Posts Tagged ‘Lee Pace’

13 fundamentos que descobrimos e ou confirmamos durante a Comic Con 2013

Julho 31, 2013

1 – O Tom Hiddleston além de magia confirmada, é muito mais legal do que a gente imaginava 

tom-hiddleston-loki-04

E ele ter ido de Loki e sustentado o personagem até o fim durante o painel do novo Thor na Comic Con 2013 foi sensacional. Höy!

 

2 – Confirmou. O Andrew Garfield só pode ser um foufo mesmo #PLIM

andrew-garfield

E não é de hoje que a gente vem falando aqui no Guilt que boy para ser magia de verdade tem que ser bem humorado. Deu sorte, Emma Stone. Mantenha.

 

3 – Tem alguém mais bem acompanhado de Aarons  na vida do que o Senhor Bryan Cranston?

aaron-taylor-johnson-

Não, não tem. Será que ele tem alguma superstição envolvendo o nome, TOC ou seria ação do destino mesmo?

E desde quando o Aaron Johnson ficou desse tamanho todo, hein? (Höy!)

 

4 – Confirmou! O Rodrigo Santoro virou um bobble head

-rodrigo-santor

E sim, essa perda nacional foi sentida, mas isso só durou até a gente bater o olho para a direita e dar de cara com o australiano da magia também confirmada do Sullivan Stapleton, que nem estava no seu melhor angulo, mas ainda assim, Höy!

Já viram Strike Back? Recomendo como soft porn, rs (mentira e recomendo não só por isso, rs, porque a série até que é bem boa, apesar de não ser do meu tipo preferido)

 

5 – Confirmou! Fox Mulder e Dana Scully ainda se odeiam, mas se amam

david-duchovny-gillian-anderson-

E que delícia reencontrar com esses dois de amigos, não?

Mas temos que admitir que o tempo foi bem generoso com ela e ele conseguiu se manter até que dignamente (hoje, estou no mode bondade). Höy!

ps: nunca toquem a música de abertura de The X-Files perto de mim. Obrigado. (#MEDO&PAVOR)

 

6 –  E quem é que consegue olhar para o Lee Pace e não imaginá-lo automaticamente em sua cozinha, fazendo tortas com variedades de recheios e muito bem recheadas, huh?

lee pace

Ninguém ou alguém com muito autocontrole e ou interesses diversos variados e bem diferentes dos nossos, porque do contrário, não há quem não imagine exatamente isso toda vez. Sério. Höy!

E essa carinha faz até a gente esquecer que ele fez “Marmaduke” (uma torta daquelas e a gente promete que esquece para sempre essa parte do seu CV, Lee). #CREDINCRUZ

Lee Pace que estará em uma nova série do AMC, oitentista (confirmou!), sobre nerds (mas não esse tipo de nerds que você pode estar pensando), conspirações e computadores chamada  Halt & Catch Fire. Veremos…

 

7 –  Sério, alguém conhece a receita dessa dieta do Chris Pratt?

chris-pratt

Além da fome que é certa, alguém sabe o que mais é preciso enfrentar para emagrecer o peso do seu gêmeo siames? Porque a vida com opções de massas, doces, frituras e chocolates está difícil para todo mundo.

Mas não é de hoje que o Chris Pratt é magia e ele só redescobriu o seu feitiço depois de perder o seu dobro ao quadrado. Höy!

 

8 – Estamos achando que a fraqueza do novo Superman não é mais a Kriptonita e sim a coxinha

henry-cavill-

Porque o nível de coxismo de seus outfits está ficando pesado para qualquer tipo de herói, não?

Por isso recomendamos um novo stylist com urgência!

 

9 –  Da série casais na Comic Con que nós amamos:

Madden

Richard Madden e Jenna-Louise Coleman, que já eram lindos separados e juntos então, eles completam aquela visão. (♥)

 

10 – Magneto²

michael-fassbender

E que encontro sensacional esse da dupla de Magnetos com o Ian McKellen e o Michael Fassbender, não?

Agora, imaginem o seguinte com a imagem a seguir:

fassy

 

Esses dois brações ruivos (agora enormes, não?) do Fassy te abraçando nessas madrugas gélidas de ultimamente de editor que chega do trabalho em casa as 4h00 da manhã. (#DESABAFANDO)

Sem mais. (pensei em fazer uma piada a respeito do tamanho do Peter Dinklage em uma outra imagem – que também estará no novo X-Men – e um dos membros da anatomia do Fassy que fomos apresentados não tem muito tempo, mas não achei de bom tom)

 

11 – Ainda, o nosso Doutor (♥ + ♥)

matt-smith-doctor-who

Olho para o Matt Smith, mesmo sem a cabeleira invejável e agora com orelhas de Elfo evidentes (ainda vou conversar sobre esse assunto com o Ryan Gosling…) e sinto os meus dois corações acelerar na mesma hora. #PLIM

E para quem não sabe, esse aí ao lado dele é o Craig Ferguson, o dono do melhor Talk Show da noite (e o mais tarde deles, o The Late Late Show), o único para quem eu aceito perder o título de super fã de Doctor Who. O ÚNICO.

Sem contar que não tem como não invejar esse momento da imagem a seguir, ai ai…

matt-smith-jenna-coleman

#TEMCOMONAOAMAR?

 

12 – Say my name, bitches!

aaron-paul-bryan-cranston

Uma das coisas mais legais de qualquer Comic Con e da vida = O Bryan Cranston e Breaking Bad. Fato. (e esse deve ter sido o último painel da série, humpf!)

aaron-paul-bryan-cranston-breaking-bad-2

A segunda coisa mais legal também é o Bryan Cranston, só que ao lado do Aaron Paul e com a sua própria cabeça na mesa. Sério, #TEMCOMONAOAMAR?

E se você ainda tiver alguma dúvida sobre o fato do Aaron Paul ser um dos caras mais legais de Hollywood, assista a esse vídeo abaixo com ele descendo da sua própria casa para conversar com fãs fazendo turismo no seu bairro.

Sério, eu já separava mais um Emmy para ele só por isso. (♥)

#QUERIDÃO

13 – Clap Clap Clap!

amy pond

Não, você não está com qualquer tipo de problema de visão e sim, essa é a nossa Amy Pond, que não pensou duas vezes e raspou seus lindos cabelos ruivos pelo seu papel em “Guardians Of The Galaxy”.

Foi um susto? Foi. (ainda mais quando ela apareceu de peruca e só depois revelou o seu novo visual)

Invejamos cada fio ruivo daqueles que devem ter ficado no chão no dia desse crime? Invejamos.

Mas atriz é atriz e a Karen Gillan que a gente já AMAVA, só subiu no nosso conceito depois disso. Clap Clap Clap!

E a propósito…

gillan pace

… com o acessório certo (nesse caso, o acessório sendo claramente o Lee Pace), não tem careca certa que não tenha jeito.

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Duas semanas de férias. Será que perdemos muita coisa?

Julho 23, 2012

Praticamente duas semanas de merecidas férias, longe de tudo e de todos por aqui. Mas será que perdemos muita coisa durante esse tempo?

Como não gosto de ficar com a sensação de que não comentamos algum plot daqueles que possa ter ocorrido durante esse período, resolvi fazer um momentão “flashback” com tudo o que de importante (importante para quem neam?) aconteceu nessas duas últimas semanas. Preparados para essa carga de updates importantíssimos em uma dose única?

Hugh Jackman também esteve de férias, só que em Sydney e parece que por lá, pelo bem do seu grande segredo permanecer escondido e trancado a sete chaves douradas com glíter, ele ofereceu seus dois mamilos para Iemanjá em troca do silêncio selado em adamantium sobre alguns plots de sua vida.

Como respeitamos toda e qualquer religião/posição, achamos bem bacana o ritual e oferecemos 1/2 bolacha Trakinas (sem a parte do recheio) para quem conseguir achar qualquer um dos seus dois mamilos na imagem acima. Valendo!

#NANOMAMILISMO

 

ps: não vale fazer a criativa e desenhá-los na foto hein?

Enquanto isso em NY, a barra pesava para cima de Suri, que já está sofrendo na pele as consequências da separação dos seus pais, sendo apresentada a um modelo Leeleeca Reepeeleeca pela primeira vez,  do tipo que  ela imaginava que só a vassalagem usava, algo que Suri não conseguiu aceitar muito bem depois de ter experimentado por tanto tempo apenas tecidos nobres, cortes precisos e caimentos perfeitos de suas roupas assinadas e de grífem.

Força Suri e seja bem vinda ao mundo do pé no chão com direito a um velho e bom poliéster de vez em quando!

#CHATIADINHA

 

ps: não sabemos se é verdade tudo que vem saindo na imprensa a respeito dos reais motivos da separação do casal e o fato da Katie estar tentando rever os conceitos sobre a criação da pequena Suri, mas já achamos esse fundamento bem mais bacana e adequado a idade da pequena, que sempre foi o motivo da nossa implicância com a mesma. Go Katie! Go Katie!

Em uma terra onde as leis do Bad Photoshop são seguidas a risca, conseguiram transformar a magia do Lee Pace (quem nunca sonhou em comer no buraco da torta desse homem que atire a primeira meia dúzia de morangos podres, NOW) em qualquer coisa nesse poster mais do que pavoroso do novo filme de “Twilight”, do qual a gente só não consegue sentir mais preguiça porque resolvemos não dar a menor atenção desde o primeiro deles todos. ZzZZZ

Acho um pecado (isso e ele ter aceito um papel na franquia). Acho uma heresia e acho que alguém deveria ser responsabilizado por esse crime da mão pesada no Photoshop. Chega de impunidade, queremos justiça! Devolvam a magia do nosso Lee Pace, NOW!

#NAOTABOMNAO

Nesse meio tempo, acabamos descobrindo que não é só True Blood que está ficando bem meio assim ultimamente (continuo achando essa Season 5 bem difícil…) e até o seu time de boys magia já começou a sofrer as consequências da decadência da série, que foi o que descobrimos com essa imagem do Ryan Kwanten com esses braços assustadoramente veiudos. EW!

Me digam, de onde é que surgiram todas essas veias que a gente nunca tinha percebido antes? Hein?

#DECEPCÃODEFINE

Que a maldição demore para chegar na parte sueca da série. Amém!

 

ps: tudo bem que o Jason aparecendo com PJ do He-Man foi um momento bem foufo em um dos últimos eps da série, mas juro que esse mesmo ep eu quase não consegui reconhecer como um episódio de True Blood. Sério, sem exagero. 

E não é que a Madonna resolveu lançar vídeo novo para o single de “Turn Up The Radio”?

SIM!

E não é que mesmo tendo sido gravado em Roma e contendo um certo nível de magia até que interessante, ele é bem meio assim?

SIM!

Querida Madonna, é preciso mais do que meia dúzia de magia do lado de lá para distrair a gente de tamanha vergonha. E quando o single não é lá essas coisas mas mesmo assim vc resolve insistir, o vídeo pelo menos tem que ser mais esforçado do que isso, a senhora não acha?

#CARADEREDUÇÃODECUSTOS

#NÃOSOBROUUMTROCADONEMPARAPAGARAFIGURAÇÃO

 

ps: músicas que nunca vão entrar nas minhas playlists. Checked ✓

E olha só quem resolveu aparecer por aqui?

Colin Farewell!

Höy!

Ele que apareceu e fez o que todos deveriam fazer em suas visitas ao nosso país, que é nos pagar a hospitalidade e todo o nosso calor humano com um shirtless para a gente dar aquela conferida se ainda vale a pena investir na carreira de stalker em nome da magia alheia.

E com isso, Colin conseguiu provar que a sua magia continua toda ali. Höy!

Vc ai, sentado na sua cadeira reclamando do mundo, que tudo andou dando errado na sua vida (passei por cada plot drama dramático nessas férias… Xocotô!), dizendo que vc não é uma pessoa de muita sorte, quando tem criança tendo que enfrentar sérias dificuldades no seu  dia a dia e isso tão cedo, como o Zuma tendo que enfrentar esse obstáculo em sua jovem vida.

Se fosse vc, teria vergonha de reclamar dos seus problemas estando de cara com uma imagem de coragem & superação como essas… Shame on you!

#TEMCOMONAOAMAR?

Entramos de férias, deixamos nossos leitores com pencas de links amigos recheados com todo o nosso fundamento, mas parece que tem gente que não conseguiu aprender nada, neam?

Certamente, a Miley Cyrus não é uma leitora do Guilt. E o que a gente tem a dizer sobre isso? AMÉM!

E que macacão mais pavoroso em jeans é esse minha gente? E essa cara de derrota com pouco ou nenhum make? E a tattoo de apanhador de pesadelos? (porque sonhos nesse caso fica difícil de aceitar…)

Olho para essa imagem e sinto vergonha, um pouco de náusea, sinto também uma vontade enorme de ter uma conversa bem séria com os responsáveis da família Hemsworth, além de só conseguir lembrar dessa outra imagem icônica aqui ó:

(♥)

Amor eterno selado em jeans estonado. VAVAVOOM!

Mas se não era bom nem naquela época antiga, imagine hoje em dia, hein Miley?

Mesmo assim, quantos pedaços de pão velho a gente daria para ver a Miley repetir com o seu boy magia o que o casal acima fez no passado, hein?

Aguardamos ansiosamente por esse look combinanders do casal… (ZzZZZ)

E essa imagem da Riwanna que também esteve de férias durante esse mesmo período, serve para nos deixar ainda mais felizes pelo fato de que o nosso cabelo  se manteve muito mais em dia do que o da própria durante a nossa própria vayvay (rs)

#CONTINUANÃOESTANDOBOMNÃO

Como não só de desgraça vive o homem, terminamos o nosso update de plots que podemos ter perdido durante esse período, dando aquela checada na magia Gosling, que ao que tudo indica, mesmo com direito a t-shirt podrinha com furo no sovaco (que a gente torce para que não seja depilado, porque assim não dá neam? Se bem que os nossos padrões são outros quando o assunto é o Ryan Gosling, rs) continua exatamente como a gente deixou antes de sair de férias. #HOTASHELL

Então vamos lá queridos leitores, para comemorar a nossa volta e encerrar esse momentão flashback de férias, vamos ao nosso grito de guerra preferido em uma só voz: HÖY!

E é isso. That’s all folks! Agora que estamos devidamente atualizados, podemos declarar que voltamos oficialmente. Yei!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Ceremony – Aproveitando a boa leva de casamentos fundamento de ultimamente

Setembro 7, 2011

Gostosinho. Aproveitando que ultimamente tivemos alguns casamentos que nos fizeram repensar os conceitos sobre o assunto  (assim espero), como com aquele fundamento todo do casamento da Kate Moss e nesse finde a surpresa do casamento do Mark Ronson, resolvi tirar da minha lista à assistir  “Ceremony”, filme do Diretor Max Winkler que tem um casamento como tema central da sua história e que tem também no elenco nomes animadores como Uma Thurman e Lee Pace. Höy!

Mas por mais incrível que possa parecer, ambos acabam figurando como coadjuvantes para a revelação de um novo talento, que para mim foi uma total surpresa: Michael Angarano

Para quem não esta se lembrando, sim, ele foi o filho do Jack em Will & Grace, ainda quando criança. Mas o garoto cresceu, nem tanto assim porque ele é baixinho e a Uma até usa isso como artifício para piada no meio do filme, mas acabou revelando nesse trabalho que tem um enorme talento e assim foi o grande personagem em destaque no meio de figuras onde uma tarefa como essa não é nada fácil. Clap Clap Clap! (fiquei bem impressionado meeesmo!)

Ele interpreta Sam Davis, um escritor meio falido de histórias infantis, que aproveita da total inocência do seu melhor amigo, para convencer o cara a seguir em uma viagem em sua companhia, da qual ele esconde o seu verdadeiro propósito. Na verdade, a sua intenção é ir até o casamento da mulher que ele ama (Uma Thurman, “Zoe”) e arruinar com o seu casamento, mesmo tendo passado apenas uma noite com essa mulher no passado e após isso, apenas se comunicar por cartas ou cartões postais. E para o seu amigo, ele inventa uma história qualquer que essa seria uma viagem para recuperar a amizade dos dois, o que é claro que é apenas um papo furado usado como desculpa para ele ganhar um cúmplice.

O filme inteiro gira em torno desse tal casamento, que tem um cenário sensacional de um casarão a beira do mar (talvez se passe em Hamptons, não sei), com inúmeros convidados passando o final de semana dentro daquele ambiente repleto de figuras exóticas, tudo isso para comemorar o casamento do casal e tmbm o aniversário do noivo (Lee Pace, Höy!).

Festas regadas a muita bebida, confort food e convidados colocados surgindo por todos os cantos da casa. Muita fita pendurada (o que me lembrou a capa da Jalouse de 2009 com o Mark Ronson, que eu mostrei para vcs aqui), texturas diferentes pelo local, passando pelos vestidos das convidadas até as mantas que eles usam em diversos momentos do filme. O figurino também é um caso a parte, sempre com muito fundamento mas sem nenhuma forçação de barra ou hype, onde todo mundo parece estar confortável o tempo todo, algo que não é muito comum em casamentos. E aquela iluminação antiga que é linda, repleta de pequenas luzes e luminárias que compõem o cenário, além de uma iluminação natural belíssima (e que me lembrou o casamento da Kate, que eu também já mostrei aqui no Guilt). Em um dos momentos da festa, durante um jantar no meio do jardim a noite, aquela mesa gigante e improvisada, com muita comida, bebida e aquelas luminárias em tons de laranja até o amarelo, me lembraram muito a cena do chá com o Chapeleiro Maluco de “Alice In Wonderland”. Foufo mil.

O filme é carregado de diálogos sinceros sobre todos os tipos de relação, desde a amizade entre Sam e o seu amigo poblemático Marshall (Reece Thompson), até a discussão do relacionamento entre a noiva + noivo + o jovem escritor. Tudo bem direto, sincero e com aquele tom de dramédia que a gente tanto gosta.

Sam é um sonhador, que jura que esta sendo honesto com ele mesmo, até que chega a conclusão no decorrer do filme que talvez ele não esteja sendo tão honesto assim. A sua intenção naquele momento era realmente a de destruir aquela festa e roubar a mulher que ele amava, mas talvez ele não tenha pensado essa história por todos os lados, com os olhos de todos os envolvidos na questão. Imaturo, mas encantador.

Lee Pace que é o noivo (Whit), tmbm esta encantador com o seu sotaque very british, meio paspalhão e ao mesmo tempo tmbm bem apaixonado por sua futura mulher. Até que perto do final, descobrimos que ele estava ciente o tempo todo da aventura no passado entre a sua noiva e o jovem escritor, algo que aparentemente ele até parecia estar bem resolvido sobre o assunto. Mas como ninguém é tão desprendido assim, é claro que em alguns momentos ele se comporta como um homem normal, competitivo e tentando mostrar quem tem mais força dentro daquele ambiente, a velha briga para provar quem é o macho alpha, mesmo quando em um certo momento ele até baixa a guarda e deixa no ar que ele esta ciente de que não será o suficiente para as necessidades da sua futura esposa e tudo bem para ele se tiver que ser assim. Moderno não?

Uma Thruman, que interpreta a noiva (Zoe) já me pareceu a mais inconstante dentro desse relacionamento. Sabe aquele tipo de pessoa que consegue se apaixonar por qualquer coisa e se desinteressar com a maior facilidade desse mundo? Então ela é meio assim, o que já não é surpresa nehuma para o seu até então noivo, que se conforma e aceita estar com alguém assim, mas que esse fato acaba se revelando ser um problema para Sam Davis, o que de certa forma acaba um pouco com a magia da ideia que ele tinha para essa relação de amor, que ele pretendia roubar para ele mesmo.

Sam apesar de menor (rs), muito mais jovem do que o casal (acho que ele tinha uns 25 anos no filme) e parecer bem mais imaturo em diversas circunstâncias, é um personagem com um carisma absurdo, cheio de trejeitos e cuidados especias com quem ele se importa e certamente o personagem mais corajoso e forte do longa. A relação entre ele e o amigo problemático, embora revele ter algum interesse a mais e um certo “oportunismo”, acaba sendo uma das mais foufas no filme, uma relação de carinho que certamente não foi construída do dia para a noite.

Muito mais do que o propósito até um tanto quanto egoísta de Sam, de tentar estragar o dia do casamento da sua amada (embora ele não faça nada durante o filme quase todo que leve realmente a esse fato), o personagem tem uma missão muito clara, que é a de mostrar para aquela mulher que não consegue se decidir, que talvez aquele não seja o melhor momento para começar um casamento, muito provavelmente com um homem que não é o seu verdadeiro amor. Não enquanto vc tem outro em mente como possibilidade…mesmo que distante e improvável. Mas isso é uma decisão dela e o papel do escritor no filme é apenas de demonstrar essas possibilidades.

O filme é curto, solto e vc se sente como um convidado para aquela festa de casamento. Apesar do desfecho não ser exatamente o final para o qual vc passou boa parte do filme torcendo, podemos dizer que a missão do escritor foi realizada, mesmo que para isso ele tenha feito uma lista de prós a favor do seu rival, que ele deixou de “presente” para os noivos. (euri)

Uma delícia de filme e que só pelo casamento fundamento já valeria a pena para quem sabe animar uma grande maioria a ter novas ideias para um dia que deve ser mesmo tão especial. Se vc estiver perto ou pensando em encarar o altar, fikdik…

Jim Parsons e Lee Pace juntos na Broadway

Março 11, 2011

E não é que dois dos personagens mais queridos (por mim, rs) da tv vão se juntar na Broadway?

Sim, a produção com o nome “The Normal Heart” já tem o nome dos dois atores no elenco. Promissor, não?

Será que é dessa vez que finalmente vou me encontrar com Sheldon Cooper em pessoa, só que disfarçado?

E será que é dessa vez que o pie maker mais foufo ever vai me servir uma torta?

Ansioso mil!

ps: acabei de rever o meu box da Season 2 de Pushing Daisies. Que série maravileeeandra, não?

“A Single Man” e a beleza solitária de Tom Ford

Maio 11, 2010

Sensível e bonito de se ver. Essas foram as minhas primeiras impressões do trabalho de Tom Ford em seu primeiro Longa “A Single Man”. O filme é triste, melancólico, mas de uma beleza excepcional.

Provavelmente muito influenciado pelo seu trabalho no mundo da moda, o filme tem uma plasticidade que chega a ser absurda, com muitos detalhes, impecável! Tudo esta no seu lugar, tudo pertence onde se encontra. Só mesmo uma pessoa apaixonada pela beleza conseguiria chegar a esse resultado. Uma chance de enxergar o mundo pelos olhos de Tom Ford. Primoroso.

A história investe em um luto e os sentimentos que essa perda desperta. Perder alguém querido não é fácil e todos nós sabemos disso. Mas perder uma parceiro de vida, de 16 anos de convivência para um trágico acidente certamente é ainda mais difícil.

A cena em que vemos o personagem principal ao lado do seu amado, morto e no local do acidente é de muita tristeza e de muita beleza também, fato.

Tudo isso com os 60’s de cenário para contar essa história de amor trágica, que envolve questões que para a época não somente eram um grande tabu, como eram também ignoradas pela sociedade que se recusava a conhecer algo novo, diferente. Algo que pode se distanciar do que estamos vivendo hoje, mas que ainda se faz presente em nossa socieadade. O preconceito e a intolerância presentes nessa história de amor que se mantinha escondida para a sua própria sobrevivência. “Não vamos lidar com a situação, preferimos ignora-la”…infelizmente é o que muita gente prefere até hoje em relação as minorias.

Colin Firth me emocionou com a delicadeza do seu professor metódico, envelhecido, sozinho e triste, sobrevivente dessa história de amor de final trágico. Sua expressão quando seu personagem recebe a triste notícia da morte do seu parceiro é excepcional, tendo que manter as aparências ainda no telefone enquanto ouve de um familiar que além de tudo, a sua presença não seria bem vinda ao funeral. Triste e real, situação possível de ser repetida até hoje, em menor número, mais que ainda é possível de acontecer.

Seu personagem, George, se desmancha em lágrimas e quase desaparece sentado naquela poltrona enquanto absorve a informação de que o seu amado esta morto. Sempre fui fã do seu trabalho como ator, mas com essa atuação ele me ganhou de vez (e o sotaque british sempre colaborando pencas nas minhas escolhas, rs). Esqueça os trejeitos e características pessoais do ator, aqui Colin é um homem sério, que esta sofrendo por ter que lidar com essa situação de solidão precoce e inesperada.

George é um homem correto, alinhado, um professor apaixonado por sua profissão. Por onde passa, o charme de sua personalidade misteriosa e séria gera interesse dos demais, seja na escola ou em uma loja de conveniência. Talvez seja o charme das armações pretas e grossas de seus óculos, que é o meu apelo atual, fatão! (rs)

Durante o filme acompanhamos a sua forma de lidar com esse luto, que por sinal não é das melhores. Até que o seu personagem resolve por um fim a sua própria vida, vivendo o seu último dia antes de cometer o suicídio.

A cena angustiante em que o personagem “ensaia” por diversas vezes o disparo fatal é desesperadora. Na cama, com o saco de dormir, no chuveiro, ele não consegue decidir um forma digna de morrer, talvez pelo seu modo metódico demais de viver e não por falta de coragem. Tudo calculado com antecedência, facilitando inclusive a vida de quem tiver que lidar com a burocracia da sua morte.

E tem ainda a  relação com a sua melhor amiga e talvez “alma gêmea” que é de muita sinceridade e pode parecer até grosseira para a maioria das pessoas. Mas de um certo modo isso funciona para eles e assim os dois mantém a relação de amizade do casal  por tantos anos, uma relação honesta e sincera, e em alguns momentos talvez até demais.

Julianne Moore empresta sua beleza para essa mulher (a amiga) depressiva e infeliz, que vive de memórias boas do passado. Fico imprecionado com o tamanho da beleza dessa mulher, acho que ela é uma das poucas atrizes de sua geração que ficarão para a história como as nossas divas de agora.

Digna, bela e talentosa. Seu personagem, Charley, é inquieta, perturbada, quase invejosa, mas presente e é para quem George recorre imediatamente quando fica sabendo do trágico acidente com o seu grande amor.

O filme ainda conta com a participação de Matthew Goode (Jim) que é a outra metade do casal principal do filme. Seu personagem é quase um estereótipo da perfeição. E ele aparece em memórias de seu amado, relembrando os bons momentos que viveram juntos em sua casa de vidro (que por sinal é incrível).

E tmbm temos o jovem ator Nicolas Hoult como Kenny, fazendo o típico aluno apaixonado pelo professor mais velho e bem sucedido, buscando entender um pouco mais da sua condição. Fica para ele a tarefa de mostrar para George que nem tudo esta perdido e que é possível recomeçar.

E ainda tem o Lee Pace que dá um carão no filme, mas que não colabora muito com nada em uma cena que o que importa mesmo é o que esta acontecendo ao fundo, rs.

A fotografia do filme é algo a se destacar. Tudo é tão perfeito, tão arrumado que fica difícil acreditar em toda aquela organização. Mesmo quando não estamos  falando do cenário de convivência do personagem principal que justificaria tamanha obsessão por organização.

E os figurinos? Que perfeição não? Sem exageros, clean. Tudo bem que estamos falando de um filme do Tom Ford e isso não seria nenhuma surpresa.

Ternos bem cortados, alinhados, sapatos incrívelmente polidos, tudo muito clean. Os figurinos que se destacam mais na minha opinião são os da figuração, que transitam pelos cenários do filme. Muita informação de  moda e estilo, até mesmo quando trata-se do figurino das crianças, tudo muito bem cuidado, cheio de detalhes e bonito de se ver.

Tom Ford teve uma grande importância no mundo da moda, transformou a Gucci em algo que ela não é mais hoje em dia, talvez  até por sua ausência na marca atualmente. Sempre foi fã de fotografia e o melhor disso é que ele sempre foi ousado, nunca teve medo de provocar. Quando fiquei sabendo que ele faria um filme, eu tinha certeza de que seria algo belo, afinal ele sempre enxergou a beleza como ninguém.

E como diretor de cinema ele também se deu muito bem. Talvez a fama de metódico e controlador com o seu trabalho tenha colaborado para o resultado final de “A Single Man”. Cenas sutis, carregadas de emoções, as vezes contidas, as vezes exageradas. A saturação das cores nos momentos em que o personagem principal esta “sentindo” algo importante ou que de certa forma mexe com ele é de uma delicadeza notável. Pra vcs terem uma idéia, o cara consegue fazer uma cena com o ator principal sentado na privada (fazendo o que todos fazem quando estão sentados na privada) ficar elegante…comofaz?

E o resultado final do filme é surpreendente, quando o destino resolve tomar de volta as rédias da situação, não sem antes mostrar como demoramos demais para enxergar aquilo que não estamos preparados para ver ainda.

Mal posso esperar para um novo trabalho do agora tmbm diretor Tom Ford. Clap Clap Clap!

Uma pena o filme ganhar o título traduzido bocó de “Direito de Amar” por aqui…coisa mais cafona neam? Deixa a Tom Ford ficar sabendo disso…

Eu sei que eu já postei o trailler do filme por aqui faz tempo, mas eu acho tão digno que nunca é demais não é mesmo?

ps: DVD que deverá ir para o santuário, fatão!

Calvin Klein tombando com todo mundo na primeira fila hein? Hoy!

Fevereiro 14, 2010

Neam? Hoy Hoy Hoy Zzzzz Hoy!

ps: LOVE Lee Pace, LOVE!

A Single Man

Dezembro 9, 2009

Madonna apareceu toda coberta na pré estréia do primeiro filme do Tom Ford…mas porque será hein Mad? Tah fazendo a linha comportada esticada? Fail…(mas eu ando adorando esse cabelón retrô que Mad adotou ultimamente…mas a melhor referência não vêm dessa foto, fato)

Julianne Moore é uma danadeeenha neam? E nem confi para o tempo! Sempre digna! LOVE Julianne Moore, LOVE!

Colin Firth eu queria ser amigo e não é por acaso que o cara é superamado no mundo inteiro neam? LOVE Colin Firth, LOVE! E dizem que ele esta ahazando no papel principal do filme, coisa que eu não duvido. E o elenco ainda conta com o Nicholas Hoult (Skins) e…preparem-se, Lee Pace (Pushing Daisies R.I.P)! Hoy!


%d bloggers like this: