Posts Tagged ‘Wilfred’

A temporada em que Wilfred deveria ter sido mandado para o adestramento

Outubro 17, 2012

Minha relação com Wilfred não de foi amor a primeira vista e até mesmo na minha review antiga sobre a primeira temporada da série, eu já havia revelado que foi necessário pelo menos uns três encontros para que a gente se acostumasse um com o outro e eu resolvesse adotá-lo. Depois disso, passei a entender melhor a série e aceitar de coração aberto a sua proposta, que me parecia ser bem divertida justamente porque a série também não parecia ser do tipo que se levava muito a sério, então estava tudo certo.

E esse talvez tenha sido o grande e maior erro da Season 2 de Wilfred, que foi quando a série passou a se levar a sério demais e com isso foi percorrendo um caminho cada vez mais sombrio, até mesmo para quem tem um senso de um humor bem treinado como eu até considero que seja o meu, do tipo que está bem acostumado a assistir diferentes tipos de comédias.

Na verdade, tudo meio que continuou mais ou menos igual e a dinâmica entre Wilfred ((Jason Gann) e o Ryan (Elijah Wood) permaneceu praticamente a mesma de sempre. Os mesmo joguinhos infernais, a mesma tarefa de sempre para o Wilfred, que não é de hoje que vem fazendo as vezes de uma espécie de consciência do Ryan, que o acaba forçando a fazer coisas que normalmente ele não faria ou que vem exercendo o papel de bully para com o vizinho da sua dona. Tudo até que parecia bem igual durante essa nova temporada, exceto por um detalhe: dessa vez eles resolveram levar muito a sério o porque do Ryan conversar com um cachorro como uma pessoa normal e com isso, foram embarcando dentro de um universo que provavelmente eles ainda não estavam prontos para encarar e talvez não fosse nem mais tão necessário assim.

Já começamos a temporada questionando o porque de tudo isso, dando continuidade ao que ficou em aberto ao final da Season 1 em relação a verdade sobre Wilfred, sobre o que realmente teria acontecido com o Ryan para que ele passasse a ver o cachorro como humano, mas o problema foi que esse se tornou um assunto recorrente demais dentro da série, voltando como plot principal por pelo menos quatro episódios durante essa temporada e  o pior de tudo é que esses questionamentos todos continuaram sem nenhuma resposta (como se alguém se importasse), como se Wilfred e Ryan estivesse perseguindo seus próprios rabos o tempo todo, rodando em círculos e sem chegar a lugar algum.

Respostas que sinceramente nem esperávamos ter uma vez que já aceitamos que a proposta da série é a de ter um homem adulto conversando com um outro homem adulto vestido com uma fantasia barata de cachorro desde a temporada anterior e hoje em dia, realmente pouco importa o porque de tudo aquilo. Como resolução para a série, até acho que seria OK voltar a esse assunto, mas não revisitá-lo a todo instante, em bad trips confusas e repetitivas (o que até seria justificável pelo tanto de tempo que eles passam fazendo a gente sabe bem o que no porão), que no fundo não serviram para levar a sua audiência para lugar nenhum. Honestamente, estamos mais do que acostumados com essa ideia deles conversarem como duas pessoas normais e eu não imagino alguém dentro da atual audiência da série que ainda se preocupe ou espere por uma explicação “científica” para o que acontece na dinâmica desses dois personagens. Sinceramente, WHO CARES?

Tudo bem que isso seria algo importante a ser revelado um dia como eu já disse anteriormente, mas vendo a série batendo nessa mesma tecla constantemente, tudo acabou ficando um pouco exagerado demais, como se o Ryan estivesse dando muita importância a esse detalhe da sua vida que ou precisava ser resolvido de uma vez por todas, ou precisava ser deixado de lado e já ter se tornando algo natural para ele depois desse tempo todo. Seria muito mais legal (e real até) se o personagem aproveitasse o grau da sua loucura ou colocação para rir dessa situação absurda e não ficar buscando uma resposta para esse seu issue que como eu também já disse, talvez não precise nem ser explicado. E olha que nessa temporada tudo para o Ryan parecia estar mais bem resolvido, com emprego, namorada, tudo caminhando dentro da normalidade e talvez por esse motivo também, todo esse conflito do personagem permanecer tentando entender a presença do Wilfred em sua vida, acabou parecendo um pouco descabido nesse seu atual momento. Se fosse na temporada anterior até que tudo bem, mas não agora.

E se e por um lado os plots sobre a participação do Wilfred na vida do personagem acabaram pesando demais devido a insistência, por outro lado o próprio comportamento do cachorro passou a ser um grande incomodo dentro da série, principalmente em se tratando do plot também recorrente que é a escatologia. EW! Mesmo que ele tenha continuado sendo o mesmo bad dog de sempre e nada pareceu muito diferente em seu péssimo comportamento do que já havíamos visto anteriormente, dessa vez, a sensação que ficou foi a de que talvez eles tenham se perdido um pouco dentro dos próprios limites que eles não conseguiram encontrar ou definir dentro da série.

É claro também que falar de limites em uma série onde encontramos o Frodo conversando com um cara vestido de cachorro é quase um paradoxo (e olha, até piada sobre a tarefa de carregar o anel nós tivemos durante essa temporada), mas em muitas vezes durante essa Season 2, algumas das piadas da série acabaram imprimindo um certo exagero forçado demais e foram ficando sem a menor graça, justamente por essa falta de limites. Por isso, acho que Wilfred deveria ter sido mandado para o adestramento durante essa temporada.

Ainda assim, tivemos excelentes momentos durante essa Season 2, onde ganhamos a participação da Alisson Mack (ex Chloe em Smallville, mas com o mesmo cabelo, só que em outra cor…) como a possível Sr. Ryan, onde descobrimos através do tempo que na verdade ela era muito mais maluca do que o próprio Ryan parece ser, além de uma participação maior dos personagens secundários, principalmente com a inserção do ambiente de trabalho do personagem principal na série. Aliás, a visita de Wilfred a empresa foi memorável e nos rendeu boas piadas. Outro momento ótimo foi a versão depressiva do cachorro, com direito a franjão e lápis de olho, além de uma tentativa de suicídio, claro. Mas nem mesmo a participação especial do ator e comediante (atualmente bem do sem graça) Robin Willians conseguiu salvar a temporada desse abismo que eles mergulharam e se perderam.

E ao mesmo tempo em que tudo parecia estar exatamente no mesmo lugar de antes e isso talvez indique que a série se acostumou demais a sua própria fórmula,  esse lado mais sombrio da temporada acabou sendo realmente um grande incômodo, deixando tudo “pesado” demais para um série de comédia. E por pesado, eu quero dizer “sombrio” ou “nebuloso” demais e não que eles tenham exagerado no tom da comédia, onde eu até acho que dentro da série, esse tipo de limite seja algo até distante de ser alcançado. Mais ou menos como um bad trip de onde está sendo bem difícil sair até agora. Talvez Ryan e Wilfred tenham passando muito tempo naquele porão do colocón…

Ao final da temporada, até achei que eles tentaram novamente meio que “finalizar” a série e ao mesmo tempo deixaram um gancho (embora seja o mesmo do mesmo) para o seu possível retorno, ainda não confirmado pelo FX, onde novamente voltamos a falar sobre o assunto mais recorrente da temporada, que eu já disse qual para vocês ao longo dessa review. E por esse motivo e por tudo que vimos durante essa nova temporada que foi bastante custosa, fiquei me perguntando seu eu realmente sentiria falta das lambidas de Wilfred na próxima temporada ou se realmente já não havia mais espaço na TV para uma série tão específica como essa e se o seu latido e comportamento inadequado de um bad dog já havia sido o suficiente para mim, uma vez que eu não sou o seu dono e não preciso ter que lidar com isso por mais tempo. Talvez nem o Ryan precise mais, afinal, o cachorro também não é dele…

#DONE

 

♥ Já está seguindo a magia do Guilt no Twitter? Ainda não? @themodernguilt

A nova “Dama e o Vagabundo”

Abril 9, 2012

Novo promo de Wilfred, que estreia na america antiga a sua Season 2 no dia 28 de Junho.

Mas o que? Vc ainda não conhece Wilfred?

Wilfred, um cretino adorável

Setembro 16, 2011

Se vc parar para pensar sobre a ideia principal da série, que é ter um homem adulto (embora tenha cara de criança), conversando com um outro homem adulto vestido em uma fantasia sem vergonha e bem vagabunda de cachorro, vc certamente já vai criar uma certa barreira ao pensar em assistir a Wilfred. Mas isso é pura bobagem…

A principio, eu já adianto que não é muito fácil de se apegar a Wilfred, e vc vai precisar de pelo menos uns 3 episódios para começar a gostar de suas lambidas ou acostumar com o seu latido.

Wilfred (Jason Gann) é um cachorro sarcástico, um verdadeiro bully, e funciona meio que como uma espécie de consciência do Ryan, personagem do ator Elijah Wood, forçando-o a tomar atitudes que a sua personalidade pacata e meio bunda mole jamais tomaria em seu estado normal.

Toda essa história da amizade entre os dois começa quando Ryan resolve acabar com a sua vida, tomando vários comprimidos para tentar o suicídio (que depois descobrimos que nem remédio de verdade era…), algo que para o seu desespero não acontece, mas acaba deixando um efeito colateral, que é o fato dele passar a enxergar o cachorro da vizinha por quem ele é apaixonado comO um humano. Ou melhor, um humano cosplay de cachorro.

A história demora um pouquinho para engatar e vc conseguir passar a acreditar nessa situação meio absurda, que eles não fazem a melhor questão de explicar do porque dele ter acabado com esse tipo de efeito colateral e tão pouco fazem questão de mostrar Wilfred como um cachorro de verdade para o resto das pessoas. Talvez também o nível altíssimo de colocón em que Ryan e Wilfred se encontram constantemente no porão seja a maior justificativa para isso.

Mas depois de dois ou três episódios vc acaba comprando essa história e ao poucos vamos nos apaixonando por Wilfred, mesmo ele sendo um total canalha. Ladrão, infiel, egoísta  do tipo que é capaz de fazer qualquer coisa para o seu próprio benefício, esses são alguns dos adjetivos que podemos dar com facilidade para o cachorro e eles fazem questão de deixar bem claro na série que Wilfred não é flor que se cheire e isso em quase todos os episódios, pintando o animal como um grande douchebag.

Sem contar tudo que ele apronta com o pobre Ryan ao longo da temporada, que vai de pequenos furtos, até encarar o vizinho valentão e largar um presentinho marrom dentro da sua bota (Ew!), ou colocar a culpa de um crime ocorrido na vizinhança em uma criança ou até mesmo em um mendigo, além de também obrigar o seu novo amigo a transar com uma girafa de pelúcia (euri). No universo de Wilfred vale tudo e eu confesso que por mais absurdas que possam parecer qualquer uma dessas situações acima, todas elas tem a sua graça e acabam funcionando como “grande lição do episódio”.

Falando nisso, o que é a relação conturbada e extremamente sexual entre Wilfred e o (a) Bear? Euri

E com certeza, os momentos mais divertidos da série estão contidas nas situações que um cachorro normal se encontraria. Por mais que os roteiritas se esforcem para colocar a dupla em situações ridículas, a maior graça da série esta na simplicidade de situações comuns, como o cachorro perseguindo loucamente uma ponto de luz vermelha, ou ele completamente enfeitiçado por bolhas de sabão. Toda e qualquer situação comum que eles colocaram o cachorro ao longo da temporada, se tornaram as melhores piadas da série até agora.

Outro bom momento que eles encontram como motivo de piada são as referências, algo muito comum atualmente, mas que em Wilfred eles aproveitam para rir da própria referência em si. Como no episódio final com a piada muito bem humorada sobre Lost (suck it!), em um momento onde todo mundo esperava que Wilfred fosse revelar a sua verdadeira identidade (ou função). Rolei!

A falha da série até agora, tem sido concentrar demais toda a sua dinâmica em torno dos dois personagens principais, mesmo eles sendo muito bons juntos e colocar todos os demais em segundo plano. Mas um segundo plano bem distante, onde vc não tem tempo ou interesse em se apegar a qualquer um deles, até mesmo a vizinha, que é a verdadeira dona do Wilfred.

As atuações de ambos os atores principais estão deliciosas na série. Elijah com a sua cara de bom garoto assustado e Jason Gann como o Homer Simpson na versão quatro patas. Divertidíssimos, eles formam uma boa dupla, garantindo boas risadas durante toda essa primeira temporada, que vale super a pena de ser vista, fikdik.

Tenho que revelar para vcs que a minha simpatia quase que imediata com a série se deu porque eu também tenho o meu próprio Wilfred. Mas no meu caso, ele é menina (claro, rs e muito mais bem educada do que o Wilfred também), a cachorra da minha vizinha que eu tomo conta de vez em quando (sem nenhuma segunda intenção é claro) e que escolheu a minha casa como o seu segundo lar, rs, ou como eu costumo dizer, sua casa de férias. Aqui ela passa dias, tardes, e até noites, fazendo graça, rolando de um lado para o outro e obrigando vc a fazer carinho nela. Tudo isso com direito a muitas lambidas (e não adianta mandar ela parar…) e mordidinhas de amor, que ela só dá em mim (logo em quem tem medo neam?).

Nossa relação começou fria, por conta do meu medo de animais no geral. Mas ela foi chegando aos poucos do meu lado, pedindo um carinho aqui, outro ali, e hoje em dia vive pulando em mim sem o menor pudor, quase me derrubando o tempo todo, rs. Acho até que acabei curando um pouco desse meu medo…

Juro que um dia desses escutei alguém chamar e quando sai na janela para olhar quem estava lá embaixo, lá estava ela, sentada em frente ao portão e olhando para a minha cara. Tenho certeza que nesse dia ela usou a sua voz para se comunicar…(rs)

Mas  enfim, tivemos uma boa primeira temporada de Wilfred, bem divertida até então e a boa notícia para os mais bem animados com a série é que ela foi renovada para a sua Season 2, ou seja, agora é só aguardar o próximo verão.

ps: post dedicado para a minha querida e maravileeeandra reservoir dog. Rouf Rouf!

É, pode rir a vontade Elijah Wood…

Setembro 8, 2011

…pq todas invejaram a sua tee com fundamento de invasão de zombies. Euquero!

E ele tmbm tem motivos de sobra para rir pq sua série Wilfred, foi renovada para uma segunda temporada. Yei! (não me lembro se eu já comentei isso por aqui, então…)

Ainda bem que agora eu já aceito Wilfred

Agosto 24, 2011

Confesso que não foi amor a primeira vista, mas vou aproveitar essa foto do Elijah Wood no aeroporto (sempre com a mesma roupa…), para comemorar a renovação de Wilfred para a sua Season 2. Yei!

Mas só vou comemorar, pq agora eu entendi a série, algo que demora um pouco para vc se entender…mas disso falaremos mais assim que a temporada atual acabar.

Rouf Rouf!

Então Elijah Wood, não sei ainda se eu gosto mesmo de Wilfred…

Julho 25, 2011

Ainda estou na dúvida. Continuo assistindo Wilfred, nova série do FX que trás o Elijah Wood conversando com um homem vestido de cachorro.

Apesar de parecer ser uma temática exótica, a série até que é divertida, mas ainda tem algo faltando ou me incomodando, só não sei o que ainda…

Talvez o cachorro seja folgado demais? Apesar de ser um foufo e engraçado em alguns momentos, de vez em quando dá vontade de trancar Wilfred no canil, fato.

Mas não desisti ainda…

E o novo Wilfred, hein?

Abril 1, 2011

Wilfred é uma série de origem australiana, que foi sucesso por lá em 2007 e que agora vai ganhar uma versão americana pelo canal Fox e que tem o Elijah Wood no elenco.

Basicamente a série é sobre um cara que enxerga um cachorro como um outro cara. Hmm mm

A princípio achei meio assim, mas fiquei curioso…e achei até esse video com alguns dos melhores momentos da série original australiana

Será que a gente deve dar uma chance para o Elijah na TV, falando com um cara vestido de cachorro?

Não sei, mas ele (o cachorro) me lembrou o Lester de Beakman’s World e talvez por isso eu dê uma chance para a série…


%d bloggers like this: