Posts Tagged ‘The Boat That Rocked’

O’DOWD, Chris

Agosto 2, 2012

Irlandês, tem todos os metros de altura, é super engraçado (lembrem-se de assistir tudo do Craigson, sempre!), de verdade, sério, do tipo que #NAOTEMCOMONAOAMAR. Cute, canta bem, esteve em “The Boat That Rocked” (que é o melhor filme de piratas de todos os tempos!) mas a maioria o conhece por seu policial magia em “Bridesmaids”. Todo mundo quer todas as tees que ele já usou em The It Crowd (que é a minha nova maratona inglesa do momento indeed, mas depois eu falo mais sobre) e sem contar que, qualquer pessoa que tenha esse grau de intimidade com o Michael Fassbender, merece todo o nosso respeito irlandês. Höy!

E daqui a pouco a gente vai poder vê-lo em Moone Boy, série baseada na sua infância nos anos 80 da Irlanda antiga e que o ator ainda assina como roteirista. Cool Cool Cool!

E a partir de hoje eu declaro que a senha para ganhar o meu coração é me chamar de Sugar Pie Honey Bunch. E não precisa nem cantar… (se cantar bem como o O’Dowd leva uns pontos extras, rs)

Hey, August! (♥)

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

O melhor filme de piratas de todos os tempos ever

Janeiro 9, 2010

Delicioso! Acho que não tem descrição melhor para a minha escolha de filme de hoje, “The Boat That Rocked“, ou como foi traduzido por aqui, Os piratas do Rock!

Um delícia de filme que conta a história das rádios piratas britânicas dos anos 60, onde a maioria delas era transmitida de navios que ficavam ancoradas ao norte da região, para garantir uma programção de 24 horas de muita música.

E assim eles vivem, em uma espécie de sociedade alternativa dos anos 60, são piratas literalmente vivendo em alto mar. 8 djs apaixonados por música, todos bem caricatas e divertidíssimos se revesando em horários alternados para fazer os seus programas de rádio 24 horas por dia, cada um com um estilo bem próprio. A trilha é imperdível tmbm, com clássicos da época de ouro do rock, desde Beach Boys até os Rollings Stones,

O figurino de época do filme é bem báfu tmbm, tudo bem coloreeedo, cabelos para os altos, jovens almofadeeenhas misturados aos sempre sexys e poderosos meninos do rock. E não adiante neam? Se tem um estilo que nunca sai de moda, esse é o estilo do rock. Ele se atualiza, se diversific e esta sempre presente no mundo da moda.

Mas se vc assistir o filme e parar para pensar na evolução do munda da música durante esses 50 anos, vc vai ver que o salto foi gigantesco. Muito mais ainda nessa última década onde o mercado da música sofreu e muito com o mundo da internet e seus infinitos downloads. Eu mesmo já faz muito tempo que não ouço alguma rádio e só compro cds agora quando os preços estão bem justos e eu já ouvi pencas antes, graças ao meu ameeego italiano Paolo Torrento. Talvez seja culpa da modernidade!

Mas me lembro do tempo em que ficava com o rádio ligado o dia inteiro, principalmente na adolescência, esperando tocar a minha música preferida do momento ou a estréia de um novo single qualquer. Hj em dia ninguém tem mais tempo para isso, o trabalho muitas vezes nem chega a ser finalizado direito e o mp3 já chega em diversos lugares em instantes. E quem tem tempo hj em dia não é minha gente? Talvez essa seja a era da falta de paciência, isso sim.

Mas esse não é o discurso do filme…Sorry, aproveitei para soltar uns pensamentos soltos. O filme tem o discurso da luta pela liberdade, da vontade se de expressar sem ser podado pelo governo ou religião, afinal essa era a luta daquele momento. E com um discurso bem do rock eles  manifestam diversas vezes durante o filme, uma postura que eu acredito que nunca vai perder a força e se tem um rítimo que nunca vai morrer esse rítimo é o Rock! Mas no filme eles defendem o pop tmbm, o que não poderia ser diferente pq todo mundo conhece a força do brit pop.

Philip Seymour Roffman é o Conde e o cara que já me fez ficar apaixonado por ele pelo seu memorável Truman Capote, me deixou de cara mais uma vez com o seu carismático locutor de rádio. Sério, no final, quando ele saiu do mar gritando “Rock and Roll” eu dei um pulo e vibrei de tão incrível que ele esta no filme. Clap Clap Clap!

E de uma forma divetida e bastante original eles contam e muito bem esse difícil período de repressão dos jovens em luta da liberdade, de uma forma bem natural e direta a mensagem é passada e talvez como nenhum outro filme que tenha falado sobre o  assusnto tenha conseguido. A cena em que o navio esta sendo inundado e vc vê os discos, clássicos de uma época flutuando no meio de toda aquela água é de fazer qualquer fã de música ter vontade de pular lá no meio só para tentar salvar alguma dessas preciosidades. Cena linda e a sequência é hilária.  Clap Clap Clap mais uma vez!

E eu confesso que fiquei com mais vontade ainda de me tornar um pirata, já que para a música eu não tenho o melhor talento, no máximo um Rock Band e olhe lá! Assistam djá! E vale a pena assistir até o final, onde nos créditos finais, várias capas de discos e as bandas mais legais de ontém e de hj se misturam com os créditos, bem legal ficar reconhecendo os meus discos preferidos, rs. Coisa de bobo que repara nesses detalhes, neam? (prazer, Bobo! rs)

ps: o pior agora é que como as minhas escolhas da semana de filmes que estavam na minha lista para serem vistos foi tão excelente, que eu estou com medo de escolher mais um e me cagar de vez…talvez eu veja um clássico antigo, mas não sei ainda…drama!


%d bloggers like this: