Posts Tagged ‘Oscar 2011’

Meu look preferido da Anne Hathaway no Oscar foi:

Março 1, 2011

Esse Oscar De La Renta de franja poder, que ela ainda aproveitou o efeito dançando um twist. Maravileeeandro! (eu teria chegado no red carpet nele e não naquele Valentino bufante na bunda, dafcuk?)

Já o James Franco…

Eu preferi o look que ele escolheu para ir ao Spirit Awards, que aconteceu antes da cerimônia. E o cabelo estava leeeandro! Curly James Dean moderno

Foufo mil!

Encerrando o tema Oscar 2011, algumas foufurices da noite de ontém

Fevereiro 28, 2011

Teve foto mais foufa na noite de ontém do que a do casal Tim Burton e Helena Bonham Carter no red carpet do Oscar?

Foufos mil!

Achei bem promissora esse “vem cá minha nega” que a Amy Adams ganhou do seu marido Darren Legallo na festa ontém hein? Höy!

O que deve ser divertido esse Robert Downey Jr, hein? AMO!

Oscar 2011 confirmando o que todas temiam: estamos em falta de boy magia, humpf!

Fevereiro 28, 2011

Tirando a magia ainda em dúvida da nova geração “Feicebook”, eu diria que o negócio esta feio em Hollywood hein?

Só cacura meodeos! Cadê os divohs? Cadê os meninos acompanhados de suas mães no truque? Cadê os boy magia? Desse jeito, todas desanimam em casa e perdem a vontade de gritar: Höy!

É, tá difícil minha gente, até para eles…

JT. Höy!

Jesse Eisenberg. Höy!

Andrew Garfield. Höy!

Armie Hammer, o vizinho do Jay Leno. Höy!

Mark Ruffalo (o beaver, rs), salvando a magia da geração antiga. Höy!

E garantindo o posto alto da magia antiga, ele: Robert Downey Jr. Höy!

Que estava ótimo ao lado do seu parceiro de gravatas combinadas:

Jude Law! Höy!

Agora vamos ao drama da noite? Com vcs, a falta de magia:

Jeremy Renner…é, tá difícil!

Mark Wahlberg…é, tá mesmo difícil!

Christian Bale…é, nem a magia ruiva conseguiu encantar na noite de ontém, para vcs sentirem o nível de dificuldade!

BOO! É o bisso? Não, é só o que a Katy Perry tem que encarar toda noite, euri.

E como o carão maravileeeandro (NOT NOT NOT) do Russell Brand eu deixo o meu alerta/apelo para Hollywood: estão precisando urgente de mais magia!

As maravileeeandras do Oscar 2011

Fevereiro 28, 2011

Nem tudo esta perdido minha gente. Assim como temos as sempre cagadas, há quem ainda consiga se salvar em noite de Oscar. Poucas, mas algumas conseguiram (naquela preguiça de sempe, mas é o que temos), querem ver?

Básico, mas com fundamento. Michelle Williams se recuperando do look “maragaridas” de outro dia e investindo no look poder na noite em que ela poderia sair premiada do Oscar. Não aconteceu de levar o prêmio, mas pelo menos manteve-se digna hein Michelle?

Maravileeeandra!

Hilary Swank foi com o modelón que deveria ter sido a escolha da Natalie Portman (caso ela não estivesse grávida).

Achei poder!

Maravileeeandra!

Natalie Portman escolheu um Rodarte bem básico, sem muito fundamento.

Ainda acho que com grandes chances de levar o prêmio (o que se confirmou na noite de ontém), valia a pena um pouco mais de fundamento nessas horas, não?

E também acho quase imperdoável ela não ter ido de preto, hunpf!

Mesmo assim, por sua Nina e pelo bebê, o Guilt declara: Maravileeeandra!

Outra que deve ter se encantado com “Black Swan” e foi de bailarina.

Mesmo assim, tah maravileeeandro, viu Hailee Steinfeld?

Ainda na temática “Black Swan”, tivemos Mila Kunis, aquela que jura ser a nova it girl (tisc tisc), mas que a gente nem acredita.

Deixando a implicância de lado, achei que ela estava bem maravileeeandra!

Reese Witherspoon foi bem básica e o modelón nem me chamou tanto a atenção (nem deve ter chamado a atenção de ninguém), mas eu achei bem digno esse perucón de divah antiga, por isso decidi inclui-la na lista.

Maravileeeandra!

Sandra Bullock, eu deixei de implicar com vc desde o drama do ano passado e vou deixar passar o seu look, mas só se for de frente, ok?

Porque de costas, o vestido tinha aquele volume na altura do quadril, que parece uma saia ou um laço sabe? Então…

Mas assim de frente e pelo humor do seu discurso na entrega do prêmio de melhor ator eu vou dizer que vc estava maravileeeandra, tah?

Não adianta, eu gosto mesmo é de gente com personalidade. O look pode até parecer paul lêmico para alguns, mas eu acho que a Florence Welch  (do Florence and the Machine) esta perfeita dentro do seu fundamento.

Maravileeeandra!

Toda cagada no Oscar 2011

Fevereiro 28, 2011

Chegou a hora da nossa categoria preferida em noite de Oscar: Toda Cagada!

Como sempre, muito mau gosto, mas senti falta de grandes exageros sabe? Parecia que estava todo mundo com medo de errar. Que saudades sentimos da Cher antiga numa hora dessas, não?

E mesmo quando elas estão com o pé atrás, todas erram, fatão!

Um dos vestidos mais pavorosos da noite é dela: Elizabeth Chambers. Elizabeth Who?

Se ela não tivesse o marido que tem e todas as atenções tivessem se voltado para esse modelón horroroso, eu bem acho que ela teria levado uma ovada no red carpet, rs

Mas espertona que é, grudou no boy magia só para despistar dessa vergonha de vestido, rs

#NAOTABOMNAO

Anne Hathaway, vou te dar um conselho de amigo: termina esse seu relacionamento com a Valentino, vai?

Tão linda no Globo de Ouro e quando chegou a sua vez de brilhar no Oscar, premiação da qual vc seria a hostess, vc me aparece assim? Não neam?

#NAOTABOMNAO

Cate Blanchett, essa cor é sensacional, mas esse recorte arredondado na frente do vestido imprimiu uniforme de copeira em casa de velha ricah, fatão!

Mas merece algum crédito por ter sido a única a se arriscar um pouco mais…

#NAOTABOMNAO

Dizem que as duas estão frequentando as reuniões do “eu já fui alguém na noite anônimos” e vão juntas, que é para uma dar força para a outra.

O CK beige e dourado recém desfilado que a Gwyneth usou durante a sua apresentação como cantora na premiação (tisc tisc) estava bem melhor, embora ela tenha ficado totalmente apagada.

#NAOTABOMNAO

Halle Berry, o seu modelão nem era dos piores, mas ninguém aguenta mais esse seu cabelinho milimetricamente despenteado de sempre.

Bora investir numa peruca poder?

NEXT!

#NAOTABOMNAO

Marisa Tomei foi com um modelão mais antigo do que a sua carreira. Achei também que ela esta com um carão mexido hein?

Segundo a Lady Gaga, ela disse recentemente que gostaria que a própria Marisa Tomei a interpretasse no cinema. Hmm mmm, não sei não viu?

Penelope Cruz foi de vestido de segunda mão alugado de madrinha de casamento neam?

#NAOTABOMNAO

Jennifer Lawrence minha querida, quando vc faz parte do grupo das 5 atrizes indicadas ao prêmio de melhor atriz no Oscar, vale a pena pensar um pouco mais antes de escolher o modelóm para sair de casa na noite da premiação, não?

Faltou fundamento. Nessa hora, é melhor não ser tão básica…

#NAOTABOMNAO

Scarlett Johansson foi com um modelón de renda, que gritava “Agora estou solteira e ninguém vai me segurar. Daquele jeito!”, rs

Achei feio, além de vulgar e muito provavelmente por causa da lingerie mais escura aparecendo no vestido na parte de cima e no forro da saia na parte de baixo.

#NAOTABOMNAO

Para completar a noite, duas categorias que eu criei olhando as fotos:

Turmeeenha esquisita

Gente, gente, gente! Que turmeeenha mais esquisita, não?

E o vestido da “mulher”do Hugh Jackman? Não imprimiu avestruz de desenho animado? Euri

#NAOTABOMNAO

E a outra categoria é:

Que peito estranho é esse meodeos?

Ok, nós entendemos que vc tah magrona, tah gatona, tah gostosa neam Jennifer Hudson, mas…que peito mais estranho é esse?

Temos um close estagiário?

Temos sim…

Vcs também não acharam bem esquisito?

#NAOTABOMNAO

Oscar 2011 – É, faltou emoção…

Fevereiro 28, 2011

Não sei ao certo o que aconteceu ontém a noite, ou melhor, o que não aconteceu, porque no final das contas, mesmo tendo os meus favoritos como os grandes vencedores da noite, acabei sentindo falta de ficar emocionado na premiação do Oscar 2011, talvez com os discursos, com as apresentações, não sei…

Sem nenhuma surpresa e nenhum azarão, o Oscar 2011 pela primeira vez em muito tempo, acabou premiando exatamente quem a gente esperava. Pelo menos, achei bem democrático o fato do grande vencedor da noite sair apenas com 4 estatuetas, o que de uma certa forma privilegia a diversidade de filmes concorrentes. Achei justo pelo menos, pena não ter me emocionado.

Anne Hathaway e Franco foram OK, mas não me lembro de nada muito marcante na apresentação dos dois, então…

Vamos a lista?

 

Melhor filme

“The Kings Speech”


Merecido, embora não fosse o meu preferido, que como sou do time dos modernos, estava na torcida por “Black Swan”. Mas eu matei a charada quando o video de apresentação dos dez indicados abriu com o discurso do rei do Colin Firth e assim permaneceu, apenas com o audio, intercalando entre cenas dos demais filmes, sem mais nenhuma imagem do “The King’s Speech” até a cena final, que é exatamente a cena final do filme. Senti que nessa, eles acabaram entregando quem seria o vencedor. Fiquei com medo de “The Social Network” acabar levando de última hora, porque o filme é apenas bom, comparado ao outros excelentes concorrentes. Pelo menos foi um prêmio justo. Clap Clap Clap!

 

Melhor diretor

Tom Hooper – “The King’s Speech”

Realmente é um filme muito bom e ao contrário do que muita gente tem falado, eu acabei sentido um certo olhar para a modernidade no filme. Muito embora eu ache o olhar visionário do Darren Aronofsky mais interessante.

 

Melhor atriz

Natalie Portman – “Black Swan”


Ninguém merecia mais, não é mesmo? Ainda grávida? Achei de uma elegância sem tamanho o seu namorado, o bailarino Benjamin Millepied, com toda a sua postura de primeiro bailarino do ballet de NY, ajudando ela a subir as escadas para receber o seu prêmio. O discurso eu achei honesto, só que mais uma vez faltou emoção. E nem eu e ninguém vai perdoar a Natalie Portman (e talvez ela mesmo no futuro) de não ter ido de preto para a premiação neam? Era a hora da volta do look cisne da Bjork, ou seja, a não ser que vcs façam uma continuação (rs), perdeu a chance Natalie!

 

Melhor ator

Colin Firth – “The King’s Speech”


Me bateu um medo quando a Sandra Bullock (que estava ótima inclusive) deu aquela pausa antes de anunciar o vencedor na categoria melhor ator…mas no final, tudo se confirmou e Colin voltou para a sua casa carregando o seu Oscar. Mais do que merecido e esse prêmio eles ficaram devendo para ele desde 2010 por “A Single Man” (que saiu em DVD por aqui no final do ano passado) e para surpresa de todos, ess ano ele voltou com um personagem ainda mais dramático e com um detalhe que sempre pesa: um Rei. Nada mais do que justo não? Clap Clap Clap!

ps: Já pode comemorar Bridget Jones, que o seu boy magia esta voltando para casa com um Oscar! Yei!

 

Melhor atriz coadjuvante:

Melissa Leo – “The Fighter”

Não assisti ao filme ainda (mas quero muito ver), mais quando dois dos atores coadjuvantes levam os prêmios, isso só pode indicar a qualidade do filme, não?

 

Melhor ator coadjuvante

Christian Bale – “The Fighter”

Repito o texto acima e nesse caso, sempre achei o Christian Bale um bom ator, desde aquele outro filme (“The Machinist”)  que ele também aparecer hiper magro e quase irreconhecível (repetindo a fórmula para chamar a atenção feelings). Algo que sempre comove a Academia, fato.

 

Melhor longa-metragem de animação:

“Toy story 3”

Nenhum outro concorrente fez 10 entre 10 adultos chorar tanto no cinema quanto “Toy Story 3”, que voltou anos depois para nos divertir e muito e ainda causar algumas lágrimas. Super merecido! Clap Clap Clap!

 

Melhor direção de arte

“Alice In Wonderland”

Alice é mesmo um banho de bom gosto. Um “esquisitice” maravileeeandra! Clap Clap Clap!

 

Melhor fotografia

“Inception”

É a melhor porque talvez fosse a mais diferente. Todo mundo já viu as belezas da Londres antiga em algum lugar, assim como o horizonte nos desertos americanos. Agora, prédios se dobrando, se enrolando na verdade, isso sim foi a primeira vez e uma primeira vez belíssima. Imagem que não vai sair tão fácil da cabeça de quem assistiu o filme. Clap Clap Clap!

 

Melhor curta-metragem de animação

“The lost thing”, de Shaun Tan, Andrew Ruheman

 

Melhor roteiro adaptado

“The Social Network”

Um roteiro muito bom mesmo, ágil, moderno.

 

Melhor roteiro original

“The King’s Speech”

Outro roteiro que eu diria que é no mínimo inusitado.

 

Melhor filme de língua estrangeira

“Em um mundo melhor” (Dinamarca)

 

Melhor trilha sonora original

“The Social Network” – Trent Reznor e Atticus Ross

Não me lembro de nada da trilha sonora do filme e acho que a melhor trilha tem que marcar, por isso, achei injusto…

 

Melhor mixagem de som

“Inception”

 

Melhor edição de som

“Inception”

Parece que virou tradição no Oscar os prêmios técnicos irem todos para os filmes mais técnológicos neam? Boring…

 

Melhor maquiagem

“O lobisomem”

Dizem que o filme é péssimo, alguém aqui assistiu?

 

Melhor figurino

“Alice In Wonderland”

Super hiper merecido. Fiquei emocionado até. Talvez porque fosse o figurino que eu gostaria de ter feito, rs

 

Melhor documentário em curta-metragem

“Strangers no more”

 

Melhor curta-metragem

“God of love”


Melhor documentário (longa-metragem)

“Inside Job”


Melhores efeitos visuais

“Inception”

Óbvio!

 

Melhor edição

“The Social Network”

Na minha opinião, é a melhor parte do filme.

 

Melhor canção original

“We belong together”, de “Toy story 3”

E o Zachary Levi que ainda cantou lindamente a música de “Enrolados” hein? Que foufo!

Assim terminanos a lista dos grandes premiados no Oscar 2011, sem nenhuma surpresa ou grandes emoções, humpf!

Nem mesmo o meu coral preferido (o PS22 Chorus de NY, procuram no Youtube que é sensacional!) conseguiu me comover ao final cantanto “Somewhere Over The Rainbow”, deveriam ter escolhido alguma das músicas mais funfamento que eles costumam cantar. (mas foi foufo vê-los por lá)

Vai fazer o que no domingo?

Fevereiro 24, 2011

Ficar grudado na tv assistindo o Oscar?

Se não for isso, é possível que vc perca a Anne Hathaway e o James Franco, fazendo um remake de Grease. Howcoolisthat?

Acho promissor…

ps: ok, pode parecer meio deprimente para alguns ficar em casa assistindo o Oscar, mas eu nem ligo, fico leeeandro até de PJ’s, rs

My castle, my rules – O emocionado discurso do Rei

Fevereiro 18, 2011

Um discurso emocionado e quase sufocante. “The Kings Speech” do diretor Tom Hooper, é o tipo de filme que é um prato cheio para o ator principal, feito para levar todos os prêmios possíveis, uma vez que em boas mãos. E esse certamente é o caso do Colin Firth, que vive lindamente o Duque de York, que mais tarde vem a se transformar no Rei George VI.

Uma interptetação linda de se ver, na medida, sem caricatura ou exageros. Como telespectador e apaixonado por cinema (que é um curso que eu adoraria fazer um dia e talvez acabe fazendo mais tarde na minha vida), fico imaginando como deve ter sido exaustiva essa experiência para o ele (Colin) como ator.

Aquela câmera em close, quase que o tempo todo, em um plano bem fechado e capaz de pegar os mais minunciosos detalhes, não deve ser nada agradável de se fazer. Mesmo com o resultado primoroso que temos no filme.

Como trata-se de um filme de época, os cenários, o figurino e os objetos de cena são um show a parte. Tudo no seu devido lugar e o contraste entre o rico e o pobre. Como no “consultório” de Lionel (Geoffrey Rush), com as paredes descascadas e suas camadas formando uma textura deliciosa, do tipo que da vontade de tocar. E aquele sofá lindo, meio acabado e muito abaixo do que se espera para receber um Rei, mas que mesmo assim possui o seu charme. E o tom azulado que preenche o filme com uma beleza melancólica, em cenários, planos de fundo ou até mesmo no figurino (como em um dos vestidos que a Helena Bonham Carter usa em uma cena dentro do carro, maravileeeandro!), que aparece para quebrar o que se espera do cinza da fria Inlgaterra. Cool!

Colin Firth empresta a sua doçura ao Duque de York, um homem contido, tímido e visivelmente desconfortável. É claro que ele vem de uma família real fria e com isso, os daddy issues vão aparecendo ao longo do filme, além do seu maior pesadelo que é a sua gagueira. Nada óbvia, mas uma gagueira de nervoso, desconforto, sem trejeitos óbvios ou algo parecido.

Desde o começo, fica bem claro que ele não tem a menor vontade de ser nobre, ou de herdar o poder do seu pai (Rei George V). Ele parece muito mais confortável em seu papel de homem de família comum, pai de duas filhas, vivendo o seu casamento feliz com a sua esposa Elizabeth, vivida pela atriz Helena Bonham Carter.

Sou muito fã do trabalho dela e acho que ela nasceu para ser rainha. Mas acho o seu papel pequeno demais no filme, de pouca importância para a história,mesmo tratando-se da Rainha Elizabeth e por isso, talvez eu esteja cometendo um crime contra os meus princípios, mas preciso dizer que achei um certo exagero a sua indicação ao Oscar por esse papel, sorry. Não me espanto se ela levar, pq afinal, a Academia deve essa pra ela já faz tempo, mas sinceramente o seu papel esta mais para coadjuvante nesse caso.

Enfim, em busca da cura para o seu problema, que o impede de falar em público para grandes multidões e tendo essa necessidade cada vez mais presente em sua vida, com a chegada da mídia a corte (transmissões de rádio ao vivo para todo o país), ele acaba que por sugestão de sua esposa (e essa foi a única importância do seu personagem para o filme) visitando uma espécie de fonoaudiólogo/terapeuta (que na verdade não passa de um ator decadente), que é o Lionel Logue, interpretado de forma encantadora pelo ator Geoffrey Rush.

Esse sim eu considero um injustiçado, ainda mais pelo tamanho do seu papel e significância para a história (embora eu não tenha visto o filme do Christian Bale ainda…)

E as sessões de terapia são divertidíssimas, com direito a um membro da família real rolando pelo chão da sua sala, ou até mesmo gritando palavrões compulsivamente. Divertidíssimo! E o clima entre os dois, é de provocação o tempo todo, funcionando como uma espécie terapia alternativa.

Com o tempo e a sua convivência com Bertie (que é o seu apelido para o cliente real), ele acaba enxergando naquele homem um lider honesto, de principios, um verdadeiro Rei. Convence-lo disso não é nada fácil, o que acaba levando os dois a um rompimento nessa relação Dr e paciente. Dra-ma!

Achei bem  digna a postura do irmão (que é o boy magia real), até então o escolhido para ser Rei, que prefere viver o amor da sua vida, ao contrário de se entregar as regras da sociedade careta daquela época (e se bobear até hoje).

Percebi tmbm alguns takes bem modernos do diretor durante o filme, como na cena da posse, onde a câmera esta em um ângulo de baixo para cima, mantendo os ricos detalhes do teto do palácio. E também um outro take, esse de cima, revelando os corredores do palácio em uma fotografia inesperada e linda. Cool!

Muito boa também foi aquela cena do Rei e Rainha indo até a humilde casa do terapeuta, para fazer as pazes e convida-lo a continuar o tratamento, que depois da posse passa a ser indispensável. Imagina se eu, estou na minha humilde casa e de repente, o princípe Harry me resolve aparecer com toda a sua ruivisse aqui em casa? Cataploft (o som do meu corpo duro atingindo o chão)

Embora o filme seja dramático, os pontos de comédia fazem toda a diferença na trama. Mas uma comédia inteligente, como Lionel sentado no trono da cerimônia de posse, algo inimaginável para uma plebeu. E vc, se tivesse a chance não faria o mesmo? Aposto que sim, e ainda tiraria uma foto com o seu iPhone, euri.

O final é emocionado, temos um Rei quebrando o protocolo e se aproximando ainda mais da imagem de um homem comum e reconhecendo a importância da companhia de Lionel em sua vida, mesmo não sendo “diplomado” (e quem disse que é necessário tem diploma para ter sabedoria, hein?). O prometido discurso do rei, como anuncia o título, fica para o final, em uma emocionada cena onde o brilhantismo e a delicadeza de Colin roubam a cena, em um close maior ainda do que em todo o resto do filme, com o Rei vencendo o seu maior desafio de encarar a sociedade de frente, de perto. E com a companhia daquele que se torna o seu amigo para toda a vida, anunciando para todo o pais que a Guerra esta declarada contra a Alemanha de Hitler. Emocionante!

Os americanos dizem que não, mas são sim preconceituosos com relação aos ingleses. Mas também adoram um filme de época. Se bem que, esse não é exatamente um filme de época. Hmm mmm

Ano passado o Colin Firth chegou perto de ganhar o seu merecido Oscar por “A Single Man”, que é outro filme maravileeeandro e altamente recomendado pelo Guilt, mas acabou perdendo para o Jeff Bridges, por “Crazy Heart”. Esse ano, de novo, ambos estão concorrendo na categoria de melhor ator, Colin vivendo um rei inglês e Jeff um cowboy típico americano. Mas nada mais  justo que dessa vez a vitória seja do Colin, que sinceramente, fez por merecer com o seu impecável Rei George VI.

Como o Guilt não confia em nenhuma premiação, com medo de que mais uma injustiça seja confirmada esse ano, vou dar eu mesmo o Oscar de Melhor Ator de 2011 para ele, Colin Firth, o eterno boy magia da Bridget Jones.

Segura que esse Oscar é seu Colin Firth. Clap Clap Clap!


%d bloggers like this: