustante. Embora esse seja um plot extremamente realista, pensando em alguém que segue esse tipo de carreira política, Parks And Recreation acabou pecando nesse sentido, porque uma vez que agora Leslie se encontrava em uma posição com mais possibilidades, pouco ela acabou fazendo nesse sentido, quase como se esse plot político da personagem tivesse ficado mais de lado durante essa Season 5 (uma vez que o sonho já havia se realizado…), para desenvolver algumas outras situações que eles consideravam mais importante naquele momento, não só para ela como também para os demais personagens da série.

Sem contar que Leslie e o Ben funcionam perfeitamente como dupla/casal e quando separados pelo trabalho, em locais diferentes, embora seja uma foufura ver o casal cometendo algumas loucuras em nome da saudade (AMO a Leslie apaixonada pela retaguarda do boy magia. AMO!), chega a parecer um desperdício grandioso esse tipo de distância entre os dois, algo que poderia muito bem ser resolvido se o Ben tivesse um trabalho local, mesmo que não na prefeitura (como no começo), algo que eles até que demoraram um pouco para consertar no início da temporada, mas logo resolveram acertar para não perder mais tempo com algo que quando mais perto, sempre funcionou tão bem. (isso sem contar também que com o Ben longe, a April acabou sendo levada junto com ele e ela nós queremos ao lado do Andy + Ron, para sempre!)

Parks and Recreation - Season 5

E a questão do tempo foi outro fator importante para a história e a sensação que tivemos em um determinado ponto dessa Season 5 foi a de que eles acabaram correndo um pouco demais com as histórias de cada um dos personagens, muito provavelmente para que eles pudessem chegar mais próximos de suas resoluções pessoais, caso o futuro da série não fosse dos mais felizes, algo que ainda permanecia incerto e devido a instabilidade da NBC em relação a suas comédias,  acabou sendo um detalhe que certamente perseguiu Parks como uma possível ameaça até a chegada dos upfronts. Andy na polícia, Andy fora da polícia, Jerry finalmente se aposentando (excelente!), Annie querendo desesperadamente um filho (toda vez que eu vejo a Ann e o Chris totalmente sem nenhuma função dentro da série a não ser a de nos causar um sono profundo, imagino se não seria a hora de Parks experimentar plots mais dramáticos envolvendo mortes repentinas, quem sabe? rs), nem que para isso tivesse que recorrer a algo mais independente (e óbvio, e preguiça…), Tom conseguindo fazer sucesso com sua nova empresa que aluga suas próprias roupas de grife a preço de banana para os adolescentes da região (por conta do seu pouco tamanho, rs), Ben e Leslie resolvendo se casar rapidamente. Tudo isso foi meio que resolvido as pressas, quase como se eles estivessem sentindo que o fim se aproximava para a história desses personagens. Mas se a sensação foi a de que eles aceleraram para ganhar tempo no começo, mais ou menos da metade da temporada para o final, ficamos com a sensação de que eles chegaram cedo demais e por isso talvez fosse a hora de desacelerar e consequentemente, acabaram nos entregando uma sequência de episódios de dar sono.

Apesar dessa pressa, em algumas dessas resoluções encontramos os melhores episódios da temporada, como aquele com o Halloween, em que eles acabaram causando um infarto no Jerry (e #TEMCOMONAOAMAR a família inexplicável de mulheres maravileeeandras do Jerry?), que foi onde essa Season 5 realmente começou a engrenar, ainda mais porque esse episódio além de divertidíssimo, contou também com o pedido de casamento do Ben para a Leslie, um momento que todos nós estávamos esperando faz tempo (♥). E por conta do noivado, acabamos conhecendo também os pais do Ben (e o pai dele era ninguém menos do que o Mike de Breaking Bad, howbadassisthat?), eles que não se davam muito bem por conta de um divórcio mal resolvido no passado, que foi um outro momento bem especial para a série.

E se as coisas estavam se acertando para o casal principal da série (e o único que importa além da April e do Andy, sorry para os demais, mas é verdade…), Ron também acabou ganhando uma nova candidata a Senhora Swanson, ela que de quebra chegou com duas filhas adoráveis, que transformaram o Ron em princesa e só por esse motivo já devemos o nosso respeito à elas. Ron que além de ter encarado novamente a sua ex, Thammy, no momento em que ele estava sendo homenageado, encerrou a temporada com a possibilidade de ser tornar pai, algo que acabou pegando todo mundo de surpresa. E não pai de uma criança qualquer, porque a atriz que interpreta sua nova pretendente foi ninguém menos do que Xena na TV (Lucy Lawless) e por isso ela também merece todo o nosso respeito. (We ♥ Xena)

Pensando bem, essa foi a temporada casamenteira de Parks and Recreation e sobraram plots do tipo para todos (mais um motivo para a gente acreditar que eles estavam realmente considerando essa como uma última temporada para a série). Tom acabou descolando a irmã do Jean-Ralphio (impressionante como ela parecia com o irmão, não? E era tão ótima quanto #HELLYEAH) para infernizar a sua vida e para a Ann sobrou mesmo o plot  da procura pelo pai perfeito para o seu filho, que desde o começo estava mais do que na cara que seria o Chris (fico tão constrangido com o Rob Lowe nesse papel, que seria perfeitamente perfeito se ele estivesse em New Girl, por exemplo), como estava também na cara que só de lembrar dessa história já sentimos uma estado de coma induzido batendo lá no fundo. ZzZZ

Outro momento super aguardado e que acabou acontecendo meio que de surpresa, ainda no meio da temporada (mais um prova de que eles estavam tentando correr com tudo), foi o casamento da Leslie e do Ben, que acabou acontecendo antecipadamente, bem antes do que a gente imaginou que aconteceria (ainda mais sendo a Leslie quem é em relação a qualquer coisa na sua vida) e que não poderia ter sido mais foufo também. E estava bem na cara que o grande casamento não daria certo para aqueles dois e a recepção perfeita acabou acontecendo na Prefeitura mesmo, com apenas o pessoal do departamento e a Leslie com o vestido perfeito feito pela Ann (que foi o que justificou a sua presença na série durante essa temporada), sendo levada até o altar pelo Ron, em um momento que certamente foi bem importante e representativo para a mitologia da série.

Parks and Recreation - Season 5

Depois disso tivemos alguns outros episódios bem meio assim, que não chegaram a empolgar muito, com várias participações do “vereador” dentista que eu acho um chato, além de histórias bem meio assim e com um apelo bem menor. E foi nessa hora que a temporada começou a pesar ainda mais, como se eles estivessem meio que perdidos, sem saber para onde seguir com toda a sua história, como se não tivessem muita certeza ainda sobre quanto poderiam avançar e contar sobre aquela história… talvez isso não tenha sido uma culpa apenas dos roteiristas e sim da incerteza sobre o fato da série ser salva ou não pela NBC, algo que se só confirmou depois da temporada já encerrada, nos revelando que sim, teremos uma Season 6 de Parks And Recreation.

Mas foi nesse ponto que a série realmente se perdeu e toda a genialidade da sua mitologia antiga acabou parecendo perdida e ou desperdiçada em meio a piadas sem graça e histórias que pouco conseguiram despertar o nosso interesse. Sabe aquela série quase sem limites, que colocava um ônibus eleitoral praticamente atropelando uma funeral? Então, sentimos falta disso durante toda essa temporada de Parks, infelizmente. Talvez por isso também a gente nem tenha conseguido comemorar muito sobre o fato da série ter sido renovada para mais uma temporada (apesar de sermos #TeamPoehler), algo que ficou bem difícil de comemorar depois de uma Season 5 tão arrastada e bem meio assim.

Para o final da temporada, tivemos o plot mais aleatório possível, com o Andy fazendo o policial (ótimo por sinal e eu AMEI o Andy ressentido com a sua banda também em um outro momento) e investigando a possível dona do teste de gravidez que ele encontrou no lixo, algo que acabou passando por todas as personagens mulheres da história, inclusive a sua mulher, April, que na verdade descobrimos que estava sim escondendo alguma coisa, mas não uma gravidez (e sim a sua entrada para a Faculdade de Veterinária), até descobrirmos que no final das contas, o teste era mesmo da nova namorada do Ron, que a essa altura já tinha praticamente sumido da série. Xena, você já foi mais alguém mais presente na floresta, hein? E como final de temporada tivemos isso e o plot do “recall” da candidatura da Leslie, com a cidade se colocando contra a sua atual posição (nesse momento foi ótimo ver alguns personagens de volta a série, como aquela ex atriz pornô doppelganger da Leslie e o Jason  Schwartzman, que fez uma participação durante essa temporada como dono de uma locadora de vídeos), que foi o que eu mencionei no começo dessa review, justificando o título do post.

Diferente de Community, que a gente acha que talvez tenha se perdido de forma irrecuperável, como foi a sua também recém encerrada de forma traumática Season 4, que em nada conseguiu nos fazer lembrar o que a série já foi no passado (fiquei até feliz de ter escrito essa review depois daquela sobre Community, assim consegui ter parâmetros um pouco melhores para enxergar mais qualidades em Parks, mesmo com essa temporada precária), Parks and Recreation mesmo não nos entregando o seu melhor, com aquele final, ainda conseguiu nos deixar uma pontinha de esperança  a mais com uma mensagem mais ou menos como “É, sabemos que nós erramos. Confessamos. Mas deixa com a gente que vamos consertar essa falha…” que foi o que aquele “recall” da finale nos fez pensar sobre o futuro da série.  Pelo menos é o que nós ainda acreditamos e esperamos de uma série que vinha fazendo uma trajetória tão excelente até aqui.

Esperamos que a série volte a nos deixar animados no futuro. Esperamos também que a NBC respeite mais suas comédias .

Parks & Rec está precisando de mais recreação, com urgência!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Parks And Recreation transformando política em um dos plots mais divertidos da temporada

Junho 2, 2012

Leslie Knope esteve impossível durante essa Season 4, hein?

Ano passado resolvi encarar a minha maratona dentro de Parks And Recreation (Seasons 1 + 2 e Season 3) e digo hoje com orgulho que foi uma sábia decisão. Sabe aquela comédia legítima, que vc assiste com prazer e surpreendentemente não precisa do menor esforço para entender ou te fazer rir de verdade? Então…

Tudo bem que a gente também adora uma boa comédia inteligente, do tipo recheada de referências vindas diretamente da escola de 30 Rock, ou da sua prima mais nova (e mais literal) Community. Mas de vez em quando é bom também rir de situações mais tolas, escrachadas e que são genuinamente engraçadas, sem fazer o menor esforço para atingir o objetivo básico de toda comédia. E assim é Parks And Recreation para mim, uma comédia que eu assisto para me divertir e muito. Pura e simplesmente.

E dessa vez tivemos uma temporada política para a série, com a candidatura da Leslie que todo mundo sabe que nasceu para a política, não tem jeito. Dentro de Pawnee, ninguém é mais apaixonada por aquela cidade, além do que, Leslie veio se preparando para ter uma carreira política por toda a sua vida (como tivemos a chance de ver naquele seu vídeo antigo ótimo dela ainda quando criança). Tudo bem que o seu sonho era mais uma carreira política do tipo “respeitável” e o que nós acabamos ganhando foi um começo para essa carreira no mínimo bem apatralhada, para a nossa total sorte.

Dentre a maioria das comédias no ar hoje, Parks é a que mais conseguiu manter uma continuidade para a sua história (mesmo tendo abandonado plots antigos, como a construção do famoso parque das primeiras temporadas) e por isso, durante toda essa Season 4, mesmo com diversos plots mais avulsos a casa episódio, a base de toda dessa temporada foi mesmo a carreira política da Leslie Knope, passando por diversas fases, com começo, meio e fim. O que no universo da maiorias das séries de comédia hoje em dia, não é algo tão comum assim. (Community e Modern Family por exemplo, vc pode até assistir episódios soltos e mesmo assim fica tranquilo de acompanhar)

Nesse caminho, Leslie foi passando por todas as fases dessa sua trajetória política, desde o plot de ter tido a sua vida amorosa sendo julgada pelo conselho da cidade, o que acabou levando a demissão do Ben da sua posição dentro da Prefeitura (o que eu achei meio cretinice por parte do Chirs, mas que é “justificável” pelo lado profissional da coisa), que acabou nos revelando um lado mais depressivo do Ben durante o período em que ele ficou desempregado (e que foi ótimo também), passando pela fase de conseguir votos em todos os clãs da cidade, em um dos episódios mais sensacionais da temporada, com aquele seu discurso na pista de patinação onde tudo deu errado. Até a apresentação do seu principal concorrente na eleição, personagem interpretado pelo ator Paul Rudd, que mais tarde acabou nos levando a outro dos melhores episódios dessa Season 4, com aquele debate que quase me fez cair da cadeira, de tanto que eu dei risada.

E tudo isso da maneira mais divertida possível, com tudo dando errado o tempo todo, naquele típico humor loser que a gente tanto ama. O que não poderia ser diferente dentro de um plot central como a política, o que não costuma ser um dos assuntos mais divertidos do mundo para uma maioria. (apesar de que para a nova temporada, algumas séries irão se arriscar dentro desse cenário político… e até já temos Veep seguindo esse fundamento).

Uma campanha política divertídissima e boa parte dela graças ao envolvimento dos demais personagens da série, que em um momento de pura foufurice com direito a maquete de biscoito e tudo mais, declararam o seu total apoio a candidatura de uma das melhores chefes ever. Também pudera, Leslie além de ser uma pessoa ótima, faz quase todo o trabalho sozinha e ainda acerta em cheio quando resolve presentear os seus amigos. Ou seja, #TEMCOMONAOAMAR? E esse é outro ponto bastante importante que eu consigo enxergar facilmente em Parks, que é o envolvimento entre todos aqueles personagens que em nome de uma amizade e do carinho que foram construindo ao longo desses anos trabalhando juntos, acabam se arriscando uns pelos outros e o que já seria bastante engraçado por si só, acaba ganhando uma camada extra de foufurice com esse envolvimento todo. Por isso Parks and Recreation consegue alcançar a mistura na dose certa entre a comédia e a foufurice.

Engraçado também é o quanto a gente consegue se importar com a maioria os personagens da série, mesmo aqueles que praticamente só fazem figuração, como a Donna ou o Jerry por exemplo, que apesar de terem um menor destaque, sempre aparecem em momentos pontuais que acabam sendo super engraçados também. O que foi o episódio em que eles foram buscar o Jerry em casa por conta da sua festa surpresa totalmente fail? Ou a Donna revoltada porque alguém bateu no seu bebê? (e por bebê, leia-se carro)

Ainda temos o casal Andy e April, que juntos também são sempre excelente. Aliás, seguindo uma tradição que só pode ter vindo de The Office, eles também conseguem fazer os casais mais foufos da TV em Parks. Tenho reparado que cada vez mais a April anda ganhando uma alma de “Ursinho Carinhoso” agora que ela é uma senhora casada (rs), fazendo contraponto com a sua alma antiga de Emily Strange de 70 anos de idade. Até com a Ann ela conseguiu se importar durante essa temporada e olha que com a Ann, quase ninguém se importa. Andy tem ficado um pouco caricata demais, quase roubando o posto de novo “Tracy Jordan” do Tom, mas obviamente que ele não me incomoda tanto assim e continuo achando bem bacana toda a sua burrice exagerada. E o que foram aqueles apelidos que ele enquanto chefe de segurança da campanha, acabou dando para cada um dos demais personagens? Essa eu já peguei. Essa eu estaria mentindo se dissesse que nunca pensei em pegar e esse se eu fosse gay, eu pegava. GENIAL! (acho que eu fiquei rindo sem parar por uns 10 minutos depois dessa cena)

Os mais fracos realmente continuam sendo o Tom, Ann e o Chris, esses dois últimos bem mais até. Sinceramente? Eu não consigo me lembrar de um plot relevante vindo do casal Chris e Ann, além do “desejo contido” do Chris pelo corpinho roliço do Jerry, rs.  Se bem que aquele comecinho de um dos episódios, com a Leslie e a Ann se deliciando com as frescuras todas da casa do Tom, também foi bem especial. Mas foi só isso também para a Ann. Realmente eu ainda não consigo me preocupar com os dois e acho que eles deveriam aproveitar o momento para deixar ambos personagens seguirem seus rumos longe de Pawnee no próximo ano. Gosto muito mais de alguns personagens que são recorrentes na história, como qualquer uma das Tammys ou o Louie como ex da Leslie (e o que foi o Ben morrendo de medo dele e de todos os outros policiais da cidade?), do que da Ann ou o Chris, por exemplo.

Tom eu ainda acho que tem salvação e dependendo da sua dupla, eu até acho que ele acaba funcionando bem (volta Jean-Ralphio!). Mas em pequenas doses, sem exagero. O que ele teve de melhor no últimos tempos, que foi aquela empresa sensacional que ele montou em sociedade com o amigo e que seria o emprego dos sonhos de muitos (o cenário da empresa parecia umas casas que eu já construí no The Sims, rs), acabou sendo tomado do personagem, que até agora foi um dos seus poucos plots que realmente teve graça (de novo, volta Jean-Ralphio!). Agora, eu não consigo suportar ele e a sua voz de “Catatau” (do Zé Colméia, sabe?) ao lado da Ann. ZzZZZ

E o que foi a reação do Ron com a chegada da Tammy #1, sua ex que a gente ainda não conhecia? Eu sinceramente acho o Ron Swanson um dos melhores personagens da série, talvez até da TV atual. #TEMCOMONAOAMAR aquele bigodudo? Ele que é o tipo de chefe que prefere não fazer muito esforço no trabalho e odeia quando alguém tenta mudar a sua rotina, por isso mantém a April como seu “leão de chácara”, filtrando todo e qualquer aborrecimento que possa atrapalhar a sua vidinha de pouco esforço e que se viu completamente perdido com a chegada da sua ex ex esposa durante essa temporada, que para a nossa surpresa, era capaz de provocar um surto ainda maior do que a presença da Tammy #2, que também aparece de vez em quando para assombrá-lo. E nessa ainda tivemos a chance de conhecer a Tammy #0, mãe do Ron (claro!), que entrou para a história para colocar a cabeça do filho de volta no lugar e tudo isso a base de litros de licor de milho. Sério, #TEMCOMONAOAMAR?

E o desespero do personagem para manter o anonimato do seu alterego enquanto saxofonista de sucesso, no episódio onde eles foram gravar o jingle da campanha da Leslie? E preciso dizer que eu continuo AMANDO a cumplicidade entre o Ron e a April, que nesse caso, foi mais do que essencial para que ele conseguisse permanecer no anonimato.

Aliás, Ron é sempre um foufo e eu AMO as briguinhas dele com a Leslie, que sempre se transformam em plots super foufos, como aquela no episódio do acampamento de meninos e meninas, onde Leslie conseguiu destruir todo o fundamento da alma de lenhador antigo do Ron. Episódio esse que ainda contou com um excelente momento de “day care” entre o Tom e a Donna, que por piedade acabaram incluindo o Ben no grupo e graças a essa boa vontade da dupla, ganhamos um Ben vestido de Batman ainda mais depressivo do que o comum da própria morcegona, que foi mais do que especial! Sério, de novo, #TEMCOMONAOAMAR?

Agora me digam, o quanto a gente consegue amar e se importar pelo casal Beslie? Sério? Eu sou puro amor por esse casal e a essa altura nem consigo mais imaginar os dois separados e já sonho com esse casamento no parque (construído por ela para pagar a sua dívida, é claro), com direito a filhos que podem ser interpretados pelos próprios filhos adoráveis da Amy Poehler, Archie + Abel. Sério, não aceito mais Leslie sem Ben, que tem que permanecer juntos para todo o sempre! (aquele que confunde a vida real com a ficão e acredita, rs)

Juro que a única coisa que realmente me incomoda muito na série, são os inesgotáveis hiatus que a NBC insiste em forçar dentro da série. Não sei se é pelo fato de gostar demais da série e por isso eu tenha uma sensação diferente das demais (que também passam por um período ou outro de hiatus), mas só nessa temporada foram pelo menos 4, o que além de sempre nos deixar com saudade, acaba sendo bastante irritante também. Vamos melhorar isso NBC?

Tirando o episódio do boliche, que foi o primeiro com a participação do Paul Rudd na série, eu não consigo lembrar de nenhum outro episódio que eu tenha achado meio assim durante essa temporada de Parks And Recreation, sinceramente. Sabe aquela temporada redondinha e quase perfeita? E a sequência final com as resoluções da campanha política, foram realmente os melhores, reforçando toda e qualquer teoria sobre a excelente qualidade dessa Season 4 da série.

Não sei se eu acabei rindo mais com a história do ônibus da campanha, que acabou destruindo o velório do pai do oponente da Leslie, ou se eu gostei mais ainda do momento do debate, com uma candidata atriz pornô, que era praticamente uma sósia da Leslie, que não só era idêntica a personagem, como também apoiava todos os seus ideais de campanha. Sério? Tem coisa mais absurda e mais divertida do que isso?

Até chegarmos ao excelente dia da eleição, onde já no começo, Leslie teve que enfrentar urnas eletrônicas patrocinadas pelo seu oponente, que não só tentavam sabotar a sua candidatura, como ainda recompensavam quem votasse no outro candidato. Tudo isso para chegarmos ao ponto final dessa trajetória política de Leslie Knope, que se ninguém conseguir segurar, vai acabar sendo a primeira mulher presidente do USA. Escrevam o que eu estou dizendo…

Um momento final recheado de foufurices, mas que também ganhou alguns dramas, como a oferta de emprego do Ben em Washington (DRA-MA), o Jerry que não conseguiu chegar a tempo de votar na chefe e poderia acabar sendo o voto que faria toda a diferença (AMEI a culpa que ele carregou durante todo o episódio), até o momento em que descobrimos que Leslie havia perdido a eleição. Humpf! E a gente fica como em uma hora de total decepção como essa? Mas para a nossa sorte, nada como uma bela de uma recontagem para garantir a vitória da nossa candidata preferida ever: Leslie Knope!

Não sei quanto a vcs, mas eu cheguei até a ficar emocionadíssimo com a personagem pendurando a sua foto naquele mural recheado de candidatos homens, em um momento super simbólico e super importante para a série. E dessa forma vitoriosa e cheios de orgulho, mal podemos esperar para o retorno de Parks And Recreation, que não mais do que merecidamente foi renovada para a sua Season 5 completa e nada de temporada pela metade. Tá bom para vcs?

E digo mais, se algum dia eu me cansar da vida agitada da cidade e resolver me mudar para algum lugar mais calmo, pretendo revesar minha temporada interiorana entre Stars Hollows (Gilmore Girls) e Pawnee, quando eu sentir a necessidade de gargalhar um pouquinho.

#LESLIEKNOPEFORPRESIDENT

Da série casais que nós amamos: Anna Faris e Chris Pratt

Novembro 3, 2011

A Anna Faris é aquela atriz de quem todo mundo já riu um dia na adolescência, quando a gente ainda não tinha um caráter legal muito bem definido e tudo ainda parecia meio confuso (rs), mesmo quem não queira assumir. Mas 5 minutos depois da piada antiga, mesmo ainda adolly, tenho certeza que se vc for uma pessoa legal hoje em dia, naquela época nesses poucos minutos depois da piada vc pensou: é, nem foi tão engraçado assim…

E o Chris Pratt é o Andy de Parks And Recreation e só isso basta para o nosso amor valer pelos 2.

Leslie Knope para presidente!

Abril 15, 2011

Acabei de fazer a minha maratona de Parks & Recreation e só tenho uma coisa a dizer: eu me sinto envergonhado por não ter descoberto a magia da série antes, fatão! P*ta série boa!

Uma das melhores comédias no ar atualmete, sem nenhuma dúvida, para ficar na prateleira especial ao lado de Community, Modern Family e 30 Rock. Vão por mim. Coincidência ou não, três delas são da NBC.

A série é dos mesmos criadores de The Office, com eu já disse antes e tem o ritmo parecido, com aquele clima de documentário que todas amam, recheado de olhadeeenhas indiscretas para a câmera. Cool!

Leslie Knope (Amy Poehler) é a cabeça do departamento de Parks And Recreation da cidade de Pawnee e a sua missão de vida, além de se tornar a primeira mulher presidente dos USA (Go Leslie!) é a de transformar uma buraco enorme em um terreno abandonado da sua cidade em parque. Divertidíssima, ela é do tipo de nerd que vc sente orgulho sabe? Apaixonada pelo trabalho, completamente maluca e com sérios problemas de relacionamento, praticamente não consegue dormir de tanto que trabalha e ainda é viciada em doces. Se identificou? #TEMCOMONAOAMAR?

E durante a primeira temporada e parte da segunda, tudo acontece em torno desse buraco e as situações são todas hilárias. Cada vez que uma pessoa rolava buraco abaixo, eu morria de rir e duvido qualquer um conseguir existir.

No elenco do departamento da prefeitura ainda temos as figuras mais engraçadas desse mundo. Sério, o que são aquelas pessoas? Nem sei de quem eu gosto mais…

Temos o amado chefe Ron Swanson (Nick Offerman), que é do tipo de chefe que não liga para nada que não esteja enrolado em uma fatia de bacon (rs) e que faz de tudo para não ser incomodado no trabalho. Donna (Retta) é a gordeeenha com a autoestima mais elevada ever, divertida mil. Jerry (Jim O’Heir) é o mais velho do escritório e é aquele de quem todo mundo gosta de tirar o sarro, o qual sofre bullying constante por parte de seus colegas. O que foi ele caindo no rio em busca de comida? Rolei!

April The Stranger (rs, Aubrey Plaza) é a assistente mais incompetente e engraçada da face da terra. AMO a sua relação de afeto com Ron e AMO o modo como ela maltrata todo mundo, principalmente a Ann, rs. Tom Haverford (Azis Ansari) é o braço direito de Leslie, mas é do tipo que tmbm não esta nem ai para nada, a não ser que envolva o lançamento da sua nova colônia (euri), ou uma reunião no strip club da cidade. Completando a turma do escritório temos Mark (Paul Schneider), o boy magia da série que é  foufo mil e que ainda não sabe, mas também ama a Leslie, fikdik.

Fora do escritório temos o casal Ann (Rashida Jones) e Andy (Chris Pratt). Ann é a moça perfeira, responsável, trabalhadora e linda…Zzzz. A chata da turma, é claro! Com o detalhe de que ela namora um fracassado (durante a Season 1), que sofreu um acidente ao cair no tal buraco em que gira toda a história, o adorável vagabundo Andy. Sério, ele é apaixonante!

Além da Leslie, que conquistou o meu coração com o seu comprometimento e seus milhares de arquivos de idéias, Andy foi outro personagem me chamou a atenção desde o começo.

Tem pessoa mais foufa nesse mundo? Com as duas pernas quebradas na primeira temporada, o cara é a pessoa mais folgada da face da terra. Depois ele toma um fora da namorada (Ann), vai morar no buraco, ganha um emprego na Prefeitura e agora divide o coração com a assistente mais incompetente desse mundo (April)? #TEMCOMONAOMAR? Sem contar a sua sensacional banda, a Mouse Rat (rs)

E a música que ele fez para a April, chamada “November”, hein? Euri

Se alguma dia a série tiver um fim (e que esse dia demore para chegar) e também se algum dia It’s Always Sunny in Philadelphia chegar ao seu fim, eu acho que eles deveriam aproveitar e fazer um spi- off/crossover, com o Andy e o Charlie (IASIF), que são praticamente gêmeos das séries!

Não sei, ando com uma tendência a gostar dos personagens mais sujeeenhos, que eu espero que não afete a minha higiêne pessoal. Todas esperam!

No começo da Season 1 eu amava a relação de amor platônico entre a Leslie e o Mark Brendanawicz (AMO como eles valorizam os sobrenomes, rs), que era o boy magia de Parks And Recreation. Dai veio a Season 2 e eles distanciaram os personagens, fazendo com que ele ficasse com a melhor amiga da Leslie (Ann…humpf!). Mas ai, recebemos uma punhalada em nossos corações logo no final da Season 2, com a saída do ator do elenco da série. Why God? Why?

Ele que era o planejador da cidade, saiu, mas não sem antes deixar o presente mais foufo ever para a Leslie, que foi o desenho da planta do seu parque. Howcuteisthat? Eu epsero que ele volte um dia para busca-la em um cavalo branco, sinceramente!

Com a sua saída, tivemos a entrada de Rob Lowe para o elenco,  que eu achei meio assim, além do ator Adam Scott (que todas conhecem de Party Down), esse segundo eu achei que combinou mais com todo o resto.

Todo o elenco é sensacional, afiadíssimo e do tipo super desconfortáveis com as situações mais absurdas que acontecem naquela pequena cidade com todos eles.

O mais legal em Parks and Recreation é que com pouco tempo no ar eles já criaram uma rotina, um hábito, de personagens e cenários recorrentes na série. Como a excelente ex mulher bitch de Ron Swanson que sempre aparece, vivendo uma relação violenta de amor/ódio/sexo com seu ex,  interpretada pela deliciosa 4ever in my heart Megan Mullally (Will & Grace), ou as visitas constantes ao programa “Goog Morning Pawnee”, que já renderam vários momentos excelentes e memoráveis a série.

Falando em momentos memoráveis, eu nem sei do que eu mais gostei até agora. Bom, vamos lá, tem o episódio da caça, que é muito engraçado, tem aquele com o casamento dos pinguins gays da cidade, que rendeu aquele video com a Amy Poehler cantando Poker Face, que eu já mostrei para vcs aqui no Guilt. Tem um outro com os representantes politicos da Venezuela e um “Viva Chavez” de rolar de rir e que conta com a participação de um velho conhecido da Amy Poehler dos tempos de SNL. Tem aquele com o gambá maldito, que me fez chorar de tanto rir. E é claro que temos também aquele com o maior inimigo de Leslie Knope por todos esses anos, o garoto de 16 anos, Pikitis. Rolei!

Na verdade,  tudo naquela cidade é  muito absurdo e muito bom, do tipo de série obrigatória para quem gosta de comédias nada óbvias. Ahhh e aqui, a própria Amy Poehler faz uma lista com os seus 10 momentos preferidos em Parks And Recreation.

Fiquei esperando pencas pela participação do Will Arnett na série (ele que é o marido de Poehler na vida real), que aconteceu como um dos pretendentes amorosos da Leslie, de quem ela ganhou uma tomografia completa (euri) e aguardo mais do que ansiosamente a participação da Tina Fey em Parks And Recreation. Em um dos eps se eu não me engano, Leslie diz que talvez tenha uma irmã e se isso for verdade, bem que poderia ser a Tina Fey, neam? Torço por isso…

E o que é aquela casa mega bagunçada dela hein? Muito pior do que o armário da vergonha da Mônica em Friends. Aliás, imagine a casa inteira daquele jeito, rs. AMO tmbm a relação de medo que ela mantém com a sua mãe, que me fez lembrar de um outro melhor momento da série, que é quando ela vai no barbeiro da cidade e me aparece com o penteado masculeeeandro, na festa em homenagem a sua mãe, imprimindo uma versão lez. Rolei!

Juro que só de procurar as imagens para esse post eu morri de rir novamente com todos esses momentos. Serião!

E o humor em Parks And Recreation, embora seja bem escrachado e tratar-se de uma série que lida bem com os absurdos, é recheado de piadieeenhas feministas e muito inteligentes, que vão aparecendo sutilmente nos diálogos mas que não deixam a série com cara de sexista. Coisa phina!

E parece que por aqui, nada da série sair em DVD hein? Que puxa!

Parks And Recreation atualmente esta perto da metade da Season 3  na America antiga (3×09, que eu alcancei depois da minha maratona, ufa!) e se vc estiver procurando por mais pelos menos 21 minutos de diversão em sua semana, esta mais do que recomendado.

Até o momento, Leslie conseguiu apenas cobrir o buraco e nada do parque sair do papel. Mas quer saber? Esta divertidíssimo acompanhar essa tarefa do departamento de Parques e Recreação de Pawniee.

Voltem logo em IMAX 3D (euri)  que eu já estou beeem viciado e incorporei Parks And Recreation na minha vida como a minha série política preferida. Pq as vzs a a gente tem que falar sério neam? rs

Aliás, tem uma praça precisando de uma reforma em frente a minha casa…será que eles aceitam um novo projeto?


%d bloggers like this: