Posts Tagged ‘Mayim Bialik’

E a Comic-Con 2012 foi ou não foi bem meio assim?

Julho 26, 2012

Tirando o painel de Breaking Bad, que a gente adoraria ter participado, o de Doctor Who que é o nosso sonho do momento enquanto não temos ainda a nossa própria TARDIS (na esperança…)  e o de Fringe, porque somos curiosos no nínel mais alto do colapso entre os universos azul & vermelho, eu diria que a Comic-Con 2012 foi no mínimo bem preguiçosa.

Pouquíssimas novidades, uma ou outra informação sem muita relevância e quase nenhum acontecimento capaz de fazer nós, os nerds que ficaram em casa, a realmente sentir inveja deles, os nerds que compareceram ao evento desse ano… (quem eu quero enganar? Essa inveja vai sempre existir no coração 8-bit de todos nós…humpf!)

Falando em Breaking Bad, que foi sim o painel mais animado EVA da edição desse ano da Comic-Con, cheguei a ficar impressionado com a forma como a série vem se promovendo com muito mais força durante essa sua Season 5, que diga-se de passagem, não está nada menos do que sensacional! (sério, o que foi aquele segundo episódio? Clap Clap Clap! – de pé)

Mas é claro que eles regularam spoilers. Mas vcs querem saber a minha opinião para o final da série?

Walter percebe o monstro que se tornou e o caminho sangrento que percorreu para chegar na sua reta final e acaba se rendendo a morte (por esse ou por aquele momento) e quem deverá sobreviver dessa história toda é mesmo o Jesse, gritando “Yeah Bitch! Magnetics” como se não houvesse amanhã.

Esse é o meu palpite/desejo não mais secreto. Sem mais.

Alguém precisa falar: como a  Anna Torv estava magrona, estava gatona e estava gostosa no painel de Fringe hein?

HÖY! (em caixa alta)

HÖY! (de novo pq ela interpreta 2 papeis na série, rs)

Peter Pacey agradece a sinceridade. 

Mas a nossa mágoa com Fringe esse ano na Comic-Con fica por conta daquele trailer preguiçoso que eles passaram por lá dizendo ser da sua nova temporada, que de novo não tinha nada. NA-DA!

Custava filma 2 segundos em um cenário aleatório com cara de futuro e dizer “2036 is coming…”?

Não, não custava.

#CHATIADO

Agora, vamos falar de moda na Comic-Con?

Que preguiça é essa minha gente? Tô odiando essa postura “sou nerd e não ligo para as modas”, que todo mundo sabe muito bem que não é verdade e sim recalque.

E como lidar com as escolhas do elenco de Community?

Até na festa de aniversário do meu vizinho irritante com filhos mais irritantes ainda da qual eu não fui convidado a participar (sem ressentimentos, mas é sempre de bom tom mandar um kit festa para o vizinho, com bolo, doces sortidos e no mínimo quatro brigadeiros e toda a família brasileira sabe disso) tinha gente mais bem vestida do que isso, ou pelo menos mais esforçada…

Vou fingir que não vi esse amarelo pavor da Gillian Jacobs e continuar a amando loucamente. Te AMO Britta/Gillian! (♥)

E continuar desejando a morte da Annie na próxima temporada. Lá e em Mad Men, claro. Desculpa qualquer coisa, Annie’s boobs!

Já a Mayim Bialik, eu não ligo a mínima que seja cafonona, só porque eu respeito a Blossom até a morte. Ainda mais porque nada que ela vista hoje, seria pior do que o que ela já usou com orgulho no seriado antigo. A não ser que seja algo vintage daquela época antiga, rs.

E quem é vc para falar o contrário, se eu não vejo nenhuma coroa de diamantes na sua cabeça nesse exato momento. Hein?

#RESPECT

I ♥ Amy Farrah Fowler

Se eu encontro o Howard vestido assim na Comic-Con, vou logo achando que é um assistente do office boy e vou logo pedindo o meu mocca chocolata yah yah. Mas tem que ser bem quente.

Não foi buscar ainda querido? (tá, eu me visto assim de vez em quando e se vc me pedir um café eu te mando o doce. WOO)

Gostaria de dizer que mesmo com a Michelle Williams aparecendo maravileeeandtra assim na Comic-Con (e o target? Confere? Mesmo? São pergunta que ela deverá fazer assim que receber o próximo convite), ela não foi a minha muse desse ano. Fuém!

Desculpa qualquer coisa, Mi! (rs)

Falando em muse, gostaria de deixar bem claro que por motivos pessoais, seremos audiência certa na série Arrow, só por conta da magia do Stephen Amell, claro.

Höy!

OK, a gente ama o Zachary Levi, que é o nosso príncipe Disney preferido,  mas não tanto assim a ponto de conseguir ignorar esse outfit em um nível alto de preguiça. Certo?

Certo. Precisa nos conquistar primeiro para depois relaxar Zachy, regra básica para qualquer relacionamento (para o começo e/ou o fim deles, rs)

#NAOTABOMNAO

MUSO da Comic-Con 2012 = Darren Criss

Achamos que ele deve esquecer o gel de vez e assumir o seu curly com orgulho na nova temporada de Glee (que a gente torce para que seja bem boa, só para ter outro TGP, que é melhor ainda, claro!)

Höy!

ps: mantenha a barba. A puberdade deve chegar no McKinley High!

Já que chegamos a essa ponto, vamos falar de magia?

Magia ruiva =  Michael C. Hall = Höy!

A gente não liga mais para o Dexter já faz duas temporadas, pelo menos. Mas é humanamente impossível ignorar o Michael C. Hall em qualquer coisa que ele faça na vida.

Magia da Barba Ruiva = Dave Annable = Höy!

Não temos a menor vontade de assistir sua nova série, a 666 Park Avenue, mas achamos importante alguém em Hollywood escolher assumir o grisalho, mesmo tão novo como o Dave. Acho corajoso e honesto.

ps: beijo para os Walkers antigos, que empatam com a minha própria família no nível de fofoca ao telefone, rs. 

Magia sueca =  Alexander Skarsgard = Höy!

Sempre 3 metros dele. PÁ!

O Frodo a gente nunca vai ter certeza se é legal, por isso passamos…

Mas quem nunca sonhou em fazer a Maria Garupa em Sons Of Anarchy com o agora magia (o único por lá) chefe de tudo?

TODAS! Höy!

Agora parece que é oficial: acabou para o Bill!

Depois dessas 5 últimas temporadas de True Blood, vc ainda consegue achar que ele se parece em alguma coisa com aquele vampiro sentado no Merlotte’s no começo da Season 1?

Eric continua o mesmo desde que cortou o cabelo e fez balaiagem pela primeira vez, tornando-se assim um vampiro de respeito

Mas não parece mesmo!

#NAOTABOMNAO

ps: do Sam eu morro de preguiça, por isso prefiro ignorar e bastava colocar a Tara ali do lado para completar o time daqueles que se morressem, a gente não sentiria a menor falta em True Blood. Sim. 

Agora sim, o meu painel preferido ever dessa Comic-Con. Painel Who?

Karen Gillan, Arthur Darvill e Matt Smith, também conhecido como o melhor Doutor de todos os tempos. Höy!

Posso dizer que foram os que menos se esforçaram e que mesmo assim conseguiram imprimir da magia a sedução?

Cool Cool Cool! (♥³)

E para a Karen Gillan com esse cabelo maravileeeandro em ruivo, vai o posto de nossa MUSE da Comic-Con 2012.

Não só por ela ser a garota que esperou (♥), nem só por ela ter aparecido linda assim (com essa bolsa que é só amor!) e sim por ela ter dito que adoraria ver um episódio de Doctor Who com todos eles presos dentro de um piano (sério, quem diria uma coisa dessas?) e praticamente se convidar para participar de Community, no episódio especial em que eles vão a um evento do Inspetor do Tempo. Howcoolcouldbethat?

I ♥ Amy Pond

Höy!

ps: e não, não tivemos uma preview da Season 7 de Doctor Who esse ano. Humpf!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Anúncios

Lembra de quando The Big Bang Theory era uma boa série de comédia?

Maio 16, 2012

Então, parece que isso já faz tanto tempo, não? Pelo menos essa é a minha sensação…

Hoje, a comédia que acaba de encerrar a sua Season 5, já tendo até mais duas temporadas garantidas pela frente, se encontra apenas no posto de mais uma série de comédia na TV. E só.

Claro que a gente que permaneceu enquanto audiência, continua com um carinho enorme por seus personagens, que durante algum tempo foram realmente sensacionais. Mas cinco temporadas após a sua estréia, é notável que existe um certo cansaço no ar em The Big Bang Theory, cansaço esse que não vem de hoje, mesmo com eles se esforçando para renovar a fórmula da série, que obviamente já se encontra bem desgastada. E talvez esteja exatamente nessa tentativa de se renovar o maior defeito hoje da série.

E essa tentativa de renovação da fórmula da série acabou acontecendo justamente com a entrada das meninas para o grupo, agora contando apenas com as duas sobreviventes (descanse em paz no mármore do inferno, Priya!), Bernadette e Amy Farrah Fowler. E é claro que a entrada definitiva das duas novas personagens para o elenco, trouxe algumas mudanças para a dinâmica do grupo, positivas e negativas. O que eu nem considero de todo ruim, porque essa presença feminina na série acabou trazendo alguns benefícios para a mesma. Mas por outro lado, o grande sucesso de The Big Bang Theory sempre esteve na relação do grupo em si e não em suas possíveis tentativas amorosas, não o tempo todo e por esse motivo, a novidade apesar de fresca, não significa necessariamente que tenha sido a melhor opção de renovação. É claro que esse detalhe fazia parte de um todo, onde sempre foi bastante engraçado ver a dupla Howard e Raj por exemplo, investindo na procura de garotas. Mas fazer disso um plot muito presente durante uma temporada inteira, a ponto de modificar bem toda a dinâmica do grupo, acabou de certa forma prejudicando a série, por isso eu considero essa tentativa de renovação por meio desse caminho “do coração” como um ato falho.

E vejam bem, quando eu digo isso, eu não quero dizer que eu acho que eles devam permanecer sozinhos, acompanhados apenas de suas HQs muito bem conservadas e de seus bonecos colecionáveis, para sempre. Não é isso. Mas acho que eles não precisavam que essas questões de amor tomassem mais tempo em suas histórias do que qualquer outro plot típico nerd, por exemplo.

Mas como essa mudança já foi feita e agora não tem mais volta, quem poderia imaginar que logo o Doutor Sheldon Cooper iria acabar funcionando muito bem ao lado da sua candidata a namorada, a senhorita Amy Farrah Fowler?

Amy (Mayim Bialik – I ♥ Blossom) que dessa nova safra de personagens, foi sem dúvidas quem mais veio se destacando no elenco desde a Season 4. E como não amar as suas investidas para cima do gélido Sheldon Cooper (investidas de sucesso até, embora ainda não exatamente como ela gostaria, rs), ou até mesmo a paixão que ela mantém descaradamente pela Penny? (aliás, as duas juntas são sempre bem boas também)

Achava pouco provável que o Sheldon conseguisse se sair bem com uma namorada, mas o impossível se confirmou com esse casal dos mais adoráveis. Juntos, ambos funcionaram muito bem, o que acabou nos rendendo alguns bons momentos durante toda essa Season 5. O que foi o momento de total descontrole em que ela ganhou uma tiara de diamantes do Sheldon? Algo que chegou bem próximo daquela cena do passado glorioso da série, com o Sheldon ganhando da Penny o guardanapo autografado pelo Leonard Nimoy. (Live long and prosper!)

Mas é fato que desde algum tempo, eu venho acompanhando a série com um certo custo. Para ser mais preciso, posso dizer que isso vem acontecendo desde a temporada anterior. Mas mesmo assim, eu não consigo não torcer pelo casal Shamy, aceitando de coração aberto a entrada da Amy Farah Fowler na vida do Sheldon e acredito que esse deva ser um sentimento comum em relação aos fãs da série com a nova personagem. Aliás, AMO falar esse nome, AMO!

E nessa renovação de elenco, quem de certa forma acabou sendo prejudicada foi a própria Penny (Kaley Cuoco), que dessa forma acabou sendo deslocada para o núcleo cor de rosa da série (e ele não inclui o Raj, rs). Cada vez mais distante dos meninos e passando um bom tempo sem a companhia do Leonard, sobrou para ela o posto de “ponte” para as novas personagens, criando assim alguns momentos do tipo “clube da Luluzinha” na série nerd que a gente não havia vivenciado até então, o que de certa forma também foi bem bacana. Mas esse foi um deslocamento um tanto quando injusto, porque a essa altura, já era bastante difícil considerar aquele grupo de nerds, sem lembrar da Penny, sempre fazendo um contraponto bem divertido do outro lado do corredor. Mas apesar disso, quando ela esteve ao lado da Amy durante esse temporada, foi um bom ganho que essa nova dinâmica trouxe para a série, porque ambas formaram um dupla ótima. Enquanto dupla tudo bem, mas e quando elas formavam um trio com a Bernadette, hein?

Confesso até que eu gostava da Bernadette (Melissa Rauch) no começo, mas com o passar do tempo, a personagem foi ficando bem chatinha como futura senhora Wolowitz  e é claro que a sua voz fininha acabou contribuindo bastante para tal, rs. Apesar disso, gosto da ideia dela ter se tornado a Senhora Froot Loops, agora oficialmente.

Falando em Howard (Simon Helberg), nada mais merecido do que o personagem ter se tornado um “astronauta” ao longo dessa temporada, ele que cansou de ser humilhado por ser o único não doutor da turma. Uma forma de recompensar o personagem (que é sempre muito bom também), causando uma inveja enorme nos demais. Me fala um nerd (e nesse eu me incluo) que não adoraria ser astronauta?

Outro que continuou adorável foi o Raj (Kunal Nayyar), cada vez mais feminino e muito bem resolvido com essa sua porção mulher da turma. Fico sempre morrendo de pena que ele ainda não tenha encontrado uma parceira (ainda que ele tenha tido um affair com a Siri, rs), mesmo que para isso ele talvez tenha que adquirir um possível nível de alcoolismo, devido a sua condição, rs. Mas sempre imaginei que no dia em que ele se apaixonasse de verdade, aquele seu probleminha acabaria sendo resolvido. Torcemos por vc Raj!

Do lado dos meninos, outro que tem se tornado cada vez mais chato, é o Leonard (Johnny Galecki). Ele que parece o “zangado”, sempre de mau humor, reclamando de alguma coisa o tempo todo, o que há de se levar em consideração, já que ele divide o seu espaço com ninguém menos do que o Sheldon e isso todos nós sabemos que deve ser bem puxado. Mas até mesmo quando ele esteve com a Penny durante essa temporada, acabamos vendo um pouco mais do mesmo, o que a essa altura já se tornou bem cansativo. Já deu essa tentativa de Ross and Rachel dos dois, não?

Por último, temos que falar dele, Dr Sheldon Cooper (Jim Parsons). Personagem que mesmo com todas as suas manias e a sua forma nada fácil de conviver com os demais simples mortais, conseguiu evoluir graças a nova dinâmica da sua história ao lado da Amy Farrah Fowler. Apesar disso e ele sempre funcionar, o personagem continua sendo o centro das atenções em quase todos os episódios, carregando por um tempo longo demais os maiores plots da série. A fórmula utilizada em The Big Bang Theory é sempre mais ou menos essa: Sheldon apronta alguma esquisitice ligada ao seu próprio modo de vida que ele recusa a mudar e os demais, mesmo se manifestando contra, acabam sempre sendo quem tem que se adequar a ele. Não digo que isso seja ruim, mas chega uma hora em que essas resoluções muito óbvias acabam cansando e acho que já estamos passando dela…

Ou seja, se atualmente eles não estão repetindo essa fórmula acima, eles estão resolvendo algum plot enquanto casal, cada um com o seu cada qual e de vez em quando, invertendo as duplas. E nessa hora, eu acredito que a série acaba deixando a desejar cada vez mais, principalmente com o espaço que hoje, todas as questões “amorosas” dos personagens acabaram ocupando, a ponto do series finale dessa vez ser pautado no primeiro casamento dentro da série.

Um casamento que foi bem bonitinho, graças ao talento do Raj no quesito organização de festas e o surto de Amy Farrah Fowler tendo a sua chance de ser madrinha do casamento. E todo mundo que estava esperando a mãe do Howard aparecer, acabou decepcionado por mais uma vez , onde tivemos apenas a sua voz presente em cena, como de costume. Adoraria conhecê-la, vcs não? Acho até que eles perderam a chance de promover um encontro das mães de todos os personagens. Imagina que bacana?

Mas eu me lembro com saudades de um tempo onde toda semana, era bem divertido assistir aqueles quatro nerds, totalmente diferentes da maioria dos personagens que a gente encontrava na TV, apenas sendo estranhos sendo eles mesmos. E essa memória anda ficando cada vez mais distante, onde a série nunca mais conseguiu fazer um episódio memorável sequer e hoje vive apenas de alguns poucos bons momentos bem soltos ou perdidos no meio da temporada. O que é sempre uma pena, porque a genialidade desses personagens prometia muito mais…

OMFG! Sheldon ♥ Blossom

Maio 26, 2010

Quase morri agora assistindo ao Season Finale de The Big Bang Theory (3×23 The Lunar excitation) , quando fomos apresentados  a possível candidata a namorada de Sheldon, que é ninguém mais ninguém menos do que a Blossom!

Blossom Fucking Russo! Howcoolisthat?

Estou comemorando dando estreleeeenhas no chão aqui de casa. Foufos mil! E que saudades da Blossom neam? Welcome back!

Da série novos casais que passamos a amar: Sheldon ♥ Blossom


%d bloggers like this: