Posts Tagged ‘#MORRASONSA!’

A longa caminhada a passos de tartaruga da Season 2 de Game Of Thrones

Junho 6, 2012

Game Of Thones foi uma série que apareceu e logo de cara impressionou pela grandiosidade da sua Season 1. Cenários maravilhosos, um elenco numeroso e uma qualidade plástica que nós não estamos muito acostumados a encontrar na TV. Mas logo de cara percebemos que a série iria muito mais além do que uma estética impecável ou uma produção riquíssima. Com seu elenco repleto de personagens e histórias acontecendo ao mesmo tempo em diversos núcleos diferentes, ficava cada vez mais claro que eles tinham muita coisa para desenvolver dentro daqueles cenários grandiosos, algo que alimentado pela nossa curiosidade, nos mantia ali, firme e fortes aguardando ansiosamente o desenrolar da história.

Aparentemente, tudo já de cara parecia ser meio confuso, justamente por essa grandiosidade da série que não se limitava apenas a sua produção e acabou deixando a própria trama um tanto quanto sobrecarregada demais devido ao grande número de pessoas e situações acontecendo todas ao mesmo tempo. Muitos núcleos, muitas histórias e pouca informação sobre os seus personagens, até mesmo sobre os “principais”, algo que sempre nos fez ter medo de nos apegarmos demais a um personagem qualquer dessa história, que talvez acabasse nem valendo tanto a pena assim. E isso ficou ainda mais claro com a cabeça de quem a gente considerava ser o protagonista da série, sendo entregue em uma estaca, ainda no penúltimo episódio da primeira temporada.

Uma surpresa encontrada em uma atitude bastante corajosa, que acabou sendo bem bacana também para a série e toda essa trajetória da Season 1 de GOT, apesar de já nos entregar um pouco da sua fórmula que viria a ser repetida em seu segundo ano, nos deixou também com um grande nível de curiosidade sobre o que estaria por vir em sua segunda temporada. Vingança, um novo rei tirano e nada justo, batalhas, guerras, eram apenas alguns dos plots que a gente ainda esperava ver dentro daquele jogo épico do poder. As expectativas eram as mais altas possíveis, afinal, agora nós já sabíamos um pouco mais sobre quem eram aquelas pessoas e já tínhamos alguma ideia de quais eram as suas motivações para permanecer dentro daquele jogo.

Mas infelizmente, toda essa expectativa veio por água abaixo durante o decorrer dessa Season 2, que apesar de manter-se em um bom nível, continuando com todo o seu fundamento em termos de qualidade e grandiosidade, com aquele texto bacana de sempre,  mesmo com todos esses pontos positivos que se repetiram, a temporada pareceu mais arrastada do que nunca. Não que eles tenham mudado alguma coisa ou que tenham modificado a sua forma de contar essa história, muito pelo contrário, porque todas essas características permaneceram as mesmas. Nesse caso, o problema maior foi realmente o ritmo da série, que enquanto novidade, não chegou a incomodar tanto assim lá no passado, mas que para o seu segundo ano, onde nós já estávamos todos familiarizados com a sua história e guardando as mais altas expectativas para essa continuação, GOT acabou se tornando quase que insuportável durante essa temporada em diversos momentos e foi ficando cada vez mais chata.

Tudo bem que a história de Game Of Thrones avançou sim durante essa Season 2, mas isso a passos de tartaruga e em slow motion. Todos os núcleos desenvolveram suas histórias, cada um defendendo os seus próprios interesses, mas tudo isso foi feito tão lentamente, que a sensação que fica é a de que caminhamos demais durante essa temporada, para chegar apenas ali na esquina. E como se não bastasse a quantidade de personagens que já existiam em GOT desde a sua temporada de estreia, uma série de outros novos personagens, muitos deles bem avulsos, acabaram sendo introduzidos durante essa Season 2, o que consequentemente acarretou em uma sobrecarga de histórias para a trama que já andava meio assim.

E esse volume todo de histórias e personagens nem seria tão incomodo assim, se as coisas de fato acontecessem naquele lugar. Mas tudo é tão lento e as histórias são tão pequenas se comparadas com a grandiosidade da série, que fica bem difícil sequer se importar com a maioria de seus personagens, onde vários deles eu não consigo nem lembrar o nome, ainda (e eu já reclamei disso durante a temporada anterior). E o problema maior está justamente na questão das histórias. Talvez não importasse tanto assim se cada uma delas fosse desenvolvida de outra forma, com começo, meio e fim mais objetivos por exemplo. Mas ao contrário disso, o que tivemos foram micro histórias que foram introduzidas ao longo da temporada, somadas as que já existiam, sendo todas resolvidas de forma bem simples até, mas gastando um tempo fora do comum para encontrar tais resoluções.

Pior do que tudo isso, foi que as histórias realmente bacanas da temporada, praticamente todas elas tiveram pouco tempo para serem aprofundadas ou desenvolvidas, porque apesar do longo período de duração de cada episódio (e o final ainda foi estendido), acabou sobrando bem pouco tempo para que cada um dos personagens que contavam essas histórias (e por quem a gente já tinha se apegado a essa altura) ganhassem algum destaque maior e de relevância para a trama toda.

Uma soma de fatores que acabou fazendo dessa Season 2 uma temporada bastante cansativa para quem assiste. A esse ponto, Game Of Thrones já não era mais novidade para ninguém e dentro de uma guerra, com tantas coisas em jogo, o mínimo que se esperava era um pouco mais de ação e movimentação, que vai muito além de simplesmente colocar todos os seus personagens em uma caminhada infernal e sem fim. E como eles caminham naquele cenário, não?

Robb Stark caminhando de um lado, lutando pelo Norte,  Khaleesi do outro, tendo que provar que ela é a mãe dos dragões, pedindo favores em troca da nada, porque ela nada tem para oferecer por enquanto. Uma briga entre irmãos que disputavam a vaga de novo Rei (AMAVA o rei gay), que além de tudo, já estava ocupada e o vencedor ainda teria que enfrentar a tirania do até então dono do trono de ferro, o odioso Rei Joffrey.

Apesar de ter sido dito por diversas vezes o quanto o Robb vinha sendo vitorioso em sua batalha, pouco nos foi mostrado de fato sobre o assunto e por isso, ficou difícil de dimensionar o quanto ele estaria perto de conseguir vingar a morte do pai e salvar suas irmãs, ou o quanto de vantagem ele vem ganhando dentro desse jogo. Nesse meio caminho ele foi traído pela mãe, por aquele que considerava como irmão (que na verdade, nada mais era do que um refém da sua família) e no final das contas acabou se casando contra a vontade da mãe, descumprindo um trato que ele tinha sabe-se lá com quem ou o porque. (o porque a gente sabe que era por conta de uma ponte, mas mesmo assim, acabou ficando tudo muito solto na série…)

O mesmo aconteceu com a Khalessi, que permaneceu caminhando lentamente no deserto escaldante, onde foi mantida em uma trama totalmente a parte, também interessante, mas muito pouco aproveitada durante essa Season 2. Talvez como estratégia para deixá-la mais reservada para a próxima temporada (que também contará com 10 episódios), onde após ter sido enganada e ter tido os seus babys dragões sequestrados, tenho certeza que ela irá volta cuspindo fogo em busca do que é seu por direito, segundo ela, porque nós não sabemos o suficiente sobre a sua mitologia para acreditar nesse história também (apesar da Arya ter contado uma historinha bacana em relação a mitologia da personagem). Nesse caminho, ainda tivemos o seu reencontro com Khal Drogo, no truque é claro, mas que apareceu mais um vez na série, matando a saudade de quem ainda estava carente pela morte do personagem. (o que foi aquele baby mega cabeludo? rs)

Não sei se vcs conseguiram perceber apenas com esses dois exemplo, o quanto tudo vai perdendo a sua força em Game Of Thrones. E esses pequenos detalhes e a falta de informação sobre cada um deles, que aparentemente devem ter alguma importância para a trama, acabam nos deixando insatisfeitos com toda a história da série, além de entediados com as demais tramas de pouquíssima ou nenhuma importância.

E não me venham com o mimimi de sempre de que os livros são mais explicativos e que tudo no papel faz muito mais sentido do que na adaptação para a TV, porque vcs já conhecem a minha opinião de que as duas obras, apesar de terem a mesma base, tem que se sustentar por si só e não depender do auxílio da outra para ser compreendida. Não li os livros, não sei o que ainda está por vir na série e estou falando aqui apenas da minha impressão sobre a série de TV até agora. Ponto.

Arya foi outra das que merecia mais atenção na série e dentre tantos personagens, é uma das poucas por quem a gente se importa e é capaz de torcer a favor. Não tem como dizer que ela teve pouco espaço durante essa temporada, mas todo o seu plot vivendo ao lado do inimigo, servindo o vovô Lannister e se tornando uma espécie de aprendiz do mesmo, escutando os planos do inimigo de perto, isso que foi uma das coisas mais bacanas e ao mesmo tempo tensas da temporada (porque ela poderia ser descoberta a qualquer momento), acabou sendo deixado de lado do meio do nada, com ela fugindo para encontrar sua família (que a essa altura está completamente dizimada e perdida e só eu fico morrendo de pena daqueles dois irmãos e do homem que tem que carregar um deles o tempo todo? rs) e o vovô Lannister seguiu em seu cavalo branco do meio do nada, para salvar a cabeça do neto, o rei adolescente mais tirano de todos os tempos e isso nos minutos finais do único episódio realmente bom da temporada. Sabe quando vc sente que uma boa história acabou de ser abandonada? Então…

Acho ótimo o sadismo do Rei Joffrey por exemplo, mas também acho que em meio a tanta coisa acontecendo, ele acaba sempre sendo mal aproveitado. Quem não gostaria de vê-lo maltratando ainda mais a sua ex candidata a rainha, a Sonsa Stark (sim, Sonsa e não Sansa). Aliás, alguém me explica o porque dela estar viva até hoje? Se tem uma personagem em Game Of Thrones insuportável e que não consegue tomar uma boa decisão sequer por ela mesmo, essa é a Sonsa. E olha que ela anda recebendo várias chances, hein? Espero que sua morte venha pelas mãos da Arya, que guarda uma certa mágoa da irmã, como observamos em sua despedida ao lado do “gênio matador de aluguel” (que por sinal, foi mais um plot sensacional da sua personagem), com toda a razão desse mundo. #MORRASONSA!

Mas na verdade, apesar de toda a sua tirania de rei covarde, Joffrey é apenas uma piada, uma verdadeira marionete nas mãos da Cersei, essa sim a rainha da manipulação, não? Uma mulher totalmente fria, capaz das piores coisas possíveis e que quando tem a chance de aparecer, também consegue ser uma das melhores personagens da série, apesar de totalmente odiosa, assim como seu irmão, tão detestável e excelente quanto ela. Pena a personagem ter que lutar tanto assim pelo seu espaço e acabar ganhando os seus poucos minutos de destaque durante toda a temporada. Minutos esses que são garantidos para cada um dos personagens principais, mas que sempre nos deixam a sensação de ser muito pouco para cada um deles.

Jon Snow caminhando na neve… a gente pula ou espera virar picolé? Sério, eu até gosto do bastardo, mas não tenho mais paciência para aguentar todo aquele mimimi na neve. BASTA! Aliás, para onde ele esta indo mesmo? Um plot que só serviu para nos aproximar de algo que eles já vem prometendo faz tempo, que são os zombies ganhando o seu prometido espaço na série. Mas sinceramente? Eu não consigo enxergar esse crossover de The Walking Dead com  Game Of Thrones como algo positivo. Mesmo porque, se forem somados os ritmos de ambas a série, não tem quem permaneça acordado até o final de um episódio sequer desse crossover. Sorry.

Até o Theon, que ganhou um bom destaque durante essa temporada com a sua transformação no novo inimigo da casa Stark, teve um bom plot dentro da história, com a revelação de que ele na verdade era uma espécie de refém dos até então mocinhos da trama, mas que no final das contas, acabou levando uma paulada na cabeça e foi enfiado dentro de um saco, sem maiores explicações. Pode? Fiquei torcendo para que isso não acontecesse de fato no momento daquele discurso, algo que eu já estava sentindo que estaria por vir naquela hora. E não deu outra. POW!

Com isso, eu preciso dizer também que tudo ficou muito pendente durante essa Season 2 e embora as histórias tenham sim avançado, nada foi concluído até então, o que de certa forma nos deixa uma sensação bastante frustrante.

O único personagem que foi tratado dignamente dentro de GOT do seu começo até os dias de hoje, esse foi o Tyrion. Ele que acabou roubando a cena e ganhou a série para chamar de sua, inclusive aparecendo como primeiro nome nos créditos da abertura, nada mais do que merecidamente! Visivelmente contra os rumos da sua família no poder e tendo que se virar na “diplomacia” para conseguir consertar os danos de seus familiares, o único grande destaque da série realmente continua sendo ele com a sua interpretação no ponto certo e com o espaço necessário para o seu desenvolvimento dentro da trama.

O que me irrita mu pouco no personagem do Tyrion é toda essa sabedoria, onde parece que só ele entende o que de fato está acontecendo naquele pedaço. Sinto que ele poderia nos esclarecer mais, sabe? Mas foi bem bacana vê-lo a frente da guerra, orquestrando um plano de ação bem bacana contra o inimigo (a cena dos navios explodindo foi maravileeeandra!), que jurava que tinha grandes chances apelando para forças sobrenaturais (algo que apareceu, chocou e também acabou ficando de lado). Uma pena ele ter perdido o seu posto de “Mão do Rei’, logo ele que foi o grande homem a frente daquela batalha, ficando de lado mais uma vez por puro preconceito e muito mais do que injustamente. Espero que ele realmente não seja esquecido e suspeito que de toda a sua família, quando chegar a hora da queda dos Lannisters, Tyrion será o único poupado de um final trágico a pedido de todos que dividiram essa história com o personagem. Assim espero!

Sem a menor euforia, é preciso dizer que o episódio da guerra foi realmente o melhor da série até hoje. Super bem cuidado, no ritmo certo e com todas as ferramentas necessárias para se conduzir um grande episódio, como precisava ser aquele. Todas as resoluções acabaram sendo super bacanas e a sua execução foi excelente. Pena ele ter sido o único episódio capaz de movimentar a série de forma notável, repetindo o feito da temporada anterior, inclusive no número do episódio.

Mass encerramos a temporada novamente tendo apenas uma ligeira impressão de para onde nós estamos indo, o que não nos garante em nada e apenas repete o que já sentimos ao final da temporada anterior. Sabemos o caminho, sabemos o que fazer, mas realmente precisamos de mais 10 episódios de mais de 50 minutos para contar essa história?

Totalmente desnecessário, assim como o take do cocô do cavalo caindo quase que em close, no início de uma das cenas do season finale. Ew!

Assim, a sensação que fica é a que depois do grande sucesso da Season 1, Game Of Thrones permaneceu na sua zona de conforto durante a sua segunda temporada, seguindo uma fórmula que havia dado certo anteriormente. O que eles esqueceram é que a série já não é mais nenhuma novidade e a essa altura, todos os erros que nós já conseguimos observar e até deixar passar batido durante a temporada anterior, já não podem mais serem repetidos. A minha sensação pessoal sobre a série, é que todos eles estão caminhando tendo em mente um ponto em comum, que é o trono de ferro, mas que na verdade, estão todos seguindo para as extremidades dessa história, se distanciando cada vez mais do ponto central, que é o objetivo de todos eles.

Sabe quando dizem que só a beleza não consegue sustentar nada por muito tempo? Então, não adianta fazer uma série lida de ser ver, se ela vai ficando cada vez mais insuportável de se acompanhar. Queremos menos caminhadas e mais ação em Game Of Thones, ou já declaramos que uma trilogia será o máximo que nós conseguiremos suportar nesse ritmo de passos de tartaruga. NOW MOVE!


%d bloggers like this: