Posts Tagged ‘Stephen Moyer’

Poppy + Charlie

Julho 2, 2013

anna-paquin-stephen-moye

E #TEMCOMONAOAMAR os gêmeos Poppy e Charlie da Anna Paquin com o Stephen Moyer?

Não, não tem. (♥)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Não seria bacana se True Blood fosse tão legal como parece ser o seu elenco?

Junho 20, 2013

alexander-skarsgard-stephen-moyer

Seria, porque a premiere da Season 6 só me fez lembrar imediatamente o porque de ter desistido da série ao final da temporada anterior.

Só não foi pior porque como sempre eles tentaram nos distrair com corpos e nós não estamos falando de qualquer corpo e sim o da covardia covarde do infladão Joe Manganiello (Höy!), que ganhou até uma cena rasgando a regatinha no meio da alcateia. Sério, tivemos esse cena durante a premiere…

Não que a gente não assista se estiver passando e ou quando bater aquela saudade da visão da magia sueca, mas não dá mais neam?

#TrueBobo

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Falando em gêmeos, queremos conhecer os da Anna Paquin!

Novembro 29, 2012

(os que nós ainda não conhecemos, diga-se de passagem por que neam, em True Blood eles sempre foram bem presentes, rs)

Dizem que é um menino e uma menina, mas ainda não sabemos nem os nomes (pelo menos eu não vi em lugar nenhum) e tão pouco com quem eles se parecem. Humpf!

Libera aê Paquin/Moyer! (só em True Blood eles já liberaram tanta coisa…)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Quantos anos já se passaram desde a estreia de True Blood? Uns 32?

Setembro 24, 2012

Gente, o que aconteceu com o antigo Bill, sentado no Merlotte’s e pedindo um drink morno?

Não consigo mais nem aceitar que esse e aquele homem antigo são a mesma pessoa. E olha que os gêmeos dele com a Anna Paquin só chegaram agora hein?

Imaginem daqui para frente?

R.I.P Magia (#FUÉN)

 

ps: esse post não significa qualquer tipo de preconceito com o cacurismo, porque quando o assunto é magia, nós sabemos que não tem idade certa!

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

A temporada em que True Blood encontrou sua “True Death” (pelo menos para mim)

Agosto 31, 2012

Sim, esse post é uma despedida. Mas diferente do que se espera do assunto, essa não é uma despedida triste, sofrida ou qualquer coisa do tipo. Essa é a minha caminhada voluntária rumo ao sol, minha aceitação de que já vi de tudo o que me interessava dentro da série e que chegou o momento de finalmente aceitar que esse é o fim de True Blood, pelo menos para mim e antes que tudo piore ainda mais. (PUFF = Essy virando glíter neon furta cor e desaparecendo em forma de raio de sabre de luz ao nascer do sol, rs)

Tudo tem um limite e eu acabo de encontrar o meu dentro do universo de True Blood e ele foi exatamente essa Season 5, do começo ao fim, uma temporada que definitivamente encerrou de vez a minha história com a série. Não consigo mais. Sério. Nada me interessa mais na série. NA-DA (…). E tão pouco eu consigo me importar com ela. Ok, mentira, o nível de magia ainda me interessa e muito na série sim e talvez vá sempre interessar (sejamos sinceros, vai? Höy!). Mas nada sobrevive para sempre apenas de uma bela paisagem e é preciso algo mais para continuarmos interessados na história que nos está sendo contada, que é exatamente quando até mesmo a paisagem por si só acaba perdendo totalmente a sua graça e vai ficando batida, cansada e com menos apelo. Sem contar que magia por magia, nós ainda podemos encontrar boa parte daquela “vista mágica” circulando avulsa por aí, então… (rs)

True Blood já foi uma série muito bacana, lá no passado, onde eu mesmo fui um dos seus maiores entusiastas, sempre escrevendo uma coisa aqui ou ali sobre a série (na época, nem a minha own mãe lia minhas reviews, humpf… #MAGOADECABOCLOANTIGO). Mas não é de hoje que ela vem decaindo, apesar dos números da sua atual audiência indicarem totalmente o contrário. Alguns consideram essa queda a partir da Season 3, que eu até gosto e revi recentemente (só não tive coragem de comprar a Season 4 porque vou me sentir na obrigação de ter que ver novamente e ai já viu neam?) portanto, prefiro estender um pouco mais esse prezo de validade que no meu caso, começou a expirar e cheirar como coisa estragada durante a Season 4, que já havia sido bem arrastada, deixando para ficar realmente boa apenas nos cinco minutos finais do seu último episódio, o que eu já naquela época considerei uma grande sacanagem.

Até que chegamos a Season 5, com uma série de promessas em relação a história, inúmeros nomes na lista de bons atores para o cargo dos novos personagens que entrariam para a trama , a aguardada volta de Russell (que estava com um cabeção gigante durante essa nova temporada por conta da sua perda de peso e daquela escova forte com pontas para dentro que eu bem reparei, viu? rs) e a despedida de Alan Ball no comando de True Blood. Cheguei até a considerar que essa tinha tudo para ser uma boa temporada (boa, porque para uma “ótima” eu já andava meio descrente), ainda mais tratando-se de uma despedida do seu “maker”. Mas não foi o que aconteceu…infelizmente.

Primeiro, eu já creditaria todo e qualquer problema dessa temporada pela nova chance de uma única personagem da qual ninguém sentiria falta se sumisse de vez do mapa: Tara. Ah, Tara sua ______________ (preencha o espaço ao lado com o seu xingamento preferido). Alguém me diz o que é que essa mulher ainda está fazendo viva até hoje na série? (Argh!)

Quer dizer, agora ela não está mais viva. BOOM! Mas não do jeito que a gente torcia para que acontecesse, com seus miolos espalhados na cozinha da Sookie e um funeral com direito a lápide em formato de ovo, em homenagem ao seu grande amor do passado, onde estaria escrito “Tara Tonhão, não morre nunca não” (sorry, esse é o máximo de rima que eu consigo fazer hoje, rs). Mas não, Tara ganhou uma sobrevida e agora como vampira, olha só que bacana? ZzZZZ

Reclamou, fez seu mimimi da revolta de sempre, ficou nervosinha rodopiando feito o diabo da Tasmânia (sem contar que ninguém explicou o porque da sua cabeça não ficar com um buraco para sempre, neam? Se a Jessica que era virgem antes da transformação tem o plot do “virgin again”, pq o contrário não aconteceu com a Tara, ou porque que a sua cabeça não ficou em um looping eterno, abrindo e fechando para sempre, já que ela se feriu antes da sua transformação hein? rs) e de quebra, ainda acabou ganhando a Pam para chamar de sua nessa reta final, pode? E logo a Pam, que sempre foi uma das melhores personagens da série? Sacanagem. Ainda mais agora que conhecemos um pouco do passado da personagem, de como ela conheceu o Eric e tudo mais. Realmente, Pam não precisava dessa conquista na sua lista. Mas não precisava mesmo. Aliás, ninguém precisava, nem o Ovo. (e o que foi aquela performance de pedreira da Tara na pole dance? EW!)

E essa visita ao passado da Pam foi uma das poucas coisas boas dessa temporada sofrida e aleatória de True Blood, onde é sempre bom descobrir um pouco mais dos personagens que ainda nos interessam por algum motivo, seja ele qual for. Mas para variar, eles preferiram seguir caminhos duvidosos e durante essa Season 5, a dupla Eric e Pam (que é sempre ótima e que ainda consegue nos emocionar sempre que necessário) acabou sendo novamente separada, dessa vez por um tempo ainda maior devido ao grande plot da temporada, que só de lembrar chega a me dar um sono quase incontrolável, que eu prefiro evitar ou não consigo terminar essa review. (bocejos)

Dessa vez eles resolveram falar de religião e dos perigos do fanatismo religioso, que foi o grande plot da temporada, colocando em questão duas vertentes do próprio Team Fangs: uma que defendia a política da boa vizinhança entre vampiros e humanos e a outra mais “antigo testamento” (rs) essa, completamente intolerante em relação a diversidade de especies, se é que assim podemos dizer. Mas tudo muito chato, tanto no plot da turma que só dizia “sanguinistas”, palavra cafonérrima que eles faziam questão de repetir pelo menos umas 10 vezes no começo da temporada, só para tentar gravar em nossas cabeças uma coisa que não tinha a menor força (ou importância) para ser gravada naturalmente, quanto no plot da tal Lilith, a garota do Fantástico só que naqueles dias, com patrocínio exclusivo dos tapetes Tabacow (EW EW EW!), que não merecem comentários com muitos detalhes, porque foram plots totalmente meio assim. Sabe quando um assunto não interessa ou pelo menos não consegue te prender à proposta de história de uma temporada? Então…

E é  bem difícil continuar assistindo uma série onde vc não consegue se importar com suas novas propostas, que tirando a mitologia dos próprios vampiros e a Fellowship of the Sun do passado, foram todas extremamente chatas e exageradérrimas para falar bem a verdade, ou pelo menos “decepcionantes”, além de aos poucos a gente ir perdendo todo e qualquer interesse nos personagens que chegamos a gostar um dia, que foram perdendo cada vez mais o seu próprio espaço. E foi exatamente isso que acabou acontecendo durante essa temporada em True Blood, onde o que tinha alguma importância ou relevância, acabou perdendo espaço para histórias novas pouco ou nada interessantes, além de uma série de personagens novos que poderiam ser definidos como “gente certa para encontrar a morte” até o final da temporada. E confirmou, boa parte deles todos morreram. R.I.P. Tanto que boa parte dessas novas histórias foram resolvidas por volta do episódio 9, faltando três inéditos ainda para encerrar a temporada. E se tudo já estava praticamente resolvido, sobrava o que mesmo para eles explorarem nessa reta final? Pouca coisa…

Apesar de me interessar muito mais pela história dos vampiros do que qualquer outro plot sobrenatural da trama (que a essa altura está praticamente descontrolada) eu até acho OK que existam outras criaturas dentro da mitologia da série, que até poderiam contribuir para alguma coisa no final das contas, mas que para isso precisavam ter no mínimo uma boa história para ser contada. E isso também não é exatamente o que tem acontecido em True Blood desde muito tempo com todos esses personagens…

Os lobos por exemplo, serviram para que mesmo durante essa temporada (só essa?)? Apenas para servir de Pet Shop para os caprichos do Russell e nada mais. Ah sim, tem sempre aquela cena especial do Alcide, que nessa temporada esteve exibindo um pouco mais de seus músculos incluindo closes de seu derrièrre, pagando bundinha e rosnando como se não houvesse amanhã. Mas tirando a magia, qual a sua função dentro da série mesmo? (R: ser manipulado lindamente pelo Eric, claro!)

Além dos vampiros e toda a sua hierarquia, já tivemos shapeshifters (nunca gostei do Sam, só para constar e preferia o seu irmão mau caráter…), o Boi-Bumbá (Maryann nunca me enganou), pai panteras (pior elenco já escalado para a série EVA), fadas safadas (pior cenário já construído na série EVA), bruxas (preguiça define), demônios mexicanos (que nos trouxe Jesus, OK, mas levou a dignidade do Lafayette para bem longe), fantasmas (agora com participação da mammis e do papa Stackhouse. ZzZZZ) e de quase tudo já havia aparecido em True Blood, mas ainda faltava uma coisa. E o que seria ela? O monstro de fumaça, claro. Vindo diretamente da promoção da ABC, que não deveria saber mais o que fazer com o efeito e repassou para a HBO naquele precinho camarada de emissoras amigas. Sério. E o Noel (sorry Scott Foley, mas vc é e sempre será o Noel pra mim – ♥) envolvido nessa trama boba com o Terry Bellefleur (Florisbella, aqui no Brasil, rs), perdendo a chance de ser aproveitado em cenas de muito mais ação com um, dois, ou trezentos e vinte cinco vampiros sugando todo o seu corpo nu de ex veterano da faculdade de design em NY. Outra sacanagem… (talvez tenha sido a minha maior frustração durante toda essa temporada. Humpf!)

Tirando tudo isso que nunca foi muito relevante mesmo e a gente sabe, ainda sobraram as histórias dos personagens principais da história, que assim como toda essa temporada, não poderiam ser mais preguiçosas.

Sookie acabou descobrindo um pouco mais do seu passado, onde ela finalmente descobriu a verdade sobre a morte dos seus pais, ou pelo menos parte dela. Um plot que só nos trouxe um nome (Warlow) e nada mais e que por incrível que pareça, foi totalmente ignorado nessa reta final e só apareceu como lembrança para quem assistiu ao bônus do último episódio, com a cena do Jason cercado de vampiras no elevador. Sookie ainda descobriu que o seu “dom” (de ser chata) pode acabar e tentou se livrar dele a todo custo cuspindo raios como se não houvesse amanhã em Bon Temps. Boring. Nessa ela ainda visitou o refúgio das fadas, que era como uma espécie de “Mouling Rouge” em uma versão mais pobrinha & humilde, onde ela ficou de frente com o “oráculo”, que se dizia a mais importante de todas as fadas, mas que morreu em segundos ao encontrar com o Russell, que por sua vez também morreu logo em seguida, deixando o reverendo Newlin, a melhor aquisição de todos os tempos em True Blood (ainda mais agora que ele é um vampiro gay e tem uma crush impagável pelo Jason), viúvo precocemente chorando lágrimas de sangue ao som de “Teenage Dreams”.

Jason continuou sendo o alívio cômico da série e apesar de ser dele (e da Pam) as lines mais divertidas hoje em True Blood (gosto das do Eric também, mas aí é um outro tipo de humor), já estamos meio que cansados dessa sua aura estúpida, apesar da america garantir o seu direito de ser estúpido o quanto vc quiser. Mas convenhamos que ter esse nível de estupidez com aquele silhueta toda ajuda, vai? Höy!

Eric, o motivo sueco que ainda nos prendia em frente a TV durante os mais de 50 minutos de cada episódio da série, foi o único personagem que permaneceu “intacto” diante de tudo o que ele já foi um dia na série. Northman é um dos poucos que continua o mesmo de sempre (apesar da sua fase Dummy Eric da temporada anterior) e dessa vez ainda ganhou uma relevância como herói da temporada (se bem que eu odiei a desconfiança dele para cima da Pam no começo dessa Season 5, uma desconfiança completamente infundada…), sendo ele quem parecia ser o único capaz de enxergar a realidade escondida em toda a bizarrice que estava acontecendo na série naquele momento, deixando para o Bill o posto de vilão megabitch coberto de sangue de Lilith da vez.

Sim, perdemos o Bill e agora não tem mais volta. Já era. WOO! Não, ele não morreu. Fuén. Infelizmente, não, mas quase isso. Primeiro ele virou uma poça de sangue gosmento ressurgiu da sua menarca e agora tem presas enormes, apesar de não nos ter revelado o que a gente mais queria conferir (Lilith mostrava o tapetão a todo momento, mas o Bill fez miguelinha de peru. Inaceitável!) se também acompanhava o tamanho de seus novos brinquedinhos (rs). Um personagem que já havia perdido totalmente o seu espaço para o nível de magia do Eric desde que ele apareceu pela primeira vez sentado no seu trono dentro do Fangtasia (morro de saudades do Eric lá, para falar bem a verdade), além do xerife da região sempre ter sido muito mais cool do que o ex vampiro boa praça que nem era tão boa praça assim. Bill agora é do lado negro da força, ou melhor, do lado vermelho da força , se rendendo aos poderes de Lilith (sério, ZzZZZ), virando um fanático religioso e nesse momento eu nem imagino uma ligação qualquer que ele ainda possa ter com a Sookie, que sequer chegou a sofrer muito pela ausência do ex na sua vidinha pacata durante toda essa temporada. (Sookie certamente foi poupada por conta da gravidez da Anna Paquin, algo que deve ter inclusive acelerado as gravações dessa temporada)

Isso para dizer o mínimo de coisas bisonhas que aconteceram durante toda essa temporada. E é claro que alguém vai me dizer “Mas Essy, não é de hoje que True Blood vem sendo levada dessa forma, neam?” e eu respondo, que realmente, não é de hoje que a gente vem aguentando tudo isso em troca de pouca coisa realmente interessante. Mas antes a série ainda tinha um texto super bacana e apesar de muitas das propostas deles também terem terminado de uma forma não muito bacana, antes eu não cheguei a sofrer tanto para acompanhar a série como aconteceu durante toda essa temporada (e isso já havia começado na Season 4). Chegamos a um ponto onde nada mais me importa em Bon Temps e True Blood se encontra cínica demais, onde até mesmo os próprios personagens que um dia foram tão bacanas, agora se encontram totalmente rendidos as bizarrices que acontecem naquele lugar o tempo todo. Vide a cena do parto da fada dentro do Merlotte’s, para citar apenas um excelente e claro exemplo do quão baixo e cínico eles conseguiram ficar.

E True Blood não era isso. Ou pelo menos, nunca foi apenas isso. Aí eu vejo a HBO elogiando a audiência da série e declarando estar satisfeita com seus resultados, dizendo que não pensa em um cancelamento tão cedo (nem para GOT) porque aqueles personagens ainda podem render boas histórias, mesmo com a saída do Alan Ball do seu time. Sério, que eles realmente acreditam nisso ou nem assistem a própria série que produzem?

Pra mim, boa parte do que poderia ser interessante em True Blood já foi aproveitado e o que ainda não aconteceu mas poderia acontecer, eu não tenho a menor paciência ou interesse de esperar mais para que aconteça. Cansei. Sinceramente acho que a série se perdeu por completo e hoje eu não vejo mais recuperação para algo que um dia já foi realmente bem bacana. Lembra da Season 1? E a Season 2? Pois é, faz tempo que True Blood não consegue fazer mais nada parecido com o que já vimos no seu passado e por isso fica cada vez mais difícil continuar acompanhando uma série que não consegue mais entregar uma história interessante o suficiente para que a gente continue tendo pelo menos vontade de acompanhá-la. Isso, mesmo com a vantagem dela se passar na Summer Season, onde não temos muitas opções na TV.

Juntando tudo isso e deixando muita coisa ruim de lado que eu nem fiz questão de mencionar por pura preguiça, ignorando até mesmo a Jessica, o Hoyt e o próprio Lafayette, declaro que True Blood realmente encontrou a sua True Death para mim nessa Season 5. Não vejo mais o porque voltar. Não tenho mais vontade, não tenho o interesse e tenho certeza que só sentirei falta da paisagem mágica. Por isso caminho em direção ao sol, abandonando de vez essa minha vida na escuridão de uma série que merecia ter um futuro bem melhor do que o que já é possível ver com clareza que não está sendo bom nem no seu presente.

R.I.P True Blood

ps: prefiro também ficar com a imagem do Eric sendo o meu vampiro preferido EVER, antes que alguém resolva estragá-lo também. Eric Northman = Höy! (e isso para toda a eternidade viking sueca)

ps2: quem continuar tendo paciência de acompanhar a série, pode vir aqui e me atualizar, ok? E se tiver alguma cena animada que eu realmente precise assistir, deixem um recado, rs

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

E a Comic-Con 2012 foi ou não foi bem meio assim?

Julho 26, 2012

Tirando o painel de Breaking Bad, que a gente adoraria ter participado, o de Doctor Who que é o nosso sonho do momento enquanto não temos ainda a nossa própria TARDIS (na esperança…)  e o de Fringe, porque somos curiosos no nínel mais alto do colapso entre os universos azul & vermelho, eu diria que a Comic-Con 2012 foi no mínimo bem preguiçosa.

Pouquíssimas novidades, uma ou outra informação sem muita relevância e quase nenhum acontecimento capaz de fazer nós, os nerds que ficaram em casa, a realmente sentir inveja deles, os nerds que compareceram ao evento desse ano… (quem eu quero enganar? Essa inveja vai sempre existir no coração 8-bit de todos nós…humpf!)

Falando em Breaking Bad, que foi sim o painel mais animado EVA da edição desse ano da Comic-Con, cheguei a ficar impressionado com a forma como a série vem se promovendo com muito mais força durante essa sua Season 5, que diga-se de passagem, não está nada menos do que sensacional! (sério, o que foi aquele segundo episódio? Clap Clap Clap! – de pé)

Mas é claro que eles regularam spoilers. Mas vcs querem saber a minha opinião para o final da série?

Walter percebe o monstro que se tornou e o caminho sangrento que percorreu para chegar na sua reta final e acaba se rendendo a morte (por esse ou por aquele momento) e quem deverá sobreviver dessa história toda é mesmo o Jesse, gritando “Yeah Bitch! Magnetics” como se não houvesse amanhã.

Esse é o meu palpite/desejo não mais secreto. Sem mais.

Alguém precisa falar: como a  Anna Torv estava magrona, estava gatona e estava gostosa no painel de Fringe hein?

HÖY! (em caixa alta)

HÖY! (de novo pq ela interpreta 2 papeis na série, rs)

Peter Pacey agradece a sinceridade. 

Mas a nossa mágoa com Fringe esse ano na Comic-Con fica por conta daquele trailer preguiçoso que eles passaram por lá dizendo ser da sua nova temporada, que de novo não tinha nada. NA-DA!

Custava filma 2 segundos em um cenário aleatório com cara de futuro e dizer “2036 is coming…”?

Não, não custava.

#CHATIADO

Agora, vamos falar de moda na Comic-Con?

Que preguiça é essa minha gente? Tô odiando essa postura “sou nerd e não ligo para as modas”, que todo mundo sabe muito bem que não é verdade e sim recalque.

E como lidar com as escolhas do elenco de Community?

Até na festa de aniversário do meu vizinho irritante com filhos mais irritantes ainda da qual eu não fui convidado a participar (sem ressentimentos, mas é sempre de bom tom mandar um kit festa para o vizinho, com bolo, doces sortidos e no mínimo quatro brigadeiros e toda a família brasileira sabe disso) tinha gente mais bem vestida do que isso, ou pelo menos mais esforçada…

Vou fingir que não vi esse amarelo pavor da Gillian Jacobs e continuar a amando loucamente. Te AMO Britta/Gillian! (♥)

E continuar desejando a morte da Annie na próxima temporada. Lá e em Mad Men, claro. Desculpa qualquer coisa, Annie’s boobs!

Já a Mayim Bialik, eu não ligo a mínima que seja cafonona, só porque eu respeito a Blossom até a morte. Ainda mais porque nada que ela vista hoje, seria pior do que o que ela já usou com orgulho no seriado antigo. A não ser que seja algo vintage daquela época antiga, rs.

E quem é vc para falar o contrário, se eu não vejo nenhuma coroa de diamantes na sua cabeça nesse exato momento. Hein?

#RESPECT

I ♥ Amy Farrah Fowler

Se eu encontro o Howard vestido assim na Comic-Con, vou logo achando que é um assistente do office boy e vou logo pedindo o meu mocca chocolata yah yah. Mas tem que ser bem quente.

Não foi buscar ainda querido? (tá, eu me visto assim de vez em quando e se vc me pedir um café eu te mando o doce. WOO)

Gostaria de dizer que mesmo com a Michelle Williams aparecendo maravileeeandtra assim na Comic-Con (e o target? Confere? Mesmo? São pergunta que ela deverá fazer assim que receber o próximo convite), ela não foi a minha muse desse ano. Fuém!

Desculpa qualquer coisa, Mi! (rs)

Falando em muse, gostaria de deixar bem claro que por motivos pessoais, seremos audiência certa na série Arrow, só por conta da magia do Stephen Amell, claro.

Höy!

OK, a gente ama o Zachary Levi, que é o nosso príncipe Disney preferido,  mas não tanto assim a ponto de conseguir ignorar esse outfit em um nível alto de preguiça. Certo?

Certo. Precisa nos conquistar primeiro para depois relaxar Zachy, regra básica para qualquer relacionamento (para o começo e/ou o fim deles, rs)

#NAOTABOMNAO

MUSO da Comic-Con 2012 = Darren Criss

Achamos que ele deve esquecer o gel de vez e assumir o seu curly com orgulho na nova temporada de Glee (que a gente torce para que seja bem boa, só para ter outro TGP, que é melhor ainda, claro!)

Höy!

ps: mantenha a barba. A puberdade deve chegar no McKinley High!

Já que chegamos a essa ponto, vamos falar de magia?

Magia ruiva =  Michael C. Hall = Höy!

A gente não liga mais para o Dexter já faz duas temporadas, pelo menos. Mas é humanamente impossível ignorar o Michael C. Hall em qualquer coisa que ele faça na vida.

Magia da Barba Ruiva = Dave Annable = Höy!

Não temos a menor vontade de assistir sua nova série, a 666 Park Avenue, mas achamos importante alguém em Hollywood escolher assumir o grisalho, mesmo tão novo como o Dave. Acho corajoso e honesto.

ps: beijo para os Walkers antigos, que empatam com a minha própria família no nível de fofoca ao telefone, rs. 

Magia sueca =  Alexander Skarsgard = Höy!

Sempre 3 metros dele. PÁ!

O Frodo a gente nunca vai ter certeza se é legal, por isso passamos…

Mas quem nunca sonhou em fazer a Maria Garupa em Sons Of Anarchy com o agora magia (o único por lá) chefe de tudo?

TODAS! Höy!

Agora parece que é oficial: acabou para o Bill!

Depois dessas 5 últimas temporadas de True Blood, vc ainda consegue achar que ele se parece em alguma coisa com aquele vampiro sentado no Merlotte’s no começo da Season 1?

Eric continua o mesmo desde que cortou o cabelo e fez balaiagem pela primeira vez, tornando-se assim um vampiro de respeito

Mas não parece mesmo!

#NAOTABOMNAO

ps: do Sam eu morro de preguiça, por isso prefiro ignorar e bastava colocar a Tara ali do lado para completar o time daqueles que se morressem, a gente não sentiria a menor falta em True Blood. Sim. 

Agora sim, o meu painel preferido ever dessa Comic-Con. Painel Who?

Karen Gillan, Arthur Darvill e Matt Smith, também conhecido como o melhor Doutor de todos os tempos. Höy!

Posso dizer que foram os que menos se esforçaram e que mesmo assim conseguiram imprimir da magia a sedução?

Cool Cool Cool! (♥³)

E para a Karen Gillan com esse cabelo maravileeeandro em ruivo, vai o posto de nossa MUSE da Comic-Con 2012.

Não só por ela ser a garota que esperou (♥), nem só por ela ter aparecido linda assim (com essa bolsa que é só amor!) e sim por ela ter dito que adoraria ver um episódio de Doctor Who com todos eles presos dentro de um piano (sério, quem diria uma coisa dessas?) e praticamente se convidar para participar de Community, no episódio especial em que eles vão a um evento do Inspetor do Tempo. Howcoolcouldbethat?

I ♥ Amy Pond

Höy!

ps: e não, não tivemos uma preview da Season 7 de Doctor Who esse ano. Humpf!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Skarsgard + Paquin + Moyer para a Emmy Magazine

Junho 6, 2012

Alexander = Höy!

Anna = tenha uma boa hora (rs)

Stephen = lembra quando o Bill apareceu pela primeira vez em True Blood, maravileeeandro e sentado no Merlotte’s? Nem parece que é a mesma magia… (além do personagem ter se tornado um chato bocozão) mas continuamos ficando balançados quando ele resolve glamourizar, fato.

Lembrando que domingo tem True Blood novo (Season 5) na HBO de lá e daqui também. Yei!

By Emmy Magazine

Agora falta bem pouco hein?

Junho 4, 2012

Skarsgard (Höy!), Paquin e Moyer para a premiere de True Blood, que chega no próximo domingo (lá e aqui, Yei!) para a sua Season 5.

#FALTAPOUCO

Regabofe dos Obamas

Maio 2, 2012

Sim, no finde tivemos aquele famoso “jantar com o presidente” (2012 White House Correspondents’ Association Dinner), onde vários artistas e celebridades são convidados para um regabofe daqueles (AMO essa palavra e esperava ansiosamente para usá-la)

Digamos que esse ano, a lista não estava assim no seu mais alto nível de prestígio, mas os Obamas garantiram pelo menos o elenco dos seus seriados preferidos, fato. (quero saber quem é que assiste True Blood, hein presidente?)

Não chegou a ser um show de horrores, como a maioria dos red carpets, mas ficou na cara que ninguém fez muita questão se esforçar para sentar à mesa da casa do presidente…

Charlize Theron foi uma das poucas maravileeeandras da festa (apesar das imagens não favorecerem muito), nesse seu vestido inteiro rendado no truque.

Só não gostei muito do cabelo, achei preguiça…

Kate Hudson até que nos surpreendeu e foi com esse vestido todo no fundamento do brilho.

Achei phino, gostei da cor… mas vamos falar do que não tem como não reparar?

Esse penteado não foi feito para vc Kate…sorry!

E com tanta coisa que elas aplicam na cara, fora o investimento no estica & puxa que todos nós sabemos que ela já fez, Kate nunca pensou em consertar esses dois grandes problemas? Hein?

Elizabeth Banks também estava linda com o seu vestido tipo preplum, na versão tímida do fundamento do momento.

Vamos dizer que o elenco de Modern Family (que deve ser um dos seriados preferido dos Obamas, porque esteve em peso no jantar), não estava assim muito inspirado…

Primeiro a Claire (que eu não sei porque a America ainda acha essa mulher tão engraçada, ainda mais com a Sofia ao seu lado), que se estivesse com mais preguiça do que isso, teria ido de pijama. E o maxilar travado no sorriso tenso? Sei…

E segundo a Gloria que na pressa, pegou um vestido emprestado da Haley neam?

Achei juvenil demais… (apesar dela ser xóvem ainda)

O único que representou muito bem a família moderna no jantar desse ano foi ele, Phil (♥), que desde já, tenta uma vaga no nosso curso da escola de lenhadores nerds.

Na verdade, eu bem acho que quem foi de curto, acabou sendo prejudicada…

Exceto pela Eva Longoria, que apesar de ter escolhido um modelão curto, investiu no poder de um tecido de rica, o que de certa forma acabou compensando.

E quem liga para o vestido da Ginnifer Goodwin… (que eu até gosto, mas não gosto muito)

… quando ela me chega no evento com um carregador de guarda-chuva do tipo encantado?

Josh Dallas = Höy!

As duas grávidas da noite apostaram no sempre bom pretinho básico, que nem sempre é regra e abaixo vcs vão entender o porque…

Reese Witherspoon, que me pareceu ter sido uma das poucas que se esforçou um pouco mais, pensando no combo todo e a Anna Paquin, que estava mais básica, mas ainda assim maravileeeandra, ambas de preto.

Não disse que a máxima do pretino básico não é regra?

No caso de LiLo, faltou poder neam? Que ticidinho mais meio assim era esse? 47º aluguel?

E essa barra super marcada?

Só espero que ela não tenha comido nenhuma sobremesa com açucar de confeiteiro, porque vcs sabem que o povo fala neam? NHÁ!

Claire Danes (que foi outra das escolhidas diretamente da listinha do Tivo dos Obamas) foi uma das que não estava em um bom dia…

O que é isso Carrie? Não se entregue assim tão fácil, nem mesmo pela desilusão com uma magia ruiva … Stay Strong! (mas todas nós entendemos essa barra)

Já a Dakota Fanning também  estava maravileeeandra com esse longo todo bordado de ricah!

Daniel Radcliffe, Darren Chris, Ryan Kwanten, que foram os boys magia da vez que também compareceram ao evento. (dá próxima vez Michelle, exija um “Ryan Gosling” na own sua lista)

Odeio convidado que não se manca e não respeita o plus 1 do convite, insistindo em carregar gente a mais em tudo quanto é festa. Como a Rosario Dawnson, que insistiu em levar os gêmeos para a festa. WOO!

Muito decote para a sobriedade de um regabofe com o presidente, não?

Alguém precisa ensinar a Zooey Deschanel qual é o tamanho certo do seu vestido. E nem adianta fazer carinha de foufa, que #NAOTABOMNAO

Moyer/Paquin

Abril 19, 2012

Confirmou, Sookie está grávida de Bill, ou seja, vamos ter o primeiro baby vamprio fada do mundo. BOOM! (rs)

Quer dizer, Anna Paquin revelou que está esperando um filho do Stephen Moyer. Howcuteisthat?


%d bloggers like this: