Posts Tagged ‘Coldplay’

Podemos até não concordar com a Gwyneth Paltrow no posto de mulher mais bonita do mundo segundo a People, mas…

Abril 30, 2013

chris-martin-shirtless

… vamos ter que concordar (e engolir) que mesmo assim ela conseguiu um bom boy magia para chamar de seu, não é mesmo Chris Martin?

Höy!

 

ps: acho bem importante fazer o teste da academia (no Rio eu acho importante o teste da praia…) para considerar a possibilidade de um boy magia, teste esse que consiste em saber não se ele frequenta uma academia (porque pode não fazer a menor diferença nesse caso), mas sim em como frequenta. Lembrem-se disso e não se animem muito com qualquer teste de resistência física mais potente. Quer dizer, se animem sim porque a vida está difícil para todo mundo, rs

ps2: tantos anos casada com ele e ao mesmo tempo amiga da Madonna, e mesmo assim nada dessa relação render um duéte? Acho estranho…

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Músicas para o finde Vol.81

Fevereiro 16, 2013

Mixtape 81

Essa semana pode ter sido curta, mas foi também bem produtiva e por isso tem mixtape. Hell Yeah! Está pensando que a gente está para brincadeira?

♥  Ho Hey < The Lumineers > Não canso de ouvir desde a apresentação deles no SNL. E o vocalista, Hey Höy!

♥ Another Love < Tom Odell > Lembra da música da campanha da Burberry com o Romeo? Então… maravileeeandra!

♥  Mirrors < Justin Timberlake > Mais uma faixa do aguardadíssimo “The 20/20 Experience” que nós já estamos viciados e que tem cara de Justin antigo. AMO

♥ Trials Of The Past < SBTRKT > Deliciosa, boa para dançar com alguém e lembrar que essa semana teve Valentine’s Day. Vai que rende? #GOODLUCK

♥ We Found Love < Rihanna – cover by Coldplay > #TEMCOMONAOAMAR esse cover do Coldplay para umas das melhores coisas que a Rihanna já fez na vida? Não, não tem. 

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Maravileeeandro o show do Coldplay na Paralympic Games Closing Ceremony London 2012! (incluindo a parte da Rihanna, pasmem!)

Setembro 10, 2012

Bem bonito esse show que o Coldplay fez na cerimônia de encerramento da Paralympic Games London 2012, hein?

Incluindo a parte da Rihanna, principalmente quando ela entrou com o Chris Martin no piano, fazendo uma versão mais soft de “We Found Love”. Achei foufo! (apesar dela não conseguir segurar uma nota por muito tempo – tisc tisc e o próprio Chris tmbm não consegue muito tisc tisc – , dessa nova safra de cantoras preguiças, ela é uma das únicas que ao vivo não chega a ser exatamente um vexame, pelo menos não sempre…)

E eu só ficava imaginando o quanto eu me divertiria naquele balanço frenético que ela ficou cantando sentada naquele banco voador, hein? Achei corajoso.

Clap Clap Clap!

ps: e ainda tem essa outra parte aqui, com a dupla cantando aquele single preguiça do qual a gente não gosta muito, mas mesmo assim vamos colocar aqui só para alertar a Gwyneth, que deveria abrir os olhos com todo esse climão no ar em forma de duetté, hein? 

 

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Mylo Xyloto versão HQ

Julho 11, 2012

Projetinho novo do Coldplay, que vai lançar a Mylo Xyloto Comics com seis volumes, sendo que o primeiro deles será lançado na Comic-Con de logo mais.

A história gira em torno da jovem Mylo e a sua guerra contra o som e a cor e terá a assinatura do Mark Osborne (Kung Fu Panda) no roteiro e o primeiro volume foi desenhado pelo artista Alejandro Fuentes. Mas a coleção completa mesmo só deverá sair em 2013, com o lançamento de um volume por mês.

Ansiosos?

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Como se não bastasse o Coldplay ter se tornado uma banda pop ao longo dos anos, eles precisavam ficar cafonas também?

Junho 5, 2012

Não, não precisavam. Mas foi exatamente o que eu senti ao assistir o vídeo de “Princess Of China” pela primeira vez. Fiquei até constrangido, juro.

Tudo bem que uma parceria com a Rihanna já indicava uma escolha no mínimo obscura, mas como é que a gente fica agora com essa imagem da Rihanna naquele modelo em preto e cheia de mãos no truque? (odeio quando usam truques baratos para copiar o fundamento alheio, que do lado de lá do oceano, elas realizam esse mesmo número com maestria!)

Se eu não conseguir dormir essa noite, vcs já sabem de quem será a culpa…

ps: até achei que o Chris Martin convenceu bem de guerreiro. E como caminha esse homem em quase todos os seus videos, não?

ps2: abre o olho Gwynete! (que agora eu só chamo ela assim, Gwynete!)

5 bandas, álbuns ou artistas que vc deveria ter ouvido em 2011

Dezembro 28, 2011

Então aproveita que o ano não acabou ainda e coloque a sua playlist em dia…

 

Torches – Foster The People

Foster The People talvez tenha sido a minha descoberta do ano, ou pelo menos, foi o meu caso de amor em 2011.

A banda é ótima, o som é sensacional, lembra um pouco do fundamento do MGMT em alguns momentos, só que diferente.

Já postei alguns vídeos da banda aqui no Guilt e também já incluí nas minhas mixtapes várias faixas do “Torches”, álbum mais recente da banda que eu amo e tem essa arte na capa que eu acho sensacional!

Vale a pensa decorar todas as letras, porque eles passam por aqui em 2011, para quem se animar e não quiser fazer feio no show, rs.

 

I’m From Barcelona

Outra descoberta desse ano foi a banda I’m From Barcelona.

Embora o nome da banda indique que eles são da Espanha, na verdade, eles são mesmo um coral sueco delicioso, composto de 29 integrantes suecos e que tem como ideia principal ser uma banda coletiva. Howcoolisthat?

O som deles é super otimista e dá vontade de dançar com os amigos. E eu bem que adoraria ter 29 amigos suecos, Höy! (se algum deles vier com o sobrenome Skarsgärd então, melhor ainda!)

O álbum mais recente da banda é o “Forever Today”, super elogiado por sinal e eu AMO quase todas as faixas. Sério.

Detalhe que eu já morro de inveja de qualquer banda que participe do Yo Gabba Gabba, neam?

 

How Do You Do – Mayer Hawthorne

Eu tenho um caso sério de amor com o Mayer Hawthorne desde que fomos apresentados. Fato.

Isso porque a partir desse nosso primeiro encontro, eu passei a achar que todos nós meninos deveríamos nos vestir como ele. E se fosse possível ter a sua voz também não seria nada mau, não? rs

Mas falando sério, acho o som dele uma delícia, desde o álbum anterior “A Strange Arrangement”, que é simplesmente sensacional e tem formato de coração. #TEMCOMONAOAMAR?

E em seu novo álbum, o “How Do You Do”, Mayer vem ainda mais cheio de estilo com a sua sonoridade recheada de identidade, dele e do fundamento antigo. Dessa vez investindo em uma sonoridade um pouco menos retrô e mais voltada para o soul e até memso para o hip hop em alguns momentos, com a participação do Snoop Dogg na faixa “Can’t Stop” (uma das minhas preferidas!), se arriscando mais em vocais deliciosos e cheios de camadas em faixas que também vão te dar vontade de dançar, vai por mim.

E eu acho bem difícil alguém ouvir o Mayer Hawthorne sem se apaixonar e por isso eu pergunto: Mayer Hawthorne, quer casar comigo? (rs…mas aguardando a resposta…)

Acho bem difícil também alguém conseguir assistir o vídeo abaixo e resistir a fazer uma dancinha bem animada e antiga…

 

Lana Del Rey

Sério, esse nome não é sensacional? (SIM!)

Muito se fala sobre o funamento da Lana Del Rey, se ela é ou não é um produto da indústria da música, mas a pergunta que fica no ar é: quem se importa?

Contanto que ela continue ruiva e fazendo músicas deliciosas como essas que a gente não cansa de ouvir ultimamente, está tudo mais do que certo, não é mesmo?

You go girl!

 

Wounded Rhymes – Lykke Li

Ou Lykke Linda, como eu gosto de chamá-la.

“Wounded Rhymes” é o álbum mais recente dela, que certamente foi um dos melhores lançamentos do ano. Com o seu som super peculiar e sombrio, Lykke Li emociona e anima com todo o seu fundamento moderno com cara de antigo.

E quem não fez a stalker perseguindo “rios magia” ao lado da Lykke Linda em 2011, não pode dizer que viveu bem esse ano, hein? É, não pode.

Sendo assim, essa (e as minhas mixtapes todas desse ano de 2011) é a minha pequena colaboração para o meu grandioso projeto por um mundo com músicas melhores (rs).

ps: é claro que eu poderia ter falado de outros álbuns aqui, delicias como o 21 da Adele ou Ceremonials da Florence and The Machine, ou também falar do novo dos Strokes ou sobre o otimismo foufo do novo álbum do Coldplay, mas esses nomes todos já ganharam toda a sua merecida atenção em 2011 e eu senti que alguém tinha que falar dos underdogs, rs.

Mylo Xyloto e o otimismo do Coldplay

Dezembro 13, 2011

O Coldplay não é mais o mesmo, isso não tem como negar. Os meninos por trás das letras doces, tristes e melancólicas do passado, já não são mais tão meninos assim e talvez agora a realidade deles  seja outra. Com uma trajetória de sucesso, casamento, filhos, chegou a hora de amadurecer, experimentar um pouco mais e isso não significa que o fato deles não serem mais os meninos tristes de antes seja uma coisa ruim, pelo contrário, significa que eles evoluíram e isso é um bom sinal.

Mylo Xyloto, o novo álbum da banda (não tão novo, porque saiu tem mais de um mês e eu fiquei devendo essa resenha para mim mesmo, por isso estou pagando a minha promessa agora) é uma prova disso. Saem de vez as músicas mais melancólicas do passado, para entrar os grandes hits, letras mais otimistas, músicas que funcionam muito bem ao vivo por exemplo.

Não, eu não fui ao show dessa nova turnê ainda, apenas assisti pela tv. Mas ao ouvir o álbum pela primeira vez eu tive a nítida impressão que eles já criaram esse novo trabalho pensando no show, em momentos que funcionam maravilhosamente bem ao vivo. E como ninguém mais ganha tanto dinheiro assim com venda de discos, tenho quase certeza que esse meu pensamento tem fundamento.

Também vale dizer que nos shows, ao vivo, eles funcionam muito bem, mesmo em tempos de uma maior tristeza no som da banda. Sem contar que eles parecem se entregar no palco, o que eu sempre acho um sinal de respeito do artista com o público.

E o novo álbum vem nessa mesma onda mais feliz da banda, colorida, otimista, mesmo quando eles não conseguem abandonar a aura de meninos tristes do passado, com uma faixa como “Charlie Brown” por exemplo, a minha preferida desse novo trabalho da banda (porque será? Que puxa!)

Mas o que eu acho bacana mesmo é que a cada novo álbum, eles tem se arriscado um pouco mais, com novos instrumentos, uma nova sonoridade, o que eu acho que é um ganho para a banda (mesmo que eles explorem isso em muitas faixas de interlude,  que só nesse álbum são 3 de 14. E são elas,  “Mylo Xyloto”, “M.M.I.X” e “A Hopeful Trasmission”). Em Mylo Xyloto temos também o Chirs Martin se arriscando mais nos vocais, com variações da sua voz, provando que ele é sim um bom cantor, muito mais do que apenas um rostinho bonitinho da música  (Höy!), se é que eles ainda precisam provar alguma coisa neam? (e ele não é o único Coldplay magia, fikdik)

Senti algumas influências dos anos 80 na batida de algumas faixas, como “Hurts Like Heaven” por exemplo, que me lembrou alguma coisa do The Cure e do Culture Club antigo, que apesar de ter um título como esses, tem um ritmo também bem otimista, quase como se alguém estivesse nos falando “machuca, dói, mas vai passar”, rs.

Além dos anos 80, temos fortes influências asiáticas no som de várias faixas também (provavelmente influências da China), como o começo de “Paradise”, que a essa altura, já é o grande hit do álbum. Merecidamente, porque é deliciosa e ainda veio acompanhada daquele video pra lá de foufo com todos os integrantes da banda vestidos de elefantes.

“Every Teardrop is a Waterfall” foi mesmo o grande mico do cd. Eu pelo menos não consigo ouvi-la sem pensar em “Ritmo de la noche”, rs. Mas assistindo ao show pela tv, percebi que ela é muito melhor ao vivo e seria a tentativa descarada de um novo “Viva La Vida” da banda. Uma pena.

“Major Minus” eu acho bem U2. Bacana, mas me lembrou muito a outra banda, essa de bons jovens senhores (que seria o futuro do Coldplay) e isso talvez por conta do refrão meio Bono Vox, rs.

Temos algumas faixa mais leves também, como “Us Against The World” e “U.F.O”, mas sai o Chris Martin do piano e entra uma voz doce e violão. O tipo de música que eu tenho certeza que ele deve cantar para os seus filhos dormirem. Bem foufas, apesar de bem calmas também.

“Up In Flames” lembra um pouco mais do Coldplay antigo, embora tenha uma batida bem mais pop e marcada. E uma outra impressão que eu tive ao ouvir o Mylo Xyloto é que eles assumiram de vez o lado mais pop da banda, o que eu não acho de todo ruim, porque faz tempo que eles não são mais aquela banda que só a nossa meia duzia de amigos conhecia.

E isso fica cada vez mais claro, quando encontramos faixas como “Princess Of China”, que tem a participação preguiça da Rihanna, que tem uma voz bacana só em estúdio, porque ao vivo, respirar e cantar ao mesmo tempo não parece ser o seu forte e o Youtube esta ai, para quem quiser comprovar. Mas fiquei sabendo que a música foi oferecida primeiro para a Beyoncé…(suck it Riwanna)

Mantendo o clima otimista do álbum, mesmo com o título de “Don’t Let It Break Your Heart”, a faixa mantém aquela intenção de passar adiante que no final, tudo vai dar certo. Pelo menos parece que  foi assim para eles, não?

E com o mesmo clima, ainda temos “Up With The Birds”, que apesar de começar triste, mantém o climão de otimismo perto do final, para encerrar o álbum deixando a mensagem que talvez os antes meninos e agora homens do Coldplay quiseram nos passar.

Ou seja, Mylo Xyloto é mesmo um álbum mais otimistas e talvez os tempos tristes das letras melancólicas do Coldplay tenham mesmo ficado no passado. Mas a gente sempre pode gritar “Classic Coldplay”, em todos os shows da banda, para tentar ainda garantir um Chris Martin com cara de maluco ao piano, cantando as nossas faixas antigas, tristes e melancólicas preferidas. Mas é sempre bom ouvir algo novo, novas tentativas.

Músicas para o finde Vol.53

Novembro 12, 2011


MusicPlaylistView Profile
Create a playlist at MixPod.com

 

Pq finde com feriado, tem que ter mixtape, não é mesmo?

 

♥  Charlie Brown < Coldplay > Uma das minhas preferidas do novo cd. Para combinar com a minha t-shirt nova com estampa do Charlie Brown em um de seus momentos “Que puxa!”

♥  Call It What You Want < Foster the People >  Essa eu já disse para vcs o quando eu gosto e já acho que alguém poderia trazê-los para tocar por aqui, hein?

♥   Midnight City < M83  >  Deliciosa de dançar na pixxxta no fim de noite que a gente espera que seja daqueles. Höy! 

♥  Somebody That I Used To Know  < Gotye feat Kimbra > a música é ótima e o video é cheio de fundamento. Vale a pena assistir, fikdik.

♥  Born This Way  < Lady Gaga, cover by Karmin > Cover bem foufo da música que todas conhecem. Aliás, acho o Karmin ótimo nos covers.

E para que serviu o EMA 2011 mesmo?

Novembro 8, 2011

Para nos lembrar que não se fazem mais premiações como antigamente…infelizmente. Além de atualmente ser tudo um grande truque, eles ainda nem se dão o trabalho de escolher uma hostess descente, humpf! Por isso não consegui assitir a premiação direito e bastava a Selenita Gomez entrar em cena para eu entrar em uma apnéia do sono profunda. Zzzz

Mas o EMA 2011 serviu também para:

Nos lembrar que o Chris Martin continua sendo boy magia, mesmo com sua eterna cara de professor de Geografia. Höy!

Chris, responde ae: vc andou malhando?

Ou a Gwyneth Paltrow esta colocando em prática aquelas receitas todas de tofu recheado com tofu e cobertura de tofu que acompanha aquele shake de tofu delicioso, hein? Yummy (só que não)

O EMA serviu também para nos provar que a Katy Perry é covarde e quando a Lady Gaga também esta em cena na concorrência, ela nem se arrisca nas trocas bizarras porque não tem talento suficiente para competir. É, não tem.

E vcs também não acham que já esta na hora dela acordar desse Teenage Dream? Acorda meniné!

E falando em Gaga, o que aprendemos com a sua performance na noite de domingo foi que ela é mesmo gente como a gente.

Ou seja, ela pula feito louca quando ganha qualquer coisa, ajoelha e agradece a Santa Cher pela (des) graça alcançada, afofa quem estiver pela sua frente, exige que as top models façam figuração como fundo para o seu momento de agradecimento e de quebra ainda faz discurso com voz de choro. #TEMCOMONAOAMAR?

AMEI o figurino dramático, mas o que eu gostei mesmo foi da sua lição durante a coreografia de “Marry The Night”

Quer dizer que é dois pra lá, dois pra cá, cabelô, PÁ, vira de costas e mostra a lua cheia? É isso mesmo produção? Alguém me confirma essa sequência?

Todas trabalhando no agachamento desde Domingo que é para garantir que a sua própria lua cheia imprima lua nova na pixxxta. (AMO o momento apoteótico do final do single desde que o cd saiu. Tenho vontade de rasgar a roupa e sair rodopeando na pixxxta. E quem não tem?)

Fora isso, acho que já esta mais do que na hora da MTV repensar os seus conceitos, pq esta ficando cada vez mais puxado, fikdik.

Um shirtless inesperado que confirmou!

Outubro 31, 2011

Totalmente inesperado, mas que confirmou o porque que o Guy Berryman sempre foi o meu Coldplay preferido. Höy!

AMO que no vídeo de “Paradise”, ele é o elefante magia mais escuro, misterioso e sombrio. (o que combina bem com o dia de hoje, não?)


%d bloggers like this: