Posts Tagged ‘SNL’

E a lista do Emmy 2014, hein?

Julho 14, 2014

Mindy+Kaling+66th+Primetime+Emmy+Awards+Nominations

É  claro que precisamos comentar a lista com o indicados para o Emmy 2014, que esse ano acontecerá no dia 25 de agosto na America antiga, com transmissão ao vivo por aqui pela Warner. Mas só vamos falar dos prêmios que mais nos interessam (séries e minisséries), porque como todo mundo sabe, essa lista é enorme. E como sempre, nossa torcida leva um coração (♥), nossos desafetos levam uma #CREDINCRUX () e os comentários seguem abaixo de cada categoria. Vamos lá?

 

breaking bad finale

Série Dramática

♥  Breaking Bad – AMC

Downton Abbey – ITV/PBS

Game of Thrones – HBO

House of Cards – Netflix

Mad Men – AMC

True Detective – HBO

 

Em um ano de final de Breaking Bad, qualquer resultado que não seja para a série vai parecer injusto, mesmo que suas concorrentes tenham sido bem boas. Não consigo nem torcer por outra, sério…

 

mf_s5ep20-12

Série Cômica

†  The Big Bang Theory – CBS

♥  Louie – FX

Modern Family – ABC

Orange is the New Black – Netflix

Silicon Valley – HBO

Veep – HBO

 

Girls não está nessa lista e isso já me deixa irritado. Louie é sempre excelente, continua sendo uma das minha comédias preferidas na vida, mas não é para todo mundo. E tenho que reconhecer que Modern Family é superior, por mais idiota que esse comentário possa me fazer parecer. Ainda não vejo Veep, sorry… e Silicon Valey e OITNB estão na minha lista de próxima obrigações televisivas antes da fall season. E cadê The Mindy Project nessa lista, hein?

 

FARGO-ed87-4515-a622-8fbe3135e5fb_Fargo_CL_0872_firstlook1

Minissérie

†  American Horror Story: Coven – FX

Bonnie & Clyde – Lifetime

♥  Fargo – FX

Luther – BBC/BBC America

Treme – HBO

The White Queen – BBC/Starz

 

Até agora, só vi o piloto de Fargo e já estou completamente apaixonado. E qualquer série que tiver o Watson e o Bilbo Baggins em seu elenco, já pode considerar o meu voto como vencido!

 

normal-heart-hbo-main

Telefilme

Killing Kennedy – National Geographic Channel

Muhammad Ali’s Greatest Fight – HBO

♥  The Normal Heart – HBO

♥  Sherlock: His Last Vow – Episódio de longa duração de série britânica – BBC/PBS

The Trip To Bountiful – Lifetime

 

Não sei porque eles insistem em colocar Sherlock nesse tipo de categoria, mas, não tem como pelo menos torcer pela série. Mas vocês já viram The Normal Heart? Então, fica difícil não torcer pela obra do uncle Ryan também, que é simplesmente sensacional!

 

breaking-bad-finale-ratings

Ator de Série Dramática

♥  Bryan Cranston por Breaking Bad – AMC

Jeffe Daniels por The Newsroom – HBO

Jon Hamm por Mad Men – AMC

Woody Harrelson por True Detective – HBO

Matthew McConaughey por True Detective – HBO

Kevin Spacey por House of Cards – Netflix

 

Cranston, sem mais. Ano que vem, espero que o Jon Hamm finalmente seja reconhecido por seu também sempre muito bom, Don Draper. Mas só ano que vem…

 

louie-elevator-part-6

Ator de Série Cômica

Don Cheadle por House of Lies – Showtime

♥  Louis CK por Louie – FX

Ricky Gervais por Derek – Channel 4/Netflix

†  Matt LeBlanc por Episodes – Showtime

William H Macy por Shameless – Showtime

Jim Parsons por The Big Bang Theory – CBS

 

Louis CK. só porque ele é ruivo e apresentou o SNL tendo o Sam Smith como convidado musical. Mentira, é porque ele é bom mesmo. 

 

xyfvqy30y7a6jaya7gxy

Ator de Minissérie ou Telefilme

Chiwetel Ejiofor por Dancing on the Edge – BBC/Starz

♥  Martin Freeman por Fargo – FX

Billy Bob Thorton por Fargo – FX

Idris Elba por Luther – BBC/BBC America

♥  Benedict Cumberbatch por Sherlock – BBC/PBS

♥  Mark Ruffalo por The Normal Heart – Telefilme – HBO

 

Dividido em três partes covardes. Mas gostaria que o combate fosse mais um duelo entre o Sherlock e o Watson interpretando outro que não o seu já famoso Bilbo. Veremos…

 

Claire-Danes-and-Mandy-Patinkin-in-Homeland-Season-3-Episode-9

Atriz de Série Dramática

Lizzy Kaplan por Masters of Sex – Showtime

Claire Danes por Homeland – Showtime

Michelle Dockery por Downton Abbey – ITV/PBS

†  Julianna Margulies por The Good Wife – CBS

Kerry Washington por Scandal – ABC

Robin Wright por House of Cards – Netflix

 

Seria uma pena ver a Claire Danes ganhando essa por uma temporada tão meio assim de Homeland. Prefiro que fique entre as outras grandes, Washington e Wright, mas fico bem feliz de ver o nome da Lizzy Kaplan finalmente figurando em uma lista como essa. Mas faltou a órfã, não?

 

lena-600x450

Atriz de Série Cômica

♥  Lena Dunham por Girls – HBO

♥  Edie Falco por Nurse Jackie – Showtime

Julia Louis-Dreyfus por Veep – HBO

Melissa McCarthy por Mike & Molly – CBS

Amy Poehler por Parks and Recreation – NBC

Taylor Schilling por Orange Is the New Black – Netflix

 

Eu tenho um amor de identificação pela Lena Dunham, então não consigo não torcer por ela, seja no Emmy, seja na vida. Edie Falco é sempre excelente em Nurse Jackie, embora a série seja sempre injustiçada figurando em uma lista de comédia. Mas não somos inocentes e sabemos que esse vai de novo para a Louis-Dreyfus. 

 

American-Horror-Story-2

Atriz em Minissérie ou Telefilme

Jessica Lange por American Horror Story – FX

Sarah Paulson por American Horror Story – FX

Helena Bonham Carter por Burton and Taylor – Telefilme – BBC/BBC America

Minnie Driver por Return to Zero – Telefilme – Lifetime

Kristen Wiig por The Spoils of Babylon – IFC

Cicely Tyson por The Trip to Bountiful – Telefilme – Lifetime

 

Grandes nomes, várias queridas e nenhuma delas assistidas por mim. Que vença a melhor. #PHNEUTRO

 

Breaking Bad Series Finale Aaron Paul as Jesse Pinkman 1

Ator Coadjuvante em Série Dramática

♥♥ Aaron Paul por Breaking Bad – AMC

Jim Carter por Downton Abbey – ITV/PBS

♥♥ Peter Dinklage por Game of Thrones – HBO

Mandy Patinkin por Homeland – Showtime

Jon Voight por Ray Donovan – Showtime

Josh Charles por The Good Wife – CBS

 

Meu coração fica tão dividido nessa categoria que ele se divide em dois, e dois para cada um dos meus preferidos. Seria possível um empate?

 

sherlock-s3-e1-martin-freeman-636-380

Ator Coadjuvante em Minissérie ou Telefilme

Colin Hanks por Fargo – FX

♥  Martin Freeman por Sherlock – BBC/PBS

Jim Parsons por The Normal Heart – Telefilme – HBO

Joe Mantello por The Normal Heart – Telefilme – HBO

Alfred Molina por The Normal Heart – Telefilme – HBO

♥  Matt Bomer por The Normal Heart – Telefilme – HBO

 

Freeman concorrendo novamente, e agora pelo seu Watson em Sherlock. E essa foi uma temporada importante para o seu personagem na série, por isso nada mais do que merecido. Gosto muito do Jim Parsons, mas em The Normal Heart, ele conseguiu carregar um pouco do Sheldon e não de uma forma tão positiva assim. Matt Bomer está assustador no mesmo e merece não só por isso, pela entrega, mas porque fez sim um excelente trabalho também!

 

ad

Ator Coadjuvante em Série Cômica

Andre Braugher por Brooklyn Nine-Nine – Fox

♥  Adam Driver por Girls – HBO

Ty Burrell por Modern Family – ABC

Jesse Tyler Ferguson por Modern Family – ABC

Fred Armisen por Protlandia – IFC

Tony Hale por Veep – HBO

 

Dei um grito de menina fã quando vi o nome do Adam Driver nessa lista. Finalmente! Sei que alguém de Modern Family deve levar, mas ainda assim, podemos fazer uma versão do troféu de jujubas e entregar para o nosso Adam, não?

 

mad-men-season-7-finale-bert-cooper-dead

Ator Convidado em Série Dramática

Paul Giamatti por Downton Abbey – ITV/PBS

Reg E. Cathey por House of Cards – Netflix

♥  Robert Morse por Mad Men – AMC

Beau Bridges por Masters of Sex – Showtime

Joe Morton por Scandal – ABC

Dylan Baker por The Good Wife – CBS

 

Sério, o Paul Giamatti apareceu durante 5 min de toda temporada de Downton Abbey, no máximo. Claro que meu coração vai para o Robert Morse. Claro!

 

jimmy-fallon-600

Ator Convidado em Série Cômica

Nathan Lane por Modern Family – ABC

Steve Buscemi por Portlandia – IFC

♥  Jimmy Fallon por Saturday Night Live – NBC

Louis C.K. por Saturday Night Live – NBC

Bob Newhart por The Big Bang Theory – CBS

Gary Cole por Veep – HBO

 

Não acho o Jimmy Fallon um bom ator, mas suas participações no SNL, seu velho conhecido, são sempre excelentes. Louie também foi ótimo por sinal… Queria muito assistir Portlandia, mas não encontro para “comprar”… 

 

AR-AD752_Breaki_G_20130926143149

Atriz Coadjuvante em Série Dramática

♥  Anna Gunn por Breaking Bad – AMC

Maggie Smith por Downton Abbey – ITV/PBS

Joanne Froggatt por Downton Abbey – ITV/PBS

Lena Headey por Game of Thrones – HBO

Christina Hendricks por Mad Men – AMC

Christine Baranski por The Good Wife – CBS

 

Anna Gunn, sem mais e pelo conjunto da obra da sua participação na série. 

 

mayim-bialik-big-bang-theory

Atriz Coadjuvante em Série Cômica

Julie Bowen por Modern Family – ABC

Allison Janney por Mom – CBS

Kate Mulgrew por Orange is the New Black – Netflix

Kate McKinnon por Saturday Night Live – NBC

♥  Mayim Bialik por The Big Bang Theory – CBS

Anna Chlumsky por Veep – HBO

 

Gostaria muito que a Mayim tirasse esse prêmio certo das mãos da Julie Bowen, mas está difícil…

 

 

Frances-Conroy-in-American-Horror-Story-Coven-Episode-9

Atriz Coadjuvante em Minissérie ou Telefilme

♥  Frances Conroy por American Horror Story – FX

♥  Kathy Bates por American Horror Story – FX

Angela Bassett por American Horror Story – FX

Allison Tolman por Fargo – FX

Ellen Burstyn por Flowers in the Attic – Telefilme – Lifetime

♥  Julia Roberts por The Normal Heart – Telefilme – HBO

 

Bates ou Roberts. Tranquem as duas em uma sala, joguem uma espada e quem sair viva, leva. Mas secretamente, vou torcer para sempre para a Frances Conroy, por meu amor antigo por Six Feet Under

 

Atriz Convidada em Série Dramática

Diane Rigg por Game of Thrones – HBO

Kate Mara por House of Cards – Netflix

Allison Janney por Masters of Sex – Showtime

Kate Burton por Scandal – ABC

Margo Martindale por The Americans – FX

Jane Fonda por The Newsroom – HBO

 

Se eu fosse a Jane Fonda, que tem um cena a cada temporada de The Newsroom, teria vergonha de qualquer indicação por esse papel. Isso só pode ser coisa de algum velho tarado de seus velhos tempos de “Barbarella”. Só pode! rs

 

Atriz Convidada em Série Cômica

Uzo Aduba por Orange is the New Black – Netflix

Laverne Cox por Organe is the New Black – Netflix

Natasha Lyonne por Orange is the New Black – Netflix

Tina Fey por Saturday Night Live – NBC

Melissa McCarthy por Saturday Night Live – NBC

Joan Cusack por Shameless – Shwotime

 

Bacana ver o Netflix sendo levado a sério, não?

 

Elenco de Série Dramática

♥  Breaking Bad – AMC

Game Of Thrones – HBO

The Good Wife – CBS

House Of Cards – Netflix

True Detective – HBO

Sherlock – BBC/PBS

Treme – HBO

 

Breaking Bad, claro. Acho que GOT vai ser tipo aqueles que são indicados a tudo no Oscar mas que no final, acabam ganhando apenas um ou outro prêmio técnico da noite…

 

Elenco de Série Cômica

Louie – FX

Modern Family – ABC

Nurse Jackie – Showtime

Orange Is The New Black – Netflix

Veep – HBO

 

Modern Family, porque eles tem mesmo o melhor elenco e as vezes não tão bem aproveitado assim até…

 

Elenco de Minissérie ou Telefilme

American Horror Story – FX

Fargo – FX

Sherlock: The Last Vow – BBC/PBS

The Normal Heart – Telefilme – HBO

Treme – HBO

 

Gostaria de ver esse com Sherlock, mas fica difícil concorrer com tantos nomes de peso de Hollywood em TNH. Humpf!

 

Série Animada

Archer – FX

Bob’s Burgers – Fox

Futurama – Fox

South Park – Comedy Central

Teenage Mutant Ninja Turtles: The Manhattan Project – Nickelodeon

 

Série Animada – Curta Duração

Adventure Time – Cartoon Network

Disney Mickey Mouse – Disney Channel

Disney Phineas and Ferb – Disney Channel

Regular Show – Cartoon Network

Robot Chicken – Cartoon Network

 

Adventure Time, porque é o mais maravilindo! rs

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Game of Desks

Maio 27, 2013

Sensacional paródia do Jimmy Fallon no melhor estilo GOT, preparando a sua saída do Late Night, que em breve será a casa do Seth Meyers (SNL), assim que o Fallon seguir para assumir o trono de “controles remotos” antes ocupado pelo Jay Leno, que inclusive faz uma cameo bem especial (e também super bem humorada) no final do vídeo.

Boa sorte para todos!

 

ps: fiquei feliz de ver que eu não sou o único que sempre achou que os atores de GOT (não só de GOT, mas em todos os outros casos semelhantes que conhcemos) deveriam ficar no mínimo constrangidos quando gravando as cenas do núcleo Khaleesi, falando línguas. Confirmou!

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

JT, apenas

Março 12, 2013

tumblr_mic0olZ6cz1qhkasno1_500

Esse mês, não tinha ninguém melhor para ser o nosso header aqui no Guilt, a não ser ele mesmo, JT. Höy!

Primeiro, espero que a essa altura todo mundo já tenha assistido a sua 5ª vez no SNL (onde agora ele faz parte do exclusivíssimo Five Timers Club), que foi sensacionalmente tão boa, que eu já assisti duas vezes. Sério.

Teve reprise da sua dupla antiga com o Andy Samberg (sempre bem boa), seu desafio musical vestido de tofu (sério, imaginem essa performance de forma adorável e me respondam se #TEMCOMONAOAMAR?), um Caligula tentando tratar seu vício em sexo e bebidas, o porn star Ricky V.I.Penis vindo diretamente dos 70’s para uma propaganda de champagne (que só não foi melhor do que o comercial do programa para “Nuva Bling”, mas a NBC tem problemas com o Youtube e os links deles tem problemas com o WordPress, então…), até seus dois momentos musicais ao som de “Suit & Tie” (onde ele estava impossível na coreô e foi acompanhado pelo Jay-Z!) e “Mirrors” e em todos esses momentos, Justin esteve mais uma vez excelente. Detalhe, ele abriu o programa fazendo uma excelente performance de Elton John (que ele já encarou lindamente de forma séria no passado) cantando no funeral do Hugo Chávez.

Sem contar que a sua nova participação no SNL ainda contou com nomes como Tom Hanks, Steve Martin, Alec Baldwin, Chevy Chase, Dan Aykroyd e o Paul Simon.

Além disso, ontem, o próprio acabou liberando o seu novo álbum “The 20/20 Experience” para audição no iTunes, uma semana antes do seu lançamento oficial que acontece no próximo dia 19, onde é possível ouvir as dez faixas do seu novo álbum (das quais falaremos mais em breve). Completando essa fase de divulgação, JT estará durante toda essa semana no Late Night With Jimmy Fallon apresentando seu novo trabalho.

Como seu tudo isso já não fosse o suficiente para nos deixar eufóricos com essa volta do Mr Timberlake (que nós estamos esperando faz tempo!), ele ainda esteve no mês passado no The Jonathan Ross Show, nessa entrevista sensacional, onde ele fala da fase em que sua mãe teve a guarda do Ryan Gosling por um tempo quando crianças e ambos trabalhavam juntos e o quanto eles se divertieram, assim como acaba acontecendo uma rodada de tequila (a sua tequila, porque ele tem uma tequila, gente! #TEQUILA!) enquanto ele e o Jonathan se arriscam em alguns buracos de golfe temáticos e batizados com músicas do próprio.

Sério, vou até repetir: #TEMCOMONAOMAR indeed?

Não, não tem. (♥)

Mas não é só isso. Como disse no começo do texto, mudamos ontem o header do Guilt para que o JT fosse a nossa companhia no mês março e no final da noite, recebemos a informação de que ele foi confirmado no Rock In Rio desse ano. CATAPLOFT! (levantando rapidamente para bater a poeira do meu terno e gravata após o susto para continuar escrevendo o post)

E SIM, acreditamos que isso seja uma ação direta do universo conspirando a nosso favor. Confirmou, trouxemos o JT! (rs. Mas agora sério, será que ele poderia estender sua visita e passar por SP para me ver? Hein?)

(♥)

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

JT pediu para dar um recado…

Março 7, 2013

JT SNL

Com essa cara linda e escovada de boy magia que superou os 90’s e só melhora (Höy!), o JT himself (através de um breve furto no seu Instagram. Sorry Justin, mas não resisti a esse olhar) pediu para avisar que sábado 9/03, tem SNL com ele. Tá bom para vocês?

#TEMCOMONAOAMAR?

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Homeland e a sua temporada que não foi excelente, mas que mesmo assim foi bem boa

Dezembro 28, 2012

Homeland

Acho honesto começar a falar da Season 2 de Homeland assumindo logo de cara que a minha relação com ela não foi das melhores. É, não foi. Claro que também não foi das piores porque, para que a minha relação com uma série como essa ficasse ruim de verdade, precisaria de muito mais. Mas foi difícil, uma relação de altos e baixos, instável, em alguns momentos bastante complicada, em outros “fácil demais”, mas no final das contas acabamos superando tudo isso e continuamos firmes e fortes, juntos. Talvez tenhamos muita sorte. Mas isso só se confirmou mesmo depois daquele final, que serviu para restabelecer de vez a força da nossa relação. Estamos bem de novo, por enquanto. Só não podemos continuar repetindo os mesmos erros daqui para frente.

Carrie (a sempre excelente Claire Danes) voltou diferente para essa temporada. Fato. Também pudera, depois de tudo que a personagem passou durante a sensacional Season 1 + o tratamento de choque que ela se submeteu voluntariamente devido a sua condição, um tratamento cruel, doloroso e que literalmente fritou suas memórias (fritou mais ou menos, não?), seria difícil encontrar a mesma Carrie de antes assim, logo de cara. Mas ela estava lá, tentando se esconder por trás de um olhar extremamente triste, quase como se ela não estivesse presente, não por completo, inteira. Um olhar de uma pessoa tentando se acostumar com sua nova realidade, visivelmente triste com a mesma, mas pelo menos tentando seguir em frente e se adequar.

E essa nova realidade da personagem acabou contribuindo para um começo bem mais lento para Homeland nessa temporada, porém até que necessário, porque havia a necessidade de situar a história e a atual situação de seus personagens depois de tudo que já conhecemos do seu passado. E tudo isso só passou a voltar para o ritmo normal que eles mesmos nos acostumaram durante a Season 1, quando a CIA se viu completamente sem saída e teve que pedir a colaboração da própria Carrie, colocando-a novamente em campo, que todo mundo sabe, é onde ela sempre se sentiu mais a vontade com ela mesmo. Isso sem prometer nada, cruelmente até, a tratando como uma qualquer. Logo ela, que se fosse uma qualquer mesmo, não seria tão fundamental assim para o desenrolar das investigações. (autoconfiança é importante na vida, Carrie!)

Longe dela e tentando manter a sua vida cheia de “mentiras” estava o Brody (o tão sensacional quanto, Damian Lewis), um homem que apesar da serenidade que ele tenta passar a todo instante para não ser pego por ninguém, nós todos sabemos que na verdade, ele é como uma bomba relógio que está prestes a explodir a qualquer momento, principalmente porque em sua vida acontece de tudo o tempo todo e ameaças por todos os lados nunca faltaram para o personagem. Agora concorrendo a uma vaga como vice na campanha presidencial do então odioso vice-presidente, que nós bem sabemos que sempre foi bem meio assim, com seu próprio gabinete, entourage (AMO e sempre procuro um motivo para usar essa palavra. Sempre!) e tudo mais. Sendo assim, Brody esteve cada vez mais envolvido com a parte política da história, algo conveniente para ele e também para o inimigo #1 da america antiga dentro da série. Em casa, tudo caminhava para uma vida enfim tranquila, com mulher e filhos também se adaptando a nova realidade da família do novo “herói americano”, ganhando cada vez mais espaço na trama, principalmente a filha, para o nosso total desespero. Mas daqui a pouco falaremos dela, porque também não queremos cometer a injustiça de dar mais espaço para quem não merece, rs

Enquanto isso, a ameaça de um novo ataque terrorista continuava perseguindo a CIA e em campo, em um momento de pura adrenalina que foi o que trouxe a série para o ritmo que nós tanto gostamos de antes, com muita sorte, Carrie, mesmo arriscando a própria cabeça a troco de qualquer coisa naquele momento, muito provavelmente porque ela já não tinha mais o que perder a essa altura, conseguiu algumas provas ou pelo menos pistas do que estaria por vir e no meio disso tudo, repito, com muita, mas muita sorte, ela acabou encontrando também o vídeo com a confissão das verdadeiras intenções do Brody no passado e isso em terras bem distantes, com um disfarce bem do meio assim (mas Ok, perdoamos esse detalhe porque a perseguição foi bem boa). Vídeo esse que o Saul achou em meio as evidências, quase por acaso, que nos trouxe um dos momentos mais bacanas e aguardados da história da série, que acabou se estendendo até o episódio seguinte, quando Saul finalmente revelou a descoberta do vídeo para a própria Carrie, que nessa hora ganhou a certeza de que ela esteve certa o tempo todo, nos presenteando com uma cena ótima de alívio para a personagem, que naquele momento parecia que enfim tinha voltado de uma vez por todas para onde ela pertencia. Carrie estava centrada novamente. Quer dizer, na verdade, meio que em diagonal como quase sempre. (rs)

20121016-162732

Mas a sua volta para a CIA não aconteceu assim de forma tão fácil não e Carrie ainda teve que amargar alguns obstáculos colocados no seu caminho por seus superiores, que tentavam a todo custo dificultar ainda mais o seu retorno, sem contar que eles todos não conseguiam aceitar ou reconhecer que a agente bipolar mais descontrolada do universo foi quem esteve certa durante todo esse tempo, algo que só contribuiu para deixar a personagem ainda mais fora de controle, principalmente quando ela já tinha consciência de que estava certa, onde a partir disso ela passou a assumir de vez a posição de “policial que não segue regras”, tão comum em séries ou filmes do gênero, algo que em Homeland sempre me pareceu um tanto quanto desnecessário (e apesar de não ser novidade para ninguém, dessa vez, esse detalhe foi ainda mais presente na trama). O difícil é acreditar que em uma organização de segurança nacional daquele porte e com tamanha responsabilidade, as coisas continuem acontecendo de acordo com as vontades e ou intuição da personagem. Mas tudo bem de novo, perdoamos agora porque a história precisava continuar… (o que não quer dizer que nós não estamos de olho nesse tipo de detalhe)

Até que chegamos ao que pra mim foi o ponto alto da série, o “interrogatório DR “público/particular” do casal Carrie vs Brody (2×05 Q&A), que aconteceu diante das câmeras, na frente de quase todo mundo. Quer dizer, pelo menos o áudio vai? Esse que pra mim foi o momento mais “Homeland” de toda essa temporada de Homeland. O momento que nos lembramos do porque que achamos a série tão boa no passado, a ponto de a consideramos como a melhor do ano de 2011, do porque que nós gostamos tanto e nos apegamos de tal forma a aqueles personagens. Ufa, até que enfim Homeland estava realmente de volta. Uma discussão sensacional, que durou uns 15 minutos, com apenas os dois atores em cena, se entregando completamente, despejando as verdades na cara um do outro, verdades que todos nós estávamos ansiosos para ouvir da boca de cada um deles. Carrie assumindo que amava sim o Brody, sem medo de admitir, sem culpa. Dizendo inclusive que ainda o ama na verdade, no presente e que ficaria com ele a qualquer momento, caso esse também fosse o seu desejo. Brody que por sua vez assumia pela primeira vez suas verdadeiras intenções ao final da temporada anterior, revelando a sua parceria com o Abu Nazir, apesar de ter deixado uma parte de fora dessa verdade ainda muito bem escondida (a história toda do colete), assumindo pelo menos parte da verdade, ainda mais agora que ele já não tinha mais como se esconder, uma vez que a CIA já tinha em mãos o vídeo com a sua confissão. Brody respirava aliviado pela primeira vez, deitado no chão, completamente vulnerável, em posição fetal. Dra-ma.

Antes disso, ainda tivemos mais um momento totalmente sem limites da própria Carrie, que aconteceu logo em seguida ao Brody tocar na sua ferida mais profunda (de propósito), falando sobre a sua atual condição psicológica totalmente perturbada e mais tarde, os dois se acertando animadamente em um hotel de beira da estrada, com os seus colegas de trabalho testemunhando tudo e podendo observar de perto o quão longe aquela mulher poderia chegar para obter o que ela desejava e nesse caso, em todos os sentidos. Apesar do envolvimento e dos exageros nessa situação, nós enquanto audiência pelo menos já sabíamos que Brody não era qualquer um para aquela mulher, algo que também ajuda a justificar tamanha atitude tão extremista. Mesmo assim, foi bastante constrangedor. Como mulher, eu diria que nem tanto, afinal, quem nunca? Como profissional, foi sim, bem desnecessário e desrespeitoso com ela mesmo.

Com toda a verdade aparecendo tão cedo durante a temporada, algo ainda precisava acontecer para que a situação não acabasse se resumindo apenas a prisão do Brody. Assim, em acordo com a CIA, que prometeu limpar o seu histórico, além de permitir a sua liberdade, Brody acabou se transformando em um agente duplo, trabalhando agora a favor deles, que tentavam descobrir o novo alvo do terrorista mais temido do momento. A partir disso também, a vida de mentiras do Brody que ele achava que havia deixado para trás com a sua confissão durante o interrogatório, acabou ficando ainda pior e muito mais sobrecarregada, com o personagem sendo pressionado por todos os lados e de forma ainda mais intensa. A CIA querendo mais informações, Abu Nazir pedindo a sua colaboração para colocar o seu plano em ação por intermeio da jornalistona megabitch. Em casa, as coisas também não andavam nada fáceis devido ao plot da sua filha envolvendo o filho do vice-presidente e um acidente de carro com uma vítima fatal e no meio disso tudo, estava também o ex melhor amigo, juntando as peças do quebra cabeças sobre a sua verdade e  de quebra, ainda teve o alfaiate que entregou o tal colete para ele na temporada anterior (e vale lembrar nessa hora o que ele foi capaz de fazer com o alfaiate quando se sentiu totalmente ameaçado pelo mesmo) reaparecendo e não facilitando muito as coisas. E entre esse fogo cruzado, estava Carrie, tentando controlar tudo o que estava acontecendo com ele, para que o plano maior de capturar Abu Nazir continuasse em andamento. Sério, se Brody pensou em explodir ao final da temporada anterior, eu não sei como é que dessa vez essa não acabou sendo uma reação natural para aquele homem. Se ele explodisse com tamanha pressão por todos os lados, acho que todo mundo entenderia o porque, rs.

aw-homeland-408x264

E precisamos falar sobre a filha do Brody. Sério, de todos os personagens que existem na série, além dos figurantes em cena andando na pracinha e ou dentro das instalações da CIA, alguém realmente se importa com a história daquela personagem? Pior do que isso, porque a história dela até poderia existir dentro de Homeland e a gente poderia nem notar e ou não prestar muita atenção, mas o problema maior talvez tenha sido o grande destaque que ela acabou ganhando ao longo da temporada com um plot idiota como esse. Da filha assustadoramente compreensível com a volta do pai todo estranho e convertido até a adolescente rebelde com cabelos ensebados e mais bipolar e irritadinha do que a própria Carrie, Dana nunca esteve tão irritante, muito provavelmente porque ela também nunca esteve tão presente na série e essa presença exagerada e totalmente desnecessária, eu considero um erro para essa Season 2.

Tudo bem que suas complicações com a justiça serviram para alguma coisa, bem pouco na verdade e talvez só tenha ajudado a preparar o território para tudo que ainda está por vir, ainda mais depois do final da temporada, mas sinceramente, não houve porque dessa história ter ocupado tanto espaço dentro dessa temporada. Não, não houve. Nem aquela sua mãe também irritante chegou a ganhar tanto destaque, tão pouco o irmão que sempre aparece como figuração e até hoje só deve ter tido umas 5 falas na série e dois “humpfs”. Aliás, falando na mãe, que mulherzinha mais meio assim, não? Tudo bem que ela já teve uma relação qualquer com o amigo (também ruivo? Sempre fico com essa dúvida sobre o fato dela ter um tipo…) do seu marido, mas custava resistir um pouquinho as tentações da carne e não ir dormir com o cara no quarto de hóspedes da casa monitorada pela CIA que ela teve que ir morar por motivos de segurança e deixar os dois filhos dormindo na própria cama dela enquanto a cabeceira da cama batia contra a parede? Se eu já não enxergava motivos para tentar simpatizar com a personagem, nesse momento, ela acabou de perder todo o meu respeito. Prefiro a Carrie, ela que faz o que tem que fazer, deixa todo mundo ver, ouvir, mas nenhum dos envolvidos nesse possível flagrante são seus filhos, apenas colegas de trabalho e nada mais, rs.

Outro momento importantíssimo para a temporada foi o “sequestro” da própria Carrie, que ficou sob a mira do Abu Nazir himself, que aparentemente, conseguia entrar nos EUA com a maior facilidade desse mundo. Ou seja, outro ponto fraco e grande falha da temporada que não poderíamos deixar de notar e apontar. Como é que um terrorista procuradíssimo como aquele, apenas tira a barba e consegue um passe livre em terras inimigas tão facilmente? Hmmm mmm… será que Abu Nazir passava fácil como vendedor de kebab em uma esquina qualquer? Mas enfim, se esse momento foi falho, ao mesmo tempo ele foi bem bacana, porque nos trouxe de volta a tensão que gostamos tanto quando o assunto é Homeland, com Brody tendo que colaborar com o ex-patrão, que precisava do número do wireless do marcapasso do vice-presidente (ou algo parecido), caso contrário, acabaria com a vida da Carrie em cinco segundos. Tempo…

Um plot meio absurdo, eu sei, mas que acabou funcionando dentro da história, apesar de pouco crível, com o terrorista mais procurando dos EUA em Homeland acionando a distância o mecanismo que matinha o coração do seu arqui-inimigo batendo normalmente, algo que acabou levando a morte do seu alvo, nos braços do Brody, que aproveitou os momentos finais do inimigo em comum para despejar umas verdades diretamente na cara dele e sem direito a misericórdia.  Só que isso tudo aconteceu dentro da sala do próprio vice, que aparentemente, é um dos lugares menos seguros da face da terra. Vai entender…

Praticamente ao mesmo tempo em que nos despedimos sem saudades do vice-presidente, acabamos nos despedindo e bem precocemente até, do próprio Abu Nazir, que também encontrou o seu fim graças a intuição e mais uma vez, toda a sorte da Carrie, que apesar de quase sempre bem confusa, parece ter um faro certeiro para uma boa pista, não? #TRUSTYOURGUT

Assim, Homeland nos trouxe novamente aquela sensação que tivemos por diversas vezes durante a primeira temporada, quando encontramos uma série pouco previsível e corajosa o suficiente para queimar seus cartuchos a qualquer momento. Confesso que pensando friamente, por se tratar de um terrorista do calibre que imaginamos que teria o Abu Nazir e o tamanho do seu envolvimento com a história, sua morte veio de forma fácil demais, apesar de corajosa e até mesmo inesperada para aquele momento. Sem contar que ela encerraria boa parte do plot em questão em torno da série, mesmo com o aparecimento de novos personagens que poderiam ter algum interesse ou relação com a investigação, algo que eu não sei se foi uma boa saída ou não no final das contas. Mas isso nós ainda teremos que aguardar a Season 3 para constatar.

E esse é um detalhe que não ficou exatamente muito claro, ou pelo menos não teve a atenção merecida. Todo o envolvimento e as suspeitas em torno do Quinn, um dos novos personagens por exemplo, ele que em algum momento, apesar de uma ligeira desconfiança, cheguei  até a achar que seria o novo candidato a boy magia da própria Carrie, mas que na verdade, tinha uma outra função dentro da trama e ela não foi devidamente esclarecida ou desenhada com detalhes. Assim como o porque do Estes ter designado uma outra “equipe” para a tal tarefa, que ao seus olhos, precisava ser encerrada com a morte do Brody, algo que o próprio Quinn se recusou a executar quando conseguiu decifrar o que de fato estava acontecendo.

Episode 212

Outro erro que eu consigo enxergar facilmente em Homeland e que nessa temporada acabou me incomodando bastante, sempre foi o fato de alguns personagens acabarem se escondendo na sombra dos demais, não ganhando o destaque que a gente gostaria que eles tivessem. Algo que na primeira temporada até que tudo bem, mas que agora acabou pesando um pouco mais, porque a essa altura, nós já conhecemos aquelas pessoas. Saul por exemplo, sempre foi um dos personagens principais da série e apesar de estar presente em boa parte da temporada, teve pouca participação efetiva e ou com alguma relevância durante a mesma. Tirando a sua excelente relação com a terrorista que tudo que queria na vida naquele momento era uma cela com vista para o mar e dois minutos sozinha para se suicidar (sério, como Saul foi tolo naquele momento…) e o grande final da temporada, Saul foi um personagem que ficou meio que a deriva da história, cumprindo um papel quase bobo de coadjuvante, ainda mais considerando o seu grau de envolvimento com a Carrie e toda a história da série. Acho um desperdício, mas pelo menos ele foi promovido no final das contas. Não por merecimento e sim por falta de opções. Triste.

Até que chegamos ao final da temporada, onde a essa altura, devido a esses pequenos (as vezes não tão pequenos assim) detalhes negativos que começaram a aparecer com certa frequência na trama atual, acabei não criando grandes expectativas para ele. Até aqui, apesar de ter gostado do caminho que a série acabou perseguindo, mesmo com um desvio ou outro meio ou totalmente meio assim, era possível perceber de longe a grande diferença entre tudo o que aconteceu durante a primeira temporada e a atual situação de Homeland, que apesar de não ser ruim, também não era das melhores, não como ela já foi. Tirando o fato da série não ser mais novidade e que dessa vez o jogo da dúvida sobre a verdade sobre o Brody já não ter mais o mesmo efeito delicioso de antigamente, onde em um episódio achávamos que ele era o bandido e no outro, achávamos que ele era totalmente inocente, ainda  faltava alguma coisa para que fosse possível relacionar e associar facilmente essa nova temporada da série com tudo de melhor que nós já havíamos acompanhado durante toda a Season 1.

Nessa hora, ganhamos uma Carrie desesperada, em meio a um ataque terrorista em um lugar que ela achava ser totalmente seguro. Todo mundo achava. Isso quando ela minutos antes havia tomado a decisão de desistir de toda a sua carreira para viver o grande amor que ela sente pelo o Brody. E de quebra, o ataque aconteceu quando ela ainda estava ao lado do homem que poderia ter sido o responsável por toda aquela barbaridade que acabou tirando a vida de diversos dos seus colegas de trabalho e que naqueles minutos anteriores, era o homem com quem ela havia decidido dividir a sua vida. Ou seja, mais bipolar do que a própria Carrie só mesmo as ironias da sua vida. Uma explosão que poderia ter sido mais caprichada e na verdade, acabou ficando com a mesma cara daquela explosão medonha e vergonhosa do final da primeira temporada de The Walking Dead, mas que mais uma vez nós deixamos passar em respeito a trajetória da série até aqui e sobretudo, imaginando todas as possibilidades que ainda estavam por vir a partir desse grande acontecimento surpresa e de última hora.

Foi quando Carrie, mais bipolar do que nunca, decidiu optar por tentar fugir do que ela acreditava ser o seu futuro, algo que ela já havia avistado como possibilidade assistindo de longe tudo o que estava acontecendo na vida do próprio Saul no passado, algo que ela disse não querer repetir ou levar como exemplo para a sua própria vida. Saul que por usa vez, fez  o que precisava fazer naquele momento, dizendo que ele não conseguia acreditar que ela iria colocar um relacionamento com um homem como Brody, ainda mais com todo aquele histórico totalmente duvidoso a frente da grande possibilidade da sua carreira como agente da CIA,  que sempre foi o que ela mais sonhou na vida, algo que ele esteve coberto de razão de trazer a tona naquele momento. Só faltou os três tapas na cara dela, mas você também está perdoado Saul.

Apesar de gostar do casal Brodarrie, confesso que esse tipo de resolução do “coração” acabaria me entristecendo, ainda mais agora que Carrie estava prestes a ganhar todo o reconhecimento profissional que ela havia feito por merecer durante todo esse tempo. Por isso, achei importante que apesar de ter ajudado o Brody a desaparecer por um tempo e assumir uma nova identidade e tudo mais, uma vez que o seu famoso vídeo agora havia sido até exibido na TV para todo mundo ver, ao invés de permanecer ao seu lado apenas em nome de um grande amor (para ela), Carrie decidiu deixá-lo seguir sozinho daqui para frente. E um “grande amor” que diga-se de passagem, é possível enxergar claramente por parte dela, mas quando o assunto é ele, temos lá as nossas dúvidas.

Mas não foi só isso, Carrie entendeu naquele momento que apesar de tudo, de talvez nunca mais poder ficar ao lado do homem que ela amava e ao mesmo tempo continuar mantendo o seu emprego na CIA (ainda mais agora com a sua promoção), sua presença ocupando a sua posição de sempre e agora ainda mais privilegiada era muito mais importante naquela situação, inclusive para ele. E mais uma vez eu digo, apesar de ter sido bem bacana esses últimos momentos dos dois enquanto casal, Carrie sempre me pareceu muito mais consciente de tudo que ela estaria arriscando ou deixando para trás para viver essa história, muito mais do que o Brody, que nunca deu grandes demonstrações de que ele estava querendo exatamente a mesma coisa. Talvez seja coisa de homem, que demonstra menos os sentimentos (nunca pensem assim). Ou talvez não… Na dúvida, assista “Ele Não Está Tão Afim de Você”, Carrie… rs

Embora todos esses acontecimentos importantes tenham ocorrido em uma temporada bastante irregular, nada foi mais especial do que ao final, ver o Saul praticamente em estado de choque, acreditando que a Carrie poderia estar entre as vítimas daquele atentado e em meio a todos aqueles corpos no chão, cobertos apenas por um tecido branco, em uma cena super simples e carregada de emoção, encontramos o personagem quase sem conseguir acreditar na realidade ao ouvir de longe a voz da sua parceira de longa data, um chamado que acabaria de uma vez por todas com a angustia de achar que ela estava morta até então. Certamente, um dos momentos mais importantes  e emocionantes da temporada, sem a menor dúvida. E foi importante que ele tenha sido a última cena dessa temporada, para nos lembrar mais uma vez o porque que nós já achamos Homeland a série mais sensacional da temporada passada.

E foi isso, apesar de bastante irregular e de uma série de falhas que se tornaram mais do que evidentes na sua trama a ponto de nos causar um certo desconforto em ter que acreditar que aquele tipo de erro de principiante estava de fato acontecendo em uma série tão bacana como Homeland, tivemos uma grande Season 2, não tão excelente quando a primeira, mas ainda assim bem boa. Talvez essa tenha sido a temporada do nosso perdão para a série…

ps: sim, Claire Danes e o seu queixinho de choro continuam sendo a piada recorrente da temporada, aparecendo em tudo quanto é lugar, mas nenhuma delas foi tão boa quanto a versão do SNL, que além dessa referência, tem também uma filha do Brody que é muito melhor do que a própria filha do Brody. Sério. (falando nele, se não fosse o próprio SNL, eu nunca teria reparado em como a boca dele é realmente pequena, não? rs)

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Go Sudeikis! Go Sudeikis!

Outubro 15, 2012

Vamos levantar essa cabeça Sudeikis? Porque depois das declarações da Olivia Wilde para uma revista, você não tem nada do que se envergonhar, muito pelo contrário. (Höy!)

Segundo a atriz, sua vajayjay estava morta & enterrada, isso antes do Jason, quando ela ainda estava casada e infeliz com o cineasta Tao Ruspoli e depois que ela conheceu o Sudeikis, fazer coisinhas em sua casa virou um ato “olímpico”. Sério, ela declarou isso para a Glamour. Indiscreta não?

Indiscreta porém irritante, porque ficamos imaginando o porque desse desempenho ser considerado olímpico e em quais categorias ele seria medalhista…

#IMAGINANDOCOISAS

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Magic Joseph Gordon-Levitt. Höy!

Setembro 24, 2012

Podemos ou não afirmar que a semana passada foi do Joseph Gordon-Levitt e GRITAR um “Confirmou!” na cara da sociedade?

Primeiro tivemos ele sendo adorkable na Glamour, depois disso tivemos algo mais com ele na Flaunt e no finde, JGL foi o apresentador do SNL e nos presenteou com essa performance digna de deixar qualquer pélvis unfirah! (sem contar que o musical ficou por conta do Mumford & Sons, ou seja, seria ou não seria um encontro encontro perfeito com o Joseph? – ♥)

#TEMCOMONAOAMAR?

E já que estamos em sintonia com mais esse boy magia (e a nossa lista só aumenta, AMÉM!), vamos gritar todos juntos em uma só voz: CONFIRMOU! Höy!

 

ps: hey JGL, eu sei que o verão já deixou sua marca no seu coração e que depois disso vc até teve alguma coisa com o Outono. Mas embora seja começo de primavera, acho que está mais do que na hora de vc encontrar com o inverno, hein? Prazer, Essy Winter!

ps2: sorry pela qualidade do video, mas a NBC tem probleminhas com o Youtube portanto, é o que temos!

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Precisamos mesmo comentar os indicados ao (M)Emmy 2012?

Julho 23, 2012

Ou optamos por ignorar a premiação, assim como eles fizeram com Parks And Recreation, John Noble…

Mas ok, vamos engolir mais essa mágoa e comentar os indicados ao Memmy 2012, quer dizer, ao 64th Emmy Awards mesmo assim (com bastante atraso, eu sei), com a novidade de que dessa vez, além dos ♥ para as nossas preferidas/apostas/torcidas, temos um símbolo novo para aquelas que a gente acha que não merecia nem ao menos a indicação…

 

Melhor série dramática

†  Boardwalk Empire

♥  Breaking Bad

†  Game of Thrones

♥  Mad men

♥  Downton Abbey

♥  Homeland

 

Minha maior indecisão do momento. Tirando Boardwalk Empire e GOT que não merecem, qualquer uma das outras como vencedora dessa categoria  já me deixaria bem feliz. Mas como eu prefiro me comprometer ao me contentar com qualquer coisa, torço um pouco mais por Homeland, que pensando bem, foi a melhor de todas elas SIM! Suck it!

 

Melhor série de comédia

Curb Your Enthusiasm

♥  Girls

30 rock

Veep

Modern Family

†  The Big Bang Theory

 

De cara, já é bem bom não ver New Girl nessa lista. Por outro lado, é impossível aceitar que alguém ache que toda a temporada de The Big Bang Theory tenha sido melhor do que qualquer um dos episódios de Parks And Recreation. E vc pode até escolher aquele episódio meio assim do boliche, que de longe consegue ser melhor do que qualquer ep bom atualmente de TBBT. #CHATIADO. Mesmo assim, é bem justo ver Girls nessa lista, que é para onde vai a nossa torcida. 

 

Melhor atriz em série de comédia

†  Zooey Deschanel (New Girl)

♥  Lena Dunham (Girls)

Edie Falco (Nurse Jackie)

♥  Amy Poehler (Parks and Recreation)

♥  Tina Fey (30 Rock)

Julia Louis-Dreyfus (Veep)

Melissa McCarthy (Mike & Molly)

 

Se eu fosse a Zooey Deschanel, escreveria uma carta de próprio punho agradecendo a indicação mas reconhecendo que ela não foi nada merecida, além de mega constrangedora, mais ainda do que a sua própria atuação em New Girl. Dizem que esse prêmio é quase certo para a Julia Louis-Dreyfus (motivo pelo qual eu não consigo me interessar por Veep. Eu sei, eu sei, por pura implicância minha desde Seinfeld). AMO a Lena Dunham e não consigo não torcer por ela (apesar da série em si ser muito mais engraçada do que a sua personagem, mas estamos falando de um outro tipo de comédia), assim como a Tina Fey que até o Coringa foi durante essa última temporada de 30 Rock. Mas como não dar esse prêmio para a Amy Poehler com a sua Leslie Knope em ano de eleição? CO-MO? 

 

Melhor ator em série de comédia

†  Larry David (Curb Your Enthusiasm)

†  Jon Cryer (Two and a Half Men)

♥  Louis C.K. (Louie)

Jim Parsons (The Big Bang Theory)

Don Cheadle (House of Lies)

 

Louie, Louie, Louie, Louie e e e. Desculpa qualquer coisa para todos os outros, mas Louie é Louie. (e a Season 3 começou quase agora e está melhor ainda. Sério!)

 

Melhor atriz coadjuvante em série de comédia

♥  Mayim Bialik (The Big Bang Theory)

♥  Merritt Wever (Nurse Jackie)

†  Julie Bowen (Modern Family)

♥  Kristen Wiig (Saturday Night Live)

♥  Sofía Vergara (Modern Family)

†  Kathryn Joosten (Desperate Housewives)

 

Se tem alguma coisa nessa vida que justifica a presença de The Big Bang Theory nessa lista em qualquer categoria é a participação da Blossom nessa última temporada, que foi a única que conseguiu me fazer rir em algum momento. Merritt Wever é sempre ótima em NJ e eu já disse que é com a sua Zoey que a Zooey Deschanel deveria tentar aprender a interpretar uma personagem bocó sem parecer ridícula. Sofia Vergara a gente sempre AMA, mas essa não foi a sua temporada em MF. Não consigo gostar da Julie Bowen, não me importo com nenhuma atriz de Desperate e sinto que esse prêmio vai merecidamente para a Kristen Wiig, por sua despedida no SNL

 

Melhor ator coadjuvante em série de comédia

♥  Ed O’Neill (Modern Family)

Jesse Tyler Ferguson (Modern Family)

♥  Ty Burrell (Modern Family)

Eric Stonestreet (Modern Family)

Bill Hader (Saturday Night Live)

♥  Max Greenfield (New Girl)

 

Da mesma foram que Blossom está para TBBT, o Schmidt está para New Girl, que eu só consegui terminar de assistir por ele. Mas com o volume de atores de MF disputando essa categoria, está meio que na cara que um deles é quem deve sair com esse prêmio e por isso torço mais dessa vez pelo Ed O’Neill, que ganhou ótimos momentos durante essa última temporada de MF e o Ty Burrell, que desde o começo é o único personagem da série que conseguiu se manter no mesmo nível excelente desde sempre.

 

Melhor atriz em série dramática

†  Julianna Margulies (The Good Wife)

♥  Michelle Dockery (Downton abbey)

♥  Elizabeth Moss (Mad men)

†  Kathy Bates (Harry’s law)

♥  Claire Danes (Homeland)

♥  Glenn Close (Damages)

 

Acabei de assistir as duas temporadas de Downton Abbey quase agora e estou altamente influenciado, achando que a série merece todo e qualquer prêmio ever. AMO a Michel Dockery, AMO! (e ela não tem nome de drink? Eu bem acho… rs). Mas a Elizabeth Moss também é sempre ótima e só por aquela cena da separação dela e do Don Draper já valeria essa prêmio. Mas esse ano não tem Glenn Close certa (e o quarto ano de Damages além de ser bem mediano, não foi a temporada de Patty Hewes, por isso eu não vejo o porque dessa indicação. Já o começo da Season 5… EXCELENTE!) e ninguém merece mais esse prêmio do que a Claire Danes bipolar & enfurecida em Homeland, hein? Sejamos justos!

 

Melhor ator em série dramática

Steve Buscemi (Boardwalk Empire)

Michael C. Hall (Dexter)

♥  Bryan Cranston (Breaking Bad)

Hugh Bonneville (Downton Abbey)

♥  Jon Hamm (Mad Men)

♥  Damian Lewis (Homeland)

 

Fico dividido entre esses três e nesse caso não consigo me decidir. Desculpa sociedade, as vezes eu fico bem indeciso mesmo.

 

Melhor atriz coadjuvante em série dramática

†   Archie Panjabi (The Good Wife)

♥  Anna Gunn (Breaking Bad)

♥  Maggie Smith (Downton Abbey)

♥  Joanne Froggatt (Downton Abbey)

♥  Christina Hendricks (Mad Men)

†  Christine Baranski (The Good Wife)

 

Não gosto de nada da boa esposa. NADA (e detesto a Archie Panjabi na série). Mas eu acho que não tem como ninguém competir com a professora Minerva em Dowton Abbey. Beijo Maggie Smith! (apesar da Joanne também estar sempre ótima na série, a Christina Hendricks ter finalmente ganhado o seu grande momento em Mad Men e a Anna Gunn ter vivido a sua melhor e mais participativa temporada em Breaking Bad. #RESPECT)

 

Melhor ator coadjuvante em série dramática

♥  Aaron Paul (Breaking Bad)

♥  Giancarlo Esposito (Breaking Bad)

♥  Brendan Coyle (Downton Abbey)

♥  Jim Carter (Downton Abbey)

♥  Jared Harris (Mad Men)

♥  Peter Dinklage (Game of Thrones)

 

Categoria que eu gosto de todos os indicados. Como faz? Apesar de ficar bem feliz com o prêmio indo para qualquer um deles, eu confesso que ficaria um pouco mais se o Aaron Paul levasse hein? (ele que segundo o próprio Bryan Cranston, era um personagem que teria morrido na série lá no quarto episódio antigo, mas que devido a greve dos roteirista e o reconhecimento do seu trabalho como ator além da química (rs) excelente que rolou entre os dois, acabou permanecendo no elenco fixo da série e deu no que deu. Howcoolisthat? Aliás, Breaking Bad que voltou com tudo para a sua Season 5, hein? AMEI o lado negro da força do Walter ficando quase que incontrolável. E aquele flashforward, hein? Será que a doença voltou? E porque da nova identidade, hein? Hmm mmm)

 

Melhor filme ou minissérie

Game Change

†  American Horror Story

Hemingway & Gellhorn

♥  Sherlock: A Scandal In Belgravia

Luther

Hatfields & McCoys

 

Nada na TV atualmente consegue ser melhor do que Sherlock. NADA.  E esse episódio então, é tipo uma obra prima mesmo. Mas sinto que eles vão amargar essa derrota para Hatfields & McCoys, que é a nova queridinha da america antiga. Humpf!

 

Melhor atriz em filme ou minissérie

Julianne Moore (Game Change)

†  Connie Britton (American Horror Story)

Nicole Kidman (Hemingway & Gellhorn)

Emma Thompson (The Song of Lunch)

Ashley Judd (Missing)

 

Connie Britton teve a personagem mais irritante na tão irritante quanto American Horror Story. Acho que o Ryan Murphy deveria se dedicar menos a novos projetos e focar mais no que ele faz de melhor, que é TGP! Sem contar o constrangimento de ter o seu nome no meio de todos esses outros nomes muito mais importantes. WOO!

 

Melhor ator em filme ou minissérie

Woody Harrelson (Game Change)

Clive Owen (Hemingway & Gellhorn)

Benedict Cumberbatch (Sherlock: A Scandal In Belgravia)

Idris Elba (Luther)

Kevin Costner (Hatfields & McCoys)

Bill Paxton (Hatfields & McCoys)

 

Benedict Cumberbatch = ♥

 

Melhor atriz coadjuvante em filme ou minissérie

Sarah Paulson (Game Change)

Frances Conroy (American Horror Story)

Jessica Lange (American Horror Story)

Judy Davis (Page Eight)

Mare Winningham (Hatfields & McCoys)

 

Jessica e Frances são sempre ótimas. Pena a série ser tão meio assim…

 

Melhor ator coadjuvante em filme ou minissérie

Ed Harris (Game Change)

Denis O’Hare (American Horror Story)

David Strathairn (Hemingway & Gellhorn)

Martin Freeman (Sherlock: A scandal In Belgravia)

Tom Berenger (Hatfields & McCoys)

 

Senti falta do Moriarty nessa categoria hein? Ele que merecia bem mais do que o Watson. Desculpa qualquer coisa, Martin Freeman. 

 

Programa de variedades

The Daily Show With Jon Stewart

The Colbert Report

Real Time With Bill Maher

Saturday Night Live

Jimmy Kimmel Live

Late Night With Jimmy Fallon

 

Não tenho o menor respeito por uma premiação que não tem o Craig Ferguson nessa  categoria. Grato.

 

Programa de competição ou reality show

So You Think You Can Cance

The Amazing Race

Top Chef

Project Runaway

The Voice

 

Não tenho o menor respeito por uma premiação que não tem The Glee Project nessa categoria. Grato.

 

Apresentador de reality show ou programa de competição

Cat Deeley, (So You Think You Can Dance)

Phil Keoghan (The Amazing Race)

Ryan Seacrest (American Idol)

Betty White (Betty White’s Off Their Rockers)

Tom Bergeron (“Dancing with the stars”)

 

Já podemos dormir? E é isso minha gente, façam suas apostas e venham reclamar aqui comigo no dia seguinte a premiação, que acontece no dia 23 de Setembro e terá apresentação do Jimmy Kimmel.

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Blue Jeans vs Video Games

Janeiro 23, 2012

Toda uma Paul Lêmica instaurada sobre as apresentações da Lan Del Rey no SNL da semana passada, ao lado do Daniel Radcliffe.

Muitos não gostaram da apresentação e os comentários dos usuários no próprio Youtube não são dos melhores. (quase nunca são e eu me envergonho cada dia mais dos comentários em português sempre meio assim e recheados de preguiça)

Até o próprio Daniel saiu em defesa da moça por esses dias, defendendo a sua performance no SNL.

Eu por exemplo, achei “Blue Jeans” ok (acho que ela não estava no seu melhor dia mesmo), mas acho que realmente ela errou a mão em “Video Games”, que ficou beeem meio assim…

Mas daí a falar que ela não canta nada, há um certo exagero, porque nós já vimos ela cantar ao vivo em outros lugares, não?

Acho que foi mais o caso de querer reinventar o jeito de cantar um hit cedo demais, sabe?

Será que a gente perdeu muita coisa durante esses últimos dias em que estivemos longe?

Janeiro 2, 2012

Antes de começar de vez o ano de 2012 (e eu conseguir responder todos os comments dessas semana) vamos ver então o que é que nós perdemos de importante (ou não) nesses últimos dias de 2011 em que estivemos longe um do outro…

Vamos lá:

Bom, o que a gente perdeu mesmo eu não sei, mas o que definitivamente o Gerard Butler perdeu foi a sua magia, não é mesmo? Yöh

O que é isso? Pedimos por um Leonidas e ganhamos um leão com uma juba de quinta?

Assim não dá!

Que vc recupere a sua magia em 2012 Gerard! Ainda acreditamos em vc, mesmo estando bem puxado…

#NAOTABOMNAO

E vale desejar o mesmo para a Nicole Kidman, ou já é considerado como caso perdido?

Gente? Gen-te? GENTE!

Tenho certeza que nem eu e nem nenhum dos leitores do Guilt, nem em nossos  piores dias ever, acordamos com o cabelo meonho desse jeito. NUNCA! JAMAIS!

EW!

#NAOTABOMNAOEJAFAZTEMPOQUEESTARUIM

Tanta gente mandando oferenda para Iemanjá no final do ano (e deixando as praias ainda mais imundas, humpf!), quando a fofa poderia fazer a querida e aproveitar o tipo de público que anda circulando em suas areias e mandar um mini Tsunami de vez em quando, não?

Dizem que com essa cara, a próxima temporada da Hannah Montana vai ser no Capão Redondo e que esse biquini que a Rihanna pegou a parte de cima da sua irmã caçula é da Agua de Coco Podre. É o que dizem…

Ainda no assunto praia, tem ex que insiste neam? (tisc tisc)

Mas nesse caso, achamos que os olhares trocados significam alguma coisa importante (♥), portanto não tem nova Barracuda certa, viu brasileiros na lista (da ficha rosa) do Marc?

#AMORVERDADEIROAMORETERNO

ps: e só eu acho que está na hora do Mark Jacobs tatuar um Patrick ao lado desse Bob Esponja? Não aguento ver o moço de calças quadradas sozinho e sem nenhuma companhia, rs. Ou melhor, fica a sugestão de tattoo para o Lorenzo fazer como declaração de amor bem da foufa…

E se tem um closet que poderia receber a visita da Dona Tesoura e amanhecer todo picotado, esse é o closet da Vanessa Hudgens, não?

Vanessa Who?

Vanessa Cafonona Hudgens, para ficar bem claro.

E a Lady Gaga que resolveu circular com o novo boy mgia hein?

Embora o feitiço do Taylor Kinney esteja bem maior no video de “You And I” (tanto que nem parece o mesmo boy magia da sereia), achamos que ela esta no caminho certo investindo em acessórios mais básicos de vez em quando.

Höy!

Enquanto isso, do outro lado da magia, Katy Perry anunciou o seu divórcio…PÁ!

Como a gente entende que divórcio é sempre uma barra e não tem porque fazer piada em um momento como esses (a não ser ela mesmo), esperamos que o prêmio de Toda Cagada do ano no The Modern Guilt Awards 2011 não tenha influenciado em nada a sua decisão e sim, que essa decisão tenha sido tomada a partir do reflexo da sua própria imagem, do que ela estaria se tornando, que todo mundo sabe que #NAOTABOMNAO.

Eu não sei quem foi que decidiu que essa Rashida Jones era uma mulher bonita, eu só sei que quem quer que seja essa pessoa, ela não estava em seu melhor momento de lucidez nesse momento da sua vida, fato.

Mas o que eu acho pior é que ela continua pegando tudo quanto é boy magia na tv e agora também nos cinemas hein?

Primeiro o no Jim (The Office), depois o Andy (Parks And Recreation) e agora também o Andy Samberg (SNL)? DaF*ck?

Vamos dar um tempo Rashida, que assim não dá! Já está ultrapassando o limite de oidiosa insuportável para odiosamente insuportavelmente insuportável.

ps: alguém passa o recado, ou deixa um post-it no trailer dela, dizendo que ela não é tudo isso? Pleeease? Que era tudo que eu gostaria de dizer. Obrigatô!

#NAOCEITO!

E nada foi mais foufo por esse dias do que o empreendedorismo das irmãs Garner/Affleck montando o seu primeiro negócio em sociedade, uma empresa familiar de limonadas no quintal da casa da família?

Aposto que foi um sucesso e não sobrou nada em estoque!

#TEMCOMONAOAMAR?

Só empata em foufurice pura com essa foto do Kingston todo independente no shopping e ainda vestido de Chaves, rs.

#TEMCOMONAOAMAR?

Agora, para a nossa sorte, tem certas coisas que não mudam…

Seja saindo descalço do mercadinho da esquina, com o seu pé de hobbit. Significa? rs

Seja saindo to-do suado do treino de box que pode ser um sinal do que garante parte do seu feitiço em dia. Höy!

Ou seja caminhando lindamente pelo aeroporto, mesmo que ele estivesse a caminho do encontro com a sua namor…(me recuso continuar escrevendo isso), com aquela que ele está se divertindo por enquanto até encontrar o seu verdadeiro  blue valentine (que todos sabem quem é, não? A propósito, Já falei para vcs que my heart is black and my body is blue? rs)

Resumindo, isso foi tudo o que nós perdemos de importante ou não durante esses dias. E até que não foi muito vai?

E agora sim, the bitch is back!

ps: prometi tanta coisa para mim mesmo em relação ao Guilt em 2012, que acho que vai acabar ficando puxado. Mas não vou escrever por aqui para não ser cobrado, rs. Aguardem…


%d bloggers like this: