Posts Tagged ‘The Playboy Club’

Alguém tem alguma dúvida de que o Neil Patrick Harris nasceu para apresentar o Tony Awards?

Junho 10, 2013

Bom, se alguém ainda tiver alguma dúvida, acho bom assistir a esse número de abertura do 2013 Tony Awards que aconteceu ontem em NY, com o NPH dando o sangue naquele palco, só para acabar com qualquer tipo de incerteza quanto a essa fato que ainda possa existir na cabeça de qualquer um . Sério, eu até agora não consigo acreditar em como ele conseguiu decorar tudo aquilo…

Como o musical do ano, tivemos a eleição de Kinky Boots, que tem músicas da Cyndi Lauper (que também ganhou o seu prêmio) e acabou levando os grandes prêmios da noite, incluindo o de Best Performance by a Leading Actor in a Musical para o Billy Potter. Outra grande apresentação durante a cerimônia foi a do elenco de Matilda (maravileeeandro e que você pode ver aqui!), que junto com PippinWho’s Afraid of Virginia WoolfThe Nance, além do próprio Kinky Boots, parecem ser os grandes musicais da vez na Broadway.

Mas a performance mais bem humorada da noite sem dúvida foi essa que contou com os atores Andrew Rannells (da cancelada INJUSTAMENTE The New Normal e recorrente em Girls), Megan Hilty (de Smash) e Laura Benanti (Go On e The Playboy Club), que se juntaram ao NPH para cantar sobre a troca que fizeram da Broadway para TV no passado e como todos eles acabaram com suas séries canceladas. Sensacional! (e sobrou até para o DiMaggio de Smash, sentando ao lado da sua Grace na audiência, rs)

Clap Clap Clap!

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

O quão estúpida é preciso ser para se tornar uma coelhinha da Playboy?

Outubro 5, 2011

Sim, eu estava assistindo The Playboy Club e aceito as vaias. (UUUUUU)

No começo eu fui atraído pelo climão antigo da série, que se passa em Chicago dos anos 60 (e até começa de forma parecida com “Chicago”) e tinha todo aquele apelo bem óbvio que a gente tanto gosta, de uma época que não tivemos chance de conhecer pessoalmente, rs. Depois gostei do climão do primeiro episódio, com direito a momento musical by Tina Turner e que de quebra ainda teve um dos assassinatos mais cretinos e engraçados que um mafioso poderia ter. Mas só consegui ficar com as minhas orelhas de coelho em pé por dois eps…

E isso se deu até que, comecei a notar uma vontade muito grande, talvez até descarada, de ser a nova Mad Men. Hmm mmm

Tirando algumas visíveis semelhanças do personagem do Eddie Cibrian (que só tem uma cara desde Third Watch, tisc tisc…), a começar pela silhueta das imagens promocionais da série, que é bem parecida com a de Draper em Mad Man, e uma entonação de voz (talvez seja até a voz dele mesmo) bem próxima a do protagonista da série do AMC, que me pareceu forçada demais e assim, eles ficaram mesmo apenas presos em uma vontade constrangedora de ser maior do que eles realmente conseguiriam ser.

Mas o que me fez desistir de vez da série no seu segundo episódio, nem foi tanto esse “wannabe Mad Men”. Não consegui suportar o tamanho da estupidez da protagonista, que foi o que me levou a pergunta do título do post: o quão estúpida é preciso ser para se tornar uma coelhinha da Playboy?

Sério, a coelha loira do clube foi a responsável pelo assassinato do tal mafioso, que acabou sendo jogado no mar pelo personagem do Eddie Cibrian. Até ai tudo bem…

Mas não é que ela sabiamente (NOT) resolve me guardar a chave do clube da sua vítima (que poderia ser uma prova do crime, mesmo estando longe dos tempos de CSI, rs) e ainda me deixa a sua roupa coberta de sangue dando sopa no seu quarto, em uma casa que ela divide com outras 34754 meninas e que certamente cedo ou tarde seria encontrada?

Sério? Não pensou em sumir com essa chave? Botar fogo na roupa? Tingir o cabelo de preto e mudar de país? Hein?

E todo essa amadorismo, ou melhor, toda essa estupidez mesmo, me fez desistir de vez das coelhinhas. Mas parece que eu não fui o único e até a NBC já anunciou o cancelamento de The Playboy Club, o que não me espanta…

É, realmente esse limite entre a ingenuidade, a estupidez e a burrice pura me incomoda, e muito.

Mas pensando bem, talvez esses motivos todos nem tenham sido o que realmente me levou a desistir da série…

Talvez eu não tenha suportado continuar assistindo a série pelo fato de que ter sido uma coelhina antiga naquele tempo pode até nos enganar a princípio, com todo aquele glamour daquela época, mesmo com o fundamento e finalidade sendo os mesmos até hoje, que nós bem sabemos (o que me fez julgar a série desde o princípio). Mas acontece que vivemos no futuro e todos nós já sabemos também como e onde essa história vai terminar, e a paisagem atual de um mar de silicone cada vez maior e recheado de fichas rosa, não é legal e acaba com qualquer feitiço.

R.I.P Bunny


%d bloggers like this: