Posts Tagged ‘Sundance’

Uma vez Khal Fucking Drogo, sempre Khal Fucking Drogo. Höy!

Janeiro 20, 2014

Momoa

Hakuna Matata totofumbauê Ô iaia, Höy! (nossa comunicação em línguas, falando a língua da magia  dothraki)

Jason Momoa, que com essa barba, sobrancelha falhada, 3 metros e 25 de altura e talvez alguns quilinhos a mais (sorry, não precisa cuspir fogo em mim, Drogo. Ou melhor, se quiser… estamos sempre prontos para um leve toast, rs), estará na nova série do Sundance chamada The Red Road.

Curiosos? Acho que por enquanto, o que vale mesmo é a nossa expressão mais sincera: Höy!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

(500) Days of Summer…e o começo do “Autumn”

Janeiro 15, 2010

Um história de amor que não é bocó. Sabe quando vc assiste aquele romance/comédia romântica e fica feliz por algumas poucas horas depois que vc termina o filme e logo depois disso se sente vazio? Pois é, esse não é o caso de “500 days of summer”, que avisa logo de cara que o filme não é sobre uma história de amor e sim uma história sobre o amor. Foufo mil!

2 coisas que eu amei no filme. 1º, o desabáfu no começo…(provavelmente do diretor) que é bem foufo e honesto e termina com um “bitch.” utilizando de tipografia e fundo negro. Incrível! Euri

A 2ª é que eu amei os efeitos gráficos do filme, como esse do quadro negro ae da foto que fica na parede de fundo do quarto de Thom. No começo do filme tem algumas gravuras e desenhos pendurados, além de um desenho feito em giz, fazendo as vezes de cabeceira de cama, uma ótima idéia que eu já pensei em copiar aqui para casa, mas talvez em forma de adesivo. E no final, ele acaba fazendo outro desenho, de uma arquitetura incrível tmbm, que vem a ser a sua grande paixão na vida.

O filme conta a história de um relacionamento moderno entre Thom ( Joseph Gordon Levitt) e Summer (Zooey Deschanel, Höy). Ele, um jovem meio geek e que acredita que só será feliz no dia em que ele encontrar a pessoa certa por quem ele deverá se apaixonar e ela,  uma jovem moderna com estilo retrô, que não compartilha da mesma idéia de amor que ele e que não acredita em relacionamentos e prefere não se comprometer com ninguém. Os dois acabam se conhecendo no trabalho, uma empresa que desenvolve cartões para datas comemorativas, ela é assistente do chefe e Thom é roteirista e desenvolve as frases para os cartões.

Com alguns saltos e voltas no tempo a história do filme é contada, dos 500 dias da relaçán do casal, que como todo mundo que é normal nessa vida sabe que começa tudo muito bem e depois vira aquele drama neam? Detalhe foufo: os dois são fãs dos Smiths! Awwnnnn!

Mas o que o filme mostra mesmo é como na maioria das vezes a gente idealiza uma relação que não existe além do universo da nossa imaginação e passa a enxergar a relaçán apenas com os nossos olhos, sem prestar atenção nos sinais que a outra pessoa esta passando para vc o tempo todo. Triste…mas acontece quase sempre, fato! Quem nunca idealizou um relação perfeita com alguém que vc acaba descobrindo não ser tão perfeita assim com o tempo que atire a primeira pedra de brilhante! (guardando as minhas no cofre)

Eu tenho uma certa tendência a gostar de histórias de amor que não tem o final feliz que todo mundo espera, fato. Não sei porque viu? rs

Mas acho que é mais real, mais honesto e menos bocó. E olha que o filme usa de vários clichês para contar a história e consegue não ser óbvio mesmo assim., talvez por isso tenha ganhado o status de cult em Sundance.

Isso tudo e uma trilha sonora báfu que eu tenho certeza que ajudou e bastante para o sucesso do filme. Que conta com Regina Spektor, She & Him, Feist, Carla Bruni (Love essa música dela inclusive), Simon And Garfunkel e The Smiths é claro. E eu já bem que pedi para o Paolo Torrento trazer para mim…rs

E assim, com essa incrível trilha de fundo  é contada uma das histórias sobre o amor mais foufas ever. E divertida mil viu? LOVE a cena dos dois na Ikea, fingindo ser a casa deles, LOVE a cena quando eles dormem juntos pela primeira vez  e a vida dele vira um musical no dia seguinte (eu avisei dos clichês) e com direito a passarinho azul de animação e tudo mais, LOVE uma cena em que eles terminam e ele vira um desenho que vai se apagando, LOVE a irmã menor conselheira e LOVE essa cena ae da foto, onde os dois em uma brincadeireeeenha daquelas bem irritantes que só os casais fazem, começam a gritar “pênis” em meio ao parque, euri. LOVE tmbm a mudança de estação do final e a chegada do “Outono”.

E para quem ainda não se animou para ver o filme, aqui esta o trailler que talvez ajude:

ps: ela sempre foi mesmo a cara da Katy Perry, agora ele eu achei a cara do Heather Ledger, muito parecido…e olha que eles já até trabalharam juntos (10 coisas que eu odeio em vc) e eu não tinha achado isso antes hein? Que puxa!


%d bloggers like this: