Posts Tagged ‘The Office’

Dwight Schrute ganhando o seu próprio spin-off em 2013. Será?

Janeiro 26, 2012

SIM! Dwight vai ganhar o seu merecido spin-off baseado na família Schrute (e com isso devemos ganhar vários outros personagens além do primo Mose) e sua fazenda de beterrabas. Yei!

Diz que essa já era uma vontade antiga da NBC e que os planos atuais estão sendo desenvolvidos para que a série aconteça em 2013.

Fiquei bem feliz com a informação, mas senti que talvez isso possa ser um sinal de que The Office pode estar com os seus dias contados nos planos da emissora, não?

O que a série não merece nem de longe, pq mesmo sem o Michael Scott, eles tem sobrevivido lindamente e o ep da última semana com a pool party (8×12 Pool Party, que euri muito), foi mais uma das provas que eles estão nos dando durante toda essa Season 8.

O que foram o Ryan e o Gabe pulando pelados na piscina? E a forma com que o Gabe pulou, ainda com as calças no meio das pernas, foi sensacional! (tive a impressão que eles estavam sem roupas mesmo, principalmente o B.J. Novack, pela empolgação do elenco e ainda acho que foi de surpresa, rs)

ps: e o Jim não deveria ter feito mimimi e deveria ter encarado esse aguardado nude hein? Humpf!

Será que a gente perdeu muita coisa durante esses últimos dias em que estivemos longe?

Janeiro 2, 2012

Antes de começar de vez o ano de 2012 (e eu conseguir responder todos os comments dessas semana) vamos ver então o que é que nós perdemos de importante (ou não) nesses últimos dias de 2011 em que estivemos longe um do outro…

Vamos lá:

Bom, o que a gente perdeu mesmo eu não sei, mas o que definitivamente o Gerard Butler perdeu foi a sua magia, não é mesmo? Yöh

O que é isso? Pedimos por um Leonidas e ganhamos um leão com uma juba de quinta?

Assim não dá!

Que vc recupere a sua magia em 2012 Gerard! Ainda acreditamos em vc, mesmo estando bem puxado…

#NAOTABOMNAO

E vale desejar o mesmo para a Nicole Kidman, ou já é considerado como caso perdido?

Gente? Gen-te? GENTE!

Tenho certeza que nem eu e nem nenhum dos leitores do Guilt, nem em nossos  piores dias ever, acordamos com o cabelo meonho desse jeito. NUNCA! JAMAIS!

EW!

#NAOTABOMNAOEJAFAZTEMPOQUEESTARUIM

Tanta gente mandando oferenda para Iemanjá no final do ano (e deixando as praias ainda mais imundas, humpf!), quando a fofa poderia fazer a querida e aproveitar o tipo de público que anda circulando em suas areias e mandar um mini Tsunami de vez em quando, não?

Dizem que com essa cara, a próxima temporada da Hannah Montana vai ser no Capão Redondo e que esse biquini que a Rihanna pegou a parte de cima da sua irmã caçula é da Agua de Coco Podre. É o que dizem…

Ainda no assunto praia, tem ex que insiste neam? (tisc tisc)

Mas nesse caso, achamos que os olhares trocados significam alguma coisa importante (♥), portanto não tem nova Barracuda certa, viu brasileiros na lista (da ficha rosa) do Marc?

#AMORVERDADEIROAMORETERNO

ps: e só eu acho que está na hora do Mark Jacobs tatuar um Patrick ao lado desse Bob Esponja? Não aguento ver o moço de calças quadradas sozinho e sem nenhuma companhia, rs. Ou melhor, fica a sugestão de tattoo para o Lorenzo fazer como declaração de amor bem da foufa…

E se tem um closet que poderia receber a visita da Dona Tesoura e amanhecer todo picotado, esse é o closet da Vanessa Hudgens, não?

Vanessa Who?

Vanessa Cafonona Hudgens, para ficar bem claro.

E a Lady Gaga que resolveu circular com o novo boy mgia hein?

Embora o feitiço do Taylor Kinney esteja bem maior no video de “You And I” (tanto que nem parece o mesmo boy magia da sereia), achamos que ela esta no caminho certo investindo em acessórios mais básicos de vez em quando.

Höy!

Enquanto isso, do outro lado da magia, Katy Perry anunciou o seu divórcio…PÁ!

Como a gente entende que divórcio é sempre uma barra e não tem porque fazer piada em um momento como esses (a não ser ela mesmo), esperamos que o prêmio de Toda Cagada do ano no The Modern Guilt Awards 2011 não tenha influenciado em nada a sua decisão e sim, que essa decisão tenha sido tomada a partir do reflexo da sua própria imagem, do que ela estaria se tornando, que todo mundo sabe que #NAOTABOMNAO.

Eu não sei quem foi que decidiu que essa Rashida Jones era uma mulher bonita, eu só sei que quem quer que seja essa pessoa, ela não estava em seu melhor momento de lucidez nesse momento da sua vida, fato.

Mas o que eu acho pior é que ela continua pegando tudo quanto é boy magia na tv e agora também nos cinemas hein?

Primeiro o no Jim (The Office), depois o Andy (Parks And Recreation) e agora também o Andy Samberg (SNL)? DaF*ck?

Vamos dar um tempo Rashida, que assim não dá! Já está ultrapassando o limite de oidiosa insuportável para odiosamente insuportavelmente insuportável.

ps: alguém passa o recado, ou deixa um post-it no trailer dela, dizendo que ela não é tudo isso? Pleeease? Que era tudo que eu gostaria de dizer. Obrigatô!

#NAOCEITO!

E nada foi mais foufo por esse dias do que o empreendedorismo das irmãs Garner/Affleck montando o seu primeiro negócio em sociedade, uma empresa familiar de limonadas no quintal da casa da família?

Aposto que foi um sucesso e não sobrou nada em estoque!

#TEMCOMONAOAMAR?

Só empata em foufurice pura com essa foto do Kingston todo independente no shopping e ainda vestido de Chaves, rs.

#TEMCOMONAOAMAR?

Agora, para a nossa sorte, tem certas coisas que não mudam…

Seja saindo descalço do mercadinho da esquina, com o seu pé de hobbit. Significa? rs

Seja saindo to-do suado do treino de box que pode ser um sinal do que garante parte do seu feitiço em dia. Höy!

Ou seja caminhando lindamente pelo aeroporto, mesmo que ele estivesse a caminho do encontro com a sua namor…(me recuso continuar escrevendo isso), com aquela que ele está se divertindo por enquanto até encontrar o seu verdadeiro  blue valentine (que todos sabem quem é, não? A propósito, Já falei para vcs que my heart is black and my body is blue? rs)

Resumindo, isso foi tudo o que nós perdemos de importante ou não durante esses dias. E até que não foi muito vai?

E agora sim, the bitch is back!

ps: prometi tanta coisa para mim mesmo em relação ao Guilt em 2012, que acho que vai acabar ficando puxado. Mas não vou escrever por aqui para não ser cobrado, rs. Aguardem…

O que vc vai assistir no Midseason 2012, hein?

Dezembro 30, 2011

O que, quando e quem sabe onde. Uma agenda com as estreias do Midseason 2012 para facilitar a vida de todo mundo e não deixar ninguém se sentir perdido assim que 2012 começar.

As séries novas estão em destaque e o coração vai para tudo que eu assisto (pq eu tmbm preciso me lembrar, rs):

 

JANEIRO

 

Dia 01/01/12 – (Domingo)

Sherlock

 

Dia 02/01/12 – (Segunda-Feira)

Pretty Little Liars

The Lying Game

Hawaii Five-0

Mike & Molly

Two and a Half Men

How I Met Your Mother

♥ 2 Broke Girls

 

Dia 03/01/12 (Terça-Feira)

Switched At Birth

Work It (ABC – new)

Jane by Design (ABC Family – new)

NCIS

Last Man Standing

NCIS: Los Angeles

♥ Parenthood

Body of Proof

Unforgettable

 

Dia 04/01/12 (Quarta-Feira)

Happy Endings

Revenge

The Middle

Suburgatory

♥ Modern Family

Mobbed

 

Dia 05/01/12 (Quinta-Feira)

 Grey’s Anatomy

Private Practice

The Vampire Diaries

The Secret Circle

 

Dia 06/01/12 (Sexta-Feira)

Nikita

Supernatural

Blue Bloods

A Gifted Man

CSI: NY

Merlin

Portlandia

The Increasingly Poor Decisions of Todd Margaret

Grimm

 

Dia 08/01/12 (Domingo)

House of Lies (SHOWTIME – new)

Californication

Shameless US

The Firm (NBC – new)

The Simpsons

The Cleveland Show

♥ Family Guy

American Dad

Pan Am

♥ Once Upon a Time

Desperate Housewives

The Good Wife

CSI: Miami

 

Dia 09/01/12 (Segunda-Feira)

Castle

 

Dia 11/01/12 (Quarta-Feira)

One Tree Hill

♥ Whitney

Are You There, Chelsea? (NBC – new)

Law & Order: SVU

 

Dia 12/01/12 (Quinta-Feira)

♥ The Big Bang Theory

Rob! (CBS – new)

The Mentalist

Persons of Interest

Up All Night (confirmou e a série ficou com o lugar de Community…Humpf!)

♥ 30 Rock

♥ Parks and Recreation

♥ The Office

The Firme

Bones

 The Finder (FOX – new)

 

Dia 13/01/2012 (Sexta-Feira)

Kitchen Nightmares

♥ Fringe  (Yei!)

 

Dia 15/01/12 (Domingo)

♥ The 69th Golden Globe Awards

Undercover Boss

♥ Napoleon Dynamite (FOX – new)

 

Dia 16/01/12 (Segunda-Feira)

Being Human

Gossip Girl

♥ Alcatraz (FOX – new)

 

Dia 17/01/2012 (Terça-feira)

90210

Justified

Southland

White Collar

♥ Glee

♥ New Girl

♥ Raising Hope

 

Dia 18/01/12 (Quarta-Feira)

American Idol

Criminal Minds

CSI

Royal Pains

 

Dia 19/01/12 (Quinta–Feira)

Archer

Unsupervised (FX – new)

 

Dia 20/01/12 (Sexta-Feira)

Shark Tank

 

Dia 22/01/12 (Domingo)

Lost Girl

 

Dia 23/01/12 (Segunda-Feira)

House

Hart of Dixie

 

Dia 25/01/12 (Quarta-Feira)

Touch (FOX – preview)

 

Dia 27/01/12 (Sexta-Feira)

Chuck

Spartacus

 

Dia 29/01/12 (Domingo)

Luck (HBO – new)

 

Dia 31/01/12 (Segunda)

Ringer

 

FEVEREIRO

 

Dia 05/02/12 (Domingo)

The Voice (especial)

 

Dia 06/02/12 (Segunda-Feira)

♥ Smash (NBC – new)

The Voice

 

Dia 07/02/12 (Terça-Feira)

The River (ABC – new)

 

Dia 08/02/12 (Quarta-Feira)

Rock Center With Brian Williams

Law & Order: Special Victims Unit

 

Dia 12/02/12 (Domingo)

♥ The Walking Dead (só não sei até quando…)

The Celebrity Appentice

 

MARÇO

 

Dia 04/03/12 (Domingo)

Good Christian Belles (ABC – new)

Harry’s Law

 

Dia 06/03/12 (Terça-Feira)

Breaking In

 

Dia 11/03/12 (Domingo)

Bob’s Burgers

 

Dia 12/03/12 (Terça-Feira)

Fashion Star

 

Dia 15/03/12 (Quinta-Feira)

Missing (ABC – new)

 

Dia 19/03/12 (Segunda-Feira)

Dancing With The Stars

Touch (FOX – new)

Red Band Trailer hosted by Diablo Cody- o melhor programa de entrevistas do momento

Dezembro 28, 2011

Quase sempre os leitores do Guilt me presenteiam com algumas delicinhas e novidades que eles encontram por ai e o Red Band Trailer foi uma delas (Thnks Monica!)

Um programa de entrevista totalmente diferente, que se passa dentro de um trailer e que tem como apresentadora a sempre sensacional Diablo Cody, que eu nem preciso dizer quem é, preciso? (tem um Oscar por “Juno”…)

O programa é curtinho, com entrevistas de aproximadamente 13 minutos dentro de um trailer que parece uma torradeira (meosonho nº 414544782 era ter um trailer quando criança, sério!), onde a Diablo aproveita para fazer aquelas perguntas que certamente vc não vai ouvir o Jay Leno, nem o Letterman ou o Conan fazer. Mas talvez o Craig Fergusson faça…rs

Ou seja, não preciso nem dizer que o Red Band Trailer já se tornou o meu programa de entrevistas preferido do momento neam? AMO! (e o que é o Oscar dela sendo exibido descaradamente como objeto de decoração na mesa, hein?)

A entrevista com o John Krasinski por exemplo é mais do que especial (por motivos óbvios de perferct match, Höy!), onde ele conta como foi o seu teste para entrar em The Office e quais foram as suas gafes nesse dia. E confirmou, ele e o Jim só podem ser a mesma pessoa mesmo, rs. Detalhe que no final da entrevista, eles ainda invadem (com permissão) a casa do vizinho para que o Krasinski dê uma aula de como jogar basquete para a Diablo, que não é assim das mais esportistas. Howcoolisthat?

Outra das minhas preferidas é a entrevista com a Zooey Deschanel (por motivos também óbvios, Höy e tmbm porque além de tudo ela tem também um blog em parceria com outras pessoas, que é bem do sensacional! Howcoolisthat?), Zooey que também é bem foufa e explica o porque ela confia mais em pessoas que investem no fundamento da franja, rs.

Agora, nada supera o Joel McHale (Höy!) alimentando aquela pobre e adorável criança no quiz do final da sua entrevista. Sério, esperem até o final para ver o que ele faz com aquele bebê, que eu fiquei imaginando que só pode ser seu filho (dele ou da Diablo, rs).

Por isso, achei que vcs mereciam conhecer essa delícia de programa, que eu não tenho a menor ideia de com que frequência ela faz as suas entrevistas (na verdade, eu acho que não tem uma regra ainda, mas me parece que é mensal, isso a cada temporada, e já estamos na Season 2), mas só sei que o programa agora faz parte do L Studio, que tem também Web Therapy, a série da Lisa Smelly Cat Kudrow também feita para internet. Mas vale a pena dar sempre uma conferida para ver quem será o próxima a entrar no trailer da Diablo.

Aliás, existe nome mais badass em Hollywood do que Diablo Cody? Eu acho que não…

#TEMCOMONAOAMAR

A deliciosa festa no jardim de The Office

Outubro 17, 2011

As minhas suspeitas sobre a mágoa que o pessoal de The Office deve ter ficado com a saída do Steve Carell do elenco e a incerteza dos rumos da série ao perder o seu “ator principal”, só tem se confirmado a cada episódio inédio semanalmente e parece que eles estão mesmo com vontade de continuar fazendo direitinho e a ausência do Michael Scott tem passado completamente despercebida, pelo menos até aqui.

E essa semana não foi diferente. O que foi aquela viagem para o campo, proposta pelo Andy em uma tentativa desesperadora de agradar o seu pai?

Piadas ótimas do começo ao fim tendo como cenário a fazenda de beterrabas da família Schrute, envolvendo todos os personagens e aquela dobradinha da guerra eterna Jim vs Dwight que a gente tanto ama. Precisa de mais o que?

Sério, euri do começo ao fim. A cada entrada anunciada com entusiasmo pelo Dwight em sua fazenda, seguindo as regras do livro sobre “como dar uma festa no jardim” escrito só de sacanagem pelo Jim, até os momentos totalmente constrangedores envolvendo o Andy e a sua família, a quem ele parece nunca conseguir agradar, pelo menos não tanto quanto o seu irmão mais novo.

Só acho que eles deveriam ter aproveitado um pouco mais da voz de tenor do Josh Groban, para deixar o Andy ainda mais enciumado. Aliás, esse “encontro” com a família do Andy explicou muito da sua personalidade não? Pelo menos agora já sabemos de onde vem a sua obsessão por cantar, rs.

Sinceramente, pode até parecer cedo para afirmar isso, mas sinto como se o Michael Scott não estivesse fazendo a menor falta até então, apesar de só de pensar na ideia de tê-lo de volta já pode até parecer algo animador.

Sinto que essa mágoa e o medo de perder a série de vez fez muito bem para o elenco, que esteve unfirah até esse momento da temporada, demonstrando cada vez mais uma vontade de continuar mantendo o nível de The Office, que sempre foi tão excelente, com ou sem o seu chefe de sempre.

Aliás, eu sinto também que eles estão apelando na foufurice por episódio, porque o que foi o momento Andy recebendo um não da CeCe em um momento bem foufo do Andy voltando ao seu péssimo passado como vendedor, hein? Awnnnn!

Para terminar, até o primo da fazenda de beterraba da família Scrhute teve a sua piada nesse episódio e qualquer momento com as coreôs exóticas do Dwight e seu comitê de festas já valeram as melhores gargalhadas do episódio.

E para quem achava que The Office estaria na pior com a ausência de Michael Scott…suck it!

ps: mas continuo dormindo profundamente em toda line do Robert California. Zzzz

Modern Family voltando a boa forma (literalmente), The Big Bang Theory se eforçando para recuperar o fôlego perdido e The Office investindo nos finais de episódios mais foufos da temporada

Outubro 1, 2011

Modern Family voltou fraca, pelo menos em seu primeiro episódio da Season 3 (3×01 Dude Ranch). Com um episódio que tinha tudo para dar certo, com a viagem da família toda para o campo eles acabaram decepcionando e a graça não aconteceu. As piadas ainda eram as mesmas de sempre e os personagens pareciam estar se repetindo o tempo todo, como se ainda estivessem presos na temporada anterior.

Mas tratava-se de uma premiere dupla e o segundo episódio, esse sim foi bem do sensacional (3×02 When Good Kids Go Bad). Piadas ótimas, tudo muito divertido e uma nova Lily, muito mais participativa nessa nova versão e agora mais velha e falante. Confesso que eu me assustei um pouco com a mudança e achei até que a garotinha poderia estar sendo dublada (o que seria péssimo), mas depois com a sua sequência de interação divertidíssima entre a garotinha e o seu pai Cameron, eu me convenci e já aceitei a nova Lily.

Sério, aquelas cenas com a tentativa de desapego entre ela e o Cameron foram sensacionais ( o que foi ela segurando a mão dele no chuveiro?), o que me fez lembrar até da primeira temporada, onde a gente morria de rir em todos episódios, algo que não se repetiu muito durante aquela a Season 6 meio assim.

O único defeito que eu havia encontrado na entrada da nova Lily é que só ela cresceu e os demais continuam os mesmos. Por exemplo, como é que ela cresceu tanto e já estava toda comunicativa e a filha mais velha do casal Dumphy continuava no último ano do colégio? Já não estava na hora daquela garota partir para a faculdade (e sumir?)? Mas esqueci do detalhe que ela é pouco inteligente e essa foi a justificativa que eles sabiamente deram no episódio seguinte.

E a dupla Gloria e Manny fazendo a linha parceiros no crime, também foi sensacional. E todas AMAM a Gloria trambiqueira!

Agora, o terceiro episódio pra mim foi o maior sinal de que eles estão mesmo recuperando a boa forma antiga (3×03 Phil On Wire). E isso literalmente, com o casal gay perdendo peso juntos e consequentemente também o humor, se tornando um casal a beira de um ataque de nervos por conta da fome (euri). Os ataques do Cameron antes da festa foram sensacionais e o medo do Michell naquele desconforto todo do personagem estava impagável.

Gloria enlouquecida com a relação entre Jay e a cachorra da família e sendo flagrada com o sapato na boca, completamente maluca a ponto de conseguir assustar até a própria cachorra com sua performance foi de dar medo de tão engraçado. É claro que o Jay não poderia perder a piada e acabou tratando a própria Gloria como um cachorro, durante todo o episódio, o que é claro que também rendeu ótima piadas.

E o episódio já começou com um sinal claro disso, com Jay tendo que se explicar para Gloria do porque do cachorro ser autorizado a dormir na cama e o Manny não, mesmo quando o garoto tem pesadelos durante a noite. E no final da cena, temos o próprio Manny deitado no chão do quarto perguntando o porque ao próprio Jay. Hilário, algo que me lembrou o episódio com o jantar na casa do Michael Scott e a sua “cama” em The Office. Ro-lei.

Para encerrar, ainda tivemos a dobradinha Phill e Luke, que são praticamente a mesma pessoa de tão parecido que eles são e funcionam, dividindo momentos sensacionais e que nos levaram a um final de episódio foufo, daqueles com narração sentimental sobre o ocorrido, algo que eles estavam deixando de lado, mas que a gente adora.

E por esses dois últimos episódio, acho que já podemos dizer que Modern Family esta voltando a forma. Talvez todos os Emmys que ele acabaram ganhando tenham deixado eles todos com vontade de justificar os seus prêmios. Algo que pelo menos o Ty Burrell nem precisava se esforçar.

The Big Bang Theory teve um começo de temporada parecido com Modern Family e também apostou em uma premiere dupla. Como na série sobre a família moderna, eles também não se deram tão bem no primeiro episódio (5×01 The Pulled Groin Extrapolation), mas na sequência mostraram sinais de pelo menos uma vontade de fazer melhor (5×02 The Infestation Hypothesis).

E até que conseguiram , com a história toda da poltrona que a Penny achou no lixo e o estrago que isso acabou fazendo na vida do Sheldon, algo que foi divertido. Gosto das piadas quando os dois são colocados juntos.

Senti também que eles estão com vontade de encaixar melhor a Amy, fazendo com que ela interaja bem mais com o grupo, algo que tem ficado cada vez mais claro e o episódio dessa semana reforça ainda mais essa minha suspeita (5×03 The Pulled Groin Extrapolation), já que tentaram até uma nova dinâmica, colocando o Leonard fazendo dupla com a moça e causando até um certo ciúmes no próprio Sheldon, que para nossa surpresa até se manifestou contra, rs.

Nesse caso eu também já aceito a Amy como parte do grupo (como ja disse antes por aqui)e acho que ela vem se esforçando para pertencer a ele. Agora, quem eu acho que esta cada vez mais chato e distante é o Leonard, fikdik…

Até agora, o maior erro de The Big Bang Theory foi ter dado cada vez mais espaço ultimamente para as relações amorosas na série. Não que elas não sejam engraçadas, não que eles não mereçam se relacionar (todo nerd tem esperança e eu digo isso por mim mesmo), mas sim porque as melhores piadas da série até hoje estiveram todas nas esquisitices daquele grupo de nerds e o seu universo totalmente particular e do qual muitos de nós se identifica. (deixa só o Sheldon saber que eu que estudei “Moda” estou dizendo isso, rs)

Acho mesmo que eles tem que deixar o romance mais de lado e focar nos outros tipos de relações e conflitos do grupo, que são bem mais interessantes. Mesmo porque, tirando a Amy, todas as outras namoradas são muito chatas e fracas para segurar qualquer coisa…

E pelo menos nesse último episódio não tivemos nem o cheiro de curry da Pryia, Ufa!

The Office não poderia ter feito melhor escolha para o seu novo chefe do que o Andy, hein? (apesar da minha torcida também pela Catherine Tate para o posto)

Tenho achado sensacional o desconforto dele dentro do escritório, sem saber exatamente qual a sua função naquele lugar e tendo se encontrar como chefe daquelas pessoas.

Andy é um excelente novo Michael Scott, inseguro, ingênuo e foufo ao mesmo tempo, só que bem menos sincero e sem noção do que o próprio Michael. Talvez não tão menos assim…(rs)

Agora, quem liga para o Robert California? Hein? Eu tenho sono…

E tem coisa mais legal do que ver o seu chefe se ferrar? (euri, mas que eles não nos ouçam…)

O episódio dessa semana foi a prova disso e o plano de incentivo do próprio Andy só deu certo quando ele colocou a sua bunda na jogada, literalmente (8×02 The Incentive).

Tinha certeza que eles não seguiriam com o plano da tattoo na bunda até o final, mas eles seguiram e eu não esperava que o final fosse tão foufo assim. O segundo final foufo de dois episódios até agora…

E já aguardo por uma episódio musical especial e estrelado pelo próprio Andy, afinal, eles tem que aproveitar esse talento do Ed Helms, hein? Fikdik

Com isso eu sinto que desde o primeiro episódio dessa Season 8, eles estão seguindo um bom caminho.

The Office voltando muito bem, mesmo agora sem o Michael Scott

Setembro 26, 2011

Que foi uma perda irreparável a saída do Steve Carell da série, isso não tem como negar. E mesmo assim, o que foi sensacional o episódio da premiere da Season 8 de The Office, hein? (8×01 The List)

Juro, tive ataques de riso em pelo menos dois momentos, além de achar o episódio delicioso.

Começando pela sequência de abertura com as piadas de “planking” que ou vc entende, ou não. Ro-lei!

Depois, a maldita lista que dividiu o escritório em dois times e que quase enlouqueceu todos eles. O que signifca cada coluna da lista que o chefe fez? Hein?

Aliás, por falar em chefe, adorei a alternativa de ter colocado o novo ator como CEO e na mesa do Michael Scott em seu antigo lugar: Andy Bernard!

Andy sempre foi uma espécie de clone do próprio Michael, desde que ele foi transferido para Scranton. Igual, mas diferente e eu sinceramente acho que não teria melhor substituto para o cargo, embora eu ainda ache que talvez a posição seja algo rotativo, como no final da temporada anterior. Não sei, mas suspeito que sim…

Outro momento que me fez rolar de rir foi a Phylis caindo no chão na hora em que chefão entra na sala e todos eles estão discutindo sobre a lista. Sério, quase que eu tmbm cai da minha cadeira, rs.

E para terminar esse episódio que marca uma nova fase para a série, ainda tivemos um momento de pura foufurice que o Jim fez questão de fazer para a Pam, só para nos deixar ainda mais apaixonados por eles. Ai ai! (♥)

 

Pam, Cece, New Bay | Everything else

 

Não estava esperando muito dessa premiere (mesmo pq eu não gostei muito do ep final da temporada anterior), mas confesso que foi a mais divertida de todas até agora em relação as comédias nos seus primeiros episódios da temporada. O que pode ser um bom sinal para quem ainda tinha alguma dúvida se The Office sobreviveria sem o Michael Scott.

Eu digo sem medo que se continuar assim, tem como sobreviver sim, sem dúvida nenhuma.

ps: e a outra grávida além da Pam no escritório é mesmo a Angela. Mas será que o filho é mesmo do Senador? Du-vi-do.

O novo chefe em The Office

Setembro 2, 2011

Promo da Season 8 de The Office, que vai chegar trazendo o nome do novo chefe do escritório.

Sim, James Spader levou a melhor e ficou com a vaga (embora toda a grande torcida pela Catherine Tate, humpf), mas segundo spoilers que eu andei lendo de fontes seguras, logo logo ele vai perder o cargo e vai se tornar mais um vendedor em Scranton…

Fiquei sabendo tmbm de mais 2 fofocas do escrtiório: não só a Pam vai estar grávida do seu segundo filho com o Jim (♥), como outra pessoa do escritório em Scranton tmbm estará grávida durante essa temporada. Aposto as minhas fichas na Angela e já podemos até imaginar quem será o pai, não?

A outra fofoca do momento no bebedouro (rs) é que durante essa temporada, teremos a participação do Josh Groban, que deverá interpretar o irmão do Andy.

Ou seja, ansioso mil!

ps: o que é a cara foufa do Jim no final do promo? Höy! Repito: perfect match!

Childrens Hospital e Sirens arruinaram Grey’s Anatomy pra mim

Agosto 19, 2011

Midseason é um boa época para se fazer descobertas. Algumas boas, outras nem tanto. Também é hora de colocar os boxes em dia, além de tentar diminuir aquela lista interminável de sempre das séries que a gente gostaria de assistir se tivesse mais tempo disponível.

E foi o que eu fiz, mas dessa vez me arrisquei no território das séries médicas, mas nada muito convencional como estamos acostumados desde E.R e Grey’s Anatomy, pq essa cota na minha vida já esta preenchida (rs). Da minha própria lista eu aproveitei para colocar em dia Childrens Hospital, série que eu sempre tive vontade de assistir, mas faltava tempo e que atualmente se encontra em sua Season 3. Agora, por ouvir boas recomendações de diversos lugares diferentes, acabei encarando também uma maratona de Sirens (UK), essa encarando ainda a sua recém encerrada Season 1. E quer saber? Fiz excelentes escolhas no quesito diversão e fundamento…

Childrens Hospital

Uma série total nonsense. Não sei nem se pode ser considerado como uma comédia de escracho, acho que esta até mais para uma classificação como “comédia do absurdo”, de tão imprevisível e realmente absurda que a série consegue ser.

Tudo começou como web série e depois ganhou o seu espaço na tv. O elenco reune pencas de excelentes comediantes conhecidos de todos nós por seus outros trabalhos na tv e a história da série conta a rotina de um hospital infantil nada convencional (e que embora seja um hospital infantil, não trata apenas de crianças, rs).

Todos os médico são completamente malucos, donos das técnicas mais absurdas e sem o menor compromisso com a realidade. A começar por Blake (Rob Corddry, que também é o criador da série) médico palhaço, que dá até arrepios com o mix do seu make foufurice (e para alguns de pavor, rs) e mancha de sangue na sua roupa de cirurgião em formato de coração/borboleta. Assustador, mas foufo.

E tudo é tão absurdo na série, que fica até difícil de escrever. Detalhe que eles afirmam que o hospital fica no Brasil em diversos momentos soltos na série e a uma certa altura eles resolvem provar isso, com dois dos médicos do elenco saindo para comprar um churros na praia no meio do expediente, caminhando por paisagens do Rio de Janeiro de ver-da-de. Há quem tenha ficado ofendido com a piada no Rio, que envolve um vendedor ambulante de substâncias ilícitas, mas essa indignação fica para quem não tem humor. Ou pelo menos para quem não entende esse tipo de humor.

Atualmente em sua Season 3, eles aproveitam também para tirar o maior sarro de todo e qualquer clichê das séries médicas, principalmente de Grey’s Anatomy (e na carona Private Practice), que me parece ser o alvo preferido deles. As piadas sobre a narração na série por exemplo, são inesgotáveis e talvez por isso eu nunca mais consiga encarar um narração poética e fundamento da Dr Grey sobre a vida, sem lembrar das piadas de Childrens Hospital. É, Grey’s nunca mais será a mesma para mim e eu já estou ciente disso.

E como a comédia é recheada de absurdos, tudo é possível, mesmo com o plano de fundo sendo um hospital infantil. Religião, pegação nos corredores, limpar o nariz na cara do paciente. Pode tudo, rs.

Existem momentos musicais na série, episódio de flashback, um episódio ao vivo fake e um episódio primoroso de terror envolvendo crianças e seus lápis super apontados. Todos momentos hilários, que vc que gosta de um humor mais pesado, certamente vai adorar, fikdik.

As participações são sensacionais tmbm, como o Jason Sudeikis, a Eva Longoria e pasmem, até o Jon Hamm dá o ar da sua graça em um dos episódios e sobrevive na série no corpo de uma loira. Sério, acreditem. Até o Michael Cera empresta a sua voz para alguns momentos bem divertidos na série, fikdik.

Outro que aparece de vez em quando é o Nick Offerman, o sensacional Ron de Parks And Recreation e que interpreta um policial ex parceiro de um dos médicos na série. Ele que na vida real é casado com a Megan Mullally (a Karen de Will & Grace), que interpreta a chefe da equipe do Childrens Hospital e que rouba a cena como sempre. Tem um episódio no qual ela é perseguida por um maníaco (aparentemente até então), que me fez rolar de rir e tudo isso por conta da sua deficiência física, pode? Só para dar um gostinho do tipo de piada que eles conseguem fazer na série.

Além da deliciosa Megan, o elenco tem também vários outros atores que fazem papéis menores em algumas séries que conhecemos, como o namorado da Holly em The Office, o ator Rob Huebel, ou o Ron (Ken Marino) de Party Down, ou a Rachel de How To Make It in America (Lake Bell), que em alguns casos, até para a minha surpresa, se revelaram como excelentes comediantes.

E o ponto alto da série esta no momento “previously’, que é sempre muito, mas muito engraçado. (amo a sequência do Glenn falando com a mãe de um dos pacientes que se repete por alguns episódios, rs)

Mas tem que assistir sem aquele filtro do politicamente correto que algumas pessoas insistem em forçar de vez em quando para tentar parecer pessoas melhores (…), porque o humor aqui é pesado e nem todo mundo entende ou gosta. Para animar todos vcs a assistirem a série, vale a pena comentar que cada episódio tem apenas 10 minutos, ou seja, dá para ver fácil fácil hein?

Sirens (UK)

Outra grande surpresa do midseason foi a descoberta de Sirens, série inglesa do Channel 4.

A série tmbm fala de um ambiente hospitalar, mas nesse caso temos paramédicos em sua ambulância percorrendo as ruas atrás de suas vítimas, tudo bem very britsh.

Sirens tem até mais características bem parecidas com Grey’s Anatomy por exemplo, como a narração que fica por conta do personagem Stuart (Rhys Thomas), que ao contrário do que acontece na série americana, não tenta empurrar nenhuma lição de vida, ou faz um pensamento muito filosófico sobre um assunto qualquer. A narração nessa caso é mais direta e soa até mais honesta, com algumas verdades que ninguém quer ouvir sendo despejadas pelo personagem ao longo do texto. Ele que tem excelentes teorias sobre diversos assuntos e certamente vai fazer vc no mínimo repensar/concordar com os seus pensamentos. Coisa phina, bem humorada e com aquele clássico humor britânico que a gente tanto gosta, já tão característico das dramédias.

Outra característica que distancia um pouco a série inglesa dos médicos do Seatle Grace é o fato do elenco principal ser praticamente todo masculino. Temos Stuart, o mais inteligente da turma e responsável pelas teorias mais sensacionais na trama, aquele que aproveita para esconder atrás de uma armadura muitas vzs prepotente e até mesmo prática ou fria, toda a sua insegurança e seus medos.  Ashley (Richard Madden, que nós conhecemos tmbm como o Robb Stark de Game Of Thrones)  que é o escape gay da trama e que repete um pouco daquele estereotipo que a gente tinha e adorava em Queer As Folks, com o gay bem resolvido e com uma cabeça bem “masculina” para quebrar um pouco do estereotipo (mais ou menos quebrar e mais para entender mesmo, fikfik), Por fim, temos o terceiro elemento do grupo de paramédicos, Rachid (Kayvan Novak) o novato/estagiário estrangeiro e boy magia do deserto (Höy!), que é o mais descontraído entre eles, a veia cômica mais goofy da série.

No meio de todos esses meninos temos também uma representante do sexo feminino para quebrar um pouco dessa testosterona toda. E ela é Maxine (Amy Beth Hayes), que apesar de ser loira e insegura como a maioria das mulheres/pessoas normais desse mundo quando o assunto é a sua vida, talvez seja o lado de maior força da série, muito disso por conta do seu cargo como policial, mostrando que muitas vezes as mulheres são muito mais duronas do que qualquer cara. Suck it!

Os três dividem o espaço em uma ambulãncia verde e amarela pelas ruas inglesas, a procura de socorrer novas vítimas e enquanto isso, vão vivendo e discutindo várias situações do cotidiano, como o medo de compromisso que todo mundo tem, inseguranças, sexo e até as relações muitas vezes complicadas com a própria família que muita gente pode se identificar.

Aqui temos um humor bem menos escrachado do que em Childrens Hospital por exemplo, mas nem por isso a série perde a graça. As piadas são todas muito bem construídas e geralmente em torno do fracasso, o que ultimamente vem sendo o meu tipo de humor preferido.

Eu sempre acho as produções do Channel 4 bem modernas e essa vontade hipster é possível de ser percebida facilmente em Sirens e isso pelas sequências fundamento, sempre com a câmera buscando algum ângulo diferente ou uma nova perspectiva para que a gente possa enxergar a série. Cool! Algo que me lembrou o começo de Skins, lá em sua famosa Season 1 e em um dos episódios, eles aproveitam bem o fundamento da melhor série teen para começar o ep e melhor, ainda fazem piada com isso, com todo o delicioso e amargo sarcasmo inglês.

Apesar de poder soar a princípio como mais uma série médica, Sirens foge logo de cara de qualquer um desses estereótipos que nós já conhecemos e é possível perceber isso logo de cara, onde em um curto espaço de tempo vc já começa a se importar com a história dos personagens que até então vc desconhece, se envolvendo cada vez mais com a rotina daqueles caras e a relação de amizade e intimidade que eles vão criando ao longo da temporada. Impossível não torcer para que no final da temporada, o trio de paramédicos permaneça juntos.

Stuart e Ashley mantém uma relação de amizade sincera, que com o tempo vc vai percebendo que algo importante foi construído entre eles, provavelmente por conta da convivência no trabalho, além de uma óbvia identificação é claro. Um respeita o espaço do outro e consegue entender os seus limites. Tipo BFF, tanto que um é o “I.C.E.”  (piada para quem já assistiu a série…) do outro, mesmo que ele não saiba disso. Já o Rachid chega para bagunçar um pouco a relação e balançar as estruturas. Apesar de mais cara de pau, tentando se intrometer em assuntos que ele não tem a menor noção de até onde ele pode chegar, fica claro que ele esta tentando conquistar o seu espaço dentro daquela relação. Rola até uma disputa divertidíssima pelo posto de macho alpha da ambulância, howcoolisthat? E ao final da temporada é possível perceber o orgulho dos outros 2 personagens, em ver o grandalhão crescendo na profissão e merecendo de vez o seu espaço dentro da ambulância.

Acho excelente o episódio com o primeiro “roxo” do Rachid, um dos meus preferidos. Honesto e algo que eu sempre me perguntei quando penso em qualquer pessoa que trabalha na área da saúde e tem que enfrentar aquele tipo de situação, ainda mais pela primeira vez.

Outro ponto alto da série é a competitividade entres os paramédicos e bombeiros, bombeiros esses que sempre acabam chamando mais a atenção por sua mangueira imensa (Höy!) e a fama de herói que eles carregam. Além das piadas com a eterna arrogância dos médicos que se acham no topo da pirâmide da saúde e que ainda não entenderam que trata-se de um trabalho em conjunto.

Ao final da temporada, ainda ganhamos um grande descoberta (que eu já desconfiava da suas intenções desde o princípio) e uma versão super foufa de um deles em miniatura. Além de uma excelente representação nada óbvia do que pode ser o luto para algumas pessoas.

E a série ainda mostra que tem fundamento, pq é baseada no livro escrito por Tom Reynolds, um paramédico da vida real e que conta um pouco dessa rotina. Cool!

E se nada do que eu falei agora fez vc ter vontade de assistir Sirens, fikdik de que a série tem uma das trilhas mais deliciosas e com fundamento da tv atualmente. No mesmo nível de Skins, mas com a diferença de que eles não são muito “temáticos”, rs

Por enquanto encerramos a Season 1, com apenas 6 eps de 45 min, ou seja, larga de tanta preguiça porque não tem porque não assistir hein?

E com certeza depois dessa maratona de midseason, nunca mais Grey’s Anatomy será a mesma para mim, rs. O que não significa que eu tenha desistido do Seatle Grace, só que agora não tem mais como eu não enxergá-lo com outros olhos…

John Krasinski como a gente nunca imaginou

Agosto 11, 2011

E o que é esse caretismo todo? Höy!

#TEMOCOMONAOAMAR?

Agora eu tenho novidades sobre a volta de The Office. Diz que o casal Jim and Pam vão voltar para a nova temporada da série grávidos do segundo filho do casal. Howcuteisthat?

Ansioso mil pelo caretismo do Jim!


%d bloggers like this: