Posts Tagged ‘Paul McCartney’

Nesse finde, nós só vamos querer saber de uma coisa: Spice Girls (♥)

Agosto 10, 2012

Finde com show de encerramento das Olimpíadas de Londres 2012, com direito a todas elas que já foram pegas ensaiando: Victoria, Geri, Mel B, Emma e Mel C. Yei!

Não faço mais nada nesse domingo a não ser vestir meu tênis plataforma de 20cm enquanto faço todas a coreôs antigas como se não houvesse amanhã! (♥)

E está rolando todo um boato a respeito desse line-up, que dizem que vai ter Adele (imagina ela grávida e soltando aquela voz? #SÓAMOR!), Jessie J, George Michael (classic GM, please!), The Who, Queen, Pet Shop Boys, One Direction, Muse e dizem que talvez até pode acontecer um encontro do Take That. Tsá? Mas e o Bowie hein? Eu cairia duro no chão e daria um salto duplo carpado Tsukahara cravado se ele aparecesse cantando um clássico. Sério. E faria um raio na cara enquanto fazia tudo isso, com toda a habilidade e coordenação motora desse mundo! E dizem que o Sir Paul irá aparecer de novo. Alguém duvida?

Como representante real, dizem que teremos a princesa Ana e ele, o nosso MUSE da magia ruiva real, Harry, que vai tocar o after de despedida dos ingleses. (e quem não adoraria ir a um after do Harry? #SONHO)

E como nossos representantes, mandamos a Marisa Monte e o Seu Jorge. #FUÉN. Mas antes de reclamar, lembrem-se que poderia ser tudo muito pior, com nomes como Carlinhos Brown e Claudeeenha Leite Morno. EW!

Só sei que vai ser assim, vamos comentar tudo no Twitter, claro, fingindo que estamos tomando um chá das cinco e vestindo Alexander McQueen feat Vivenne Westwood com direito a fascinator do Phillip Treacy e tudo mais e seu eu fosse vcs, também não perderia essa delicia inglesa por nada nesse mundo indeed.

#SPICEUPYOURLIFE

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Essy is coming… (back)

Julho 22, 2012

Quer dizer, já voltei! Me abraça?

ps: tnhks a todos que não nos abandonaram e continuaram visitando o Guilt durante essas duas últimas semanas. (♥)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

De Leste a Oeste, 30 Rock ao vivo é sempre sensacional!

Maio 3, 2012

Tá, eu me segurei para não cantar a música da galinha azul. (me perdoe Tina Fey, mas as minhas referências podem não ser tão genias de vez em quando, rs)

Delicioso o episódio ao vivo de 30 Rock, hein? Aliás, deliciosos, porque eles sempre fazem duas apresentações (6×19  Live From Studio 6H, East and West), uma para a Costa Leste e a Costa Oeste. E dessa vez, com alguns detalhes bem diferentes, garantindo a diversão de todos nós que assistimos as duas versões do episódio especial.

Nesse caso, acho que a Costa Leste se deu melhor, porque na versão deles, um dos convidados mais do que especiais do episódio foi ninguém menos do que Sir Paul McCartney em pessoa, que aproveitou a sua visita a NBC para usar o banheiro secreto do Jack. (na Costa Oeste, a participação ficou por conta da Kim Kardashian…Zzzz)

Um episódio recheado de referências divertidíssimas (e quando o assunto é 30 Rock, isso não é nenhuma novidade) e participações mais do que especiais, como o Jon Hamm (Höy – Mad Men), o Donald Glover (Community) vivendo o Tracy Jordan mais novo e a sempre sensacional Amy Poehler (Parks and Recreation) na pele da Liz Lemon adolescente. Tipo impagável!

Mas nada me fez ter um ataque de riso maior e mais incontrolável do que o Paul, namorado da Jenna, aparecendo no final do episóidio cantando o hit “Zou Bisou Bisou”. Sério, tive um ataque de riso incontrolável de leste a oeste.

#SENSACIONAL!

ps: fico pensando na tensão que deve ser gravar tudo aquilo ao vivo? E as trocas de figurino em 2 segundos? E o Frank sendo substituído pelo Fred Arnisen (SNL)? Ele que tmbm esteve impagável fazendo fundo para o Jimmy Fallon durante o “Teleton”. E por episódios tão especiais como esse que a série carrega em sua bagagem, chega a ser triste pensar que a próxima pode ser a última temporada de 30 Rock, que é uma comédia que mesmo quando não é sensacional, continua sendo muito boa, quase excelente. Humpf!

Portman + Depp + McCartney = ♥

Abril 16, 2012

Video de “My Valentine” do Sir Paul McCartney, com stylist da Stella e com a participação de ninguém menos do que a Natalie Portman e o Dione Depp no fundamento linguagem de sinais. Howcuteisthat?

E a gente sabe que a Natalie é linda, talentosa, tem um Oscar, Black Swan e blah blah blah…

Mas o que são os movimentos mágicos, sim MÁGICOS, nos momentos do Dione?

Todos hipnotizantes e com uma leveza absurda! Nada como a delicadeza de um “Edward Scissorhands”, não? (rs)

My Valentine…♥ (reparei que ele faz o coração de outra forma no final, hein?)

ps: existem na verdade 3 versões do video, cada uma delas protagonizada por um dos artistas (Portman ou Depp) e esse outro, com o duo.

As fotos deliciosas do Terry Richardson para o Mosstock

Julho 6, 2011

O casal magia, Jamie e Kate. Höy!

Paul ♥ Nancy

Hey Jude?

O ex casal magia porém amigos Jack White e Karen Elson

Kelly Osbourne fazendo a Hebe na madrinha e parceira de banda do Jamie, Alison Mosshart (muse!)

Stefano Pilati fazendo a tia que faz questão da foto do bolo (euri, mas sempre aguardo ansiosamente o momento bolo de toda festa, rs)

Marc Jacobs enfeitiçando com a sua magia. Höy!

O sonho de consumo de todas: Manolo Blahnik e Stefano Pilati (Höy!)

Nossa muse, Carine Roitfeld (de quem meosonho é ser assistente, BFF, vizinho, motorista de bicicleta, empacotador, passeador de cão, topo quase tudo, rs)

Daphne Guiness, aquela que pode gritar “Eu sou ricah” com propriedade e ainda vestida inteira de McQueen vintage (não sei se foi o caso do casamento, mas…)

Fotos by Terry Richardson

E o que a gente estava esperando por essas imagens, hein?

Dizem ainda que algumas fotos do Mario Testino devem sair no September Issue da Vogue US, fikdik

E mais uma vez, todo amor do mundo para o casal!

Nowhere Boy – John Lennon antes de ser tornar John Lennon

Abril 1, 2011

Adorável! Acho que não tem adjetivo melhor para definir “Nowhere Boy”, filme que nos trás um jovem John Lennon, ainda prestes a se tornar a lenda do rock que todos nós conhecemos.

E uma afirmação já podemos fazer logo de cara: o cara foi mesmo uma pessoa sensacional, antes, durante e depois, fatão! Além disso, que carisma não?

O filme é de 2009 (e é tmbm uma divida que eu tinha comigo mesmo como fã dos Beatles, quase imperdoável por não ter assistido antes) da diretora Sam Taylor Wood, que por sinal é a mulher do protagonista, o jovem ator Aaron Jonhson, que todos nós conhecemos e passamos a amar depois do sensacional “Kick-Ass”.

Aaron vive o jovem John Lennon de forma espantosa, tanto quanto a semelhança entre os dois em algumas fotografias do filme, até pela doçura e carisma que Lennon sempre passou com os olhos, por trás dos seus óculos arredondados e que Aaron consegue transmitir com naturalidade. Até a voz ele conseguiu deixar bem próxima a de Lennon, trabalho de um jovem realmente talentoso viu?

Uma interpretação sensível, sem exageros, de um ícone da música, algo difícil de se ver e até mesmo de se esperar de um ator tão jovem. Clap Clap Clap Aaron Johnson!

Como já era de se esperar, John sempre foi uma alma inquieta, curiosa e um rebelde por natureza. Sua busca no filme é por respostas quanto a sua origem e a história da sua verdadeira família, até então desconhecida por ele.

Vivendo em uma casa cercado de uma educação rígida por meio de um casal de tios que criaramo o garoto e muita música clássica, Lennon sempre demonstrou ser uma pessoa sem limites, curioso, louca para experimentar.

E é quando ele conhece a sua verdadeira mãe, Julia, que a sua paixão pelo rock & roll começa a surgir.

Lennon queria ser Elvis, e quem não queria?

E essa transição do Lennon antigo, para o que conhecemos pouco do seu início de carreira é maravileeeandra. Seu interesse pela música, sua ousadia, sua inquietude e rebeldia para nossa sorte, o transformaram no Lennon que todos nós conhecemos. Cool!

Mesmo sem saber o verdadeiro porque do seu abandono, a sua relação com sua mãe começa sem grandes dramas, apenas como dois desconhecidos com muito em comum, começando a se conhecerem melhor em meio a um banho de cultura musical. Aliás, sem fazer nenhum julgamento de caráter do personagem, que delícia de mãe não? Amiga, companheira, permissiva, as vezes até demais. Isso me fez pensar que talvez essa falta de maturidade por parte de sua versdeira mãe, em uma dose menor, poderia vir a ser a fórmula para ser o pai perfeito. Hmm…mas isso dura pouco, logo aparecem os defeitos e o drama começa a surgir.

Por outro lado, toda a rigidez de sua educação em casa nunca impediu Lennon de se tornar aquilo que ele realmente era e certamente esse modelo mais limitado e rígido de família tmbm deve ter colaborado para o resultado final do homem que John Lennon se tornou. Hmm mmm…

Então, quem sabe um equilíbrio entre esses dois modelos não nos leve a perfeição? Para refletir…

Mimi, a tia que cuidou do menino por grande parte da sua vida, embora fosse bem menos entusiasmada com o rítimo da juventude, não deixou que o talento do jovem músico fosse desperdiçado, apostando em seu talento musical, mesmo fugindo completamente de suas preferências pessoais.

E no filme é uma delícia poder ver o nascimento do Beatles, aos poucos, começando em uma convocação do próprio Lennon no banheiro do colégio. Outro ponto marcante da sua personalidade que fica evidente nesse monento, que é a liderança.

Paul chega depois, timidadente e pedindo um chá. Um garoto franzino, pequeno, com uma flor na lapela e um talento de um gigante. Bonito também ver o início dessa amizade, coisa que muita gente poderia nunca ter imaginado.

O figurino do filme é super possível, mesmo se passando nos anos 50. Topetes lá no alto ala Elvis, jeans com a barra dobrada, camisa xadrez, alfaiataria, algo bem possível para os dias de hoje, 60 anos depois. E a trilha? Passei o filme todo ensaiando coreôs com direto a muita batida nos pés e ombros que eu não consegui controlar, rs. E a trilha é sensacional tmbm e eu já garanti a minha, fikdik

É claro que a vida de todo rockstar, ídolo ou heroí sempre acaba sendo marcado por uma tragédia. E com a morte de sua mãe, Lennon se torna um clichê, mas do tipo que todos nós respeitamos e não torcemos o nariz. Da sua morte, talvez como uma forma de tentar reparar o abandono no passado, vem a chance dos garotos de gravarem suas primeiras músicas, com o dinheiro que Julia vinha economizando para o filho, ela que talvez tenha sido a sua maior fã naquele início de carreira e certamente foi quem fez despertar o talento de Lennon para o rock.

No final, Lennon retribui o carinho que recebeu de Mimi por toda sua vida, mesmo com ela não sendo uma pessoa fácil e do tipo que demonstrava seus sentimentos, com um simples telefonema por semana, para contar as novidades para aquela que foi sua mãe e tmbm sua guardiã por todos esses anos .E isso se repetiu por toda a sua vida (e depois dessa informação eu desabei, confesso).

Embora tenha uma carga dramática considerável, “Nowhere Boy” é um filme leve, dirigido lindamente e que nos dá a chance de conhecer um pouco mais da vida de um dos nossos maiores  ídolos.

E se isso é possível, a partir do filme eu passei a amar ainda mais os Beatles e a história desse homem sensacional que foi o John Lennon.

Vale combo grande de pipoca + refrigerante + barra de chocolate, até mesmo para vc, que por algum problema de saúde mental, não for assim tão fã dos Beatles (será que existe alguém? rs)

ps: Dear John Lennon, depois de ver o filme eu queria ainda mais te dar um abraço, ou te levar uma flor no Central Park, como não posso, vou passar o resto da noite ouvindo suas músicas em loop. Sinta-se abraçado seu lindo!

Ter um Beatle dançando no seu show não tem preço

Fevereiro 22, 2011

Sir Paul McCartney, com direito a coreô animada e tudo mais no show da Lady Gaga, ontém a noite em NY.

Ok GagaOhhLala, vc já pode dizer que venceu na vida, rs

Me desculpa Sir?

Novembro 22, 2010

Um dia eu prometi para mim mesmo que quando um dos  Beatles viesse tocar aqui, que eu não perderia por nada nessa vida…

Pois bem, aqui estou eu escrevendo esse post pra lá de revoltado e arrependido, de PJ’s, com os olhos e ouvidos colados na tv assistindo a trasmissão do show em SP e com os olhos cheios de lágrimas, pq é claro que eu não cumpri a minha own promessa comigo mesmo. Humpf!

Não sei pq eu ainda confio em mim mesmo…

E eu que pensava que nesse dia eu faria um look Stella McCartney bem báfu e que o seu pai me reconheceria de longe no meio da audiência (rs)

Ou que talvez eu fosse de London Boy magia mesmo, só para me enturmar (euri)

Mas que na verdade, todo mundo sabe que a minha vontade mesmo era ir de Sgt Peppers, neam? E talvez eu até fosse hein? (euridenovo)

Paul McCartney diz: Perdeu Essy! (com sotaque)

E Paul ainda para ahazar de vez com o meu coração me apareceu lindo, com um jovem de Liverpool antigo, com a imagem de seus companheiros ao fundo no painel de leds gigante (glupt)

Detalhe, ele passou parte do tempo do show de suspensório, howcoolisthat? (real tears)

E a pergunta que não quer calar: que roqueiro é vc Essy, que perdeu essa chance de encontrar o Paul Fucking McCartney? Ai ai ai…vai jogar Rock Band, vai! Imperdoável…

Tudo bem, não foi dessa vez Paul…, mas quem sabe eu ainda não tenho essa chance hein? Posso ir visita-lo em sua casa um dia desses, quem sabe? Se tiver que ser assim, let it be!

#ESSYINDODORMIRMAGOADOECOMOCORACAOPARTIDOFEELINGS

Ter um Beatle na primeira fila do seu desfile é covardia

Outubro 5, 2009

58562405

E se esse Beatle ainda foi seu pai…ai é covardia em dobro, viu dona Stella McCartney?

Paltrow passou até batida ao lado do Sir Paul!


%d bloggers like this: