Posts Tagged ‘Ferris Buller’s Day Off’

Da série casais que nós amamos: Ferris + Sarahjay

Fevereiro 28, 2013

sarah-jessica-parker-matthew-broderick

#TEMCOMONAOAMAR casal que combina até o fundamento?

Não, não tem. (♥)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Sarah Jessica Parker mostrando a sua vida sofrida de mãe de família na Vogue US de Agosto

Julho 13, 2011

Que vidinha difícil, não? rs

Sarahjay e toda a sua família para a edição de agosto da Vogue US by Mario Testino. Foufos mil!

E o que é essa locação? Não falaram se é a casa dela (acho que não mesmo…), mas parece a minha no The Sims 3, euri (sonho!)

ps: só não gostei da última foto, que imprimiu foto de álbum de casamento…

Easy A +, um novo clássico de Sessão da Tarde

Junho 27, 2011

Nasce mais um clássico da Sessão da Tarde. Porque se é para ser chamada de bitch por toda a escola, que seja por uma boa causa, não?

“Easy A” é o tipo de filme que nós conhecemos de outros tempos, uma releitura das comédias clássicas do anos 80. Divertido, engraçado, atual e com fundamento.

E quem nunca teve que encarar um rumor a seu respeito que mande o primeiro SMS com uma fofoca maldosa qualquer para o seu melhor amigo. Agora, ter a chance de contruir um mito em torno da sua reputação, isso sim é algo bem divertido (#QUEMNUNCA?).

Décadas se passaram após os filmes clássicos de high school da Sessão da Tarde, mas nós podemos percebem que os babacas continuam os mesmos. Com a diferença de que hoje em dia, para uma boa fofoca tomar proporções astronômicas, basta uma reply em uma rede social preguiça qualquer.

E o filme tira sarro desses clichês o tempo todo, em uma tentativa de botar esses jovens para pensar se vale realmente a pena acreditar em tudo que se ouve por ai, ou até mesmo no quanto vc pode arruinar a vida de alguém com um boato maldoso.

Eu fico impressionado como esses babacas de hoje em dia são mais babacas ainda, pq cometem seu erros e ainda registam com seus gadgets de última geração e colocam no internet, para quem quiser assistir. To-los. No meu tempo pelo menos existia um medo em relação a alguém documentar o quanto idiota, covarde ou babaca vc poderia ser. Bons tempos aqueles. Hoje em dia, me parece que existe um certo culto ao babaca e pior ainda eu acho que é quem perde tempo procurando por esse tipo de coisa.

High School não é fácil para ninguém e o filme “Easy A” mostra todo esse drama de forma divertida porém, sem perder a seriedade da coisa. O menino gay que é perseguido, o feio que não pega ninguém, os idiotas que se escondem por trás da bíblia e as garotas que não conseguem admitir que fazem coisas bem piores e preferem julgar os demais e voltar as atenções para os “defeitos” alheios. Todos esses estereótipos nós já conhecemos e não é de hoje e parece que eles resistem ao tempo, ganham novas versões, acessórios modernos, uma repaginada, mas continuam os mesmos. E eu me pergunto: evolução pra que? Humpf…

Até que aparece uma heroína, capaz de assumir toda a culpa por um bem maior, alguém que não liga para o fato de que as pessoas precisam falar dos outros para se sentirem melhor. Mas toda essa coragem só dura até a página dois e quando a heroína se encontra em apuros ela se vê sozinha e ninguém esta disposto a destruir o mito criado em torno de uma mentira por  um problema que não lhe diz mais respeito. Sim, nossa sociedade ainda é composta por uma maioria de covardes, infelizmente.

Heroína essa que parece ter herdado a sua força de sua família moderna, divertida e aberta para todos os tipos de situações. Essa sim chega perto do meu ideal de família perfeita de comercial de margarina, rs.

“Easy A” ainda reforça a questão de que para uma maioria da sociedade, ainda existe um preconceito enorme em relação a uma mulher liberada sexualmente. Ou vc consegue imaginar todo aquele barulho no colégio caso a protagonista fosse um homem? Não neam? Humpf…

A s meninas julgam e os meninos perdem o respeito. Já não esta na hora de alguém educar esse povo e ensinar que alguns assuntos não são da sua conta? E ainda há quem seja contra uma educação à diversidade nas escolas. Outra vez, to-los…Eu não vejo outro caminho a não ser começar pela base, fikdik.

O filme é delicioso porque relembra (literalmente até) os clássicos da Sessão da Tarde que todos nós amamos, só que com uma linguagem moderna. John Hughes fazendo escola. E a Emma Stone representa tudo aquilo que todos nós não tivemos coragem de ser ainda quando adolescentes problemáticos e cheios de espinhas. Aliás, ela realmente esta sensacional no longa. Clap Clap Clap!

E a maior mensagem do filme talvez esteja em uma conversa solta em família, onde a mãe aconselha a filha a encarar os problemas com bom humor que só isso já ajuda a seguir em frente. Sábio conselho, ou vcs acham que eu sobrevivi ao high school como? rs

A minha unica crítica em relação ao filme foi a versão do novo boombox. Ainda prefiro a versão oldschool! rs (mas a nova versão vem com o Penn Badley como boy magia, fikdik)

Filme delicioso para assistir no fim de tarde preguiça e também para colocar na prateleira especial 80’s, ao lado de “The Breakfast Club”, “Pretty in Pink” e “Ferris Bueller’s Day Off”, esse último que ganha até uma homenagem em  versão feminina no filme.

ps: eu tmbm tenho um pouco de vergonha de admitir, mas as músicas de auto-ajuda da Natasha Bedingfield, grudam neam? rs

Hurley + o melhor amigo do Ferris Bueeler em Fringe e a pergunta que não quer calar: Walter pegou ou não pegou a Yoko?

Março 13, 2011

Vem se tornando recorrente o fato de atores que fizeram no passado papéis queridos e adorados por todo nerd desse universo azul (rs), acabarem fazendo uma participação afetiva em Fringe, não?

Essa semana tivemos o Jorge Garcia (Everybody Loves Hugo!), dividindo uma “bomb” com o Walter, Howcoolisthat?

Participação pequena, mas com potencial de retorno, vcs não sentiram?

Volte sempre Hugo/Hurley/Jorge Garcia! É sempre bom revê-lo!

Além da participação do Hurley, tivemos ninguém menos do que o melhor amigo do Ferris Bueeler, que agora já é um senhor, o ator Alan Ruck. Howcoolisthat?

Participações pra lá de especiais, não? Clap Clap Clap!

Agora, a pergunta que não quer calar do episódio, muito mais importante do que a relação Peter e Olivia ficando cada vez mais intima, com direito a discussão no carro sobre as mãos pesadas de Peter, mais importante também do que o Walter fazendo piada do casal, achando tudo muito foufo. E o fato de tanta relevância que eu estou falado é a dúvida que ficou no ar durante o começo do episódio: Walter pegou ou não pegou a Yoko? (euri)

Walter seu danadeeenho!

Delícia de episódio, por todos os motivos acima, além do ganho na história que tivemos com ele e um dos casos mais legais ever, com direito a corpos que flutuam como uma bexiga de gás hélio. Cool!

Só não gostei muito do exu do William Bell encostando na Olivia. Na verdade, euri. De resto, como é bom ter um episódio novo de Fringe toda semana, não?

Jogo de tabuleiro inspirado em “Curtindo a vida adoidado” é covardia!

Fevereiro 4, 2011

Diz se não é o jogo de tabuleiro mais legal do mundo?

Projeto do argentino Maxim Dalton, que será exposto na Gallery 1988, que é a nova filial da galeria em Venice Beach, California (que se eu não me engano é onde o Hank Moody vive em Californication)

Tudo por conta de uma homenagem aos filmes de John Hughes, que vai rolar na galeira. Howcoolisthat?

Euquero!


%d bloggers like this: