Posts Tagged ‘Karen Gillan’

A Town Called Mercy

Setembro 19, 2012

Terceiro episódio da Season 7 de Doctor Who, ele que nos trouxe de volta o Doutor a um cenário mais uma vez bem típico americano, Western para ser mais exato, motivo mais do que suficiente para ele investir novamente no seu chapéu Stetson em sua passagem pelo Velho Oeste. Stetsons are cool.

Mas tenho que ser sincero ao admitir que não morri de amores pelo episódio (7×03 A Town Called Mercy), embora ele nos tenha trazido algumas pistas importantes sobre o atual clima da série e talvez até mesmo sobre o seu futuro. Disse no post anterior que o Doutor estava mais amargo e que a atitude dele ter deixado o Solomon encarar a sua morte já indicava que talvez ele estivesse tempo demais longe de sua companion, o que nós já sabemos que meio que o transforma em um homem diferente do que o que estamos acostumados (ele precisa desse contato para se equilibrar). Um detalhe que dessa vez foi notado pela própria Amy, que teve que agir ao perceber o comportamento do Doutor mudar drásticamente e ele passar a agir de uma forma que não se parece em nada com o Doutor que ela conhece. (acho que esse é mais um forte indício de que talvez a era Matt Smith esteja perto do fim, mais do que apenas um climão para a troca de companions de daqui a pouco…)

Dessa vez tivemos um “vilão” que também era um Doutor, Kahler Jex, ele que chegou na cidade de Mercy e com sua sabedoria acabou trazendo algumas melhorias para o local, como a energia elétrica e que por isso acabou ganhando asilo do próprio xerife da cidade que o defendia a todo custo do seu maior inimigo, um cowboy cyborg que cercava a região exigindo a sua cabeça. O que a gente não sabia (mas foi fácil de desconfiar) é que o tal cyborg nada mais era do que uma criação do próprio Jex, em um experimento que não deu muito certo e que por esse motivo ele acabou sendo caçado pelo mesmo.

O mais bacana desse episódio, além da fotografia excelente e o Doutor revelando que ele também “fala cavalos” (rs), foi que tivemos um episódio mais centrado no próprio Doutor, que dessa vez encarava alguém muito parecido com ele mesmo e com quem ele dividia uma parcela de culpa bem parecida com a que ele carrega. A cena em que ele joga o Rex para fora da cidade foi sensacional, colocando o inimigo para sofrer as consequências de seus atos, algo que ele mesmo se culpa por não acontecer com ele com tanta frequência. Uma cena linda, revelando um outro lado do Doutor, dessa vez ainda mais pesado do que no episódio anterior, quase impiedoso e se não fosse pela intervenção da própria Amy Pond, que teve que lembrá-lo sobre quem ele era e o que ele representava naquele momento, ele teria acabado agindo de uma forma que ninguém espera normalmente de um herói. Ou pelo menos não de um herói como o nosso Doutor. (esse meu, que fique bem claro…)

Um resolução lindíssima, cheia de simbologia com o próprio nome da cidade, apesar do final do Rex ter sido o suicídio, o que naquele momento acabou funcionando como um ato de nobreza, o que certamente fez o Doutor pensar ainda mais sobre a sua existência e tudo o que ela já fez. Achei bem bacana o final proposto para o tal cyborg, que depois da morte do xerife da cidade, não poderia ter ganhado uma ocupação melhor. (e o que foi o agente funerário medindo o corpo do Doutor por duas vezes? rs)

O chato desse episódio é que estando a apenas dois episódios da despedida dos Ponds (no próximo sábado já teremos o penúltimo… glupt!), eles pouco tiveram alguma participação nele e estando tão perto de nos despedirmos desses personagens tão queridos, chega a parecer um grande desperdício de tempo quando eles acabam não ganhando muito destaque como aconteceu dessa vez. O que nós até entendemos o porque, mas mesmo assim achamos um desperdício. Humpf!

E só eu ficquei morrendo de pena do Doutor visivelmente triste e cabisbaixo quando a Amy e o Rory recusaram o convite para uma próxima aventura? (nessa hora, é claro que eu levantei imediatamente a minha placa “Pick Me Doctor! PICK ME!)

Mas essa reclamação sobre a pouca participação dos Ponds nesse episódio parece que será suprida com o próximo, onde teremos o Doutor sendo obrigado a encarar a vida real dos Ponds por mais tempo, nesse que será a preparação para a grande despedida de logo mais onde no próprio promo, já ganhamos o casal se questionando em relação ao futuro na companhia do Doutor. (estocando Klennex desde já e como se não houvesse amanhã!)

Geronimo! (dessa vez, montado na minha “cavala”, sim eu disse “cavala”, a antes Joshua, agora Susan!)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Anúncios

Dinosaurs on a Spaceship

Setembro 12, 2012

Outro excelente episódio da Season 7 de Doctor Who e mais um a menos para a despedida dos Ponds. (glupt)

E em Dinosaurs on a Spaceship (7×02), já foi possível perceber que a dinâmica da série realmente mudou e que o Doutor já suspeita que a hora de se despedir definitivamente dos Ponds se aproxima. Apesar de já sabermos quando isso deverá acontecer, ainda não sabemos como e nem porque, mas ao ser questionado pela própria Amy se ele já estava se esquecendo dela e do Rory e o porque de agora suas visitas terem um período de tempo muito maior (dessa vez foram dez meses sem aparecer), com um beijo dos mais carinhosos possíveis (Awnnn!), o Doutor tentou acalmar Amy Pond dizendo que estava tudo certo, que nada estava acontecendo e que ele ficaria ao seu lado “sempre”, mas ao final do episódio, percebemos pela cara que ele fez dentro da TARDIS ao fundo do casal, que ele sabe de algo que nós ainda não sabemos em relação aos Ponds…

Falando neles, nesse episódio além da Rainha Neffertiti (Neffy para os íntimos. E por “íntimos” leia-se o próprio Doutor, pelo qual ela estava super interessada, rs) e Riddell fazendo as vezes de Indiana Jones, ganhamos também a participação de mais um membro da família Pond… bem, não foi exatamente isso, mas ganhamos a participação do pai do Rory, Brian, que sem querer acabou embarcando a bordo da TARDIS para uma missão no espaço, ganhando do próprio Doutor o apelido de Brian Pond. Bacana foi que com a introdução do personagem, rapidamente foi possível observar que sua relação com o Rory tem alguns issues, como a constante desaprovação do pai com o filho e o fato de talvez ele considerará-lo um tanto quando “inferior” ou até mesmo covarde. Mas tudo muito leve, divertido e com soluções bem foufas para os problemas entre os dois, que foram resolvidos durante o próprio episódio com a descoberta de que apesar das diferenças, eles eram bem parecidos, provando que na família do Rory tudo é uma questão sobre o que carregar nos bolsos, rs.

Outra coisa que é possível de se perceber assistindo a nova temporada é o quanto tudo vem se tornando cada vez mais grandioso e muito bem produzido. Cenários sensacionais, paisagens excelentes, efeitos visuais muito bem realizados (coisa que nem sempre foi um mérito da série) e tudo isso para colocar dinossauros dentro de uma nave espacial, dominada por dois robôs (sensacionais e que viviam algo como um bromance) e uma espécie de pirata espacial. Uma história sensacional, diga-se de passagem, apesar de bastante corrida e mais uma seguindo essa nova linha de roteiro que eles disseram ter planejado para essa nova temporada, com histórias muito mais independentes do que as anteriores.

E se gravatas borboletas são cool, quão cool é ter o Doutor, Rory e o sogro de Amy Pond montados em um Triceratops, que eles passaram boa parte do episódio tratando como uma cachorro? Sério, #TEMCOMONAOAMAR? E dentro da história ainda tivemos uma breve participação dos Silurians, os quais eram os donos da tal nave que na verdade era uma “arca” e que foram jogados no espaço por Solomon, o vilão com ares de pirata interesseiro da vez que acabou se apoderando do que pertencia aos Silurians. Um triste fim para a espécie, não? (talvez esse não tenha sido o fim deles ainda…). Outro ponto interessante do episódio foi o fato do Doutor ter deixado o vilão da vez encontrar o seu destino, já que ele estava mesmo na mira de misseis enquanto a nave roubada se aproximava da Terra e acabou encontrando o seu fim ali mesmo, explodindo no espaço.

Algo que não é muito comum em Doctor Who, porque normalmente o Doutor é contra esse tipo de solução, mas das duas uma: ou dessa vez ele simplesmente deixou o destino tomar o seu rumo sem tentar bancar o herói com quem demonstrou que não merecia por mais de uma vez, ou ele já estava tempo demais longe de sua companion, o que nós já percebemos e sabemos que é algo que o torna um homem diferente quando sozinho em sua TARDIS.

Outro ponto a se destacar é o humor na série, que vem ficando cada vez mais sensacional e nesse episódio sobraram bons momentos para todos eles. Amy na dinâmica com a Rainha Neffertiti, declarando-se a Rainha do Rory, se arrependendo do que disse logo em seguida e ainda tendo que aguentar um homem de outro tempo bancando o machista no pé das duas (Riddell, que foi interpretado pelo ator Rupert Graves, que faz o Lestrade em Sherlock). O Doutor por sua vez continuou o mesmo de sempre, atirando para todos os lados, comemorando o fato de agora ter sua própria gangue (rs) e fazendo piada inclusive sobre a semelhança entre Rory e seu pai. Mas o grande destaque pelo lado cômico do episódio realmente ficou com  o Rory, que esteve sensacional como alívio cômico não só nesse episódio, como também no anterior e como fã do personagem, fico feliz que ele esteja sendo melhor aproveitado até.

E #TEMCOMONAOAMAR o momento de euforia do Doutor em relação a uma ideia brilhante do Rory, que ele acabou retribuindo com um beijão daqueles, se arrependendo logo em seguida e bancando a passiva agressiva dando tapas na cara do personagem ao perceber que a ideia não havia sido tão brilhante assim para tanto? rs

Sem contar aquele final lindíssimo, com o pai do Rory pedindo para o Doutor fazer o que qualquer mortal gostaria de fazer a bordo da TARDIS: observar a Terra do espaço, tomando chá e comendo sanduíches (no meu caso, quero chocolate e cookies, rs). Howcoolisthat?

Assim chegamos ao final dessa triste contagem até a despedida dos Ponds, com Brian mandando até um post card do Rio de Janeiro para o casal. #TEMCOMONAOAMAR? Mas mesmo tendo gostado bastante do episódio, não tem como não esquecer que agora faltam apenas mais três para a despedida? (glupt de novo)

E no próximo sábado: Space Cowboys!

Geronimo! (dessa vez saindo montado em um Triceratops, rs)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Asylum Of The Daleks

Setembro 5, 2012

Excelente retorno esse com primeiro episódio da Season 7 de Doctor Who, não?

Um episódio completíssimo, com tudo que nós sempre AMAMOS na série (7×01 Asylum Of The Daleks). Com cara de épico, o episódio já começou com o Doutor sendo capturado em meio a uma emboscada planejada pelos próprios Daleks, seus maiores inimigos que de quebra, ainda capturaram os Ponds, eles que para a nossa total surpresa, não estavam vivendo mais sua melhor fase enquanto casal, a ponto de estarem encarando o divórcio. E essa foi apenas a primeira surpresa do episódio de estreia.

A segunda ficou por conta dos próprios Daleks que dessa vez, ao contrário do que esperávamos, estavam precisando da ajuda do Doutor para assim continuar com o próprio Asylum, que era para onde eles mandavam todos os Daleks que deram defeito ao longo o tempo. Mas bacana mesmo foram as explicações carregadas na vilanice, com os próprios assumindo descaradamente que não suportariam simplesmente “extinguir” tanto ódio conforme a sugestão do próprio Doutor, o que eles até reconheceram ser um dos fatores que eles acham que justifica o fato deles nunca terem conseguido finalizar de vez o seu “Predador”, apelido carinhoso que nós descobrimos ser como eles o chamam “internamente”, rs. Isso e o fato do Doutor ser muito melhor do que qualquer um deles, claro. Suckers! (quase morri quando ao final do episódio, o Doutor saiu de sua TARDIS gritando “Suckers” para os próprios Daleks. #TEMCOMONAOAMAR)

Mas a terceira e maior surpresa ainda estava por vir, com a primeira aparição daquela que a gente sabe que virá a ser a nova companion do Doutor, assim que nos despedirmos dos Ponds daqui mais quatro episódios (glupt). Seu nome é Oswin Oswald (tipo trava língua e eu ainda acho que ela deve ser rebatizada como “Carmen”) ou “Souffle Girl” que foi como o Doutor já a apelidou. Ela que embarcou na expedição “Alaska”, que não deu muito certo e que por isso acabou ficando presa e sozinha por mais de um ano. Sim, um ano. E se Amy Pond esperou por 14 anos, o que seria esperar apenas por 1 ano, não é verdade? (rs)

Oswin é linda e já tem aquele ar de companion destemida e desbocada, do tipo que a gente AMA. Sua dinâmica com o Doutor, apesar deles terem se falado apenas a distância por boa parte do episódio, já foi bem excelente e ficou bem claro que ele já ficou todo encantado com a genialidade da garota, que passou um ano inteiro enfrentando os Daleks sozinha e fazendo suflês (Dr que como boa parte dos homens, parece que foi conquistado pelo estômago, rs). Mas onde é que ela arrumava o leite para fazer seus suflês? …

Uma pergunta que o Doutor chegou a fazer por duas vezes durante o episódio e que seria a chave para a grande surpresa do episódio. Oswin na verdade, havia sido “transformada” em um Dalek e foi assim que o Doutor a viu pela primeira vez, acorrentada e no formato do seu maior inimigo de todos os tempos. Bem bacana vai? (apesar do próprio poster liberado pela BBC1 já entregar bastante o que estaria para acontecer no episódio)

E com essa primeira aparição da nova companion e de tal forma, minha cabeça quase explodiu de tantos pensamentos sobre como poderia ser a história desses dois enquanto dupla. Nesse caso, cheguei a conclusão que embora eu não seja nada fã da tensão sexual Doctor vs Companion dentro da série (já cansei de dizer isso), acho até que nesse caso seria o melhor caminho para a construção da história desses dois. Primeiro que o Doutor já está muito tempo sozinho (considerando a Rose como seu último “amor” ou pelo menos “interesse”, vai…) e segundo que seria sensacional tê-lo em conflito encontrando-se apaixonado por um Dalek. Imaginem?

Mas por enquanto ainda não sabemos como vai ser o futuro da história da Souffle Girl e do seu Chin Man (apelido que ela deu para ele poro conta do seu queixão, rs). E apesar desse ter sido apenas o primeiro encontro dos dois e a gente não ter muita ideia de como isso será resolvido daqui para frente, Oswin acabou dando um presente inesquecível para o Doutor, que foi apagá-lo da memória dos Daleks (ela é meio hacker), que não se lembram mais quem ele é ao final do episódio. Cool Cool Cool. Doctor Whom? (rs)

E como se o episódio não tivesse sido excelente o suficiente, com cenas lindas da Amy delirando com Daleks como pessoas e uma bailarina ruiva criança super foufa dançando lindamente ao som de uma trilha sonora encantadora, além do Doutor passando por um corredor cercado dos Daleks que já o enfrentaram ao longo do tempo, ainda tivemos um ótimo desfecho para o divórcio dos Ponds, em uma cena linda e super emocionada, com o Rory jogando na cara dela que ele sempre foi quem amou mais dentro da relação dos dois (em um plot de perigo que envolvia o amor e que não poderia ter sido mais foufo) e Amy Pond ficando extremamente ofendida e explicando o porque dela ter aberto mão da história dos dois daquela forma.

Na verdade, Amy estava magoada porque devido as circunstâncias do passado, ela não pode mais ter filhos e sabendo o quanto o Rory gostaria de ser pai (e ele já não é? rs), ela não achava justo prendê-lo naquela relação. E toda essa resolução do plot dos dois se deu por meio da interferência do Doutor, claro, que percebeu que algo estava errado entre o casal logo no começo do episódio e em um determinado momento do mesmo chegou até a questionar o que ele poderia fazer para melhorar aquela situação.

E quem foi que disse que o Doutor não pode resolver todos os problemas com a mesma facilidade que ele arruma sua bow tie? (chorei uma single tear igual a Amy no momento dessa cena, que foi muito especial! Aliás, Amy que já consegue interpretar o Doutor como ninguém, não?)

Com um episódio sensacional como esse, começamos da melhor forma possível a sétima temporada de uma das nossas séries mais queridas do momento. Clap Clap Clap!

E no próximo sábado teremos dinossauros dentro de uma nave espacial. Howcoolisthat? (e tem também a Rainha Nefertiti. Cool!)

Sei que eu não costumo fazer reviews por episódio durante as temporadas de quase nenhuma série, mas como Amy Pond é e sempre vai ser a minha companion (sorry, mas ele foi a minha primeira, então…), acho justo que ela ganhe o seu arco de pelo menos cinco reviews aqui no Guilt até o momento da sua despedida, rs

Geronimo!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Week WHO?

Agosto 27, 2012

Como a Season 7 de Doctor Who tem a sua premiere no próximo sábado (7×01 Asylum of the Daleks) e a partir de hoje nós vamos poder saber um pouco mais sobre o que aconteceu na vida dos Ponds entre as seasons 6 e 7 com a webserie Pond Life (a parte 1 até já saiu, com 1 min, tipo os “Tardisodes” antigos. Humpf!) nada mais justo do que a gente fazer uma maratona dentro da nossa própria maratona recente da série de 2005 até agora, aqui no Guilt, não?

Portanto, durante toda essa semana e até o próximo sábado (dia da premiere da Season 7), vamos republicar todas as nossas reviews sobre as seis temporadas da série inglesa (que eu AMO), sendo que teremos uma delas por dia, para que a gente possa relembrar tudo o que já vimos da série nova até agora.

Sendo assim, está declarada a nossa Doctor Who Week (♥)

E lembrem-se:

 

Bow ties are cool!

 

ps: e o que foi o Doutor fazendo backing vocal no Ponds Life? Não sei quanto a vcs, mas toda vez que eu vejo o Doutor (ainda mais depois de tanto tempo longe), sinto vontade de abraçá-lo como se não houvesse amanhã. Bem sério. (♥)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Pond Life

Agosto 23, 2012

E não é que os Ponds ganharam um webserie? (♥)

Serão cinco episódios que nos mostrarão um pouco mais do dia a dia dos Ponds, sobre o que aconteceu com a vida do casal entre as Seasons 6 e 7,  eles que vão se despedir da série ainda nessa primeira parte da Season 7 de Doctor Who, que tem estreia marcada para o dia 01/09. (glupt)

A webserie começará a ser exibida no próximo dia 27 e vc pode assistir no site oficial ou no canal da BBC1 no Youtube.

E que delícia ter mais um pouquinho dos Ponds antes dessa cruel/injusta/desnecessária porém quase que obrigatória despedida, não? Super merecido!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Doctor Who Season 7, o trailer

Agosto 2, 2012

Não sei nem dizer o que eu achei mais sensacional nesse trailer da Season 7 de Doctor Who

(sei sim: DINOSSAUROS! rs)

E já começamos o novo ano da série com o episódio “7×01 Asylum of the Daleks”, que provavelmente deve contar com aquela cena deliciosas do Doutor e os Ponds cercados de Daleks pure evil por todos os lados. 

Em Setembro. Anotem…

ps: e confirmou! Ganhei hoje uns presentinhos super foufos de Doctor Who (caneca, adesivos, imã)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

E a Comic-Con 2012 foi ou não foi bem meio assim?

Julho 26, 2012

Tirando o painel de Breaking Bad, que a gente adoraria ter participado, o de Doctor Who que é o nosso sonho do momento enquanto não temos ainda a nossa própria TARDIS (na esperança…)  e o de Fringe, porque somos curiosos no nínel mais alto do colapso entre os universos azul & vermelho, eu diria que a Comic-Con 2012 foi no mínimo bem preguiçosa.

Pouquíssimas novidades, uma ou outra informação sem muita relevância e quase nenhum acontecimento capaz de fazer nós, os nerds que ficaram em casa, a realmente sentir inveja deles, os nerds que compareceram ao evento desse ano… (quem eu quero enganar? Essa inveja vai sempre existir no coração 8-bit de todos nós…humpf!)

Falando em Breaking Bad, que foi sim o painel mais animado EVA da edição desse ano da Comic-Con, cheguei a ficar impressionado com a forma como a série vem se promovendo com muito mais força durante essa sua Season 5, que diga-se de passagem, não está nada menos do que sensacional! (sério, o que foi aquele segundo episódio? Clap Clap Clap! – de pé)

Mas é claro que eles regularam spoilers. Mas vcs querem saber a minha opinião para o final da série?

Walter percebe o monstro que se tornou e o caminho sangrento que percorreu para chegar na sua reta final e acaba se rendendo a morte (por esse ou por aquele momento) e quem deverá sobreviver dessa história toda é mesmo o Jesse, gritando “Yeah Bitch! Magnetics” como se não houvesse amanhã.

Esse é o meu palpite/desejo não mais secreto. Sem mais.

Alguém precisa falar: como a  Anna Torv estava magrona, estava gatona e estava gostosa no painel de Fringe hein?

HÖY! (em caixa alta)

HÖY! (de novo pq ela interpreta 2 papeis na série, rs)

Peter Pacey agradece a sinceridade. 

Mas a nossa mágoa com Fringe esse ano na Comic-Con fica por conta daquele trailer preguiçoso que eles passaram por lá dizendo ser da sua nova temporada, que de novo não tinha nada. NA-DA!

Custava filma 2 segundos em um cenário aleatório com cara de futuro e dizer “2036 is coming…”?

Não, não custava.

#CHATIADO

Agora, vamos falar de moda na Comic-Con?

Que preguiça é essa minha gente? Tô odiando essa postura “sou nerd e não ligo para as modas”, que todo mundo sabe muito bem que não é verdade e sim recalque.

E como lidar com as escolhas do elenco de Community?

Até na festa de aniversário do meu vizinho irritante com filhos mais irritantes ainda da qual eu não fui convidado a participar (sem ressentimentos, mas é sempre de bom tom mandar um kit festa para o vizinho, com bolo, doces sortidos e no mínimo quatro brigadeiros e toda a família brasileira sabe disso) tinha gente mais bem vestida do que isso, ou pelo menos mais esforçada…

Vou fingir que não vi esse amarelo pavor da Gillian Jacobs e continuar a amando loucamente. Te AMO Britta/Gillian! (♥)

E continuar desejando a morte da Annie na próxima temporada. Lá e em Mad Men, claro. Desculpa qualquer coisa, Annie’s boobs!

Já a Mayim Bialik, eu não ligo a mínima que seja cafonona, só porque eu respeito a Blossom até a morte. Ainda mais porque nada que ela vista hoje, seria pior do que o que ela já usou com orgulho no seriado antigo. A não ser que seja algo vintage daquela época antiga, rs.

E quem é vc para falar o contrário, se eu não vejo nenhuma coroa de diamantes na sua cabeça nesse exato momento. Hein?

#RESPECT

I ♥ Amy Farrah Fowler

Se eu encontro o Howard vestido assim na Comic-Con, vou logo achando que é um assistente do office boy e vou logo pedindo o meu mocca chocolata yah yah. Mas tem que ser bem quente.

Não foi buscar ainda querido? (tá, eu me visto assim de vez em quando e se vc me pedir um café eu te mando o doce. WOO)

Gostaria de dizer que mesmo com a Michelle Williams aparecendo maravileeeandtra assim na Comic-Con (e o target? Confere? Mesmo? São pergunta que ela deverá fazer assim que receber o próximo convite), ela não foi a minha muse desse ano. Fuém!

Desculpa qualquer coisa, Mi! (rs)

Falando em muse, gostaria de deixar bem claro que por motivos pessoais, seremos audiência certa na série Arrow, só por conta da magia do Stephen Amell, claro.

Höy!

OK, a gente ama o Zachary Levi, que é o nosso príncipe Disney preferido,  mas não tanto assim a ponto de conseguir ignorar esse outfit em um nível alto de preguiça. Certo?

Certo. Precisa nos conquistar primeiro para depois relaxar Zachy, regra básica para qualquer relacionamento (para o começo e/ou o fim deles, rs)

#NAOTABOMNAO

MUSO da Comic-Con 2012 = Darren Criss

Achamos que ele deve esquecer o gel de vez e assumir o seu curly com orgulho na nova temporada de Glee (que a gente torce para que seja bem boa, só para ter outro TGP, que é melhor ainda, claro!)

Höy!

ps: mantenha a barba. A puberdade deve chegar no McKinley High!

Já que chegamos a essa ponto, vamos falar de magia?

Magia ruiva =  Michael C. Hall = Höy!

A gente não liga mais para o Dexter já faz duas temporadas, pelo menos. Mas é humanamente impossível ignorar o Michael C. Hall em qualquer coisa que ele faça na vida.

Magia da Barba Ruiva = Dave Annable = Höy!

Não temos a menor vontade de assistir sua nova série, a 666 Park Avenue, mas achamos importante alguém em Hollywood escolher assumir o grisalho, mesmo tão novo como o Dave. Acho corajoso e honesto.

ps: beijo para os Walkers antigos, que empatam com a minha própria família no nível de fofoca ao telefone, rs. 

Magia sueca =  Alexander Skarsgard = Höy!

Sempre 3 metros dele. PÁ!

O Frodo a gente nunca vai ter certeza se é legal, por isso passamos…

Mas quem nunca sonhou em fazer a Maria Garupa em Sons Of Anarchy com o agora magia (o único por lá) chefe de tudo?

TODAS! Höy!

Agora parece que é oficial: acabou para o Bill!

Depois dessas 5 últimas temporadas de True Blood, vc ainda consegue achar que ele se parece em alguma coisa com aquele vampiro sentado no Merlotte’s no começo da Season 1?

Eric continua o mesmo desde que cortou o cabelo e fez balaiagem pela primeira vez, tornando-se assim um vampiro de respeito

Mas não parece mesmo!

#NAOTABOMNAO

ps: do Sam eu morro de preguiça, por isso prefiro ignorar e bastava colocar a Tara ali do lado para completar o time daqueles que se morressem, a gente não sentiria a menor falta em True Blood. Sim. 

Agora sim, o meu painel preferido ever dessa Comic-Con. Painel Who?

Karen Gillan, Arthur Darvill e Matt Smith, também conhecido como o melhor Doutor de todos os tempos. Höy!

Posso dizer que foram os que menos se esforçaram e que mesmo assim conseguiram imprimir da magia a sedução?

Cool Cool Cool! (♥³)

E para a Karen Gillan com esse cabelo maravileeeandro em ruivo, vai o posto de nossa MUSE da Comic-Con 2012.

Não só por ela ser a garota que esperou (♥), nem só por ela ter aparecido linda assim (com essa bolsa que é só amor!) e sim por ela ter dito que adoraria ver um episódio de Doctor Who com todos eles presos dentro de um piano (sério, quem diria uma coisa dessas?) e praticamente se convidar para participar de Community, no episódio especial em que eles vão a um evento do Inspetor do Tempo. Howcoolcouldbethat?

I ♥ Amy Pond

Höy!

ps: e não, não tivemos uma preview da Season 7 de Doctor Who esse ano. Humpf!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt


%d bloggers like this: