Posts Tagged ‘Oxigen’

Romanticality

Agosto 2, 2012

Semana do #SÓAMOR em The Glee Project, com corações saltando por todos os lados, inclusive pelo convidado da semana, Darren Criss, que é sempre um foufo e nós todos AMAMOS! (mas bem que poderia ter aparecido de casal, hein? Ok, não vou dizer mais nada para não entregar nenhum spoiler…) Isso até depois dos pouco mais de 7 min iniciais do episódio ao som de “More Than Words”. Tenho que dizer que essa foi uma semana fraca em TGP, em todos os sentidos. Não sei exatamente dizer o porque, mas esse foi um dos episódios mais sem graça da temporada, o que de certa forma nos dá uma pista forte sobre quem acabou sendo o eliminado da vez…

E era a hora de testar a dinâmica dos possíveis futuros casais da série, o que também fomenta ainda mais a possível ideia de novamente haver mais de um vencedor ao final da competição, mesmo tendo eles declarado que dessa vez apenas um venceria. E quem acredita aposta na bipolaridade do Ryan Murphy, levante a mão? (todas levantadas)

Ali + Blake foram perfeitos, tanto no homework (que ele acabou ganhando até que merecidamente) e ela que realmente só vem crescendo na competição. Gosto de uma coisa na Ali que é o fato dela tentar mostrar que pode fazer de tudo (parece até que mais para ela do que para qualquer outra pessoa) e conseguir resultados excelentes com esse seu esforço a mais, que é claro que ela precisa fazer devido a sua condição. Juro que as vezes eu consigo esquecer que ela é uma cadeirante, porque aquela menina se mexe com uma habilidade que não é muito comum de ser vista dentro de suas limitações e vem se tornando uma das minhas favoritas nesses últimos eps. Sim, eu estou quase AMANDO a Ali. Me julguem, que eu nem ligo.

Lily + Michael também estiveram ótimos e Lily parece ter despertado do pesadelo da gordinha revoltada que quebra tudo e acordou para a realidade de que aquele único personagem que ela parecia saber fazer até então, não estava agradando os jurados e talvez nunca tenha agradado. Mas isso não significa que  passamos a torcer por ela, nada disso, porque ainda continuamos querendo-a fora da competição a pontapés (ops, o que significa que ela não foi a eliminada da vez). Michael continuou sendo aquele foufo de sempre (o que foi aquele date entre ele e a Lily? = ♥), com um rostinho que a câmera (e todo mundo) adora! Sério, tirando a minha crush por ele (que está ficando cada vez mais forte e evidente, rs), sinto que ele é um dos poucos dentro daquele grupo que sempre me pareceu super a vontade e natural em frente as câmeras, embora sua voz não seja das melhores (nessa hora vale lembrar que um dos protagonistas em Glee é o Cory Monteith, ou seja…) e talvez se a Nikki Megabitch não tivesse agido como agiu com ele no estúdio por diversas vezes, sua confiança poderia estar em um nível melhor e consequentemente sua história seria outra a essa altura do campeonato.

No estúdio ele conseguiu entregar exatamente o que era necessário naquele momento, calando a boca da própria Nikki, que a essa altura nem faz mais questão de esconder que é Team Blake desde o começo (AMO o Ryan se importando zero com a opinião dela, rs). E posso falar? Quando vejo outros competidores fazendo  críticas ao desempenho do garoto, fico profundamente irritado. Tudo bem que ele vem recebendo recomendações a cada episódio, mas a gente não via ninguém fazendo comentários do tipo quando o Tyler se apresentava por exemplo e olha que nesse caso, tudo era muito, mas muito pior e vergonhoso do que qualquer comentário negativo que o Michael tenha recebido durante qualquer um dos episódios dessa temporada. Sinto que o Michael está sofrendo de boymagiafobia e isso não é legal.

Aylin + Shanna formaram  a terceira dupla, essa bem mais fraca do que a demais e talvez nem muito por culpa só delas. Nessa hora, nem achei que elas estavam tão ruins assim e talvez a coreografia da dupla tenha as prejudicado a ponto de colocar as duas entre os três piores da semana, ao lado da terceira vaga que dessa vez ficou com o Blake, que ao lado da Shanna (o que é sempre engraçado de dizer sem o sotaque deles, rs) eram os dois virgens de última chance com o uncle Ryan.

E vcs não acham muita coincidência dois participantes que nunca se apresentaram para Ryan Murphy (Shanna + Blake) estarem estre os três piores da semana justo nesse momento tão perto do final? Senti um cheiro de mutreta no ar, algo como se o Ryan tivesse feito questão de ter o seu primeiro encontro com aqueles que ele ainda não tinha visto mais de perto, para ter certeza se realmente valia a pena mantê-los na competição. E pelo menos isso acabou com a ideia do Robert que era a de mandar os dois meninos entre os piores direto nessa semana para resolver essa questão, já que só restaram os dois dentro da competição e isso mesmo sem o Michael ter feito nada para merecer (achei até o comentário do Darren a respeito dele meio “plantado”, mas talvez esse seja o meu lado fã falando mais alto agora). Coisa feia hein Robert? Só porque vc “perdeu a virgindade” ao som de Extreme, não significa que vc precisa ser tão malvado assim com as pessoas, só para descontar (rs). E a gente aqui achando que ele era uma alma boa… estamos de olho! (continuamos achando na verdade, mas digamos que esse não foi o seu melhor momento)

E vamos lá, sejamos sinceros nessa hora. Cheguei a ficar apavorado novamente com a possibilidade da Aylin sair essa semana depois daquela sua performance quase boa, mas que na verdade foi bem mais ou menos e de pouquíssimas palavras. AMO aquela música (“The First Time Ever I Saw Your Face”), gostei da apresentação dela, mas não achei que foi uma apresentação forte o suficiente caso ela realmente tivesse alguma chance de sair naquele momento. (quase morri com a cara de desespero dela na hora de ter que encarar a lista, ainda mais com aquele “OMG!” cheio de lágrimas – glupt!)

Ao mesmo tempo, tudo que Aylin não conseguiu fazer com as palavras da letra da sua música, ela acabou entregando no seu discurso do que uma garota muçulmana como ela, totalmente fora do estereotipo, representaria para cada uma das outras garotas como ela por aí. Fiquei realmente emocionado com o seu discurso honesto e cheio de coragem naquele momento, que dessa fez, conseguiu entregar exatamente a letra completa, com todas as palavras que ela precisava para convencer o Ryan Murphy (e quem ainda não estivesse convencido a essa altura) a respeito da sua estadia dentro da competição.

Blake fez o mesmo, embora não tenha esquecido a letra. Mas visivelmente nervoso, ele entregou uma apresentação das mais preguiçosas possíveis, mesmo com a Nikki animando a sua torcida, praticamente ensaiando uma coreô enquanto ele quase nos fazia dormir ao som de “Lose My Religion”. Sério, só eu esperei que ela levantasse a blusa e estivesse escrito “BLAKE” de batom naquela barriga enorme de grávida dela?

Por outro lado, Shanna foi quem entregou a melhor apresentação entre os piores dessa semana, sem a menor dúvida. Mas vcs lembram que eu disse que o episódio dessa semana foi bem do sem gracinha? Então, ele estregava exatamente o mood da Shanna, que foi a eliminada da vez por ser quase impossível torcer por ela, de tão sem graça que a participante conseguiu ser durante toda essa Season 2 de TGP. E não um sem graça tipo a Nellie por exemplo. Um sem graça pior, do tipo que as vezes vc até esquece que ela estava na competição e quando surge a dúvida de quem eliminar naquele momento tão difícil, cheio de gente mais bacana e personagens super prontos, lá estava aquela que se saísse não faria muita falta, mesmo sendo bem esforçada e cantando super bem sempre, como ela mesmo fez questão de reforçar antes saber que iria sair. Sabe fantasma de reality show, do tipo que fica rondando quietinho até o final mas não consegue chegar a lugar nenhum? Então…

Só achei que ela poderia ter saído sem ter se sentido injustiçada pelo fato do Michael ter sido salvo e ela não. Michael teve um comentário ruim exatamente enquanto esteve fazendo par com ela, mas ao lado da Lily, ele conseguiu entregar um bom desempenho (vejam, eu disse bom e esse é um claro sinal de que esse não é o Essy fã do garoto falando mais alto agora), ao contrário da Shanna, que em dupla com a Aylin quase sumiu, aparecendo sem destaque na câmera e visivelmente fora de sintonia para aquele momento e por esse motivo, acabou deixando a competição e talvez a gente tenha a maior dificuldade de lembrar que ela sequer participou de TGP um dia. Sorry, mas é verdade. (sem contar que a câmera não era a sua melhor amiga…)

E isso foi o que vc perdeu nessa semana bem da sem gracinha em T-H-E-G-L-E-E-P-R-O-J-E-C-T, que ao contrário do que eu declarei no meu post anterior, não irá terminar no próximo episódio (blame IMDB) e sim no 2×11. Yei! Ansiosos?

ps: atualmente minha torcida é Aylin + Michael + Ali. (Beija Blake. #FORALILY!)

ps2: desista dessa franja, Shanna! E diga nunca mais para esse toldo pavoroso! Porque Shanna com franja não dá! (depois me liga para dizer se a sua vida não melhorou em todos os sentidos after esse toque… rs)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Tenacity

Julho 30, 2012

No oitavo episódio de The Glee Project, (2×08 Tenacity) eu só consegui sentir pena dos participantes remanescentes dentro da competição que tiveram que suar a camisa (e suaram pencas) essa semana dentro do programa. Ok, digamos que foi um misto de pena e vergonha…

Como convidada da semana tivemos a Amber Riley (que estava lindíssima, diga-se de passagem) e novamente os candidatos mandaram muito bem no homework da semana, dessa vez ao som de “Survivor” antigo, que nem precisa de muito para a gente gostar, não é mesmo?

E esse episódio foi excelente não só porque botou preguiçoso para correr e suar a camisa literalmente, mas sim porque ele provou a minha teoria de que adianta sim reclamar!

Digo isso porque no meu post anterior, onde eu comentei os dois últimos episódios de TGP, cheguei a pedir para que a edição do programa tivesse mais foco na rivalidade entre Aylin e Lily, que muito se fala dentro do programa, mas que até então a gente não tinha vista quase nada de muito concreto a respeito. E não é que isso se confirmou essa semana?

Foi exatamente o que eles fizeram nesse episódio, ainda timidamente, mas colocando em evidência a disputa que a gente que ver em TGP: Aylinda (♥) vs Lily Megabitch (BOO-HOO)

Claro que como toda boa vilã, Lily Megabitch saiu na frente fazendo a ativa agressiva (que eu já disse anteriormente que sim, essa é uma categoria que existe!), se fazendo de vítima quando era visível que ela estava exagerando no seu grande talento vocal dentro do estúdio quase que deixando todo mundo surdo e recebendo um comentário dos mais inofensivos da nossa Aylinda (quase como se ela tivesse chamado a participante de boba feia),  que ela acabou aproveitando para transformar em um grande plot de rivalidade. Já repararam que Lily nunca aceita que esta perdendo por ela mesmo? Sempre tem uma desculpinha: “não fui bem dirigida”, “não fui coreografada direito”, “meu misto quente não veio cortado em diagonal e com os dois lados precisamente do mesmo tamanho”. Juro que eu não tenho paciência para essa vilã…

Com isso, Lily que mais uma vez foi parar entre os três piores (suck it!), acabou aproveitando a oportunidade para garantir a sua estadia dentro do programa por mais um tempo (isso e o seu talento, que por essa apresentação eu vou ter que concordar que ela não merecia ir para casa, não dessa vez… e pensando apenas nesse ponto do programa, que isso fique bem claro), despertando no próprio uncle Ryan o seu desejo de ver um duelo de divas dentro do programa, para o qual ele mesmo deu todo o seu aval. Já podemos comemorar? Mas melhor do que o Ryan Murphy também querendo ver sangue cenográfico nos olhos das duas participantes amigas & rivais, foi o seu comentário dizendo que com aquela apresentação, Lily “comeu o palco”, literalmente. Sério, #TEMCOMONAOAMAR?

Antes de comentar a eliminação da semana, eu preciso revelar que o Michael é o meu preferido entre os meninos desde o começo (ainda mais agora que não temos mais o Charlie, que é com quem ele dividia a posição no meu coração), mas já estou cansando das suas desculpas quando ele não consegue se sair muito bem no estúdio, ou na apresentação, apesar de mais uma vez ele ter sofrido nas mãos da Nikki Megabicth², que eu não consigo odiar mais. Sério, que mulher pavorosa! (Arghhh!).  Sinceramente, eu concordo com o uncle Ryan quando ele disse que o garoto parece não ter a menor ideia de que ele poderia vencer aquela competição, mas custava alguém avisá-lo? Sinto que toda vez que ele passa pelas mãos da Nikki, ela faz questão de travá-lo ainda mais com comentários do tipo “Nossa, vc não conseguiu. Maiquél? O Blake conseguiu…”. #WHATABITCH

Mas ao mesmo tempo que o Michael parece contido no estúdio ou nas apresentações, ele consegue dominar a câmera como ninguém e o vídeo da semana está aí para comprovar que vale sim continuar apostando no seu talento. Go Michael! Go Michael! (odiei o par dele na performance da próxima semana…)

Falando no vídeo, o que foi aquilo, minha gente? Tortura? Mas nem o Rocky Balboa em pessoa levando 375 direitos seguidos sofreu tanto daquele jeito. Tadinhos!

Fiquei morrendo de pena de cada um deles, menos da Lily, que nada tinha que fazer a não ser jogar uma bola e bater corda (bater, nem pular ela precisava), lembrando que a Aylinda também é meio gordinha (sorry Aylin, mas a gente tá vendo) e não foi nada poupada de ter que pular aquelas barras repetidamente e sem derrubar nenhuma durante os 34 takes de vídeo em plano sequência com direito a muita atividade física. Será que essa foi uma tentativa disfarçada de colocar todos os participantes em um SPA? Hmm mmm. E mais uma vez a Ali se mostrou como uma forte competidora durante o episódio e eu gostaria de saber se só eu fico morrendo de medo da cara de louca que ela faz de vez em quando em suas performances? (fez de novo a mesma cara de demônia de ” You Oughta Know” que eu bem vi ao final da sua parte no homework)

Como os três piores da semana tivemos o lindo do Michael, que conseguiu surpreender todo mundo com a sua música, mesmo não sendo ele o melhor cantor do grupo (embora eu goste mais da voz dele do que a do Blake, que eu acho super comum…), inclusive calando a boca da própria Nikki Megabitch², que ao que tudo indica, não é sua maior fã. Da Lily nós já falamos que ela “comeu o palco”, então… (sorte dos competidores que ela foi a última a se apresentar). E ainda dentro do grupo dos três piores da semana tivemos o Abraham, que antes de se apresentar para o Ryan foi pedido pelo próprio por meio do Robert que não puxasse o seu saco durante a apresentação e todos nós ficamos mais do que constrangidos por ele com aquele pedido, ainda mais com o começo do ep, onde eles fizeram questão de mostrar uma parte da edição do episódio anterior onde o participante elogiava até o perfume do Ryan Murphy. #CONSTRANGIMENTODEFINE

Com a excelente  apresentação da Lily (dói reconhecer, eu sei…) e o plot da sua rivalidade com a Aylinda, a gente já meio que sabia que ela não seria a eliminada da semana portanto, só sobraram os outros dois. Como o vídeo do preview da temporada acabou nos revelando várias coisas em cenas inéditas (basta prestar atenção ao final do 2×01), tinha certeza que o eliminado da semana seria o Abraham.

E assim foi, mas não foi tão simples assim. Antes de tomar a decisão que poderia até ser outra naquela hora, tivemos o momento mais constrangedor da temporada, mais ainda do que o Tyler cantando Celine Dion com com a sua voz de chipmunk (rs), mais do que o próprio tombo do Abraham durante a gravação do vídeo da semana (jurava que ele tinha ficado banguelo com aquela cara na porta que ele deu, rs) que foi quando Abraham voltou para o palco para bancar a diva descontrolada, colocando a mão na cinturinha e tudo e ainda dizendo categoricamente que ele não iria sair dali por nada nesse mundo, porque ele sabia que o Ryan o amava (tá, exagerei um pouco). Sério Abraham? Vc não sabe que naquilo tudo quem manda é o uncle Ryan e ninguém mais?

Naquele exato momento, com a resposta do Ryan ao discurso do desespero do Abraham, ficou mais do que na cara que ele iria voltar para casa naquele episódio e eu diria até que foi uma decisão bem justa e isso não só pelo acontecimento da noite. Primeiro que ele era uma incógnita, o que até então poderia não ter o menor problema porque segundo o próprio uncle Ryan, ele não se importava com esse tipo de detalhe. Segundo que Abraham não conseguiu fazer um bom solo sequer e quem não ficou constrangido com a sua apresentação de “LasT Friday Night” no passado, que jogue o primeiro cd da Barbra pela janela seguido de uma single tear por tamanho sacrilégio, NOW! E terceiro que depois de mais uma apresentação bem meia boca daquelas (e olha que ele ganhou um MJ, hein?) seguida de um discurso da misericórdia capaz de fazer o Oriente inteiro dormir de tamanha preguiça em formato de desespero & descontrole hormonal, Abraham acabou se auto eliminando naquela noite, dando ele mesmo um pé na sua própria bunda (euri quando o Michael meio que fez isso com ele) com aquelas botas pavorosas e super datadas em vermelho. WOO!

Dessa forma, chegamos ao fim de mais um episódio do sensacional The Glee Project, que está chegando bem perto de sua reta final (o anterior terminou no 10º episódio e segundo o IMDB, isso deverá se repetir durante essa temporada) restando apenas Lily (ainda torço para o dia em que ela vai sair humilhada daquele palco, tipo quando a XL-Tina sicagô no maiô cantando naquele funeral, sabe?), Aylinda (Só amor 4 ever and EVA!), Ali (que eu estou amando, não me julguem), Shanna (acho esforçada, canta bem, mas nem lembro de torcer por ela)  e os boys magia Blake (passo, mas aposto que vai ser o nome do bebê da Nikki caso seja um menino, rs) e Michael ( amor verdadeiro, amor eterno – ♥). Ou seja, ou essa semana saem pelo menos dois competidores (lembrando que no penúltimo episódio da temporada anterior nós não tivemos nenhum eliminado e o preview do próxima episódio nos dá “pistas” do que poderá acontecer dessa vez…), ou teremos uma final com muita gente naquele palco, não?

Bom, e foi isso o que vc perdeu essa semana em T-H-E-G-L-E-E-P-R-O-J-E-C-T! (#TSÁ – de joelho e fazendo as clássicas jazz hands)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Theatricality + Fearlessness

Julho 23, 2012

Já começo avisando nesse post que estou com o coração partido em 34245545485 pedacinhos e amargando um luto profundo devido a uma certa eliminação mais ou menos recente em TGP. Humpf!

Não sei nem por onde começar e por isso vou inverter tudo e começar do fim (já que estou devendo posts dos dois episódios que aconteceram durante as minhas férias), comentando primeiro o sétimo episódio de The Glee Project (2×07 Theatricality). Bom, semana de teatrinho no nosso reality de verão preferido, com direito a visita do Sebastian Megabitch (Grant Gustin) que pessoalmente, tem muito mais magia do que enquanto personagem de barba feita e preso dentro daquele uniforme todo trabalhado na passividade em Glee. Höy!

E mais uma vez, Ali acabou roubando a cena de novo e a essa altura, nem a sua voz de Nelly Furtado sendo enforcada depois de se engasgar com 3 gatos persas me incomoda mais. Sério. Já até aceito aquela sua voz bem meio assim, que sejamos justos em dizer que tem melhorado bastante nesses últimos episódios, não? Mas não é que toda aquela positividade em pessoa tem talento para a coisa? Posso estar até me precipitando, mas será preciso uma cagada muito grande para essa menina sair antes da final, hein? (mesmo depois do “drama” do promo do próximo ep) Vejo uma finalista de peruca azul interpretando melhor a Katy Pérrola do que a própria Katy…

Outra que tem todo o meu coração e torcida já declarada é Aylin, que dessa vez ficou meio apagadinha, de lado, muito provavelmente por ainda estar em estado de luto. E quem não está, me diga? E quem não está? Humpf… mas disso eu não quero falar agora, porque ainda estou em negação. E tenho um recado para a edição do programa: cadê o foco na rivalidade entre Aylin vs Lily Megabitch (a wannabe  Adele do lado negro da força), hein? Não é a primeira vez que vimos Aylin reclamar do comportamento da cúlega (acho até que o contrário também já aconteceu), mas farpas que é bom no video, nada… Vamos melhorar isso produção? Queremos sangue cenográfico nos olhos de cada uma delas!

O homework da semana foi bem, b-e-m, beem fraco, embora eles tenham executado a música até que mais ou menos. Cheguei até a quase me enganar que aquele clipe no supermercado estava legal, mas não, não dá neam gente? Eu sei que é tudo meio corrido e que eles gravam tudo no horário de almoço das gravações de Glee, mas quem no mundo pop ou em qualquer outro mundo contrataria aquele diretor para dirigir um de seus clipes baseado no que ele realiza porcamente em TGP? Sério, quem? (desculpa qualquer coisa, diretor que dirige porcamente os videos, mas é verdade…)

Zach continua sendo o Zach (♥) e embora ele tenha avisado que não aceita mais passar vergonha com candidatos que não conseguem sequer memorizar a dança da galinha, ele continua se auto abraçando (awnnn!), sempre com os olhos cheios de lágrimas e super emocionado com as performances finais, sem fazer a menor questão de esconder para quem vai a sua torcida. Mesmo quando as apresentações soam totalmente falsas, como a da Lily Megabitch ao som de “Someone Like You” (daquela que a gente sabe bem quem) e que nós vimos a participante tentando buscar a emoção da música já no ensaio, provocando uma lágrima que não seria capaz de convencer nem o participante já eliminado, Mario, de sua veracidade. Mas graças a Cher, uncle Ryan estava de olhos bem abertos catando todo o truque da candidata ativa/agressiva (sim, segundo questões levantadas aqui em casa recentemente, chegamos a conclusão de que essa categoria existe), que recorreu as lágrimas mais falsas desse mundo para tentar convencer que ela merecia outra chance. Sei…

Antes de continuar, eu gostaria de mandar um recado bem pessoal para Lily Mae Megabitch: vc não precisa se impor porque vc é gordinha e para isso tentar enfrentar/conquistar o mundo aos gritos ou no tapa, porque muito maior do que a sua figura é o seu nível de megabitchness, que é o que chama muito mais atenção de forma bastante negativa do que qualquer um dos seus quilinhos a mais. Prova disso é que Adele está ai, vendendo pencas, linda, feminina (agora grávida. Parabéns!) e super doce, mesmo quando cantando um recado daqueles para um boy magia negra qualquer, sem apelar para o estereótipo da gordinha destemida sexy que não perde a oportunidade de fazer a dança do tetão e que culpa os outros pelo seu fracasso. Pense nisso, Lily Megabitch, pense nisso (mas se quiser pensar fora da competição a gente agradece. Obrigatô!)

Novamente por culpa da Nikki que está impossível nessa temporada, mais um candidato quase se quebrou por inteiro e a vítima da vez foi o Abraham, a quem ela chamou de “andrógeno” no estúdio e que para ele soou quase como uma ofensa. Sério que ele ficou “magoado” com essa palavra? Se metade das pessoas que já chamaram ou ainda irão chamar ele de “bichana pão com ovo de codorna” na vida (sem ofensas/been there, done that messed around) soubessem ao menos o significado da palavra “andrógeno”, eu acho que ele já estaria no lucro de ter ouvido um “insulto” como esse e não teria muito motivo para se sentir tão ofendido assim.  Mas tudo bem Abraham, entendemos a sua mágoa e estava na cara que a Nikki queria levar o crédito por esse outing que ninguém suspeitava e que certamente seria a grande revelação da temporada, só que não. ZzZZ (ficou ofendido, mas voltou para a sua performance de unha vermelha e tudo mais, que a gente bem reparou…)

Vem cá, quando é que essa Nikki vai parir mesmo? Nikki que pariu!

No final, tivemos Abraham, Lily e Nellie entre os 3 piores e eu confesso que qualquer um que saísse já deixaria a competição no lucro. Nesse caso, acabamos nos despedimos da Nellie (só eu reparei a single tear no olho do Michael no momento “KHO” do final?), de quem eu também confesso que não vou sentir a menor falta e digo sem dó e nem piedade que ela estava pavorosa de Britney Spears encostada na barraca de frutas da feira. Eu não levava nem um mamão… PÁ! Já vai tarde Nellie, WOO! Sinceramente? Ela sempre me pareceu assustada demais com tudo aquilo e era visível que não estava preparada para o que estaria por vir pela frente caso ela fosse a vencedora. Sério que ela quase chorou quando ganhou o papel da Brit no video? Cheguei até a suspeitar que ela fosse sobrinha do Robert, de tanto que ele torcia por ela e a sua presença até esse ponto do programa só serviu para ocupar a vaga de alguém muito mais preparado e que não merecia ter saído antes dela e para essa vaga eu tenho dois nomes: Dani (snif) e ele, o motivo de toda a minha mágoa nesse post: Charlie. R.I.P²

Sim, Charlie também já foi eliminado e quase que eu não consegui lidar com o último momento de Scott Campbell dentro da competição. Chorei litros, fiquei inconsolável e logo em seguida me bateu aquela revolta pelo fato da Nellie ter ficado e Scott F**king Campbell ter saído da competição. BOOHOO!

Primeiro que nesse episódio totalmente destemido (2×06 Fearlessness), tivemos uma gravação animada na piscina, com todos eles super a vontade em trajes de banho e shirtless para todos os gostos, mas suas performances acabaram deixando a desejar. E logo em um episódio onde a gente tinha ninguém menos do que a Sue Sylvester (Jane Lynch) em pessoa como convidada da semana hein? (mas bem que ela poderia ter carregado a Becky com ela…)

Mas o momento em que nossos corações ficariam completamente divididos ainda estava por vir, com o anúncio de que Aylin e Charlie teriam que se enfrentar entre os três piores da noite, que ainda contou com a coadjuvante das coadjuvantes Nellie, ocupando a terceira vaga entre os piores da semana. (uma vaia para a Nellie: BOOHOO – agora um cochilo: ZzZZ)

Nessa hora, fiquei bem feliz pela Aylin, que acabou despertando para o que era mais importante para ela naquele momento, deixando o seu boy magia de lado e abraçando a oportunidade como se fosse a sua última chance dentro daquele programa, que é o que todos deveriam fazer naquele momento, mas que nem sempre acontece. E com “Take a Bow” da Rihanna (música que eu não dava a mínima, mas que já se tornou o meu novo vício no banho, que eu canto performaticamente pensando em pelo menos uns 6 nomes ao longo da minha “carreira”, rs), Aylin deixou todo mundo encantado com algo mais que ela carrega (Zach até aplaudiu de pé) e que a essa altura quase todo mundo já percebeu e talvez por isso ela acabou ganhando um feedback dos mais importantes do uncle Ryan nessa temporada, encorajando a participante a a levar as coisas mais a sério, porque ela é uma forte candidata e todos eles já perceberam isso, menos ela até aquele exato momento. (ba-bling ba-bling)

E como é talentosa, não? E o carisma? (♥) Sério, do momento em que ela pisou naquele palco até o final da sua performance, não tinha mais ninguém dentro daquele lugar a não ser ela e a sua voz maravileeeandra. Como já disse antes, gostava muito do Charlie, continuo gostando do Michael (apesar dele ser todo contido), mas realmente é da Aylin a minha maior torcida para essa temporada de TGP, não tem jeito. Confesso que fiquei bem tenso com a possibilidade remota dela ser a eliminada daquela semana, mas ao mesmo tempo tinha certeza de que com aquela performance, caso ela fosse a eliminada, TGP teria que sair do ar de tanto que eu iria reclamar na forma de muito mimimi. Sério! Uncle Ryan que não me provoque!

Depois tivemos Charlie apelando na sua última chance dentro do programa, jogando tudo para o alto ao som de “It’s Not Unusual” do Tom Jones, que toda vez que eu escuto essa música, só consigo lembrar da Karen Walker com sua performance deliciosa em Will & Grace antigo. Ainda na hora em que foram distribuídas as músicas de cada um deles, já era possível perceber que Charlie havia sido sabotado, ganhando um hit que em nada se parecia com o clima das outras músicas de suas duas adversárias, essas bem mais emocionantes do que a faixa que sobrou para ele. Mas Charlie é o Charlie, que nas horas vagas também é o Scott F**king Campbell e seguindo o que se esperava do episódio, totalmente destemido, ele foi parar na poltrona dos jurados, implorando por uma segunda chance para o Ryan Murphy, mesmo tendo o Zach e a Nikki visivelmente na torcida contra.

Sinceramente? Apesar da música dele não ter um climão como as outras duas, achei que o garoto conseguiu tirar de letra aquela apresentação partindo para o tudo ou nada e não vejo até agora o porque dele ter sido o eliminado da vez, sendo que ele foi o único que seguiu o tema do episódio a risca naquele exato momento. Nada justifica, nem a sua onipresença, que pode sim ser bem irritante e nem a sua falta de atenção ou limites. Mas esse sou eu falando, uma pessoa que só teve que conviver com ele por pouco mais de 40 minutos na semana até esse episódio…

Nellie fez o de sempre, cantou daquele jeito de sempre uma música que por si só já é toda cheia de emoção e eu não consegui encontrar o motivo para tanta comoção ao final da sua apresentação ao som de “If I Were A Boy” de Honey B. Até assisti novamente para tentar entender se eu não estava realmente entendendo o que estava acontecendo por pura implicância (que eu assumo que fiquei implicante com ela desde que a Dani perdeu a sua vaga quando a Nellie era quem deveria ter ocupado aquela posição na ocasião, mas acabou sendo salva), ou se aquela apresentação não tinha mesmo sido tudo isso. Das três vezes que eu consegui ter paciência para assistir a sua performance (a da Aylin foram umas 10 em looping só hoje, rs), não consegui me emocionar em nenhuma delas. Sorry.

Com isso, agora já saindo do meu estado de negação e aceitando o inevitável estado de luto ao qual eu me encontro até agora (três semanas após a eliminação), Charlie deixou sim a competição (tremendo o lábio para escrever esse último parágrafo), mas não sem antes se despedir foufamente da Aylin (a quem ele deixou a tarefa de ganhar TGP e quase não conseguiu se segurar quando ela entrou na sala em um momento também super foufo entre os dois) e cantar a sua versão de “Keep Holding On” daquela forma que nessa edição, só ele conseguia fazer e lindamente. E sendo esse o episódio anterior a despedida da Nellie (por isso eu disse lá no começo da review que iria começar do fim), ela que poderia SIM ter saído no lugar do Charlie (ou da Dani) e ter nos poupado dessa mágoa ainda tão cedo na competição para alguém tão talentoso como ele (ou ela), sinto em dizer que The Glee Project perdeu um grande candidato. Humpf! Perdemos o novo Finn. (tears)

Errou feio hein uncle Ryan? Vale uma repescagem? Vale dizer que no final de tudo quem vai ganhar essa edição de TGP será o casal Aylin ♥ Charlie, mesmo com ele já tendo sido eliminado? Pense nessa possibilidade com carinho…

#CHATIADO

E foi isso que nós perdemos nessas duas últimas semanas em T-H-E-G-L-E-E-P-R-O-J-E-C-T

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Adaptability

Julho 10, 2012

Tudo é uma questão de adaptar-se e essa semana em The Glee Project tivemos a “adaptabilidade” como tema para tentar tirar um pouco os competidores de suas zonas de conforto.

Como convidado tivemos ele, Artie (Kevin McHale) , que é sempre um foufo e todas amam. Ali ficou visivelmente animada com a presença do ator e um tanto quanto decepcionada por não ter sido a escolhida no homework e talvez por isso tenha decidido tomar para si o resto do episódio, principalmente quando ela foi parar entre os 6 piores, que sim, em semana de adaptação as coisas mudam até nessa hora e ao invés de 3 como de costume, tivemos 6 participantes mais perto de ir para casa ao som de “Keep Holding On”. Dra-ma!

Foram impagáveis as caras dela durante a apresentação ao lado do Abraham (que sumiu completamente, não? Foram falar para ele parar de tentar demais e deu no que deu…) e ficou mais do que óbvio que com o seu dom para comédia, ela acabou conquistando merecidamente (apesar de não ser fã da sua voz) um espaço importante no coração de uncle Ryan. Só espero que pelo preview do próximo episódio, o jogo não acabe mudando para ela. E o que foi a sua performance demoníaca  de “You Oughta Know”, hein? AMEI que o próprio Kevin fez essa colocação, porque eu quase morri de tanto rir quando ela apareceu possuída daquele jeito. WOO!

Outra que dominou o episódio foi a vencedora do homework da semana, Aylin, que agora que decidiu dar um tempo com o Charlie, resolveu voltar unfirah! Primeiro que eu já declaro que dentre as meninas, ela tem a voz que eu mais gosto e que ficou perfeita no clássico da Alanis Morissette que a gente AMA cantar revoltadamente lembrando de cada um dos nossos ex boys magia negra (rs). E nem preciso dizer que a essa altura ela já é mais do que a minha favorita no lado cor de rosa da força. Shanna e Lily também foram muito bem, mas não havia espaço para mais uma mulher nesse episódio a não ser Ali e Aylin. (♥)

Quem também aproveitou para tentar se redimir do nível altíssimo de megabitchness que ela deixou transparecer na semana passada foi a Nikki, que essa semana veio cheia de elogios para a maioria dos participantes, principalmente para o Charlie, que foi quem ela quase “quebrou” de vez na semana passada e que nesse episódio chegou chutando tudo no estúdio com a sua voz afinadíssima (apesar de bem exagerado no homework) e uma doçura no olhar que quase não conseguiu esconder o seu grito de “SUCK IT NIKKI” que ecoava na sua performance e naquele sorrisinho que ele deu no final. Go Michael!

Apesar de continuar sendo um dos meus preferidos, não só pela sua figura divertidíssima ou pelo seu notável talento, eu vou ter que concordar que o Charlie é mesmo meio onipresente demais. Reparei nesse episódio que mesmo quando ele não estava em cena ou nada tinha a ver com o plot central do momento, lá estava ele ao fundo, vazando em uma imagem aqui ou ali, se fazendo ser notado, mesmo que as vezes bem sem querer e a gente ter quase certeza que Charilie é apenas uma mente criativa e participativa e não alguém apenas desesperado por atenção. Mas com o seu delicioso alter ego Scott Campbell que ele acabou nos apresentando no video dessa semana, digamos que ele ainda está com ainda mais créditos na nossa torcida.

Nellie e Blake sumiram. Nellie a não ser pela coreô da semana passada, nunca esteve realmente naquele cenário. Sabemos que ela é uma garota tímida, mas isso já está começando a ficar nítido demais. Demais. Tenho que dizer que eu tenho pavor de duetos e acho uma das coisas mais cafonas na história da música e por isso acabei achando de uma preguiça só as apresentações finais, principalmente as das duplas Blake + Nellie e Mario + Charlie.

Para nossa sorte, essa semana mais uma vez não chegamos a ficar exatamente tristes com a eliminação, que ficou por conta do Mario, que sejamos sinceros, o que tinha de talentoso, tinha de arrogante. Talvez eu esteja falando uma grande bobagem agora, mas a sensação de que eu tive é a que ele ouviu a vida inteira que ele era capaz mesmo com suas limitações (e realmente era, muito!), mas isso acabou sendo prejudicial para sua vida, onde toda positividade em relação ao que ele pode fazer, acabou criando uma confiança exagerada demais, que passava dos limites e sempre acabava dando uma impressão de arrogância, o que é possível de se perceber inclusive no seu discurso pós eliminação.

E isso foi o que vc perdeu essa semana em T-H-E-G-L-E-E-P-R-O-J–E-C-T!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt


<span>%d</span> bloggers like this: