Posts Tagged ‘Tolo’

Talvez você nunca nem tenha sido tão famoso assim, Shia Labeouf

Fevereiro 12, 2014

Shia

Ainda bem que nós, que sempre nos importamos quase nada com o pouco talento de Shia, não perdemos muito tempo com ele, não é mesmo? No máximo o equivalente a 1 “Transformers”, vai?

Mas pior do que ter pouco talento para qualquer coisa é ter pouco talento para qualquer coisa e cometer plágio.

Sem contar que, para ter coragem de aparecer em público assim, com cara amarrada e boné de pescador que não deu muita sorte com a sua varinha dessa vez…

Nymphomaniac

…é melhor mesmo manter o saco na cara. Grato.

#DOUCHEBAG

#VAIVIRARPIPOQUEIROSHIA

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

Amor e outras drogas que encontramos na farmácia

Fevereiro 9, 2011

Uma pena que o filme seja apenas mais uma comédia romântica. Uma pena mesmo…

Esse é o problema quando vc coloca dois nomes promissores do cinema no mesmo projeto, porque assim com esse peso, vc já espera o melhor. Eu por exemplo, quando vi o nome do Jake Gyllenhaal e da Anne Hathaway no mesmo filme e com o título de “Love & Other Drugs”, achei mesmo que talvez o filme fosse realmente bom, afinal, ambos já provaram que tem talento de sobra em alguns dos seus trabalhos anteriores.

Mas o filme é fraco, não chega a ser ruim, mas é bem fraco e foi dirigido por Edward Zwick (“Last Samurai” e “Legends Of The Fall” ). Históreeenha de amor “triste” de duas pessoas que não estão preparadas para se apaixonar , que se encontram por um acaso e acabam descobrindo o amor. Zzzz

Nada que vc já não tenha visto no passado, como em “Sweet November”, mas dessa vez, a mocinha da história sofre do mal de Parkinson, bem precoce aos 26 anos. Achei boa a parte de “stand up comedy” daquelas pessoas na reunião de quem sofre de Parkinson, que eu não sei se são pessoas reais ou atores, mas que me pareceram bem sinceros em seus depoimentos sobre a doença. Gostei do tipo de humor.

O vilão da história fica por conta da indústria farmacêutica e a sua conhecida manipulação em troco de uma boa bufunfa ($$$Catching). O filme se passa em meados dos anos 90 e talvez a história tivesse a intenção de mostrar o começo do drama que a américa antiga vive no momento atual, com parte de sua população viciada em rémedios e com uma farmácia em cada esquina. Dra-ma!

Mas se essa foi a intenção do filme, eles passaram longe de demonstrar essa real e séria preocupação. Tudo ficou muito velado e talvez até por isso, a Pfizer tenha aceitado aparecer no filme em diversos momentos. Em “Love & Other Drugs” eles mostram também o nascimento do Viagra e como a droga se tornou tão popular rapidamente, gerando grandes lucros para todos os envolvidos.

Talvez a intenção fosse a de mostrar a tal manipulação da indústria da farmácia e o seu jogo de interesses, mas achei a mensagem nesse caso um tanto quando fraca e meio perdida ao longo do filme. Ou seja, não surtiu o efeito. Nada como vimos em “O Jardineiro Fiel” por exemplo, que aborda o assunto de forma direta e com muito mais força, deixando todo mundo de queixo caido. (eu pelo menos fiquei…)

Outra coisa que chegou a me incomodar bastante e isso pode ser até um pecado de ser dito, mas achei meio gratuita todas aquelas cenas de nudez. Mesmo com toda a magia envolvida.

E olha que eu estou longe de ser careta, mas achei tão desnecessário toda hora um peito pulando para fora, uma bundinha escapando aqui e ali, ou aquelas cenas de meia silhueta onde vc acha que viu, mas na verdade não esta vendo nada demais. Achei tolo.

Talvez porque a pegação no filme começa, ai rola um corte e depois já pulamos para o final. Se houvesse uma continuidade, eu teria achado as cenas mais bonitas pelo menos, ou melhor aproveitada.

Sinceramente, achei que tanto a Anne quanto o Jake escolheram pagar bundeeenha no projeto errado. Fikdik para os seus agentes que eles desperdiçaram esse momento.

Por exemplo, quando o Jake aparece nu, apenas coberto por uma almofada, eu me lembrei de “American Pie” e isso não é bom, não a essa altura do campeonato. Achei tolo, achei comédia boba e achei ingênuo demais. Fora que eu não achei sexy, mesmo tendo no elenco dois atores dos mais desejados ever.

A única cena que funcionou no filme para o meu olhar, foi quando eles se pegaram para valer na primeira vez, na cozinha da casa dela, na parte que eles ainda estão vestido. Aquele começo eu achei HOT HOT HOT. Ai corta para os dois no chão e vc vê uma bundinha, mas nada demais. Se tiveseem passado mais tempo nas preliminares, teria surtido pra mim um eifeito mais assim, talvez eu soltasse até um: Höy! Mas não aconteceu…

Durante o filme temos uma reunião de clichês tolos e um final previsível demais. Sinceramente? Achei que a essa altura, nenhum dos dois (que eu AMO)  precisava desse tipo de papel, prontofalei.

E a minha revolta fica por conta da trilha do filme, ou a ausência dela. Achei a trilha do trailer bem melhor…

Ou seja, assistam em DVD  quanto estiverem em casa com preguiça e não esperem muito porque é só mais uma comédia romântica com um pouco de nudez, mas que nem anima muito, apesar de toda a magia envolvida.

Casal preguiça…

Julho 28, 2010

Juro que eu não tenho saco para esses dois… (mas ele parece que tem, rs)

Além de feio de dar dó, quem foi que disse que ele é engraçado hein?

E a Katy Perry caricata já me irritou. Antes era o look wannabe pin up de sempre, agora ela migrou para o look boneca tola que jura que esta em Wonderland. Zzzz

Mas se tocar California Girls na buatchy até que eu danço…

Se manca, cafona! (#Gloria Feelings)

Continuando o fundamento de não pensar muito no finde, + 2 filmes

Julho 26, 2010

Resolvi dar uma chance para Uma Thurman tentar me resgatar das minhas escolhas tolas para o finde (mesmo que propositalmente), e apostei em “Motherhood”.

Primeiro que o filme tem a Uma + duas crianças foufas mil neam? O que já garante alguma coisa…

Segundo que ele se passa em NY, e na vizinhança de F.R.I.E.N.D.S…vc quer mais o que neam? Piadeeenha sobre os turistas fotografando o prédio histórico, rolei

Mas é bem água com açucar, do tipo: sou mulher, mãe e blogueira (me2)  e nunca tenho tempo para mim mesma. Tenho sonhos poxa vida! Zzzz

Ficam acostumando esses maridos a serem tratados como crianças e ai perdem o controle neam?

Blame yourself!

No final é claro que da tudo certo e a festa da filha dela rocks!

ps: o figurino do filme é desastroso. Tudo bem que essa é a proposta, mas eu achei tudo muito, muito feio.

Na sequência, eu resolvi assistir “Love Happens”, meio que com preguiça, mas já que estava aqui mesmo e eu  ainda estava curtindo esse clima de comédias românticas tolas…porque não?

Antes tivesse parado por aqui…

O filme até que começa ok, mas ai vai pra um dramalhão meio chato demais e tirando a idéia dela de leva-lo para assisir a um show com ingressos esgotados, sentados naqueles carros que servem para arrumar postes nas ruas sabem? Que tem um cesta que o técnico fica dentro? E tmbm as palavras  exóticas que ela deixa escrito por ai, que eu achei de certa forma, inspirador. Então, tirando isso, eu achei tudo bem chato. Zzzz

Fora que eu não senti um clima entre os dois, o que eu achei uma pena. Será que eu dormi, ou eles passaram o filme inteiro sem pegação nenhuma? Eu só reparei um beijeeenho tímido no final de tudo. E ai não da neam? Mesmo porque eles ficam juntos quase que no começo da história, não é uma relação que vai acontecendo ao longo do filme, ela acontece de fato, mas eles resolveram não mostrar nenhum contato físico. Boring!

E a presença de uma das cenas mais clássicas e talvez mais bocó de todas, aquela em que alguém se emociona e começa a bater palmas lentamente, o que vai aos poucos sendo acompanhada pelos demais presentes, acaba de estragar de vez o filme. Sério, eu fico pensando que se eu fosse ator e se no meio das filmagens o diretor pedisse para eu fazer algo do tipo, eu juro que eu diria: como vc é cafonona hein?

Resumindo tudo, eu teria pulado esse.

Mas agora chega, digo: basta! Meus dias para não se pensar muito se foram e agora eu já estou sentindo até falta de votlar a pensar novamente…

OMFG, será que depois de tudo isso eu fiquei burro?

Se não fosse por “Away We Go” eu acho que isso até seria possível, tipo uma lavagem cerebral ala Clockwork Orange (versão bem light), mas eu falo do filme depois, pq esse sim merece um grande espaço aqui no Guilt.

E digo mais, comédia romântica é para os fracos…

Ba-ba-ca!

Julho 13, 2010

Tem gente muito tola nesse mundo neam?

Ainda se ele tivesse fazendo um protesto pelo péssimo final da série, eu talvez até fosse lá dar uma força (tisc tisc)

Mas um protesto só por saudades? Zzzz

E para que serviu a Dharma mesmo?

Silly!

Seu passado te condena Essy…

Julho 2, 2010

Estava eu na segunda em meu quarto, realizando uma pequena arrumaçán, em meio a um grande bota fora de coisas que eu não uso mais, roupas datadas, jeans com lavagens exóticas e vários outros báfus do passado.

Entre uma tirada de pó e outra eu me deparei com a caixa dos meus cds (não é bem uma caixa, mas enfim). Acredita que eu nem me lembrava mais deles? Blame a modernidade e os mp3 da vida

Entre eles, todos os cds dos Strokes, Coldplay, a saudosa Lauryn Hill, Alanis antiga, muitos da Madonna, 1 dos Libertines, Franz Ferdinand, Red Hot Chilli Peppers, Nirvanna e pencas de Britney (rs) e White Stripes.

Cds que durante muito tempo foram muito importantes para mim. Minha companhia…

Mas, tirando um pouco mais de todo aquele pó, me deparei com o meu passado negro: os Backstreet Boys!

OMG, não acredito que eu vou confessar isso aqui para me garantir um chocho eterno e risadas histéricas dos meu amigos, mas eu tmbm já fui adolly e gostava pencas do BSB (sim, e eu falava BSB). Mas não contém para ninguém hein? Segredo nosso selado com cuspe (ew!)

Achei mais de 20 cds deles (sério, + de 20), entre cds mesmo e singles. E é claro que eu tinha pencas de posters tmbm neam? E recortes de revistas, da Capricho então…rs

Mas sabe que me deu até uma saudade? Não vou mentir, deu sim! Naõ deles é claro, mas daquele tempo.Ai ai (humpf!)

Ahhhhhh, todo mundo já foi meio silly um dia neam? Eu bem fui e não me envergonho disso, fatão! (um pouco, fatão!)

Ficava horas ouvindo todos os cds, traduzindo as letras, ou vcs pensam que o mundo era igual hoje em dia? Hein?

Me lembro até da propaganda que passava na tv a toda hora e quem apresentava a tal propaganda era a Camila Pitanga até.

Devo ter levado os meus pais a falência, com tudo o que eu comprava deles. Além de ter feitos muitos trabalhos de escola para terceiros da minha sala, em troca de um bom $$$ Catching neam? Sempre fui meio empreendedor, rs

Assistia todos os dias a MTV, onde sempre passava um video, uma entrevista de segundos. E haja video cassete e fitas para gravar isso tudo neam? Mas essas já foram parar no lixo (pena!)

E vcs querem saber o pior de tudo? O meu podre não para por ae não…sisegura!

Momento históreeenha Guilt apresenta:

O meu encontro com os Backstreet Boys

Eu ainda fui no show deles em 2001, com a minha prima querida (smack G.) que tmbm adoraaava todos eles. Chegando lá, quando finalmente entramos no Anhembi (depois de enrolar pencas umas pessos que distribuíram senhas na fila)  eu resolvi ir ao banheiro, não tinha muita gente já lá dentro do espaço, mas já tinha o suficiente para não nos garantir um lugar na grade (snif). Quando voltei, todas as meninas estavam com um mascara com a cara deles (o BSB) e todas eram loiras, logo eu me perdi da minha prima, que provavelmente tmbm estava usando a sua. Sendo assim, depois de procura-la e não conseguir acha-la eu fui me arranjar lá na frente que eu não sou tolo neam? (bem que eu era. BSB? Really?)

Acabou que com muito jeito e simpatia eu consegui o meu lugar na grade do show (primeira e última vez na vida!) e fiquei lá, de frente com todos eles o tempo todo, cantando todas as músicas emocionado (que vergonha…) que é claro que eu sabia de cor. Me lembro bem dos seguranças rindo da minha cara, que era a única pessoa com 1,80 ali naquela grade e eu não nem confiança para eles neam? Fiquei lindo e loiro (mentira que eu nem sou loiro) lá na frente, o show inteiro.

Cantei pencas (me lembro até hoje do calor dos efeitos especiais que rolavam no palco antes deles entrarem, quase que eu morri queimado com aquilo), me comuniquei com eles, fui notado (euri, nem tinha como não neam?), fiquei de frente com o meu Backstreet Boy preferido (Brian), que ainda me imitou e fez a coreô que eu estava fazendo na hora, parou na minha frente, arregalou os olhos azuis e me deu uma piscadela (beijomorrineam?). E o Kevin hein? Me lembro dele até hoje surgindo no palco e eu gastando todo o meu inglês naquela época e fazendo toda uma comunicação. Até amigo da namorada de um deles eu fiquei, uma foufa toda tatuada que ficou o show inteiro sentada perto de onde eu estava. Pois é, ahazei! ka ke ki ko ku

Ai que vergonha…

Fui fã de uma boy band… meodeos!

E ai fico eu todo hipster, jurando que sou moderno, que gosto de rock e coisas modernas e inteligentes, quando na verdade assim como todo mundo eu bem tenho um passado negro. E quer saber? Nem li-go!

Fui mesmo tolo quando ainda estava na hora de ser mesmo, assim como hoje em dia são os fãs da Miley, dos Jonas, dos Hansons (hein?), do Justin Bieber e por ai vai…

Ainda bem que em um certo ponto todo mundo evolui neam? Todos eu não diria, mas alguns pelo menos vai?

Enfim, essa é a minha vergonha que nem é tão vergonha assim mas não deixa de ser uma vergonha.

E com essa história toda, eu lembrei desse video que eu vi na semana passada (por acaso, rs) de uma apresentação surpresa que o BSB  (ainda falo assim? Really?) fez ao lado dos New Kids On The Block. Howcoolisthat?

É, nem é tão cool assim…mas, blame the dirty pop! E além do mais, esse blog é meu e:

I want it that way! (rs)

ps: e se tiver tocando no rádio um BSB antigo é possível que eu ainda saiba a maioria das letras, rs


%d bloggers like this: