Posts Tagged ‘Pushing Daisies’

O novo Hannibal

Maio 3, 2013

hannibal-poster-e1361206009344

Sinceramente, eu não consigo imaginar uma outra forma para que Hannibal Lecter tivesse chegado a TV. Até consigo imaginá-lo chegando seguindo um fundamento meio preguiça como The Following, ou optando por uma linha mais Dexter, seguindo uma narrativa de acordo com a cabeça do personagem, nos fazendo pensar como o assassino da vez, até cair em um procedural bem convencional e muitas vezes monótono (antes de acabar de forma deprimente como a série do serial killer de Miami…). Mas honestamente eu não consigo me imaginar preso a Hannibal se não fosse exatamente pela forma que o Bryan Fuller escolheu para nos contar essa já conhecida história.

A começar pelo seu olhar, que é bem específico, sofisticado e dono de uma beleza e estética esquisita (linda por sinal), quase como se tudo fosse um belíssimo pesadelo. Kitsch de vez em quando, principalmente nos momentos em que embarcamos na mente do Will Graham por exemplo, que devido a toda a sua empatia com os demais, consegue pensar exatamente como o assassino (uma boa diferença do que estamos acostumados a ver em Dexter por exemplo), nos transportando automaticamente por meio de uma revisita ao cenário do crime até a mente do assassino em questão. O pêndulo cruza a tela, as imagens ganham um outro tratamento, tudo fica mais amarelado, quente (gosto muito quando ele caminha ao contrário nesses momentos), fazendo um contraste lindo com o universo mais frio e sombrio da série que prevalece em todo o resto, desde o dia a dia dos personagens até as cenas dos crimes (todas sensacionalmente sensacionais!), essas sempre em um tom azulado e com bem menos vida.

Quem conhece o trabalho do criador da nova série desde os tempos de Pushing Daisies (que eu morro de saudades e revejo de vez em quando um ou outro episódio em DVD), consegue entender perfeitamente o que eu quero dizer. Apesar de Hannibal seguir uma outra linha, bem menos saturada ou recheada de excessos (embora eles também apareçam dentro da série quase sempre) é possível facilmente reconhecer a assinatura do seu criador em meio a cada um dos detalhes que encontramos agora em Hannibal, que não são poucos (o figurino do próprio é um deles, que diga-se de passagem, também é bem sensacional) e são todos extremamente bem cuidados, além de lindos de serem vistos, resultando em uma estética bem particular para a nova série.

Boa parte do mérito de Hannibal inclusive deve ser dada a sua direção de arte, que é fora do comum e de vez em quando me faz lembrar muito algo que sempre chamou a atenção de todos em Sherlock, mas tudo pensado de uma outra forma, sem parecer cópia e com um nível de originalidade absurdo, apesar de qualquer semelhança. Todas as cenas de crime, do modo como as encontramos ou quando são reconstruídas pela mente do Will, todas elas são de uma beleza impossível de ser ignorada, uma beleza que ao mesmo tempo que distraí (aquele lugar cheio de chifres ou o corpo daquela mulher preso a um deles, aquela plantação de cogumelos, o assassino que transformava as vítimas em “anjos”), consegue também seguir exatamente o mesmo ritmo da história e talvez por isso tudo case tão bem dentro da série. (que conta também com uma edição bem bacana)

História que também é muito bem contada, com um mergulho profundo principalmente na cabeça do Will Graham (só dele, pelo menos por enquanto), que na verdade consegue pensar exatamente como o outro e por isso se torna brilhante naquilo que faz. Apesar de parecer um caminho fácil a ser percorrido (principalmente pensando como resolução, algo que eu cheguei a reclamar pelo que vi de The Following, só que de uma outra maneira), a todo momento eles fazem questão de mostrar o quanto o personagem se incomoda com tudo aquilo e o quanto ele sofre por ser daquela forma, ilustrando lindamente quem é o personagem hoje e quem ele poderia se tornar facilmente caso perdesse o controle.

Sem contar que o personagem acaba roubando a cena, aparecendo inclusive muito mais do que o próprio Hannibal (Mads Mikkelsen), que é o seu terapeuta e circula meio que por trás da produção que leva o seu nome. E esse é um mérito que é preciso ser dado ao Hugh Dancy (que nós AMAMOS faz tempo, Höy!), que sempre foi um excelente ator e que encontrou no papel do Will Graham a chance de fazer algo bem parecido com o que a sua esposa Claire Danes faz lindamente em Homeland, claro que de acordo com as devidas proporções. (mas eu realmente acho ele tão bom quanto e fico imaginando esse casal em casa, passando o texto. Algo que merecia ser gravado e virar uma série de TV, que mesmo sem existir nós já sabemos que seria bem melhor do que boa parte do que anda acontecendo na TV atualmente, rs #HELLYEAH)

Hannibal - Season 1

O piloto é basicamente divido em duas etapas de 20 minutos, a primeira onde somos apresentado ao Will e passamos a conhecê-lo e entender como funciona a sua mente esquisita e brilhante e na segunda metade, quando Hannibal finalmente é introduzido à história, que é quando ganhamos apenas algumas nuances do seu caráter, mas sempre de forma elegante, sem perder a compostura e até agora, exceto por um momento, ainda não vimos nada sobre o personagem em cena, agindo com suas próprias vítimas ou qualquer coisa do tipo (a não ser em termos de uma leve pressão psicológica) e isso eu confesso que faz falta, nem que fosse mostrado em pequenos flashes ou algo do tipo. De qualquer forma, todas as cenas dele cozinhando em casa e ou servindo alguém com um de seus pratos super elaborados, são todas ótimas e de revirar qualquer estômago gourmet.

Talvez esse inclusive seja o único ponto fraco da série até aqui, que devido ao total clima de procedural, com um novo assassino a cada semana e tudo mais, acha que é bem mais interessante cozinhar o personagem lentamente (respeitando a história original, claro) do que já ir entregando a sua cabeça em uma bandeja de prata (pensando em longevidade  é sim bem mais interessante. Agora, pensando em criar alguma empatia com o personagem, é preciso que isso apareça em algum momento também, além do mesmo figurar apenas como um manipulador por trás do divã). Apesar disso, do alto do quinto episódio, tudo ainda continua bastante interessante. Agora, até quando isso pode continuar interessante, isso já é uma outra questão, porque apesar de estar sempre por perto, a série não se trata exclusivamente do Hannibal ou da sua mente e a narrativa segue uma outra linha, com casos isolados que normalmente não tem muita ou nenhum relação com o famoso personagem, algo que com o tempo pode se tornar bastante cansativo (para quem gosta de procedural não) ou provavelmente acabe diminuindo o personagem aos poucos. (isso sem contar o carisma e magia do próprio Hugh Dancy como seu oponente…)

A não ser por esse (por enquanto ainda pequeno) detalhe, Hannibal é uma grande produção da NBC, que tem feito um trabalho excelente com a série (surpreendentemente) e por enquanto só tem do que se orgulhar, em todos os sentidos. Um elenco sensacional (que ainda tem o Laurence Fishburne, fazendo o que ele sabe fazer. Sorry Morpheus!), uma história conhecida de um personagem de sucesso (que eu tenho que confessar que quando criança, morria de medo e devido a esse trauma antigo, nem sou dos mais conhecedores sobre a sua mitologia), tudo isso obviamente tem colaborado e bastante para o sucesso de Hannibal na TV, mas a série não seria metade disso se não fosse pelo olhar do Bryan Fuller, que com toda a sua estranheza consegue deixar esse cenário ainda mais sedutor a atraente.

Até agora foram exibidos 5 episódios (sendo que pulamos um deles por conta do pavoroso atentado em Bonston) e ainda não se sabe sobre uma possível renovação da série (que andam dizendo ser difícil e eu não consigo entender o porque a não ser pelo custo de uma produção como essa…), que apesar de ainda ser bem cedo, já é possível torcer para que aconteça, se não por sua qualidade, pelo desejo já revelado do Bryan Fuller de trazer o David Bowie para uma participação na série, vivendo o tio do Hannibal caso ela seja renovada para uma Season 2. Imaginem só?

E olha que procedural nunca foi o meu forte, mas toda essa nova visão para essa história já conhecida (além do fator “encontro semanal com o Hugh Dancy”) tem me deixado bastante curioso e ansioso por seus novos episódios a cada semana.

Veremos…

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Mockingbird Lane, o promo/trailer/preview

Outubro 15, 2012

Remake de The Munsters, dessa vez com assinatura do Bryan Fuller (Pushing Daisies) e direção do Bryan Singer (“Superman Returns”, “X-Men 2”, House e andam falando que o climão entre ele e o Fuller não era nada bom nos sets de filmagens, por conta de “diferenças artísticas” entre ambos) e que dizem que nem mesmo a NBC irá encomendar a série (que eles acharam estar bem  abaixo das expectativas) mas mesmo assim, eles vão exibir o episódio piloto como um especial de Halloween desse ano, só que no dia 26/10.

Ansiosos ou preguiçosos? (eu vou querer ver…)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Duas semanas de férias. Será que perdemos muita coisa?

Julho 23, 2012

Praticamente duas semanas de merecidas férias, longe de tudo e de todos por aqui. Mas será que perdemos muita coisa durante esse tempo?

Como não gosto de ficar com a sensação de que não comentamos algum plot daqueles que possa ter ocorrido durante esse período, resolvi fazer um momentão “flashback” com tudo o que de importante (importante para quem neam?) aconteceu nessas duas últimas semanas. Preparados para essa carga de updates importantíssimos em uma dose única?

Hugh Jackman também esteve de férias, só que em Sydney e parece que por lá, pelo bem do seu grande segredo permanecer escondido e trancado a sete chaves douradas com glíter, ele ofereceu seus dois mamilos para Iemanjá em troca do silêncio selado em adamantium sobre alguns plots de sua vida.

Como respeitamos toda e qualquer religião/posição, achamos bem bacana o ritual e oferecemos 1/2 bolacha Trakinas (sem a parte do recheio) para quem conseguir achar qualquer um dos seus dois mamilos na imagem acima. Valendo!

#NANOMAMILISMO

 

ps: não vale fazer a criativa e desenhá-los na foto hein?

Enquanto isso em NY, a barra pesava para cima de Suri, que já está sofrendo na pele as consequências da separação dos seus pais, sendo apresentada a um modelo Leeleeca Reepeeleeca pela primeira vez,  do tipo que  ela imaginava que só a vassalagem usava, algo que Suri não conseguiu aceitar muito bem depois de ter experimentado por tanto tempo apenas tecidos nobres, cortes precisos e caimentos perfeitos de suas roupas assinadas e de grífem.

Força Suri e seja bem vinda ao mundo do pé no chão com direito a um velho e bom poliéster de vez em quando!

#CHATIADINHA

 

ps: não sabemos se é verdade tudo que vem saindo na imprensa a respeito dos reais motivos da separação do casal e o fato da Katie estar tentando rever os conceitos sobre a criação da pequena Suri, mas já achamos esse fundamento bem mais bacana e adequado a idade da pequena, que sempre foi o motivo da nossa implicância com a mesma. Go Katie! Go Katie!

Em uma terra onde as leis do Bad Photoshop são seguidas a risca, conseguiram transformar a magia do Lee Pace (quem nunca sonhou em comer no buraco da torta desse homem que atire a primeira meia dúzia de morangos podres, NOW) em qualquer coisa nesse poster mais do que pavoroso do novo filme de “Twilight”, do qual a gente só não consegue sentir mais preguiça porque resolvemos não dar a menor atenção desde o primeiro deles todos. ZzZZZ

Acho um pecado (isso e ele ter aceito um papel na franquia). Acho uma heresia e acho que alguém deveria ser responsabilizado por esse crime da mão pesada no Photoshop. Chega de impunidade, queremos justiça! Devolvam a magia do nosso Lee Pace, NOW!

#NAOTABOMNAO

Nesse meio tempo, acabamos descobrindo que não é só True Blood que está ficando bem meio assim ultimamente (continuo achando essa Season 5 bem difícil…) e até o seu time de boys magia já começou a sofrer as consequências da decadência da série, que foi o que descobrimos com essa imagem do Ryan Kwanten com esses braços assustadoramente veiudos. EW!

Me digam, de onde é que surgiram todas essas veias que a gente nunca tinha percebido antes? Hein?

#DECEPCÃODEFINE

Que a maldição demore para chegar na parte sueca da série. Amém!

 

ps: tudo bem que o Jason aparecendo com PJ do He-Man foi um momento bem foufo em um dos últimos eps da série, mas juro que esse mesmo ep eu quase não consegui reconhecer como um episódio de True Blood. Sério, sem exagero. 

E não é que a Madonna resolveu lançar vídeo novo para o single de “Turn Up The Radio”?

SIM!

E não é que mesmo tendo sido gravado em Roma e contendo um certo nível de magia até que interessante, ele é bem meio assim?

SIM!

Querida Madonna, é preciso mais do que meia dúzia de magia do lado de lá para distrair a gente de tamanha vergonha. E quando o single não é lá essas coisas mas mesmo assim vc resolve insistir, o vídeo pelo menos tem que ser mais esforçado do que isso, a senhora não acha?

#CARADEREDUÇÃODECUSTOS

#NÃOSOBROUUMTROCADONEMPARAPAGARAFIGURAÇÃO

 

ps: músicas que nunca vão entrar nas minhas playlists. Checked ✓

E olha só quem resolveu aparecer por aqui?

Colin Farewell!

Höy!

Ele que apareceu e fez o que todos deveriam fazer em suas visitas ao nosso país, que é nos pagar a hospitalidade e todo o nosso calor humano com um shirtless para a gente dar aquela conferida se ainda vale a pena investir na carreira de stalker em nome da magia alheia.

E com isso, Colin conseguiu provar que a sua magia continua toda ali. Höy!

Vc ai, sentado na sua cadeira reclamando do mundo, que tudo andou dando errado na sua vida (passei por cada plot drama dramático nessas férias… Xocotô!), dizendo que vc não é uma pessoa de muita sorte, quando tem criança tendo que enfrentar sérias dificuldades no seu  dia a dia e isso tão cedo, como o Zuma tendo que enfrentar esse obstáculo em sua jovem vida.

Se fosse vc, teria vergonha de reclamar dos seus problemas estando de cara com uma imagem de coragem & superação como essas… Shame on you!

#TEMCOMONAOAMAR?

Entramos de férias, deixamos nossos leitores com pencas de links amigos recheados com todo o nosso fundamento, mas parece que tem gente que não conseguiu aprender nada, neam?

Certamente, a Miley Cyrus não é uma leitora do Guilt. E o que a gente tem a dizer sobre isso? AMÉM!

E que macacão mais pavoroso em jeans é esse minha gente? E essa cara de derrota com pouco ou nenhum make? E a tattoo de apanhador de pesadelos? (porque sonhos nesse caso fica difícil de aceitar…)

Olho para essa imagem e sinto vergonha, um pouco de náusea, sinto também uma vontade enorme de ter uma conversa bem séria com os responsáveis da família Hemsworth, além de só conseguir lembrar dessa outra imagem icônica aqui ó:

(♥)

Amor eterno selado em jeans estonado. VAVAVOOM!

Mas se não era bom nem naquela época antiga, imagine hoje em dia, hein Miley?

Mesmo assim, quantos pedaços de pão velho a gente daria para ver a Miley repetir com o seu boy magia o que o casal acima fez no passado, hein?

Aguardamos ansiosamente por esse look combinanders do casal… (ZzZZZ)

E essa imagem da Riwanna que também esteve de férias durante esse mesmo período, serve para nos deixar ainda mais felizes pelo fato de que o nosso cabelo  se manteve muito mais em dia do que o da própria durante a nossa própria vayvay (rs)

#CONTINUANÃOESTANDOBOMNÃO

Como não só de desgraça vive o homem, terminamos o nosso update de plots que podemos ter perdido durante esse período, dando aquela checada na magia Gosling, que ao que tudo indica, mesmo com direito a t-shirt podrinha com furo no sovaco (que a gente torce para que não seja depilado, porque assim não dá neam? Se bem que os nossos padrões são outros quando o assunto é o Ryan Gosling, rs) continua exatamente como a gente deixou antes de sair de férias. #HOTASHELL

Então vamos lá queridos leitores, para comemorar a nossa volta e encerrar esse momentão flashback de férias, vamos ao nosso grito de guerra preferido em uma só voz: HÖY!

E é isso. That’s all folks! Agora que estamos devidamente atualizados, podemos declarar que voltamos oficialmente. Yei!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Ned? É vceam?

Abril 11, 2011

E o new look do Lee Pace, hein?

Höy!

Será que ele ainda faz uma torta daquelas? Hein?

Jim Parsons e Lee Pace juntos na Broadway

Março 11, 2011

E não é que dois dos personagens mais queridos (por mim, rs) da tv vão se juntar na Broadway?

Sim, a produção com o nome “The Normal Heart” já tem o nome dos dois atores no elenco. Promissor, não?

Será que é dessa vez que finalmente vou me encontrar com Sheldon Cooper em pessoa, só que disfarçado?

E será que é dessa vez que o pie maker mais foufo ever vai me servir uma torta?

Ansioso mil!

ps: acabei de rever o meu box da Season 2 de Pushing Daisies. Que série maravileeeandra, não?

Precisa-se de uma estante nova

Fevereiro 18, 2011

 

Coraline meu amor, seja bem vinda em stop motion! rs

 

 

Divertido e triste ao mesmo tempo. Sempre choro no final, dançando ala cabaré é claro, rs

 

 

Maravileeeandro e com uma trilha imperdível do Eddie Vedder. Cool!

 

 

E completando o meu kit Seth Cohen (rs) eu grito: Goonies R Good Enough!

 

 

AMO esses quatro e acho uma pena o box não ter “bloopers”, humpf!

 

 

Completando a coleçán finalmente! É o que estou assistindo atualmente, todo dia antes de dormir, com um aperto no coração pq esta chegando perto do fim (que é sensacional, não?)

 

 

As últimas tortas do Ned, que puxa!

 

 

Peter e Walter Bishop agora morando aqui em casa, rs

E tem extra em todos os discos, mais do que um até. Howcoolisthat?

 

 

Pq eu sempre quero fazer coisas malignas com vcs, rs

Roaw!

Digamos que na prateleira especial não cabe mais nada e a pilha ao lado da tv esta quase do meu tamanho. Descontrole? Para eu mesmo refletir sobre…

Desaniversário sortido esse viu?

Maio 19, 2010

LOVE quando um certo pacote mágico chega em minha casa trazendo as minhas preciosidades. E para continuar com os meus presenteeenhos de niver>

Que eu queria faz um tempão e que agora já posso dizer adeus a Season 1 que Paolo Torrento gentilmente me trouxe junto com as demais e colocar o Box  no meu own  santuário.

ps: odeio que na embalagem nacional esteja escrito ” Big Bang – A teoria”…me irrito pencas com títulos traduzidos.

Empurrando margaridas e a sua volta para o santuário (piada interna). Miss U Ned!

E o Erik que finalmente se mudou aqui para casa com esse box desejo de True Blood de algum tempo e que vai direto para o santuário ao lado de  Six Feet Under, rs

E o filme do Bender, de quem eu confesso que já estava com saudades!

Ótimos presentes não? Queria fazer desaniversário mais vezes… euri

Thnks!

Melhor do que as tortas do Pie Hole

Março 14, 2010

Sorry Ned, mas como vc fechou os negócios antes que eu tivesse a chance de provar uma de suas delícias, eu fico com a melhor torta do mundo que eu ganhei ontém! E de maçã ainda? Yummy, i fell love in my tummy!

Thnks!

ps: pode ser que a minha família tenha roubado uma de suas receitas, fikdik!


%d bloggers like this: